Apresenta��o do PowerPoint by 6MgQeS

VIEWS: 19 PAGES: 19

									                        EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO DE ÁCIDO
                        FÓLICO SOBRE AS CONCENTRAÇÕES DE
                          HOMOCISTEÍNA PLASMÁTICA EM
                             HIPERTENSOS MEDICADOS



                             Avany F. Pereira, Maria Dorotéia Borges-Santos,
                                Ana Elisa M. Rinaldi; Franz H. P. Burini,
                                            Roberto C. Burini




www.cemenutri.fmb.unesp.br         UNESP – CeMENutri - Botucatu- SP
 cemenutri@fmb.unesp.br
                                        RESUMO
EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO DE ÁCIDO FÓLICO SOBRE AS CONCENTRAÇÕES DE
HOMOCISTEÍNA PLASMÁTICA EM HIPERTENSOS MEDICADOS

PEREIRA, A .F12; BORGES-SANTOS, M.D1; RINALDI, A .E.M1; BURINI, F.H.P1;BURINI, R.C1
1-Centro de Metabolismo em Exercício e Nutrição –FMB –UNESP
2-Universidade Católica de Santos-SP

INTRODUÇÃO: A homocisteína plasmática é considerada marcador de risco para doenças
cardiovasculares e sua associação com a hipertensão arterial essencial parece ser importante no
agravamento desta doença. A suplementação de ácido fólico parece ser a melhor conduta para a
redução da homocisteinemia.OBJETIVO: verificar o efeito da suplementação de ácido fólico sobre as
concentrações plasmáticas de homocisteína em hipertensos essenciais medicados.CASUÍSTICA E
MÉTODOS: Foram estudados 69 hipertensos (5710 anos), sendo 22 do sexo masculino e 47 do sexo
feminino, divididos em dois grupos: grupo 1 (medicado com diurético) e grupo 2 (medicado sem
diurético), sendo o tiazídico o diurético mais utilizado (80%). Foram realizadas avaliações médica com
diagnóstico da Síndrome Metabólica (SM), antropométrica, dietética e pressórica. Os indivíduos
receberam suplementação com 500 g/dia de ácido fólico, em estudo do tipo cruzado, sendo
reavaliados a cada dois meses até o final do estudo. RESULTADOS: Os grupos foram homogêneos em
relação a todas as variáveis estudadas exceto a homocisteína plasmática que foi maior
significativamente no grupo 1. A homocisteína plasmática de jejum foi limítrofe em 41% dos homens
e 57% das mulheres e a hiperhomocisteinemia foi observada em 50% e 38% do sexo masculino e
feminino respectivamente, assim 94% dos hipertensos eram hiperhomocisteinêmicos ou limítrofes. Os
hipertensos eram em sua maioria (62%) não controlados e portadores de SM (77%). A ingestão
dietética de folato foi inadequada em 86% dos e 92% das mulheres estudados. A suplementação de
ácido fólico reduziu a hiperhomocisteinemia em 11% no grupo 1 e 19% no grupo 2 frente a aumentos
similares na folacemia. Entretanto, a maior redução das concentrações médias de homocisteína
ocorreu com a oferta de ácido fólico na ausência de diurétic.CONCLUSÃO: Desta forma, recomenda-
se a adequação dietética do folato como adjuvante terapêutico da hipertensão arterial associadamente
ao exercício físico e/ou medicamentos. Apoio: CNPq/FAPESP
                             INTRODUÇÃO

TRATAMENTOS                   FATORES DE             DOENÇA
                                RISCO

 Homocisteína         (+)     Hipertensão     (+)      Doença
  plasmática                    arterial            cardiovascular
                               essencial
                      (-)
Medicamentos
                             Hiperhomocisteinemia
 Suplementação         (-)
   de folato


    Concentrações de ácido fólico
                (-)

       Diuréticos tiazídicos
                   OBJETIVO



Verificar o efeito da suplementação de ácido fólico sobre
    as concentrações plasmáticas de homocisteína em
            hipertensos essenciais medicados.
                     INDIVÍDUOS

Foram estudados 69 hipertensos (57 ± 10 anos), sendo
22 homens e 47 mulheres.

G1- Hipertensos medicados com diurético (n=37)
(55 ± 8 anos)

G2 – Hipertensos medicados sem diurético (n=32)
(57 ± 8 anos)


    Todos os participantes do estudo assinaram o termo de
              consentimento livre e esclarecido.

     Pesquisa aprovada pelo comitê de ética e pesquisa da
              Faculdade de Medicina de Botucatu
                          MÉTODOS
 Medida de pressão arterial:
 - Avaliação Clinica (aparelho digital OMRON, mod. HEM-413C)
 - MAPA – monitorização ambulatorial de pressão arterial (Spacelabs-
Inc, mod.90207-50)

Avaliação da composição corporal:
- Peso corporal e estatura (Balança digital do tipo plataforma);
- Índice de Massa Corporal (IMC) = kg/m2 (WHO,2002)
- Circunferência de cintura: Fita inelástica e inextensível. Padrões de
normalidade: Homens <102 cm, Mulheres < 88 cm.

