N U M E R O S by 2nHCYXa

VIEWS: 0 PAGES: 265

									PUBLICAÇÕES INTERAMERICANAS
Pacific Press Publishing Association
Mountain View, Califórnia
EE. UU. do N.A.
--------------------------------------------------------------------

VERSÃO ESPANHOLA
Tradutor Chefe:          Victor E. AMPUERO MATTA
Tradutora Associada: NANCY W. DO VYHMEISTER
Redatores:                   Sergio V. COLLINS
                             Fernando CHAIJ
                             TULIO N. PEVERINI
                         LEÃO GAMBETTA
                             Juan J. SUÁREZ
Reeditado por:        Ministério JesusVoltara
               http://www.jesusvoltara.com.br

Igreja Adventista dou Sétimo Dia

---------------------------------------------------------------------
---------------------------------------------------------------------

Comentário Sobre O Quarto Livro do Moisés Chamado NÚMEROS

INTRODUÇÃO

1.Título.

Números é o quarto livro do Pentateuco, que é o nome que recebem os
cinco livros do Moisés. O título "Números" se deriva do título Arithmói, de
a Septuaginta, logo do latim Numeri, do qual se traduziu "Números". Os
hebreus chamaram o livro Bemidbar, "no deserto".

2.Autor.

A maioria dos crentes aceitaram, através de todas as idades, que os
livros do Pentateuco foram obra do Moisés. No Êxodo temos o relato de
os primeiros anos da vida do Moisés, seguidos por sua chamada, com a
comissão divina que foi dada, e como foi aceito pelo povo como
dirigente. Em Números o apresenta como um dirigente amadurecido. O esforço e a
tensão das dificuldades pelas quais passou com seu povo o converteram
em um instrumento especialmente adequado para registrar a história desses
sucessos. Não se tem descoberto nenhum outro autor que pudesse ter escrito o
Pentateuco. Deve permanecer em pé o nome do Moisés como seu autor.

3.Marco histórico.

O valor do livro de Números não diminui devido a que registra detalladamente
o período nômade da história do Israel, o que constitui um relato que em
a atualidade estimula a fé de todo fiel crente. Por meio deste registro
imparcial chegamos a conhecer a vida e as vicissitudes do povo hebreu baixo
a condução do Moisés. Este talentoso autor escolheu seu material e o dispôs
dirigido pela inspiração do Espírito Santo. Moisés foi um digno narrador de
a história e o caráter do povo hebreu, como também um dirigente capaz,
que, conduzido Por Deus, levou-o a uma unidade religiosa coerente que o
tempo e as desgraças não puderam dissolver. Assim temos no livro de
Números uma narração inspirada, cuja verossimilhança histórica não pode
desprezar-se livianamente.
uniformizou-se o texto do livro. Foi escrito com verdadeiros caracteres
hebreus antigos, e corresponde com o texto tal como existiu ao redor de 330
AC. Parece ter sofrido relativamente pouco por singelos enganos de
transcrição. As variações em certos manuscritos são poucas, e de escassa
importância. As datas que pudessem atribuir os eruditos a qualquer das
fontes que Moisés pudesse ter usado sob a inspiração do Espírito Santo,
no melhor dos casos poderiam ser só provisórias e aproximadas.

4.Tema.

Os livros precedentes do Pentateuco apresentam a narração da 838 história
dos antecessores do Israel, da criação, e continuam através do
cativeiro no Egito e o êxodo, até a peregrinação no Sinaí, onde o
livro do Exodo deixa aos israelitas. Números começa no Sinaí com o
censo dos varões adultos, acrescenta regulamentos adicionais além dos
enumerados no Levítico, traçado a marcha do Sinaí, a peregrinação pelo
deserto, até a chegada aos estepes do Moab, e termina com um conjunto de
regulamentos.

É um livro vivente, uma inspiração espiritual para os seres humanos a
través da história. Seu objetivo principal é exaltar ao Jehová como Deus
supremo, em toda sua santidade, majestade e cuidado por seu povo escolhido.
Junto com o progresso maravilhoso desse povo, está a rebelião do Coré,
Datam e Abiram, com seus motivos e propósitos egoístas. No marco de fundo
está o povo murmurando e manifestando falta de paciência. destacam-se
Moisés, María e Aarón, Balaam, os filhos do Aarón, dirigentes religiosos com
seus pontos fortes e débeis. O registro termina com a supremacia do Moisés
como dirigente escolhido Por Deus para o Israel.

A morada do Jehová em meio dos israelitas, seus planos cuidadosos e
minuciosos em favor deles, os comovedores sucessos que afetaram a
indivíduos destacados, sacerdotes e levita se desembrulham como um cordão
humano divinamente famoso para que não houvesse mais "ira sobre a
congregação". Tudo isto contribui a dar uma descrição esplêndida em uma
narração vívida do mais profundo valor religioso para a igreja de hoje,
relato que descansa sobre o fato histórico da morada de Deus entre seu
povo.

5. Bosquejo.

I. Preparação para a marcha, 1: 1 a 4: 49.

    A. Organização do acampamento, 1: 1 a 2: 34.

          1. O censo do Israel, 1: 1-46.

          2. Ordene a respeito dos levita, 1: 47-54.

          3. Ordene para os acampamentos das tribos, 2: 1-34.

    B. Organização levítica, 3: 1 a 4: 49.

          1. A família sacerdotal, 3: 1-4.

          2. Dedicação dos levita em lugar dos primogênitos, 3:
5-51.

          3. Deveres dos levita ao partir, 4: 1-49.
II. Declaração da legislação levítica, 5: 1 a 6: 27.

     A. Regulamentos religiosos miscelâneas, 5: 1 a 6: 21.

          1. A exclusão dos imundos, 5: 1-4.

          2. Leis sobre a restituição e as oferendas, 5: 5-10.

          3. O julgamento sobre o ciúmes, 5: 11-31.

          4. O voto dos nazareos, 6: 1-21.

     B. A bênção sacerdotal, 6: 22-27.

III. Construção do tabernáculo. O incidente no Cades, 7: 1 a 14: 45.

     A. Inauguração do serviço do santuário, 7: 1 a 9: 14.

          1. Oferendas dos príncipes na dedicação, 7: 1-88.

          2. A voz no santuário, 7: 89.

          3. Os abajures no tabernáculo, 8: 1-4.

          4. Consagração dos levita, 8: 5-26.

          5. A segunda páscoa, 9: 1-14.

     B. Partida do Sinaí, 9: 15 a 10-36.

          1. A nuvem sobre o tabernáculo, 9: 15-23.

          2. As trompetistas de prata, 10: 1-10.

          3. A ordem de marcha, 10: 11-28. 839

          4. O convite ao Hobab, 10: 29-32.

          5. A primeira viagem, 10: 33-36.

     C. Falações e rebelião, 11: 1 a 14: 45.

          1. Pecado na Tabera, 11: 1-3.

          2. Pecado no Kibrot-hataava, 11:4-35.

          3. Pecado da María e Aarón, 12:1-16.

          4. Missão dos espiões, 13: 1-33.

          5. Rebelião do povo, 14: 1-45.

IV. Seções de legislação levítica, 15:1-41.

     A. Oferenda, 15: 1-31.

           1. Leis sobre holocaustos, oferendas voluntárias, primeiros
frutos, 15: 1-21.
             2. Leis sobre as oferendas por transgressões e pecados por
erro,



               15: 22-31.

        B. Regulamentos mistos, 15: 32-41.

             1. O violador do sábado, 15: 32-36.

             2. A lei das franjas, 15: 37-41.

V. A revolta contra o sacerdócio aarónico, 16: 1 a 17: 13.

        A. A rebelião do Coré e sua repressão, 16: 1-50.

        B. A vara do Aarón, que floresceu, 17: 1-13.

VI. Adicione à lei, 18: 1 a 19: 22.

        A. O encargo e as recompensas de sacerdotes e levita, 18: 1-32.

     B. Lei da vaca alazã, e a contaminação provocada pela morte,
19: 1-22.

VII. Sucessos da viagem final, 20: 1 a 22: 1.

        A. Desde o Cades à a Transjordania, 20: 1 a 21: 9.

             1. A água da luta, 20: 1-13.

             2. A insolência do Edom, 20: 14-21.

             3. A morte do Aarón, 20: 22-29.

             4. O rei Arem, 21: 1-3.

             5. A serpente de bronze, 21: 4-9.

        B. Aproximando-se do Canaán, 21: 10 a 22: 1.

             1. Marchas finais e primeiras vitórias, 21: 10-32.

             2. Vitória sobre o Og, 21: 33 a 22: 1.

VIII. Sucessos nos estepes do Moab, 22: 2 a 27: 23.

        A. A história do Balaam, 22: 2 a 24: 25.

             1. A chegada do Balaam, 22: 2-38.

             2. As profecias do Balaam, 22: 39 a 24: 25.

        B. Sucessos finais da vida do Moisés, 25: 1 a 27: 23.

             1. Pecado e expiação no Sitim, 25: 1-18.

             2. Segundo censo do Israel, 26: 1-65.
          3. Petição das filhas do Zelofehad, 27: 1-11.

          4. Josué sucessor do Moisés, 27: 12-23.

IX. Adicione à lei, 28: 1 a 30:16.

     A. A rotina anual de sacrifícios, 28: 1 a 29: 40.

     B. Lei de votos feitos por mulheres, 30: 1-16.

X. Vitórias ao oriente do Jordão, 31 : 1 a 32: 42.

     A. Derrota do Madián, 31: 1-54.

     B. Localização das duas tribos e meia, 32: 1-42. 840

XI. O itinerário desde o Ramesés até o Jordão, 33: 1-49.

XII. Instruções finais, 33: 50 a 36: 13.

     A. Acertos relativos à terra do Canaán, 33: 50 a 34: 29.

          1. A lei de posse da Terra Santa, 33: 50-56.

          2. Limites da Terra Santa, 34: 1-15.

          3. A repartição das herdades, 34: 16-29.

     B. Acertos relativos a cidades, 35: 1-34.

          1. Cidades para os levita, 35: 1-8.

          2. Cidades de refúgio, 35: 9-34.

     C. O matrimônio de herdeiras, 36: 1-13.

CAPÍTULO 1

1 Deus ordena ao Moisés que efectúe um censo do Israel. 5 Os príncipes das
tribos. 17 População masculina adulta das tribos. 47 Os levita não som
recenseados porque estão dedicados ao Jehová.

1 FALO Jehová ao Moisés no deserto do Sinaí, no tabernáculo de reunião,
em nos primeiro dia do segundo mês, no segundo ano de sua saída da terra
do Egito, dizendo:

2 Tomem o censo de toda a congregação dos filhos do Israel por seus
famílias, pelas casas de seus pais, com a conta dos nomes, todos os
varões por suas cabeças.

3 De vinte anos acima, todos os que podem sair à guerra no Israel, os
contarão você e Aarón por seus exércitos.

4 E estará com vós um varão de cada tribo, cada um chefe da casa de seus
pais.

5 Estes são os nomes dos varões que estarão com vós: Da tribo de
Rubén, Elisur filho do Sedeur.
6 Do Simeón, Selumiel filho do Zurisadai.

7 Do Judá, Naasón filho do Aminadab.

8 Do Isacar, Natanael filho do Zuar.

9 Do Zabulón, Eliab filho do Helón.

10 Dos filhos do José: do Efraín, Elisama filho do Amiud; do Manasés, Gamaliel
filho do Pedasur.

11 De Benjamim, Abidán filho do Gedeoni.

12 De Dão, Ahiezer filho do Amisadai.

13 Do Aser, Pagiel filho do Ocrán.

14 Do Gad, Eliasaf filho do Deuel.

15 Do Neftalí, Ahira filho do Enán.

16 Estes eram os nomeados de entre a congregação, príncipes das tribos
de seus pais, capitães dos milhares do Israel.

17 Tomaram, pois, Moisés e Aarón a estes varões que foram designados por seus
nomes,

18 e reuniram a toda a congregação em nos primeiro dia do segundo mês, e
foram agrupados por famílias, segundo as casas de seus pais, conforme à
conta dos nomes por cabeça, de vinte anos acima.

19 Como Jehová o tinha mandado ao Moisés, contou-os no deserto do Sinaí.

20 Dos filhos do Rubén, primogênito do Israel, por sua descendência, por seus
famílias, segundo as casas de seus pais, conforme à conta dos nomes
por cabeça, todos os varões de vinte anos acima, todos os que podiam sair
à guerra;

21 os contados da tribo do Rubén foram quarenta e seis mil e quinhentos.

