MOVIMENTOS ANTICOLONIAIS by 07SHMSP

VIEWS: 0 PAGES: 22

									MOVIMENTOS ANTICOLONIAIS
 Contexto mundial do século XVIII –
  Iluminismo, Revolução Francesa,
  Independência dos EUA.
 Conjuração Mineira (1789) – Conjuração
  Carioca (1794) – Conjuração Baiana (1798)
CONJURAÇÃO MINEIRA
 Comando do movimento havia um grupo
  bastante heterogêneo – elite mineira,
  poetas, religiosos e militares.
 Causas: crise econômica, opressiva política
  fiscal da coroa, Alvará de 1785,
  arbitrariedade do governador D. Luis da
  Cunha Menezes ( cartas chilenas).
 Defendiam: estabelecimento da capital da
  república em São João Del-Rei.
 Fundação da Universidade em Vila Rica.

 Perdão das dívidas extensivo a todos.

 Liberação das manufaturas.
 Não havia consenso no assassinato do
  governador Barbacena e abolição da
  escravatura.
 Movimento foi delatado por Silvério dos Reis –
  Dívida com o fisco.
 Em 1792 foi anunciada a sentença dos
  envolvidos.
CONJURAÇÃO CARIOCA
 Debate na sociedade libertária.
 Ideias Iluministas e maçonaria.

 O poeta Inácio da Silva Alvarenga.

 Sociedade denunciada e fechada.

 Os supostos conjuradores foram libertados.
CONJURAÇÃO BAIANA
 12 de agosto de 1798 – manifesto bainense
  “Animai-vos povo bainense que está por
  chegar o tempo feliz da nossa liberdade: o
  tempo em que seremos todos iguais”.
 Influência da Revolução Francesa –
  Jacobinos.
 Participantes – soldados, artesões ex
  escravos e pequenos comerciantes.
 Houve a participação da elite – sociedade secreta
  Cavaleiros da Luz.
 Cipriano Barata – jornalista e médico participou
  de várias conspirações.
 Causas: carestia e falta de emprego,
  deslocamento da capital para a região sudeste,
  saques, incêndio do Pelourinho.
TESTANDO CONHECIMENTO
   Questão 01
   As contradições, amplas e profundas, do processo
    histórico das Minas Gerais, acabaram gerando relações
    que podem ser entendidas através dos antagonismos:
    colonizador/colonizado; dominador/dominado;
    confidente/inconfidente; opressão fiscal/reação
    libertadora. Nesse contexto, a Coroa Portuguesa, em seu
    próprio benefício, desenvolveu uma ação "educativa"
    compreendendo:
   a) o estabelecimento de condições adequadas ao controle
    democrático da máquina administrativa.
   b) a realização de programas intensivos de prevenção dos
    súditos contra os abusos das autoridades.
   c) o indulto por dívida fiscal e o estímulo à traição e à
    delação entre os súditos.
   d) o arquivamento do inquérito e queima dos autos contra
    os inconfidentes.
   e) a promulgação de um novo regime fiscal que acabava
    com a prática da sonegação.
   Questão 02
   Se tudo ocorresse conforme os planos, e a derrama fosse
    imposta em fevereiro de 1789, como se esperava, teria sido
    desencadeada uma ação que poderia, em última instância,
    desfechar um golpe arrasador no domínio português.
    Kenneth Maxwell – A Devassa da Devassa . A
    Inconfidência Mineira, contudo, fracassou. Contribuíram
    para esse desfecho
    a) os incidentes e os confrontos causados,
    precipitadamente, por populares que apoiavam, de forma
    irrestrita, as lideranças.
    b) a idéia de igualdade social e a identidade com
    Revolução Francesa, que reduziram o apoio das elites.
    c) a transferência da capital, de Salvador para o Rio de
    Janeiro, e a conseqüente impossibilidade de estender a
    revolta para além das Minas Gerais.
    d) o fato de o alferes Tiradentes, líder do movimento, ser o
    maior devedor do Tesouro Real e a ausência de alguém
    para substituí-lo após sua condenação à morte.
    e) a suspensão da derrama pelo governador após
    denúncias, o elitismo e o fato do movimento não ter
   Questão 03
   O bicentenário da Conjuração Baiana (1798) recorda as
    rebeliões que, no final do século XVIII, tinham em comum
    refletir a crise do sistema colonial, a qual pode ser
    retratada pelas opções abaixo, com exceção de uma.
    Assinale-a:
   a) Penetração das idéias iluministas e liberais em parcela
    da elite colonial.
   b) Politização das camadas populares, incluindo a massa
    escrava,
   constantemente rebelada, em aliança com a burocracia
    colonial.
   c) Insatisfação crescente com as tradicionais restrições e o
   fiscalismo do sistema colonial.
   d) Influência dos movimentos externos, como a
    Independência dos
   Estados Unidos e a Revolução Francesa.
   e) Liderança das elites coloniais na quase totalidade dos
   movimentos de rebelião.
PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA
DO BRASIL
 Guerras Napoleônicas – bloqueio
  continental.
 A fuga da família real – 1807 – 1808.