 Dosagens Bioquímicas:
- Homocisteína plasmática (Hcy) – Método de HPLC (Ubbink et al,1991)
- Ácido Fólico e vitamina B12 – Método Fluorimétrico
- Glicose e triglicerídios (Química seca - Johnson & Johnson 750/950)

 Diagnóstico de síndrome metabólica:
-NCEP – ATP III (2002)
                            MÉTODOS

 Suplementação de folato

- Suplementação de 500 g de ácido fólico durante 2 meses – estudo
cruzado e cego com dois meses de washout.

 Avaliação da ingestão alimentar:

- Recordatório de 24h e registro alimentar de 3 dias
- Programa computacional Nutwin 1.5 (2002)
- Uso do registro fotográfico de alimentos
                     DESENHO EXPERIMENTAL

         M0                   M2    washout M4                             M6 m
             **             **                      **                      **


                   G1 (n=37)                                 SAF

     HT
    N=69
                  G2 (n=32)                               Placebo



HT= Hipertensos
G1= Hipertensos medicados com diurético
G2= Hipertensos medicados sem diurético
SAF: Suplementação de ácido fólico (500g/d)
Placebo: lactose
* * Avaliação clínica, antropométrica, consumo alimentar e avaliação bioquímica -Bimestral
                     RESULTADOS

Figura 1 – Percentual de hipertensos controlados e não controlados



     70                    66
                                      62
                55
     60
           45
     50

     40
                      34
                                                Controlados
     30                                         Não controlados

     20

     10

      0
          Homens     Mulheres     Geral
                                 RESULTADOS

Tabela 1– Prevalência de síndrome metabólica nos hipertensos de
acordo com o sexo

                                             Homens             Mulheres    Geral
         Síndrome metabólica
                                             (n=22)             (n= 47)    (n=69)
         Presença                            77%                 76%       77%


          Ausência                            23%                 24%      23%
 (p= 0,80 – não houve diferença significativa entre os sexos)
                                RESULTADOS
Tabela 2a – Comparações entre hipertensos medicados com e sem
diurético

         Variáveis                       G1 (n=32)                      G2 (n=37)
        Idade (anos)                       58  10                        57  8
        PAS (mmHg)                        142  14                      141  17
     PAD (mmHg)                           87  9                         86  12
  Glicose (mg/dL)                        105  37                       103  39
  Colesterol (mg/dL)                     220  42                       215  35
HDL-colesterol (mg/dL)                    49  14                        47  12
LDL-colesterol (mg/dL)                   139  35                       136  31
 Homocisteína (mol/L)                    14.9  3.3*                    13.1  2.2*
Folato sérico (ng/mL)                     8.1  3.5                       8.6  3.8
 Vitamina B12 (pg/mL)                    476  200                        480  135
PAS- pressão arterial sistólica; PAD- pressão arterial diastólica. G1- hipertensos medicados
com diurético;G2- hipertensos medicados sem diurético. * significância estatística ( p < 0,05)
                                  RESULTADOS
  Tabela 2b – Comparações entre hipertensos medicados com e sem
  diurético

                 Variáveis                            G1 (n=32)               G2 (n=37)

                IMC (kg/m2)                              31  4                 34  9
   Circunferência de cintura (kg/m2)                   100  12                 98  13

 Ingestão dietética de folato (g/dia)                  175  70               170  60
Ingestão dietética de vitamina B12 (g/dia)              4.2  1.6              3.6  1.8

IMC – índice de massa corporal; G1- hipertensos medicados com diurético;G2- hipertensos medicados
sem diurético.
                                 RESULTADOS

Tabela 3 – Estratificação da homocisteinemia plasmática de jejum
nos hipertensos estudados diferenciada por sexo


             Categorias                    Homens               Mulheres   Geral

  Normal (<10mol/L)                          9%                  5%       6%


Limítrofe (10 - 15mol/L)                      41%                57%      52%


    Elevada (> 15mol/L)                      50%                38%       42%

 (p= 0,58 – não houve diferença significativa entre os sexos)
                                 RESULTADOS

Tabela 4 – Prevalência de indivíduos segundo grau de adequação
no consumo de ácido fólico dietético


    Ácido fólico (g/dia)                    Homens             Mulheres   Geral

         Adequado                              14%                8%       10%


         Inadequado                           86%                 92%      90%

 (p= 0,99 – não houve diferença significativa entre os sexos)
                                        RESULTADOS

Tabela 5 – Efeito da suplementação de ácido fólico nas concentrações
de homocisteína plasmática e folato nos hipertensos medicados e não
medicados

                                       G1                                  G2

                           Placebo             SAF                  Placebo         SAF
   Hcy (mol/L)           14,4  2,7/ 14,9  3,3                  13,3 2,2/      17,3  4,3/
                          14,3  2,1 /13,2  2,4*                 15,5  3,8     14,00  2,4*

  Ácido Fólico          9,20  2,80           8,1  3,5       8,6  3,8/         7,4  2,8/
                       /7,20 2,50*         /12,7 5,00*      7,00  2,5        12,4  4,7*
SAF- suplementação de ácido fólico; Hcy–Homocisteína plasmática

* significância estatística (p<0,05)
                        RESULTADOS
-Os grupos foram homogêneos para todas as variáveis estudadas,
exceto a homocisteína que foi maior significativamente no grupo 1.