22 Dos filhos do Simeón, por sua descendência, por suas famílias, segundo as
casas de seus pais, foram contados conforme à conta dos nomes por
cabeça, todos os varões de vinte anos acima, todos os que podiam sair a
a guerra; 841

23 os contados da tribo do Simeón foram cinqüenta e nove mil e trezentos.

24 Dos filhos do Gad, por sua descendência, por suas famílias, segundo as casas
de seus pais, conforme à conta dos nomes, de vinte anos acima,
todos os que podiam sair à guerra;

25 os contados da tribo do Gad foram quarenta e cinco mil e seiscentos
cinqüenta.

26 Dos filhos do Judá, por sua descendência, por suas famílias, segundo as casas
de seus pais, conforme à conta dos nomes, de vinte anos acima,
todos os que podiam sair à guerra;
27 os contados da tribo do Judá foram setenta e quatro mil e seiscentos.

28 Dos filhos do Isacar, por sua descendência, por suas famílias, segundo as
casas de seus pais, conforme à conta dos nomes, de vinte anos
vamos, todos os que podiam sair à guerra;

29 os contados da tribo do Isacar foram cinqüenta e quatro mil
quatrocentos,

30 Dos filhos do Zabulón, por sua descendência, por suas famílias, segundo as
casas de seus pais, conforme à conta de seus nomes, de vinte anos
vamos, todos os que podiam sair à guerra;

31 os contados da tribo do Zabulón foram cinqüenta e sete mil
quatrocentos.

32 Dos filhos do José; dos filhos do Efraín, por sua descendência, por seus
famílias, segundo as casas de seus pais, conforme à conta dos nomes,
de vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra;

33 os contados da tribo do Efraín foram quarenta mil e quinhentos.

34 E dos filhos do Manasés, por sua descendência, por suas famílias, segundo as
casas de seus pais, conforme à conta dos nomes, de vinte anos
vamos, todos os que podiam sair à guerra;

35 os contados da tribo do Manasés foram trinta e dois mil e duzentos.

36 Dos filhos de Benjamim, por sua descendência, por suas famílias, segundo as
casas de seus pais, conforme à conta dos nomes, de vinte anos
vamos, todos os que podiam sair à guerra;

37 os contados da tribo de Benjamim foram trinta e cinco mil
quatrocentos.

38 Dos filhos de Dão, por sua descendência, por suas famílias, segundo as casas
de seus pais, conforme à conta dos nomes, de vinte anos acima,
todos os que podiam sair à guerra;

39 os contados da tribo de Dão foram sessenta e dois mil e setecentos.

40 Dos filhos do Aser, por sua descendência, por suas famílias, segundo as casas
de seus pais, conforme à conta dos nomes, de vinte anos acima,
todos os que podiam sair à guerra;

41 os contados da tribo do Aser foram quarenta e um mil e quinhentos.

42 Dos filhos do Neftalí, por sua descendência, por suas famílias, segundo as
casas de seus pais, conforme à conta dos nomes, de vinte anos
vamos, todos os que podiam sair à guerra;

43 Os contados da tribo do Neftalí foram cinqüenta e três mil
quatrocentos.

44 Estes foram os contados, os quais contaram Moisés e Aarón, com os
príncipes do Israel, doze varões, um por cada casa de seus pais.

45 E todos os contados dos filhos do Israel pelas casas de seus pais, de
vinte anos acima, todos os que podiam sair à guerra no Israel,
46 foram todos os contados seiscentos e três mil quinhentos e cinqüenta.

47 Mas os levita, segundo a tribo de seus pais, não foram contados entre
eles;

48 porque falou Jehová ao Moisés, dizendo:

49 Somente não contará a tribo do Leví, nem tomará a conta deles entre
os filhos do Israel,

50 mas sim porá aos levita no tabernáculo do testemunho, e sobre
todos seus utensílios, e sobre todas as coisas que lhe pertencem; eles levarão
o tabernáculo e tudo seu equipamento, e eles servirão nele, e acamparão
ao redor do tabernáculo.

51 E quando o tabernáculo tenha que transladar-se, levita-os o desarmarão, e
quando o tabernáculo tenha que deter-se, levita-os o armarão; e o estranho
que se aproximar morrerá.

52 Os filhos do Israel acamparão cada um em seu acampamento, e cada um junto a
sua bandeira, por seus exércitos;

53 mas os levita acamparão ao redor do tabernáculo do testemunho, para
que não haja ira sobre a congregação dos filhos do Israel; e os levita
terão a guarda do tabernáculo do testemunho. 842

54 E fizeram os filhos do Israel conforme a todas as coisas que mandou Jehová a
Moisés; assim o fizeram.

1.

Falou Jehová.

Moisés faz ressaltar que o Senhor lhe falou no tabernáculo, no deserto de
Sinaí, porque as revelações subseqüentes se realizaram ali, depois da
construção do tabernáculo. As revelações prévias se efetuaram em
o monte Sinaí mesmo. Aquele que se encontrou com o Moisés era Jehová. Os hebreus
já tinham estado no deserto quase um ano (ver Exo. 19: 1; Núm. 10: 11, 12).

O tabernáculo.

Literalmente, "a loja da reunião" (ver Núm. 3: 7; 4: 3; Exo. 27: 21; Lev.
1: 1, 3). O lugar onde Deus se encontrava com o Moisés e seu povo.

Nos primeiro dia.

Isto foi um mês depois da construção do tabernáculo (Exo. 40: 2, 17;
Núm. 9: 1, 2).

2.

Tomem o censo.

A contagem e classificação dos varões foi uma medida atinada para
assegurar a ordem do acampamento e da marcha. sugere-se que este era seu
propósito, porque evidentemente o censo se completou o 20º dia do mesmo mês,
o mesmo dia em que saiu o Israel do deserto do Sinaí rumo ao deserto de
Param (cap. 10: 11). Tinha havido uma recontagem prévia para compilar o
imposto do meio siclo, necessário para a construção do tabernáculo (ver
Exo. 30: 12; 38: 26). Esta segunda recontagem foi mais uma medida de organização
que um censo: a preparação de uma lista dos homens em idade militar, por
tribos e por unidades mais pequenas, com um chefe (Núm. 1: 4, 5) renomado para
cada tribo.

As casas de seus pais.

Neste caso o grupo é a família. Entretanto, possivelmente se usou o término para
uma tribo inteira, descendente de um progenitor (cap. 17: 2), ou também para
uma divisão de uma tribo (Núm. 3: 24; Exo. 6: 14).

Suas cabeças.

Literalmente, "seus crânios". Este é um término usado para designar a
indivíduos.

3.

Desde vinte anos.

Ao chegar a esta idade, cada varão no Israel tinha a responsabilidade de pagar
meio siclo para o templo (Exo. 30: 14), depois do qual era considerado
apto para as responsabilidades bélicas.

Aarón.

Aarón devia ajudar na recontagem, embora os levita -como conjunto- estavam
excluídos dele. Moisés e Aarón representavam a máxima autoridade da
nação.

Por seus exércitos.

Nenhuma regra tal se estabeleceu na recontagem anterior (Exo. 30).
Indubitavelmente, este foi um recenseamento militar.

4.

Um varão de cada tribo.

Homens de autoridade, respeito e dignidade foram designados para ajudar nesta
obra.

5.

Os nomes.

Os vers. 5-15 contêm uma lista de 12 homens principais, cujos nomes
reaparecem nos caps. 2, 7 e 10. A maioria deles têm significado, como
Elisur, "Deus é uma rocha". Vários dos nomes aparecem no NT, alguns
ligeiramente trocados. Oito desses varões tinham nomes que eram compostos
do, um título de Deus, mas só um dos nomes de seus pais (Deuel em
o vers. 14) tem 'O em si mesmo. Este súbito aumento em nomes que levam
'O sugere um maior interesse no Deus de seus antepassados ao antecipar os
dirigentes dos israelitas a liberação prometida Por Deus ('Elohim) ao José
(Gén. 50: 24, 25).

Natanael.
Que significa "o dom de Deus". Este é um nome que se encontra com
freqüência em Crônicas, Esdras e Nehemías.

10.

Elisama.

Que significa "Deus escutou".

Gamaliel.

Que significa "Deus é uma recompensa", usa-se no Hech. 5: 34.

16.

Príncipes.

Este título também é dado aos espiões no cap. 13: 2. Estes 12 varões
foram "nomeados", quer dizer escolhidos para ajudar ao Moisés na realização
do censo.

Nomeados.

Literalmente, "designados" ou "chamados". Se refere aos homens que tinham
respeito Por Deus ou por seu próximo.

Capitães dos milhares.

Jetro lhe tinha sugerido ao Moisés que tomasse a varões de autoridade para que o
ajudassem em sua administração (Exo. 18: 17, 21); agora lhe ordenou que tomasse
a varões elevados, os principais comandantes.

Milhares.

Esta palavra provavelmente se refere a um grupo grande: como um clã, uma
divisão de uma tribo. Também se usa para uma divisão militar (ver com.
Exo. 12: 37).

Este recenseamento do povo de Deus, em tempo do Moisés, tem sua lição
para a 843 igreja de hoje em dia, em tempo de Cristo. A recontagem de seus filhos
por nome sugere que Deus conhece cada um de seus filhos pessoalmente (2
Tim. 2: 19). O Pastor divino está familiarizado com cada membro de sua grei
(Juan 10: 3) e o livro da vida tem um significado eterno para cada filho
de Deus (Apoc. 3: 5).

18.

Toda a congregação.

dá-se o número de cada tribo (vers, 20-43). Quanto a sua ordem de marcha e
sua disposição no acampamento, ver com. do cap. 2.

46.

Contados.

O número de homens em idade militar é computado como 603.550. Este total é
exatamente igual ao que se dá no Exo. 38: 26, mas no Núm. 11: 21 e no Exo.
12: 37 aparece o número redondo de 600.000.
47.

Levita-os.

Levita-os foram excetuados do serviço militar; daí que não fossem
contados com as forças das tribos. Leví era uma tribo dedicada
especialmente ao serviço de Deus (vers. 50) em lugar dos primogênitos (cap.
3: 12). além do Leví, havia 12 tribos, porque Jacob tinha adotado ao Efraín e
ao Manasés, os dois filhos do José (Gén. 48: 5, 6). portanto, em vez de uma
só tribo, a do José, havia duas tribos separadas: do Efraín e Manasés. Uma
ordem diferente do Jehová foi dada em relação aos levita (Núm. l: 48-50). Seus
deveres eram de outra natureza e som mencionados mais plenamente nos caps. 3
e 4.

50.

Tabernáculo do testemunho.

"Testemunho" se refere aos Dez Mandamentos. acha-se 61 vezes no AT.
Quando se usa em relação com o arca, o véu, a vara do Aarón, um indivíduo,
ou a congregação em conjunto, a ênfase e a importância radicam nos Dez
Mandamentos (ver com. Exo. 25: 16). A excelsa honra do arca não se devia a
coisa alguma que estivesse dentro desse objeto de mobiliário em se mesmo, a não ser
ao feito de que era o lugar onde estavam as duas pranchas de pedra que
levavam a inscrição dos Dez Mandamentos. A palavra "testemunho"
sugere que os Dez Mandamentos declaram a natureza moral e ética do
caráter do Jehová, e que ele espera que as mesmas características se
manifestem em seu povo.

Servirão.

A palavra assim traduzida só se usa em Números para a função sagrada dos
levita. O significado da palavra é sempre honorável e também se refere
ao santo ministério dos anjos (Heb. 1: 14). Em suas diversas formas se usa
para certas classes de serviço secular, de especial importância ou
responsabilidade; com respeito ao Josué, o servo pessoal do Moisés (Exo. 24:
13; 33: 11), e ao ministério pessoal do Eliseo para o Elías (1 Rei. 19: 21).

51.

O estranho.

Quer dizer, um que não fora levita, sem autoridade para aproximar-se do santuário,
um judeu; não necessariamente estrangeiro, a não ser alguém que não estava incluído em
o contexto imediato (cf. Deut. 25: 5; Ouse. 5: 7; Exo. 29: 33).

52.

Bandeira.

Do verbo "olhar", "contemplar", "içar uma bandeira". portanto, o
essencial sugere algo conspícuo, distinto ou excelso. Pode aplicar-se a
qualquer sinal ou marca, tal como um sinal profético (Exo. 3: 12), um milagre
(Jos. 24: 17), um monumento comemorativo (Jos. 4: 6), ou os corpos celestes
como sinais (Gén. 1: 14; Jer. 10: 2). Alguns sugerem que a palavra
"companhia" teria um significado melhor aqui que "bandeira" (ver Núm. 2: 3, 10,
18, 25).
Segundo uma tradição dos judeus, o estandarte do Rubén tinha a figura de um
homem, o do Judá a de um leão, o do Efraín a de um boi e o de Dão a de
uma águia.