 A abertura dos portos – 1808, Tratado de
  1810 ( tarifas alfandegárias).
 Brasil entrou na órbita de influência
  econômica inglesa.
 Defendiam: modificações no sistema tributário,
  aumento do soldo dos militares, representação
  popular e soberana no poder público, liberdade
  de comércio e abolição da escravidão.
 Líderes: Lucas Dantas, Luis Gonzaga, Manuel
  Faustino e João de Deus.
 PRINCIPAIS MEDIDAS ADOTADAS POR D.
  JOÃO VI:
 Alvará de 1º de abril de 1808 – liberdade para
  atividade manufatureira.
 Ministérios: do reino, marinha ultramar, guerra
  e do real erário.
 Conselho de Estado e Supremo Militar.

 Faculdade de Medicina e Belas Artes.

 Missão Artística Francesa.

 Banco do Brasil.
 Política externa – conquistou a Guiana Francesa
  e a Província Cisplatina ( Uruguai).
 Em 1815 o Brasil é elevado a categoria de Reino
  Unido a Portugal e Algarves.
TESTANDO CONHECIMENTOS
   QUESTÃO 01
   O estabelecimento da família real portuguesa no Brasil, a
    partir de 1808:
   a) Significou apenas o deslocamento do imenso aparelho
    burocrático português sem nenhum desdobramento no
    processo de emancipação política brasileira.
   b) Interrompeu os vínculos entre os grupos estabelecidos em
    torno da Coroa Portuguesa e aqueles dedicados às diversas
    atividades econômicas coloniais.
   c) Deu inicio à campanha abolicionista, devido à atuação dos
    letrados portugueses junto aos integrantes da aristocracia
    escravista colonial.
   d) Criou vínculos estreitos entre os grupos dominantes da
    América espanhola e da América portuguesa, unidos contra
    as agressões e usurpações patrocinadas por Napoleão
    Bonaparte.
   e) Deu início à chamada "interiorização da metrópole" e
    permitiu uma aproximação entre os membros da burocracia
    imperial e grupos dominantes coloniais.
   Questão 02
   .(FUVEST) A invasão da Península Ibérica pelas forças de Napoleão
    Bonaparte levou a Coroa portuguesa, apoiada pela Inglaterra, a
    deixar Lisboa e instalar-se no Rio de Janeiro. Tal decisão teve
    desdobramentos notáveis para o Brasil. Entre eles,
   a) a chegada ao Brasil do futuro líder da independência, a extinção
    do tráfico negreiro e a criação das primeiras escolas primárias;

   b) o surgimento das primeiras indústrias, muitas transformações
    arquitetônicas no Rio de Janeiro e a primeira constituição do Brasil;

   c) o fim dos privilégios mercantilistas portugueses, o nascimento das
    universidades e algumas mudanças nas relações entre senhores e
    escravos;

   d) a abertura dos portos brasileiros a outras nações, a assinatura de
    acordos comerciais favoráveis aos ingleses e a instalação da
    Imprensa Régia;

   e) a elevação do Brasil à categoria de Reino Unido, a abertura de
    estradas de ferro ligando o litoral fluminense ao porto do Rio e a
    introdução do plantio do café.
   Questão 03
   A abertura dos portos, realizada por D. João (1808),
    teve amplas repercussões, pois na prática significou:
   a) o aumento sensível das exportações sobre as
    importações, com a restauração da balança de
    pagamentos.
   b) o estabelecimento de maiores laços comerciais
    com Lisboa, conforme o plano de Manuel Nunes
    Viana, paulista de grande prestígio.
   c) manutenção da política econômica mercantilista,
    segundo defendia José da Silva Lisboa.
   d) o rompimento do pacto colonial, iniciando um
    novo processo que culminou com a Independência.
   e) a intensificação do processo da independência
    econômica do Brasil, em face da liberdade industrial.
 1817   – A REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA:
 Primeira oposição armada contra D. João.
 Nordeste – grandes proprietários de terra
  explorados por comerciantes portugueses.
 Crise econômica – queda do preço do açúcar e do
  algodão.
 Difusão das ideias revolucionárias através de
  sociedades secretas ( Areópago de Itambé) e o
  seminário de Olinda.
 O movimento foi duramente reprimido.
 1820 – a revolução liberal do Porto:
  antiabsolutista para Portugal e recolonizadora
  para o Brasil.
 1821 – D. João retorna para Portugal.

 Partido brasileiro X liberais radicais.

 Dia do Fico – 09 de janeiro 1822.

 Decreto cumpra-se.

 Convocação de uma assembléia constituinte

 07 de setembro de 1822 – Independência do
  Sudeste.
 02 de julho de 1823 – Independência da Bahia.

								
To top