- A homocisteinemia foi limítrofe em 41% dos homens e 57% das
mulheres e a hiperhomocisteinemia foi observada em 50% e 38% do s
participantes do sexo masculino e feminino, respectivamente.


- A síndrome metabólica foi diagnosticada em 77% dos hipertensos.


- A ingestão dietética de folato foi inadequada em 86% dos homens e
92% das mulheres estudadas.


- A suplementação de ácido fólico reduziu a hiperhomocisteinemia em
11% no grupo 1 e 19% no grupo 2.
                  CONCLUSÕES

- A     suplementação  de    ácido   fólico   aumentou
significativamente o   folato sérico    e   reduziu  a
hiperhomocisteinemia nos hipertensos medicados com e
sem diurético.

- A presença do diurético tiazídico levou a menor
resposta a suplementação de ácido fólico, sugerindo a
necessidade de aumento na necessidade de ácido fólico
em indivíduos que recebam este tipo de medicamento.
                   REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1) 7º JNC. JAMA, V. 289, n.19, p.2560-71, 2003.
2) Ali et al. The American Journal of Cardiology, v.82, p.1543-45, 1998.
3) Araki et al. Atherosclerosis, v.79, p.139-46, 1989.
4) Bates et al. European Journal of Clinical Nutrition, v. 51, p.691-97, 1997.
5) Boushey et al. JAMA, v.274, n.13, p.1049-57,1995.
6) Brattstrom. European Journal of Clinical Investigation, v.22, p.214-21, 992.
7) Brouwer et al. Annals of Nutrition & Metabolism, v. 44, p.194-97, 2000.
8) Chait et al. American Journal of Clinical Nutrition, v. 70, p.881-70, 1999.
9) Clarke et al. The New England Journal Medicine v.324, p. 1149-55, 1991.
10) Cohn. Journal of Hypertension, v.16, p.2117-24, 1998.
11) De Bree et al. American Journal of Clinical Nutrition, v. 73, p.1027-33, 2001.
12) Dengel et al. Metabolism, v.47, p.1075-82, 1998.
13) Forrest et al. Medicine and Science in Sports and Exercise, v.33, n.9,p.1598-
     04,2001.
14) Genest et al. Journal of the American College Cardiology, v. 16, p.1114-19, 1990
15) Jacques et al. American Journal of Clinical Nutrition, v. 73, p.613-21, 2001.
16) Knauf et al. Journal of Cardiovascular Pharmacology, v.22, suppl.6, p. S1-S7, 1993.
17) Kesaniemi. Medicine & Science in Sports & Exercise, v.33, n.6, p. S351-S358, 2001.
18) Lin & Cassano. American Journal of Epidemiology, v.156,p.1105-13,2002.
19) Lip et al. American Journal of Hypertension, v.14, p.627-31,2001.
20) Malinow et al. Circulation, v.87, p.1107-1111, 1993
21) Malinow et al. Atherosclerosis, v.114, p.175-83, 1995.
22) Mendes et al. Journal of Internal Medical Research, v. 27,n. 1, p.38-44, 1999.
                   REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

23) Montenero et al. Acta Victaminology Enzymology, v.2, p.27-45,1980.
24) Nutwin -Departamento de Informática em Saúde –DIS.Universidade Federal de São
    Paulo –UNIFESP, 2002.
25) Nygard et al. JAMA, v.274, p. 1526-33,1995
26) Nygard et al. American Journal of Clinical Nutrition, v.67, p. 263-70, 1998.
27) Rasmussen et al. American Journal of Clinical Nutrition, v. 72, p. 1156-63, 2000.
28) Refsun et al. Annual Review Medicine, v.49, p. 31-62, 1998.
29) Schorah et al. European Journal of Clinical Nutrition, v.52, p.401-411, 1998.
30) Segal et al. American Journal of Clinical Nutrition, v.47, p.7-14, 1988.
31) Stanger et al. Clinical Chemistry Lab Med, v. 41, n.11, p.1392-1403, 2003.
32) Strandberg et al. Journal of Hypertension, v.19, p.35-9, 2001.
33) Sundstrom et al. Hypertension, v.42, p.1100-05,2003.
34) Tavares et al. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, v.10,
    n.6,p.712-22, 2000.
35) Vandenhoogen et al. Journal of Internal Medicine, v. 245, p. 175-83,1999.
36) Verhoef. Arteriosclerosis Thrombosis and Vascular Biology, v.17, p. 989-95, 1997.
37) Ubbink et al.Journal of Nutrition, v.124, p.1927-3, 1994.
38) WHO-2002, Expert Consultation on diet, nutrition and prevention of chronic
    diseases), 2002.
39) Wright et al. The Journal of Sports Medicine and Physical Fitness, v.38, n.3,
    p.262-265, 1998.

								
To top