53.

Não haja ira.

Quer dizer, pela violação da santidade do tabernáculo, que era o lugar
onde morava Deus entre seu povo. No NT o cristão individual é o
sagrado santuário de Deus (1 Cor. 6: 19), e também o é a igreja em
conjunto (1 Cor. 3: 16, 17). Em ambas as passagens a palavra traduzida "templo" é
a que se aplica aos lugares santo e muito santo, com a exclusão de todos os
outros edifícios adjacentes a ele na área do templo.

A palavra traduzida "ira" vem de uma raiz relacionada com o siriaco e o
árabe que significa "cortar", "soltar-se". O substantivo, masculino, é
"lasca", uma parte talhada. Assim também aqui a ira de Deus implica a idéia de
cortar da igreja ao que pecou em relação com as coisas santas de Deus.
Levita-os estavam se localizados ao redor do tabernáculo para impedir que nenhuma
pessoa não autorizada entrasse nos recintos sagrados do lugar onde morava
Deus.

Fora do cordão sacerdotal, os laicos do Israel levantavam suas lojas de
acordo com um plano dado divinamente. Deus estava em meio deles. faz-se
assim ressaltar a impossibilidade 844 de aproximar-se dele fisicamente. Tão somente as
pessoas designadas que cumpriam uma missão especial podiam aproximar-lhe Isto
observava-se estritamente. O ideal cristão é exposto pelo Pablo no Heb. 4:
16, onde precatória ao cristão a ir "confidencialmente ao trono da graça",
até a mesma presença do Jehová.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

50 3T 345

51 SR 156; 3T 345

52 SR 157

53 3T 345

CAPÍTULO 2

Acampamentos e chefes das tribos

1 FALO Jehová ao Moisés e ao Aarón, dizendo:

2 Os filhos do Israel acamparão cada um junto a sua bandeira, sob as insígnias
das casas de seus pais; ao redor do tabernáculo de reunião acamparão.

3 Estes acamparão ao oriente, ao este: a bandeira do acampamento do Judá, por
seus exércitos; e o chefe dos filhos do Judá, Naasón filho do Aminadab.

4 Seu corpo de exército, com seus contados, setenta e quatro mil e seiscentos.

5 junto a ele acamparão os da tribo do Isacar; e o chefe dos filhos de
Isacar, Natanael filho do Zuar.

6 Seu corpo de exército, com seus contados, cinqüenta e quatro mil
quatrocentos.

7 E a tribo do Zabulón; e o chefe dos filhos do Zabulón, Eliab filho de
Helón.

8 Seu corpo de exército, com seus contados, cinqüenta e sete mil e quatrocentos.

9 Todos os contados no acampamento de judá, cento e oitenta e seis mil
quatrocentos, por seus exércitos, partirão diante.

10 A bandeira do acampamento do Rubén estará ao sul, por seus exércitos; e o
chefe dos filhos do Rubén, Elisur filho do Sedeur.

11 Seu corpo de exército, com seus contados, quarenta e seis mil e quinhentos.

12 Acamparão junto a ele os da tribo do Simeón ; e o chefe dos filhos de
Simeón, Selumiel filho do Zurisadai.

13 Seu corpo de exército, com seus contados, cinqüenta e nove mil e trezentos.

14 E a tribo do Gad; e o chefe dos filhos do Gad, Eliasaf filho do Reuel.

15 Seu corpo de exército, com seus contados, quarenta e cinco mil e seiscentos
cinqüenta.

16 Todos os contados no acampamento do Rubén, cento e cinqüenta e um mil
quatrocentos e cinqüenta, por seus exércitos, partirão os segundos.

17 Logo irá o tabernáculo de reunião, com o acampamento dos levita, em
meio dos acampamentos na ordem em que acampam; assim partirá cada um
junto a sua bandeira.

18 A bandeira do acampamento do Efraín por seus exércitos, ao ocidente; e o
chefe dos filhos do Efraín, Elisama filho do Amiud.

19 Seu corpo de exército com seus contados, quarenta mil e quinhentos.

20 junto a ele estará a tribo do Manasés; e o chefe dos filhos do Manasés,
Gamaliel filho do Pedasur.

21 Seu corpo de exército, com seus contados, trinta e dois mil e duzentos.

22 E a tribo de Benjamim; e o chefe dos filhos de Benjamim, Abidán filho de
Gedeoni.

23 E seu corpo de exército, com seus contados, trinta e cinco mil
quatrocentos.

24 Todos os contados no acampamento do Efraín, cento e oito mil e cem, por seus
exércitos, irão os terceiros.

25 A bandeira do acampamento de Dão estará ao norte, por seus exércitos; e o
chefe dos filhos de Dão, Ahiezer filho do Amisadai.

26 Seu corpo de exército, com seus contados, sessenta e dois mil e setecentos.

27 junto a ele acamparão os da tribo do Aser; e o chefe dos filhos de
Aser, Pagiel filho do Ocrán. 845
28 Seu corpo de exército, com seus contados, quarenta e um mil e quinhentos.

29 E a tribo do Neftlí; e o chefe dos filhos do Neftalí, Ahira filho do Enán.

30 Seu corpo de exército, com seus contados, cinqüenta e três mil e quatrocentos.

31 Todos os contados no acampamento de Dão, cento e cinqüenta e sete mil
seiscentos, irão os últimos atrás de suas bandeiras.

32 Estes são os contados dos filhos do Israel segundo as casas de seus pais;
todos os contados por acampamentos, por seus exércitos, seiscentos e três mil
quinhentos e cinqüenta.

33 Mas os levita não foram contados entre os filhos do Israel, como Jehová o
mandou ao Moisés.

34 E fizeram os filhos do Israel conforme a todas as coisas que Jehová mandou a
Moisés; assim acamparam por suas bandeiras, e assim partiram cada um por seus
famílias, segundo as casas de seus pais.

1.

E ao Aarón.

Estas instruções foram dirigidas tanto ao Moisés como ao Aarón. Só Moisés
é mencionado no vers. 34. Mas posto que Aarón e seus filhos tinham que
empacotar os utensílios que deviam ser levados pelos coatitas, não era a não ser
natural que ele também estivesse informado (cap. 4: 5, 15).

O cap. 2 contém o relato das disposições das tribos para acampar em
o deserto. A forma em que estiveram as quatro divisões do Leví se dá em
o cap. 3: 23, 29, 35, 38. O diagrama que aparece ao pé desta página
ilustra a distribuição das tribos do Israel em relação com o santuário.

2.

junto a sua bandeira.

Ver com. cap. l: 52.

Insígnias.

A bandeira correspondia Á um grupo maior (vers. 3, 10, 18, 25), embora cada
grupo familiar desdobrava seus "insígnias".

Ao redor.

"A certa distância" (BJ). A proibição para preservar a santidade da área
do santuário foi estritamente ordenada e posta em vigor.

3.

Ao oriente, ao este.

Uma duplicação tal na expressão é comum em hebreu. Exo. 26: 18, por
exemplo, diz literalmente: "Ao lado do meio-dia, ao sul".

Judá.
Como a tribo predominante, ao Judá lhe atribui o este, o posto de honra.
Alguns sugerem que o nome do Judá provém do verbo "elogiar", das
palavras de Leoa quando nasceu seu filho: "Esta vez elogiarei" (Gén. 29: 35). Em
quanto a ele, Jacob predisse: "Elogiarão-lhe seus irmãos" (Gén. 49: 8).

10.

Rubén.

Esta tribo acampou "ao sul", literalmente "para o sul". Os quatro pontos
cardeais do quadrante receberam nomes do ponto de vista de uma
pessoa que olhasse para o este. Rubén era o major dos 12 filhos do Jacob
(Gén. 35: 23), mas perdeu

LOCALIZAÇÃO DAS TRIBOS DO Israel RESPEITO AO SANTUÁRIO

846 o direito à honra e às prerrogativas do primogênito devido à
instabilidade de seu caráter.

17.

Em meio dos acampamentos.

Se a ordem da menção neste capítulo indica a ordem de marcha, os
levita com o santuário seguiam aos acampamentos do Judá e Rubén. Sem
embargo, o relato de sua verdadeira marcha (cap. 10: 14-2 l) coloca o
tabernáculo -quer dizer, a loja e os cortinados do átrio entre as primeiras
duas divisões, Judá E Rubén. Foi enviado adiante para que pudesse estar
armado e preparado para receber o "santuário", quer dizer as coisas santas -arca,
altares, etc.- que seguiam ao Rubén no centro da hoste em marcha. Não é
possível determinar se os levita e o santuário precediam ao Rubén e a seu
grupo, ou os seguiam. Tanto em marcha como acampadas, as diversas divisões,
sob suas respectivas bandeiras, prosseguiam estritamente em formação.

Cada um junto a sua bandeira.

Literalmente, "cada indivíduo em sua mão". A expressão literal em hebreu "a
a mão do Jordão" (cap. 13: 29) traduz-se na VVR "à ribeira do
Jordão". Vejam-se também Deut. 23: 12 e Jer. 6: 3, onde a palavra que
corresponde a "emano" em ambos os casos se traduziu "lugar".

18.

Acampamento do Efraín.

O segundo filho do José (Gén. 41: 52; 46: 20), Efraín, era computado entre os
filhos do Jacob, foi bento por ele e foi dada a preferência sobre o Manasés
(Gén. 48: 1, 5, 13, 14, 17, 20). O nome está relacionado com o verbo
"levar fruto", "ser frutífero", e substantivo que descreve "uma terra
frutífera", terra de cereais ou pastos.

25.

Acampamento de Dão.

Dão era o filho do Jacob e Bilha (Gén. 30: 6; 35: 25). O significado do
nome é "juiz". Sua raiz verbal significa "julgar", "atuar como um juiz".
A raiz arábica equivalente significa "ser obediente", "ser submisso", também
"governar", "recompensar". A excelsa posição de Dão tal como aparece neste
versículo contrasta muito com as profundidades nas que depois caiu; pois
estabeleceu-se entre os pagãos, foi eliminado do registro sagrado, e não tem
parte entre as 12 tribos da nova Jerusalém (ver Juec. 18; Apoc. 7: 5-8).

34.

Assim partiram.

A multidão que saiu do Egito já se converteu em um exército
disciplinado em marcha, com seus membros agrupados segundo suas tribos, clãs e
famílias.

Os caps. 1 e 2 nos falam das dimensões e a disciplina da hoste
israelita. O centro de atenção era o tabernáculo, o lugar de morada de
Deus. Jehová estava em meio deles (Deut. 4: 7; 23: 14; Sal. 78: 52, 53; cf.
 ROM. 8: 31), como garantia de esperança, segurança e progresso. Era seu
Protetor (Ouse. 11:10), capitalista para liberar (ISA, 49: 25,26). Era para eles
uma luz de noite e uma sombra bem-vinda durante o dia (ISA. 4: 5). Todos
estes conceitos se centralizavam no tabernáculo, o lugar da morada de
Deus.

O temor e reverência que inspirava o tabernáculo se deviam a que Jehová era
seu morador. A separação do lugar da presença divina das ocupações
da vida diária ajudava a inspirar respeito pela autoridade e um sentido de
disciplina entre o povo. Hoje em dia a igreja é como um exército em marcha,
e Jehová está com ela (ver 2 Cor. 6: 16; 1 Ped. 2: 9).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

2, 17 PP 392

CAPÍTULO 3

1 Os filhos do Aarón. 5 Os levita são atribuídos aos sacerdotes para servir
no tabernáculo, 11 em lugar dos primogênitos. 14 Censo dos levita. 21
Famílias, número e cargo dos gersonitas, 27 dos coatitas, 33 dos
meraritas. 38 Lugar e cargo do Moisés e Aarón. 40 Resgate dos primogênitos
pelo serviço dos levita. 44 Resgate dos primogênitos que excederam a
levita-os.

1 ESTES são os descendentes do Aarón e do Moisés, no dia em que Jehová
falou com o Moisés no monte do Sinaí.

2 E estes são os nomes dos filhos do Aarón: Nadab o primogênito, Abiú,
Eleazar e Itamar.

3 Estes são os nomes dos filhos de 847 Aarón, sacerdotes ungidos, aos
quais consagrou para exercer o sacerdócio.

4 Mas Nadab e Abiú morreram diante do Jehová quando ofereceram fogo estranho
diante do Jehová no deserto do Sinaí; e não tiveram filhos; e Eleazar e
ltamar exerceram o sacerdócio diante do Aarón seu pai.

5 E Jehová falou com o Moisés, dizendo:

6 Faz que se aproxime a tribo do Leví, e faz-a estar diante do sacerdote
Aarón, para que lhe sirvam,

7 e desempenhem o encargo dele, e o encargo de toda a congregação diante
do tabernáculo de reunião para servir no ministério do tabernáculo;

8 e guardem todos os utensílios do tabernáculo de reunião, e todo o
encarregado a eles pelos filhos do Israel, e ministren no serviço do
tabernáculo.

9 E dará os levita ao Aarón e a seus filhos; são-lhe inteiramente jogo de dados de entre
os filhos do Israel.

10 E constituirá ao Aarón e a seus filhos para que exerçam seu sacerdócio; e o
estranho que se aproximar, morrerá.

11 Falou além Jehová ao Moisés, dizendo:

12 Hei aqui, eu tomei aos levita de entre os filhos do Israel em lugar de
todos os primogênitos, os primeiros nascidos entre os filhos do Israel; serão,
pois, meus os levita.

13 Porque meu é todo primogênito; desde dia em que eu fiz morrer a todos
os primogênitos na terra do Egito, santifiquei para mim a todos os
primogênitos no Israel, assim de homens como de animais; meus serão. Eu
Jehová.

14 E Jehová falou com o Moisés no deserto do Sinaí, dizendo:

15 Conta os filhos do Leví segundo as casas de seus pais, por suas famílias;
contará todos os varões de um mês acima.

16 E Moisés os contou conforme à palavra do Jehová, como foi mandado.

17 Os filhos do Leví foram estes por seus nomes: Gersón, Coat e Merari.

18 E os nomes dos filhos do Gersón por suas famílias são estes: Libni e
Simei.

19 Os filhos do Coat por suas famílias são: Amram, Izhar, Hebrón e Uziel.

20 E os filhos do Merari por suas famílias: Mabli e Musi. Estas são as
famílias do Leví, segundo as casas de seus pais.

21 Do Gersón era a família do Libni e a do Simei; estas são as famílias de
Gersón.

22 Os contados deles conforme à conta de todos os varões de um mês
vamos, contado-los deles foram sete mil e quinhentos.

23 As famílias do Gersón acamparão a costas do tabernáculo, ao ocidente;

24 e o chefe da linhagem dos gersonitas, Eliasaf filho do Lael.

25 A cargo dos filhos do Gersón, no tabernáculo de reunião, estarão o
tabernáculo, a loja e sua coberta, a cortina da porta do tabernáculo
de reunião,

26 as cortinas do átrio, e a cortina da porta do átrio, que está junto
ao tabernáculo e junto ao altar ao redor; deste modo suas cordas para todo seu
serviço.

27 Do Coat eram a família dos amramitas, a família dos izharitas, a
família dos hebronitas e a família dos uzielitas; estas são as famílias
coatitas.

28 O número de todos os varões de um mês acima era oito mil e seiscentos,
que tinham a guarda do santuário.

29 As famílias dos filhos do Coat acamparão ao lado do tabernáculo, ao sul;

30 e o chefe da linhagem das famílias do Coat, Elizafán filho do Uziel.

31 A cargo deles estarão o arca, a mesa, o castiçal, os altares, os
utensílios do santuário com que ministran, e o véu com todo seu serviço.

32 E o principal dos chefes dos levita será Eleazar filho do sacerdote
Aarón, chefe dos que têm a guarda do santuário.

33 Do Merari era a família dos mahlitas e a família dos murmura; estas
são as famílias do Merari.

34 Os contados deles conforme ao número de todos os varões de um mês
acima foram seis mil e duzentos.

35 E o chefe da casa da linhagem do Merari, Zuriel filho do Abihail; acamparão
ao lado do tabernáculo, ao norte.

36 A cargo dos filhos do Merari estará a custódia das pranchas do
tabernáculo, suas barras, suas colunas, suas bases e tudo seu equipamento, contudo
seu serviço;

37 e as colunas ao redor do átrio, suas bases, suas estacas e suas cordas.

38 Os que acamparão diante do tabernáculo ao oriente, diante do
tabernáculo de reunião ao este, serão Moisés e Aarón e seus 848 filhos, tendo
a guarda do santuário em lugar dos filhos do Israel; e o estranho que se
aproximar, morrerá.

39 Todos os contados dos levita, que Moisés e Aarón conforme à palavra
do Jehová contaram por suas famílias, todos os varões de um mês acima, foram
veintidos mil.

40 E Jehová disse ao Moisés: Conta todos os primogênitos varões dos filhos
do Israel de um mês acima, e conta-os por seus nomes.

41 E tomará aos levita para mim em lugar de todos os primogênitos dos
filhos do Israel, e os animais dos levita em lugar de todos os
primogênitos dos animais dos filhos do Israel. Eu Jehová.

42 Contou Moisés, como Jehová lhe mandou, todos os primogênitos dos filhos de
Israel.

43 E todos os primogênitos varões, conforme ao número de seus nomes, de um
mês acima, foram vinte e dois mil duzentos e setenta e três.

44 Logo falou Jehová ao Moisés, dizendo:

45 Toma levita em lugar de todos os primogênitos dos filhos do Israel,
e os animais dos levita em lugar de seus animais; e os levita serão
meus, Eu Jehová.
46 E para o resgate dos duzentos e setenta e três dos primogênitos de
os filhos do Israel, que excedem aos levita,

47 tomará cinco siclos por cabeça; conforme ao siclo do santuário os
tomará. O siclo tem vinte geras.

48 E dará ao Aarón e a seus filhos o dinheiro do resgate dos que excedem.

49 Tomou, pois, Moisés o dinheiro do resgate dos que excediam o número de
redimido-los pelos levita,

50 e recebeu dos primogênitos dos filhos do Israel, em dinheiro, mil
trezentos e sessenta e cinco siclos, conforme ao siclo do santuário.

51 E Moisés deu o dinheiro dos resgates ao Aarón e a seus filhos, conforme à
palavra do Jehová, segundo o que Jehová tinha mandado ao Moisés.

L.

Estes são os descendentes.

"As gerações" (Valha. ant.). Esta é uma fórmula comum que aparece
freqüentemente na Gênese, às vezes com ligeiras variantes (Gén. 5: 1; 6: 9;
10: 1; 11: 10, 27; 25: 12, 19; 36: 1, 9; 37: 2). É um título usado para
introduzir uma nova seção do relato. "Gerações" literalmente significa
"orígenes", e provém do verbo com freqüência traduzido: "dar a luz",
"produzir", "parir". É o relato ou a história de uma pessoa nomeada ou de
várias.

Do Aarón e do Moisés.

Estes varões são apresentados como os principais escolhidos da tribo de
Leví, que foi escolhida para o serviço sagrado. A gente esperaria que o nome de
Moisés viesse primeiro. Mas não se menciona a nenhum dos descendentes, de
Moisés; e como a passagem só se ocupa dos descendentes do Aarón, o nome
de este vem em primeiro término. Alguns sugeriram que posto que não se
menciona a nenhum descendente do Moisés a não ser só aos do Aarón, Moisés -como
aquele que lhes deu instruções especiais quanto a seus deveres sagrados-
era considerado como seu pai espiritual. O ofício do Moisés, embora mais
elevado que o do Aarón, era pessoal e não correspondia com a tribo, ao passo
que Aarón era o progenitor de uma extensa e distinto linhagem de sacerdotes.

No dia.

Um dia importante na história dos levita, assinala o momento que viu o
começo de sua organização e comissão para os sagrados deveres da igreja.

No monte do Sinaí.

Pode ser que se trate de um olhar retrospectivo ao Exo. 24: 1, onde se
menciona ao Nadab e Abiú, embora não como a filhos do Aarón (ver Exo. 24: 16; 31:
18; Lev. 7: 38; 25: 1; 26: 46; 27: 34; Núm. 28: 6).

2.

Filhos do Aarón.

Eram só quatro até o tempo da ereção do tabernáculo, quando
morreram Nadab e Abiú.
3.

Ungidos.

Numerosas passagens das Escrituras tratam tão somente do unção do supremo
sacerdote (ver Exo. 29: 7, 29; Lev. 8: 12). Outros mencionam também a seus
filhos (Exo. 28: 41; 30: 30; 40: 15). Quanto à diferença entre o
unção do supremo sacerdote e o dos sacerdotes comuns, ver com. Exo.
29: 8. Literalmente, significa "lubrificar". Este vocábulo está relacionado com a
palavra árabe "limpar esfregando", "golpear com a mão". Usado com a palavra
"azeite" significa "consagrar para um serviço sagrado", e é a única palavra
usada assim no AT. É a raiz da qual provém o término Mesías. A
palavra 849 grega traduzida "ungir" se usa cinco vezes no NT, quatro das
quais se referem à unção de Cristo pelo Pai. portanto, isto
faz ressaltar que Cristo (uma palavra da mesma raiz grega, ver com. Mat.
1: 1) foi "ungido" por autoridade divina, e que foi o recipiente do
derramamento do Espírito Santo na forma mais abundante possível (ver Hech.
10: 38).

Consagrou para exercer o sacerdócio.

Literalmente, "ele encheu as mãos deles". Esta é uma expressão antiga
(Juec. 17: 5, 12) cujo significado exato é escuro. Alguns dizem que
significava encher as mãos com dinheiro (ver Juec. 18: 4). Outros mantêm
que o "henchimiento" se refere ao ofício e à autoridade com que estava
investido o que recebia o unção. Parece haver-se perdido de vista o
significado exato, posto que depois se aplicou ao altar (Núm. 7: 88; Eze.
43: 26). Os descendentes do Aarón automaticamente chegaram a ser sacerdotes,
mas seus primeiros filhos foram nomeados pois nasceram antes de que seu pai
fora chamado ao ofício sagrado.

4.

diante do Jehová.

Esta expressão, que figura duas vezes neste versículo, parece fazer ressaltar
nem tanto a morte antinatural dos dois sacerdotes como a dor de Deus por
o incidente.

Fogo estranho.

Literalmente, "fogo ilegítimo" ou "fogo não autorizado" posto que a palavra
"estranho" no Núm. 1: 51 significa um sem créditos. Quanto à razão
pela que era ilegítimo, ver com. Lev. 9: 24; 10: 1.

Não tiveram filhos.

Este fato não se apresenta no Lev. 10, mas é mencionado em 1 Crón. 24: 2. Se
Nadab e Abiú tivessem tido filhos, estes- e não Eleazar e Itamar- houvessem
acontecido ao Aarón no supremo sacerdócio. Todas as famílias sacerdotais
remontavam sua ascendência ao Eleazar e Itamar.

diante do Aarón.

Literalmente, "ante o rosto do Aarón", o que significa "durante o lapso de
vida do Aarón" (ver Gén. 11: 28). Os descendentes destes dois homens se
dividiram no tempo do David da seguinte maneira: 16 para a linhagem de
Eleazar e 8 para o do Itamar (1 Crón. 24: 3, 4).
6.

aproxime-se.

Esta é uma expressão comum, não usada no sentido técnico (cap. 16: 5) de um
ato externo de apresentação, a não ser simplesmente no de atribuir aos homens
seus deveres respectivos. É uma expressão empregada para os subordinados que
aproximam-se para receber ordens.

Para que lhe sirvam.

Levita-os estavam sob as ordens do Aarón para lhe ajudar em seus
responsabilidades e para custodiar o tabernáculo. Aarón aqui representa a
toda a casta sacerdotal a que se faz referência no vers. 9 como "Aarón
e ... seus filhos". Quanto aos deveres posteriormente atribuídos aos
levita, ver 1 Crón. 23: 28-30; 25: 1-7; 26: 12, 20, 29-31.

7.

Desempenhem o encargo dele.

Quer dizer, desempenharão todos os deveres de serviço para o Aarón e para outros
sacerdotes.

De toda a congregação.

Estas palavras se referem ao ritual dos sacrifícios efetuados em pró de
os laicos do Israel.

8.

Utensílios.

Quer dizer, os móveis e as vasilhas do tabernáculo.

9.

Aarón.

Aarón e seus filhos chegaram a ser os instrutores dos levita. Levita-os
eram responsáveis ante eles pelo desempenho de seus deveres.

Inteiramente jogo de dados.

De nethuním nethuním literalmente, "jogo de dados jogo de dados", uma expressão tipicamente
hebréia; a palavra afim nethiním, "dedicado", mais tarde foi aplicada aos
estrangeiros que se converteram em servidores do templo no tempo do Esdras
(Esd. 7: 24; etc.). Alguns acreditam que estes foram descendentes dos
gabaonitas (Jos. 9: 27).

Há muitas lições úteis que se podem encontrar em relação aos detalhes de
a organização dos sacerdotes e dos levita. Levita-os foram
"inteiramente jogo de dados" ao Aarón como supremo sacerdote, quer dizer que estavam sob seu
completa fiscalização. O cristão entregue plena e completamente nas
mãos de Cristo, controlado e dinamízado pelo Espírito Santo, pertence ao
"real sacerdócio" (1 Ped. 2: 9).

Levita-os deviam dedicar todo seu tempo e energia a cooperar com o Aarón no
ministério do santuário. O crente, na atualidade, deve cooperar com
Cristo para a saúde espiritual e o crescimento da igreja. pagou-se um
aprecio para redimir aos primogênitos (ver com. vers. 12, 13). Cristo pagou o
preço de seu sangue para redimir aos pecadores. Os que entram na igreja
e vivem por fé, estão inscritos nos livros do céu.

De entre os filhos do Israel.

Toda a tribo do Leví pertencia a Deus e foi entregue para seu serviço
sagrado. Da mesma maneira 850 se fala de várias classes de operários na
igreja cristã como que tivessem sido "constituídos" (F. 4: 11).

10.

O estranho.

A palavra não tem aqui o mesmo significado que no cap. 1: 51, onde
quer dizer alguém que não era levita. Aqui inclui aos levita; em
realidade se refere a eles particularmente. Não se permitia que os levita-se
intrometessem na esfera especial do Aarón e de seus filhos. Uma violação de
esta proibição divina foi um dos pecados do Jeroboam, quem permitiu que
os que não eram levitam realizassem funções sacerdotais (ver 1 Rei. 12:
25-33).

Aproximar-se.

Estas palavras não significam aproximar-se fisicamente, no sentido comum do
término, a não ser ir realizar qualquer dos deveres sagrados do
sacerdócio.

12.

Em lugar de todos os primogênitos.

Antigamente o pai de família realizava as funções sacerdotais (Exo. 13:
8; Juec. 17: 10) e transmitia esse oficio a seu filho primogênito. Esse costume
foi substituída pela nomeação dos levita, que se tinham reunido em
volto do Moisés em ocasião da adoração do bezerro de ouro (Exo. 32: 26).

13.

Desde dia.

Esta é uma referência ao Exo. 13: 1-3.

Santifiquei para mim.

Todos os primogênitos são do Jehová porque ele não os matou com os egípcios.
Toda alma humana pertence originalmente a Deus, mas aqui o Senhor reclama a
tirado-los do Egito como seus primicias. A dedicação dos primogênitos ao
Senhores ordenada no Exo. 22: 29; 34: 20; 13: 11-15; Núm. 18: 15.

Meus serão.

Literalmente, "pois minha posse eles serão". Reclamados Por Deus como postos
à parte para ele, declarados assim por seu nome (ver Exo. 6: 8; 12: 12).

15.
Todos os varões de um mês acima.

Ver cap. 18: 16. Os primogênitos não deviam ser redimidos até que chegassem a
a idade de um mês. portanto, levita-os que ocupavam seu lugar foram
contados tão somente a partir dessa idade.

17.

Filhos do Leví.

Aos três homens mencionados neste versículo se remontam as três
principais divisões dos levita em Jerusalém depois do exílio (Gén. 46:
11; Exo. 6: 16; cf. Núm. 26: 57).

18.

Libni e Simei.

Repetidos no Exo. 6: 17; 1 Crón. 6: 17. Ver também 1 Crón. 23: 7; 26:1, onde
Libni é apresentado como Laadán.

19.

Coat.

Mencionado também no Exo. 6: 18, 19.

Amram.

Membro da família do Coat, e pai do Moisés e Aarón (Exo. 6: 18, 20).

20.

Mahli.

Compare o nome do primeiro marido do Rut (Rut 1: 2) e a forma feminina do
mesmo nome no Núm. 26: 33.

21.

Gersón.

A família do Gersón acampava ao oeste do tabernáculo, entre ele e o
estandarte do Efraín (cf. caps. 1: 53; 2: 18; 3: 23).

Simei.

Esta família é mencionada em Zac.12:13 como pertencendo à casa do Leví.

23.

A costas do tabernáculo, ao ocidente.

A expressão "ao ocidente" literalmente diz "por volta do mar", refiriéndose ao
mediterrâneo. Os hebreus mentalmente olhavam para o este quando
pensavam nos pontos cardeais (ver com. Exo. 3: 1). É obvio, o mar
Mediterrâneo seria considerado "para o oeste" tão somente do ponto de
vista de uma pessoa situada na terra da Palestina. Alguns afirmaram
que o uso no Pentateuco de uma terminologia posterior, tal como "para o
mar" com o sentido de "ao ocidente", é uma evidência óbvia de uma paternidade
literária posterior que não é do Moisés. Que apareça uma terminologia mais
recente no Pentateuco e em outras partes do AT é um fato que não se
discute, mas a conclusão de que isso necessariamente indique uma paternidade
literária posterior a que pelo general se aceita é algo completamente
injustificável.

A reedição de um relato do século XVII a respeito da fundação de Nova
Amsterdam, por exemplo, não teria sentido para muitos leitores modernos a
menos que se explicasse que Nova Amsterdam foi o nome original da cidade
de Nova Iorque. Entretanto, a substituição de "Nova Amsterdam" por "Nova
York" de maneira nenhuma afetaria sua exatidão, veracidade, nem tampouco a
paternidade literária do relato. Assim também aconteceu com a terminologia de
os livros do Moisés para que o registro inspirado resultasse compreensível para
os leitores posteriores. Contudo, o povo hebreu considerava as Sagradas
Escritura com muito respeito para permitir que se introduzira mudança
algum que alterasse o pensamento.

24.

Lael.

Um nome estranho em sua composição, formado da preposição "a" e da
palavra "Deus" -"pertencente a Deus"-. 851 Não há a não ser outro exemplo disto
no AT, Lemuel (Prov. 31: 1).

25.

O tabernáculo.

A armação do tabernáculo em si esteve a cargo dos meraritas (vers. 36), de
modo que aqui "o tabernáculo" refere-se ao jogo interno de dez cortinas
(ver Exo. 26: 1-14).

A loja.

O segundo jogo de onze cortinas feitas de cabelo de cabras.

Sua coberta.

O jogo final de peles de carneiro tintas de vermelho e "peles de texugos" (ver
Exo. 26: 14 e com, Exo. 25: 5).

26.

Cordas.

Quer dizer, as do tabernáculo e parte das do átrio. Os meraritas também
tinham a seu cargo parte destas últimas (vers. 36, 37).

29.

Os filhos do Coat acamparão.

Os coatitas ficavam entre o tabernáculo e o estandarte do Rubén (ver cap.
2: 10).

30.
Elizafán.

Significa "Deus vigiou" (cf. 1 Crón. 15: 8; 2 Crón. 29: 13).

31.

O arca, a mesa, o castiçal.

Ver com. Exo. 25: 10-39.

Os altares.

Os dois altares, um para os holocaustos (Exo. 27: 1) e um para o incenso
(Exo. 30: 1-10) também estavam confiados aos cuidados deles.

O véu.

As cortinas do tabernáculo e do átrio foram atribuídas aos gersonitas
(vers. 25). "O véu" refere-se ao que separava o lugar santo do muito santo
(Exo. 26: 31, 33, 35; 27:21; 30: 6; 36: 35; 38: 27; 40: 3, 22, 26; Lev, 4:17;
16: 2, 12, 15; 21: 23). A expressão do Núm. 4: 5 "o véu da loja"
significa literalmente: "o véu do tabique" (também Exo, 40: 3, 21).

32.

Eleazar.

Eleazar era coatita (ver Exo. 6: 18, 20, 23). Era chefe do Elizafán e todos os
coatitas, e como o major dos filhos sobreviventes do Aarón era, pelo
tanto, o príncipe principal ou supervisor dos levita.

35.

Abihail.

O pai do Ester tinha o mesmo nome (Est. 2: 15).

36.

As pranchas.

Ver com. Exo. 26: 15, 19. No que respeita às barras, colunas e bases,
ver com. Exo. 26: 19-26.

38.

Moisés.

Moisés ocupava o posto de honra no acampamento, o lugar central que o
dava logo acesso a todas partes.

Aarón.

O sacerdote hereditário que representava com o Moisés a autoridade civil e
sacerdotal.

Tendo a guarda.

Os sacerdotes acampavam ao leste do tabernáculo: o lugar de honra.
40.

Conta todos os primogênitos.

Com o propósito de substitui-los com os levita (vers. 41, 45; cf. vers. 12,
13). Posto que havia 273 levita menos, 273 dos primogênitos tiveram que
ser redimidos ao preço de 5 siclos cada um (vers. 39, 43, 46-50). Este era
o preço regular dos primogênitos (ver cap. 18: 15, 16).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

6     PP 362

13 DTG 35; PP 281

CAPÍTULO 4

1 Idade e duração do serviço dos levita. 4 O ofício dos filhos do Coat
quando os sacerdotes desarmaram o tabernáculo. 16 O cargo do Eleazar. 17
O ofício dos sacerdotes. 21 O ofício dos gersonitas. 29 O ofício de
os meraritas. 34 O número dos coatitas, 38 dos gersonitas, 42 e dos
meraritas.

1 FALO Jehová ao Moisés e ao Aarón, dizendo:

2 Toma a conta dos filhos do Coat de entre os filhos do Leví, por seus
famílias, segundo as casas de seus pais,

3 de idade de trinta anos acima até cinqüenta anos, todos os que entram em
companhia para servir no tabernáculo de reunião.

4 O ofício dos filhos do Coat no tabernáculo de reunião, no lugar
muito santo, será este:

5 Quando tiver de mudar o acampamento, 852 virão Aarón e seus filhos e
desarmarão o véu da loja, e cobrirão com ele o arca do testemunho;

6 e porão sobre ela a coberta de peles de texugos, e estenderão em cima um
pano todo de azul, e lhe porão suas varas.

7 Sobre a mesa da proposição estenderão um pano azul, e porão sobre ela
as tigelas, as colheres, as taças e os tigelas para libar; e o pão
contínuo estará sobre ela.

8 E estenderão sobre ela um pano carmesim, e o cobrirão com a coberta de
peles de texugos; e lhe porão suas varas.

9 Tomarão um pano azul e cobrirão o castiçal do sistema de iluminação, suas lamparinas,
seus despabiladeras, seus pires, e todos seus utensílios do azeite com que se
serve;

10 e o porão com todos seus utensílios em uma coberta de peles de texugos,
e o colocarão sobre umas padiolas.

11 Sobre o altar de ouro estenderão um pano azul, e o cobrirão com a coberta
de peles de texugos, e lhe porão suas varas.

12 E tomarão todos os utensílios do serviço de que fazem uso no
santuário, e os porão em um pano azul, e os cobrirão com uma coberta de
peles de texugos, e os colocarão sobre umas padiolas.

13 Tirarão a cinza do altar, e estenderão sobre ele um pano de púrpura.

14 e porão sobre ele todos seus instrumentos de que se serve: as paletas, os
ganchos de ferro, os braseiros e os tigelas, todos os utensílios do altar; e
estenderão sobre ele a coberta de peles de texugos, e lhe porão além disso as
varas.

15 E quando acabarem Aarón e seus filhos de cobrir o santuário e todos os
utensílios do santuário, quando tiver de mudar o acampamento, virão depois
deles os filhos do Coat para levá-los; mas não tocarão coisa Santa, não seja
que morram. Estas serão as cargas dos filhos do Coat no tabernáculo de
reunião.

16 Mas a cargo do Eleazar filho do sacerdote Aarón estará o azeite do
iluminado, o incenso aromático, a oferenda contínua e o azeite da unção;
o cargo de todo o tabernáculo e de tudo o que está nele, do santuário de
seus utensílios.

17 Falou também Jehová ao Moisés e ao Aarón, dizendo:

18 Não farão que pereça a tribo das famílias do Coat de entre os levita.

19 Para que quando se aproximarem ao lugar muito santo vivam, e não morram, farão
com eles isto: Aarón e seus filhos virão e os porão a cada um em seu ofício
e em seu cargo.

20 Não entrarão para ver quando cobrirem as coisas santas, porque morrerão.

21 Além disso falou Jehová ao Moisés, dizendo:

22 Toma também o número dos filhos do Gersón segundo as casas de seus pais,
por suas famílias.

23 De idade de trinta anos acima até cinqüenta anos os contará; todos os
que entram em companhia para servir no tabernáculo de reunião.

24 Este será o ofício das famílias do Gersón, para ministrar e para levar:

25 Levarão as cortinas do tabernáculo, o tabernáculo de reunião, seu
coberta, a coberta de peles de texugos que está em cima dele, a cortina de
a porta do tabernáculo de reunião,

26 as cortinas do átrio, a cortina da porta do átrio, que está perto
do tabernáculo e perto do altar ao redor, suas cordas, e todos os
instrumentos de seu serviço e tudo o que será feito para eles; assim servirão.

27 Segundo a ordem do Aarón e de seus filhos será todo o ministério dos filhos
do Gersón em todos seus cargos, e em todo seu serviço; e lhes encomendarão em
guarda todos seus cargos.

28 Este é o serviço das famílias dos filhos do Gersón no tabernáculo
de reunião; e o cargo deles estará sob a direção do Itamar filho do
sacerdote Aarón.

29 Contará os filhos do Merari por suas famílias, segundo as casas de seus
pais.
30 Desde o de idade de trinta anos acima até o de cinqüenta anos os
contará; todos os que entram em companhia para servir no tabernáculo de
reunião.

31 Este será o dever de seu cargo para todo seu serviço no tabernáculo de
reunião: as pranchas do tabernáculo, suas barras, suas colunas e suas bases,

32 as colunas do átrio ao redor e suas bases, suas estacas e suas cordas, com
todos seus instrumentos e todo seu serviço; e consignará 853 por seus nomes
todos os utensílios que eles têm que transportar.

33 Este será o serviço das famílias dos filhos do Merari para todo seu
ministério no tabernáculo de reunião, sob a direção de ltamar filho do
sacerdote Aarón.

34 Moisés, pois, e Aarón, e os chefes da congregação, contaram aos filhos
do Coat por suas famílias e segundo as casas de seus pais,

35 desde o de idade de trinta anos acima até o de idade de cinqüenta anos;
todos os que entram em companhia para ministrar no tabernáculo de reunião.

36 E foram os contados deles por suas famílias, dois mil e setecentos
cinqüenta.

37 Estes foram os contados das famílias do Coat, todos os que ministran
no tabernáculo de reunião, os quais contaram Moisés e Aarón, como o mandou
Jehová por meio do Moisés.

38 E os contados dos filhos do Gersón por suas famílias, segundo as casas de
seus pais,

39 desde o de idade de trinta anos acima até o de idade de cinqüenta anos,
todos os que entram em companhia para ministrar no tabernáculo de reunião;

40 os contados deles por suas famílias, segundo as casas de seus pais,
foram dois mil seiscentos e trinta.

41 Estes são os contados das famílias dos filhos do Gersón, todos os que
ministran no tabernáculo de reunião, os quais contaram Moisés e Aarón por
mandato do Jehová.

42 E os contados das famílias dos filhos do Merari, por suas famílias,
segundo as casas de seus pais,

43 desde o de idade de trinta anos acima até o de idade de cinqüenta anos,
todos os que entram em companhia para ministrar no tabernáculo de reunião;

44 os contados deles, por suas famílias, foram três mil e duzentos.

45 Estes foram os contados das famílias dos filhos do Merari, os quais
contaram Moisés e Aarón, conforme o mandou Jehová por meio do Moisés.

46 Todos os contados dos levita que Moisés e Aarón e os chefes do Israel
contaram por suas famílias, e segundo as casas de seus pais,

47 desde o de idade de trinta anos acima até o de idade de cinqüenta anos,
todos os que entravam para ministrar no serviço e ter cargo de obra em
o tabernáculo de reunião,
48 os contados deles foram oito mil quinhentos e oitenta.

49 Como o mandou Jehová por meio do Moisés foram contados, cada um segundo seu
ofício e segundo seu cargo; os quais contou ele, como foi mandado.

2.

Filhos do Coat.

Coat foi o segundo filho do Leví. Seus descendentes ocupam o segundo lugar,
depois dos gersonitas, na lista do cap. 3: 19, 27. Assim como os
levita estavam separados do Israel para um serviço sagrado, também os
coatitas ficaram separados do resto dos levita para desempenhar deveres
mais sagrados.

3.

De idade de trinta anos.

Estes homens estavam na flor de sua vida física e bem capacitados para a
obra de transportar o tabernáculo e seus implementos. No cap. 8: 23-26 se
dá a idade como entre 25 e 50 anos. Escritores posteriores consignam outro
reajuste, atribuído ao David, pelo que começava o serviço aos 20 anos de
idade (1 Crón. 23: 24, 27; 2 Crón. 31: 17; Esd. 3: 8). Um escritor apócrifo
também menciona isto (1 Esdras 5: 58). A primeira ordem, pela que se dão
os 30 anos como a idade de começar, pode ter sido uma medida transitiva.
Trinta anos assinalavam a idade na qual um judeu era considerado amadurecido e
preparado para assumir todas as responsabilidades de seus direitos e privilégios
(cf. Luc. 3: 23). além da idade de 50 anos, um levita não estava
obrigado a emprestar serviços a não ser meramente a ajudar no tabernáculo, de
acordo com sua capacidade (Núm. 8: 25, 26).

Em companhia.

De uma palavra hebréia usada para designar um exército disposto em ordem de
batalha, e empregada assim vez detrás vez nas Escrituras. Também poderia
traduzir-se "guerra", como referência às operações de combate em que tinham
que entrar os recrutas e seus oficiais. Neste versículo se refere aos
deveres sagrados de um soldado de Deus, O cristão de hoje em dia entende isto
como o serviço de um soldado da cruz.

4.

O lugar muito santo.

"As coisas sacratísimas"(BJ). Quer dizer, o arca, a mesa de los854 pães de
a proposição, o castiçal, os altares, os véus e os diversos implementos
do santuário. A expressão hebréia é a que se emprega para o lugar muito santo
no Exo. 26: 33.

5.

O véu da loja.

Ver Exo. 35: 12; 39: 34; Luc. 23: 45. Aqui se faz referência ao véu que
dividia o lugar santo do muito santo (Exo. 26: 31-33). O primeiro véu, para a
porta do tabernáculo, estava encomendado aos cuidados dos gersonitas (Núm.
4: 25).
6.

De azul.

O arca era o único artigo do moblaje santo que estava talher com um pano
azul (ou violeta), para distingui-la quando era levada de um lugar a outro.

Varas.

As varas com as quais era levada o arca aparentemente nunca eram tiradas
dos anéis (Exo. 25: 14, 15). É possível que Aarón e seus filhos entrassem em
o lugar muito santo para cobri-la.

7.

A mesa da proposição.

Literalmente, "a mesa dos rostos", com o significado de "a mesa da
Presença", para referir-se ao pão que era colocado diante do Senhor.

As colheres, as taças.

Ver Exo. 25: 29.

O pão contínuo.

Esta expressão não aparece outra vez na Bíblia. A explicação se acha em
Exo. 25: 30, em harmonia com as palavras literais aqui: "o pão de
continuidade". Compare-se com os términos do NT que significam "o pão da
hora vespertina" (Mat. 12: 4; Mar. 2: 26; Luc. 6: 4) e "o oferecimento das
fogaças de pão" (Heb. 9: 2).

8.

Pano carmesim.

Esta é uma cobertura adicional, além da que se usava para outros
artigos.

9.

Castiçal do sistema de iluminação.

Este nome completo aparece outra vez no Exo. 35: 14. Para o castiçal ou
suporte das luzes, ver com. Exo. 25: 31.

Seus despabiladeras.

Ver com. Exo. 25: 38.

Pires.

A mesma palavra é traduzida "incensarios" (cap. 16: 6) e "braseiros" (Exo. 27:
3). A referência pode ser a caçarolas ou pires playos de metal.

10.

Padiolas.
Possivelmente se refere a varas ou varas que eram passadas pelos anéis para o
transporte (Exo, 30: 4, 5). A mesma palavra se traduz "pau" no Núm. 13: 23
e "jugo" no Nah. 1: 13.

11.

Altar de ouro.

O altar do incenso, recubierto de ouro (Exo. 30: 3).

12.

Utensílios do serviço.

Os utensílios: facas, vasilhas, caçarolas, etc., que se usavam dentro do
tabernáculo. Alguns comentadores referem esta expressão a "os vestidos do
serviço" mencionados no Exo. 31: 10.

13.

Altar.

Quer dizer, o altar de bronze dos holocaustos (Exo. 27: 1-3).

Um pano de púrpura.

O pano de púrpura ou vermelho profundo pode ter sido usado como uma marca
distintiva devido a que este era o altar dos holocaustos que estava no
átrio e não no lugar santo.

Este versículo fala de tirar a "cinza". Muitos comentadores não dizem nada
a respeito disto porque é duvidoso o significado da palavra assim traduzida. A
raiz verbal não se usa a não ser 11 vezes no AT e geralmente se traduz
"engorda" (Prov. 15: 30, Valha. ant.) ou "será engordado" (Prov. 11: 25; 13: 4,
Valha. ant.), "engordurará de grosura" (ISA. 34: 7). O substantivo se encontra
sete vezes, e se traduz sem exceção "gordura". A mesma raiz, usada oito
vezes e consignada como um substantivo separado, traduz-se "cinza". Em seu
forma de adjetivo, traduz-se no AT como "gordo" ou "grosso". Tudo isto
sugere que a referência poderia ser à gordura queimada ou graxa que se
acumulava dos holocaustos.

14.

Tigelas.

Eram para conter o sangue que tinha que ser asperjada sobre o altar. Amós
6: 6 tem a mesma palavra para os recipientes de vinho. Nesse caso poderia
sugerir ou a cor vermelha do vinho ou a embriaguez dos bebedores.

15.

Quando acabarem.

Não se permitia que nenhum levita tocasse as coisas santas até que tinham sido
tampadas e embaladas pelo Aarón e seus filhos; então os coatitas simplesmente
levantavam os maços e os transportavam (vers. 12-14).

Para levá-los.
Levita-os eram os carregadores normais (2 Sam. 15: 24). Em duas ocasiões
insólitas se fizeram outros acertos (1 Sam. 6: 7, 8; 2 Sam, 6: 3).

Não tocarão coisa Santa.

A palavra traduzida "costure Santa" provavelmente é um término coletivo que se
refere a todos os objetos sagrados.

16.

Eleazar.

Indubitavelmente Eleazar tinha a responsabilidade pessoal do transporte dos
artigos sagrados e de seu cuidado general.

Azeite.

Ver com. Exo. 27: 20.

Incenso aromático.

Ver com. Exo. 30: 34.

Oferenda contínua.

Esta oferenda de cereais ou de farinha poderia identificar-se com a "oferenda" que
oferecia-se duas vezes ao dia junto 855 com o holocausto (Exo. 29; 38-41; Neh.
10: 33), ou mais provavelmente a oferenda feita com farinha dos sacerdotes
ungidos (Lev. 6: 20-23).

17.

E ao Aarón.

Aarón foi instruído pelo Jehová pois era o dever dos sacerdotes fiscalizar a
os coatitas.

18.

Não farão que pereça.

Não sejam a causa de que sejam mortos os coatitas por descuidar seu dever
de supervisão. Se os sacerdotes eram descuidados, era provável que os
coatitas seguissem seu exemplo e caíssem sob condenação. Aarón e os coatitas
eram da mesma tribo. Entretanto, as coisas sagradas não deviam ser tocadas,
e algumas delas nem sequer contempladas pelos coatitas. portanto, em
responsabilidade moral se ordenava que fossem um exemplo os sacerdotes ungidos,
pois se os fazia responsáveis por seus irmãos mais humildes. Da mesma
maneira, os operários da igreja cristã sempre devem ser exemplos de
cristianismo, de uma vida vitoriosa, de plena consagração à verdade e tudo
o que ela implica.

19.

Vivam.

A recompensa dos fiéis, como se promete hoje em dia, é a imortalidade que
tem sua origem no Jesucristo (Mat. 19: 17, 29; Juan l: 4; 6: 47; Apoc. 21:
27).

Porão-os.

Na obra de Deus deve haver submissão à vontade divina. Não devemos
rechaçar certas tarefas tão somente porque sentimos outra inclinação.

21.

Moisés.

Aarón cooperava no cumprimento dos requisitos (vers. 1, 19, 34).

22

Os filhos do Gersón. 7

Só eram dois (cap. 3: 21). A obra de levar todos os cortinados e as
coberturas era tarefa dos gersonitas (vers. 24-28), quem usava carretas
atiradas por bois para esse propósito (cap. 7: 7).

25.

Cortinas.

Quer dizer as dez cortinas que formavam a cobertura interior do tabernáculo
(Exo. 26: 1, 2).

Tabernáculo.

As pranchas do tabernáculo estavam a cargo dos meraritas (vers. 31 ), mas
aqui se faz referência às 11 cortinas de cabelo de cabra que as cobriam (ver
Exo. 26: 7, 8).

Peles de texugos.

A cobertura mais externa de todas (Exo. 26: 14; ver com. Exo. 25: 5).

A cortina da porta.

Ver com. Exo. 26: 36.

26.

Cortinas do átrio.

Ver com. Exo. 27: 9.

Da porta.

Ver com. Exo. 27: 16.

Instrumentos.

Ver com. Exo. 27: 19.

27.

 A ordem do Aarón.
 Literalmente, "pela boca do Aarón", quer dizer a sua ordem. Os sacerdotes
deviam dar as ordens necessárias aos gersonitas (cap. 3: 6, 7).

28.

Itamar.

Itamar era o principal supervisor tanto dos gersonitas como dos
meraritas (vers. 33). A sua era uma responsabilidade pessoal.

29.

Filhos do Merari.

Só havia duas famílias deles (cap. 3: 33).

30.

Para servir.

A mesma palavra é traduzida "companhia" no vers. 3.

31.

Dever.

O dever dos meraritas era transportar a verdadeira armação do tabernáculo
mesmo. Eles também usavam carros (cap. 7: 8). Suas cargas eram muito mais
pesadas que as transportadas pelos coatitas, pois se tratava de todas as
partes sólidas da estrutura, com seus acessórios.

Pranchas.

Ver com. Exo. 26: 15.

Barras.

Ver com. Exo. 26: 26.

Colunas.

Ver com. Exo. 26: 32.

Bases.

Quer dizer, para as pranchas do tabernáculo e também para as colunas. Ver
com. Exo. 26: 19.

32.

Colunas do átrio.

Para as colunas e bases ver Exo. 27: 10-12.

Estacas.

Ver Exo. 27: 19; 38: 20.
Cordas.

Ver com. Exo. 35: 18.

Por seus nomes.

Quer dizer a atribuição individual de uma coisa particular a uma pessoa em
particular.

34.

Os chefes da congregação.

Literalmente, "os príncipes da congregação" (cf. Núm. 16: 2; 31: 13; Exo.
16: 22; Jos. 9: 15).

Contaram.

Não todos os varões descendentes do Coat (ver cap. 3: 28), a não ser só os que
estavam entre 30 e 50 anos (cap. 4: 35).

40.

Contado-los.

O número dado neste versículo é um pouco maior que uma terceira parte de seus
varões, ou todos os que eram aptos para o serviço (ver cap. 3: 22).

47.

Para ministrar no serviço.

Sustentam alguns que se trata do canto do coro dos levita, acompanhado
por instrumentos musicais durante a apresentação de sacrifícios. Débito
notar-se que a idade é de 30 anos para acima. Esta é a idade na qual
Jesus começou seu ministério (Luc. 3: 23).

As ordens precisas que detalham os deveres para as tribos, os clãs e os
indivíduos 856 em particular, com a especificação da idade dos grupos,
têm uma lição para a igreja da atualidade. Em 1 Cor. 12, o apóstolo
Pablo fala de "dons espirituais" (vers. 1), "diversidade de dons" (vers. 4)
e "diversidade de ministérios" (vers. 5). Também há "diversidade de
operações" (vers. 6); mas através de todos e em todos "Lhes diga ... é o
mesmo", "o Senhor é o mesmo", "o mesmo Espírito". Também "o corpo é
um" embora tenha "muitos membros" (vers. 12); e todos devem trabalhar
harmoniosamente para que não se rompa em pedaços (vers. 25). A unidade
organizada da igreja do deserto tem seu equivalente na igreja com
seus membros batizados, levados a uma relação vital com o Espírito Santo
(vers. 13). É a ação do Espírito Santo o que dá forma ao conjunto em um
corpo, até ao corpo do Jesucristo.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

15 PP 764

CAPÍTULO 5

1 Tudo imundo é jogado fora do acampamento. 5 Lei sobre a restituição. 11
Lei sobre o ciúmes.
1 JEHOVA falou com o Moisés, dizendo:

2 Manda aos filhos do Israel que joguem do acampamento a todo leproso, e a
todos os que padecem fluxo de sêmen, e a tudo poluído com morto.

3 Assim a homens como a mulheres jogarão; fora do acampamento os jogarão,
para que não poluam o acampamento daqueles entre os quais eu habito.

4 E o fizeram assim os filhos do Israel, e os jogaram fora do acampamento;
como Jehová disse ao Moisés, assim o fizeram os filhos do Israel.

5 Além disso falou Jehová ao Moisés, dizendo:

6 Dí aos filhos do Israel: O homem ou a mulher que cometer algum de todos
os pecados com que os homens prevaricam contra Jehová e delinqüem,

7 aquela pessoa confessará o pecado que cometeu, e compensará inteiramente o
dano, e acrescentará sobre isso a quinta parte, e o dará a aquele contra quem
pecou.

8 E se aquele homem não tuviere parente ao qual seja ressarcido o dano, dará-se
a indenização da ofensa ao Jehová entregando-a ao sacerdote, além disso do
carneiro das expiações, com o qual fará expiação por ele.

9 Toda oferenda de todas as coisas santas que os filhos do Israel apresentassem ao
sacerdote, sua será.

10 E o santificado de qualquer será dele; deste modo o que qualquer diere
ao sacerdote, seu será.

11 Também Jehová falou com o Moisés, dizendo:

12 Fala aos filhos do Israel e lhes diga: Se a mulher de algum se desencaminhasse, e
for-lhe infiel,

13 e algum coabitasse com ela, e seu marido não o tivesse visto por haver-se
ela amancillado ocultamente, nem houver testemunha contra ela, nem ela houver
sido surpreendida no ato;

14 se viesse sobre ele espírito de ciúmes, e tivesse ciúmes de sua mulher,
havendo-se ela amancillado; ou viniere sobre ele espírito de ciúmes, e tivesse
ciúmes de sua mulher, não havendo-se ela amancillado;

15 então o marido trará sua mulher ao sacerdote, e com ela trará seu
oferenda, a décima parte de um f de farinha de cevada; não jogará sobre ela
azeite, nem porá sobre ela incenso, porque é oferenda de ciúmes, oferenda
recordativa, que traz para a memória o pecado.

16 E o sacerdote fará que ela se aproxime e fique diante do Jehová.

17 Logo tomará o sacerdote da água Santa em um copo de barro; tomará também
o sacerdote do pó que houver no chão do tabernáculo, e o jogará em
a água.

18 E fará o sacerdote estar em pé à mulher diante do Jehová, e descobrirá
a cabeça da mulher, e porá sobre suas mãos a oferenda recordativa, que é
a oferenda de ciúmes; e o sacerdote terá na mão as 857 águas amargas
que conduzem maldição.
19 E o sacerdote a conjurará e lhe dirá: Se nenhum dormiu contigo, e se
não te apartaste que seu marido a imundície, livre seja destas águas amargas
que trazem maldição;

20 mas se te desencaminhaste que seu marido e te há amancillado, e coabitou
contigo algum fora de seu marido

21 (o sacerdote conjurará à mulher com juramento de maldição, e dirá à
mulher): Jehová te faça maldição e abominação em meio de seu povo, fazendo
Jehová que sua coxa caia e que seu ventre se enche;

22 e estas águas que dão maldição entrem em suas vísceras, e façam inchar você
ventre e cair sua coxa. E a mulher dirá: Amém, amém.

23 O sacerdote escreverá estas maldições em um livro, e as apagará com as
águas amargas;

24 e dará a beber à mulher as águas amargas que trazem maldição; e as águas
que obram maldição entrarão nela para amargurar.

25 Depois o sacerdote tirará da mão da mulher a oferenda do ciúmes,
e a balançará diante do Jehová, e a oferecerá diante do altar.

26 E tomará o sacerdote um punhado da oferenda em memória dela, e o
queimará sobre o altar, e depois dará a beber as águas à mulher.

27 Lhe dará, pois, a beber as águas; e se for imunda e tiver sido infiel a
seu marido, as águas que obram maldição entrarão nela para amargurar, e seu
ventre se inchará e cairá sua coxa; e a mulher será maldição em meio de seu
povo.

28 Mas se a mulher não for imunda, mas sim estivesse poda, ela será
livre, e será fecunda.


29 Esta é a lei do ciúmes, quando a mulher cometer infidelidade contra seu
marido, e se amancillare;

30 ou do marido sobre o qual passar espírito de ciúmes, e tuviere ciúmes de seu
mulher; apresentará então diante do Jehová, e o sacerdote executará em
ela toda esta lei.

31 O homem será livre de iniqüidade, e a mulher levará seu pecado.

2.

Que joguem.

Todas as pessoas ceremonialmente imundas deviam ser tiradas da proximidade
do acampamento. Possivelmente tenha havido outras razões para esta ordem além disso do
princípio da quarentena. Mas a quarentena parece ser a razão evidente.

Acampamento.

Isto se referia à zona do acampamento em seu sentido mais amplo,
estendendo-se a seus limites por todos lados (caps. 2, 3). A mesma palavra
tambíén se traduziu "átrios" em 2 Crón. 31: 2.
Todo leproso.

Ver com. Lev. 13: 2 e a nota adicional do Lev. 13. Os judeus consideravam
esta enfermidade como um sinal do desagrado de Deus. Certamente às vezes foi
assim como ficou em evidencia nos casos da María (Núm. 12: 12), Giezi (2 Rei.
5: 27) e Azarías (2 Rei. 15: 5).

Que padecem fluxo.

Ver com. Lev. 15. Esta classe não estava excluída da parte externa do
acampamento.

Poluído com morto.

Esta classe de pessoas estava eliminada só da parte mais central do
acampamento (Lev. 11: 24; 21: 1,11).

A palavra aqui traduzida "morto" é néfesh, vertida muitas vezes como "alma"
nas diferentes versões castelhanas da Bíblia (ver com. Gén. 35: 18).
Tem vários significados e aqui se refere a um cadáver, considerado como
ceremonialmente imundo (ver Núm. 6: 6, 11; 9: 6, 7, 10; Lev. 2 l: 11).

As três classes aqui especificadas tinham certas coisas em comum: (1) a
duração da imundície- sete dias depois da eliminação da causa- e
(2) o conceito de que os imundos eram um meio para poluir a outros que
ficavam em contato com eles.

3.

Entre os quais eu habito.

A mesma expressão se usa para a Terra Santa (cap. 35: 34) em uma
admoestação para não polui-la com feitos de violência e injustiça.

6.

O homem ou a mulher.

As palavras hebréias aqui se referem a indivíduos específicos.

Homens.

De um término genérico que significa "humanidade".

Contra Jehová.

Um pecado contra um próximo era considerado como um pecado contra a pessoa de
Deus e, portanto, requeria a apresentação de um sacrifício tanto como a
restituição a favor da pessoa prejudicada (ver Núm. 5: 7; cf. Lev. 6:
2-4). Embora seja possível pecar contra Deus sem que isto implique machucar a um
próximo, não é possível pecar 858 contra um homem sem cometer um pecado contra
Deus.

7.

Compensará inteiramente o dano.

Literalmente, "devolverá sua culpa". Aqui o término abstrato "culpa" se usa
para o objeto concreto que roubou ou algo que pudesse ter realizado
dispondo dele.

Quinta parte.

Note uma compensação similar no Lev. 6: 5; 22: 14 (ver Lev. 27: 11, 27: 31).

8.

Parente.

Esta é a palavra go'o, do verbo "redimir, atuar como um parente". Se
aplica a Cristo como o Redentor (ver Job 19: 25; Sal. 19: 14; 78: 35; 103: 4;
ISA. 41: 14; 43: 14; 47: 4; 54: 5; 59: 20; 60: 16). Posto que um israelita,
pelo general, tinha um parente, é possível que o homem sem parental fora
um partidário.

Ao Jehová entregando-a ao sacerdote.

Literalmente, "para o Jehová para o sacerdote". O sacerdote estava como o
representante pessoal do Jehová, e a propriedade chegava a ser dela (ver Lev.
23: 20).

Carneiro das expiações.

A oferenda requerida (Lev. 5: 15; 6: 6; 7: 7) pertencente ao sacerdote em
lugar do Jehová.

9.

Oferenda.

A palavra "oferenda" tem o significado de "o que levanta", quer dizer
proveniente de uma quantidade maior e que se dedica a um propósito sagrado. A
ensino judia é que esta é uma referência aos primeiros frutos (Exo. 23:
19), de modo que eles também chegavam a ser propriedade dos sacerdotes (Núm.
15: 19-21; 31: 29, 41, 52; Deut. 12: 6, 11). A idéia de uma contribuição, já
fora em um sentido geral ou para um propósito específico, aplica-se aqui
adequadamente. A "oferenda" chegava a ser algo que correspondia ao sacerdote
(Lev. 7: 14,32, 34).

10.

Seu será.

Este versículo menciona as duas fontes dos ganhos sacerdotais: o que se
devia ao Jehová e dádivas para os sacerdotes. Um sacerdote individual não podia
reclamar dádivas específicas dos particulares. A dádiva dependia do dono
e estava sujeita a esta admoestação geral e ao princípio de que algo
que demandasse Jehová como sua devia colocar-se primeiro.

13.

Nem houver testemunha.

necessitavam-se duas testemunhas para conseguir uma falha de culpabilidade (Núm. 35:
30; Deut. 17: 6; 19: 15). A morte era o castigo para uma culpa comprovada
(Lev. 20: 10; Deut. 22: 22-27). Há amplos motivos de suspeita de parte do
algemo pelo menos, mas não uma verdadeira prova.
14.

Espírito.

De rúaj palavra traduzida "espírito" no AT. Aparece 377 vezes em hebreu e
traduziu-se como "espírito" mais de 250 vezes na VVR. A idéia
predominante nesta palavra é "poder". Quando a reina do Sabá viu o
esplendor do Salomón, literalmente "não ficou mais espírito nela"; "ficou sem
fôlego" (BJ); "ficou assombrada" (VVR) (1 Rei. 10: 5). Quando Isaías fala de
os cavalos do Egito como carne "e não espírito", quer dizer que eram
débeis comparados com Deus. Um homem que controla seu espírito, é tanto
forte como digno (Prov. 16: 32; 25: 28). Aqui (Núm. 5: 14) o término indica
um intenso impulso ou emoção.

15.

Décima parte de um f.

Aproximadamente 2,2 litros.

Farinha de cevada.

Uma classe mais troca de farinha, um alimento ordinário usado só pelos muito
pobres (Juec. 7: 13; Juan 6: 9, 13) e como forragem para os animais (1 Rei. 4:
28). A "flor de farinha" requerida para outras oferendas (Eze. 46: 14) não se
permitia em um caso desta natureza onde os motivos eram corrupção moral
e desonra. Os elementos ordinários desta oblação eram um indício da
grosseria e grosseria do ato pecaminoso.

Não jogará sobre ela azeite.

Esta era uma ocasião extremamente desventurada, de modo que ficava excluído o
azeite, símbolo de gozo e alegria. O azeite e o incenso, embora incluídos
com a oferenda das primicias, não se permitiam na oferenda pelo pecado de
um pobre (Lev. 2: 15; 5: 11).

De ciúmes.

A palavra hebréia aqui usada é de número plural posto que a ofensa, se a
mulher era culpado, era tanto contra Deus como contra seu marido. Também mais
de uma pessoa era culpado.

Recordativa.

Uma frase para que recordem os homens que Deus não perdoa a iniqüidade nem a
esquece até que foi confessada (1 Rei. 17: 18; Eze. 29: 16; Ouse. 8: 13;
Jer. 44: 21; Sal. 25: 7).

16.

diante do Jehová.

Quer dizer, no tabernáculo.

17.

Água Santa.

Era água contida no lavatório, reservada para as abluções dos
sacerdotes (Exo. 30:18, 19). Entretanto, alguns mantêm que se refere a
água corrente (ver Núm. 19: 17; Lev. 14: 5). Esta expressão não se usa em
nenhuma outra parte de 859 a Bíblia. Não há semelhança nenhuma entre esta e a
chamada água bendita proporcionada por algumas Iglesias hoje em dia.

Um copo de barro.

A classe mais troca de vasilha para corresponder com a ínfima qualidade da
farinha e a atrocidade do pecado. O copo provavelmente era destroçado depois
da cerimônia, como no caso da oferenda pelo pecado (Lev. 6: 28; cf.
14: 5, 50). Alguns comentadores sugerem que isto implicava a vida
quebrantada da mulher, se resultava culpado.

Pó.

Não é claro o motivo desta disposição. Sendo sagrado em um sentido, possivelmente
só faria mal a uma pessoa culpado.

18.

Descobrirá a cabeça da mulher.

Este era um gesto de vergonha (ver Lev. 10: 6; 13: 45; 21: 10).

Sobre suas mãos.

Estes diversos atos tinham o propósito de quebrantar a fortaleza da mulher
e fazer que confessasse, se era culpado.

Águas amargas.

A expressão literal em hebreu é "águas de amargura". Não porque a água fora
em si mesmo de gosto amargo mas sim porque, para a pessoa culpado, haveria
resultados amargos (ver Jer. 2: 19; 4.- 18; Eze. 23: 48).

19.

De seu marido.

O hebreu diz "sob seu marido", com o significado de "sujeita a seu marido".
No Eze. 23: 5 se traduziu "estando em meu poder", literalmente, "quando ela
estava debaixo de mim", e em ROM. 7: 2, a palavra traduzida "mulher" é um
vocábulo composto que significa "sob um homem", quer dizer sob sua direção
como cabeça do lar.

Livre seja.

Quer dizer, livre da maldição implicada, se não ser culpado.

21.

Faça-te maldição.

Quando amaldiçoava ou fazia emprestar juramento, a gente recordava o nome dela
em suas imprecações pronunciadas sobre os transgressores, dizendo: "Jehová lhe
faça como aquela mulher".

Sua coxa.
Possivelmente com o significado de que a mulher não daria mais a luz um menino são (vers.
28). Ela chegaria assim a ser uma amarga decepção para seu marido, incapaz de
edificar sua casa lhe dando filhos.

23.

Apagará-as.

As palavras escritas eram lavadas diluindo-se na água, e assim eram
transferidas a ela.

24.

A beber.

A mulher bebia a água depois da oferenda (vers. 26), mas aqui se antecipa
o ato.

26.

Em memória.

Como um recordativo ao Jehová para impedir que as águas de amargura fizessem
machuco à mulher se era inocente. O término é técnico (Lev. 2: 2, 9, 16; 5:
12; 6: 15; 24: 7).

27.

Será maldição.

Ela séria um exemplo e uma advertência para outros.

28.

Livre.

Quer dizer, declarada inocente (ver Jer. 2: 35), e assim não sofreria dano.

Será fecunda.

Uma compensação que implicava favor divino e, portanto, muito estimada por
os israelitas.

31.

Levará seu pecado.

O princípio básico de toda esta ordalía era que seu resultado estava nas
mãos de Deus.

CAPÍTULO 6

1 A lei dos nazareos. 22 A bênção sacerdotal sobre o povo.

1 FALO Jehová ao Moisés, dizendo:

2 Fala aos filhos do Israel e lhes diga: O homem ou a mulher que se apartar
fazendo voto de nazareo, para dedicar-se ao Jehová,
3 se absterá de vinho e de cidra; não beberá vinagre de vinho, nem vinagre de
cidra, nem beberá nenhum licor de uvas, nem tampouco comerá uvas frescas nem secas.

4 Todo o tempo de seu nazareato, de tudo o que se faz da videira, dos
granillos até o pele, não comerá.

5 Todo o tempo do voto de seu nazareato não passará navalha sobre sua cabeça;
até que sejam cumpridos os dias de seu lugar retirado ao Jehová, será santo;
deixará crescer seu cabelo.

6 Todo o tempo que se à parte para o Jehová, não se aproximará de pessoa morta.

7 Nem mesmo por seu pai nem por sua mãe, 860 nem por seu irmão nem por sua irmã,
poderá poluir-se quando morrerem; porque a consagração de seu Deus tem sobre
sua cabeça.

8 Todo o tempo de seu nazareato, será santo para o Jehová.

9 Se algum muriere súbitamente junto a ele, sua cabeça consagrada será
poluída; portanto, o dia de sua purificação raspará sua cabeça; ao sétimo
dia a raspará.

10 E nos oitavo dia trará dois tórtolas ou dois filhotes de pomba ao sacerdote, à
porta do tabernáculo de reunião.

11 E o sacerdote oferecerá o um em expiação, e o outro em holocausto; e fará
expiação do que pecou a causa do morto, e santificará sua cabeça naquele
dia.

12 E consagrará para o Jehová os dias de seu nazareato, e trará um cordeiro de um
ano em expiação pela culpa; e nos primeiros dias serão anulados, por quanto
foi poluído seu nazareato.

13 Esta é, pois, a lei do nazareo o dia que se cumprir o tempo de seu
nazareato: Virá à porta do tabernáculo de reunião,

14 e oferecerá sua oferenda ao Jehová, um cordeiro de um ano sem tacha em
holocausto, e uma cordera de um ano sem defeito em expiação, e um carneiro sem
defeito por oferenda de paz.

15 Além disso um canastillo de tortas sem levedura, de flor de farinha amassadas com
azeite, e folhados sem levedura lubrificadas com azeite, e sua oferenda e seus
libações.

16 E o sacerdote o oferecerá diante do Jehová, e fará sua expiação e seu
holocausto;

17 e oferecerá o carneiro em oferenda de paz ao Jehová, com o canastillo dos
pães sem levedura; oferecerá deste modo o sacerdote sua oferenda e suas libações.


18 Então o nazareo raspará à porta do tabernáculo de reunião sua cabeça
consagrada, e tomará os cabelos de sua cabeça consagrada e os porá sobre o
fogo que está debaixo da oferenda de paz.

19 Depois tomará o sacerdote a espaldilla cozida do carneiro, uma torta sem
levedura do canastillo, e uma folhado sem levedura, e as porá sobre as
mãos do nazareo, depois que for puída sua cabeça consagrada;
20 e o sacerdote balançará aquilo como oferenda balançada diante do Jehová, o qual
será coisa Santa do sacerdote, além disso do peito balançado e da espaldilla
separada; depois o nazareo poderá beber vinho.

21 Esta é a lei do nazareo que hiciere voto de sua oferenda ao Jehová por seu
nazareato, além do que seus recursos lhe permitirem; segundo o voto que
hiciere, assim fará conforme à lei de seu nazareato.

22 Jehová falou com o Moisés, dizendo:

23 Fala ao Aarón e a seus filhos e lhes diga: Assim benzerão aos filhos do Israel,
lhes dizendo:

24 Jehová te benza, e te guarde;

25 Jehová faça resplandecer seu rosto sobre ti, e tenha de ti misericórdia;

26 Jehová eleve sobre ti seu rosto, e ponha em ti paz.

27 E porão meu nome sobre os filhos do Israel, e eu os benzerei.

2.

O homem ou a mulher.

Temos poucos exemplos de mulheres nazareas. esperou-se que cumprissem
condições similares às que se requeriam dos homens. Se uma mulher
estava submetida a um pai ou a um marido, qualquer deles tinha autoridade
para anular o voto dela (cap. 30: 3-8). O fato de que a mãe do Sansón
não devia beber vinho implica que estava sob um voto temporario de nazareo
(Juec. 13: 4, 5). Em relação com o primeiro uso da palavra "nazareo",
devesse destacar-se que a forma de escrevê-la aqui empregada obedece a dois
razões: é uma melhor transliteración do hebreu; protege contra uma fácil
confusão do término como que se referisse a um habitante do Nazaret. Na
VVR é clara a diferença entre "nazareo" e "nazareno".

Fazendo voto.

Compare-se com o Núm. 15: 3 8; Lev. 22: 21; 27: 2.

Nazareo.

A raiz hebréia significa "separar", "consagrar", "dedicar" em um sentido
religioso ou cerimonioso. O essencial nazír significa "consagração", "coroa"
(como um sinal de consagração), e se refere também à pessoa consagrada.
 A expressão mais completa "nazareo a Deus" (Juec. 13: 5, 7), significa um
plenamente dedicado a Deus.

3.

Veio.

De uma palavra para vinho de uva, uma bebida comum (Gén. 14: 18; 27: 25; Juec.
19: 19; 2 Sam. 16: 2; Amós 5: 11; 9: 14; etc.). 861

Cidra.

"Bebidas embriagantes" (BJ). Bebidas embriagantes em geral. usa-se para
bebidas feitas de materiais que não são uvas. A raiz hebréia significa "IIegar
a embriagar-se" e se usa metaforicamente para indicar destruição (ISA. 49; 26).
 proibiam-se vinho e cidra para os sacerdotes que estavam exercendo como
tais (Lev. 10: 9) e para os nazareos (Juec. 13: 4, 7, 14). Consideravam-se
essas bebidas como especialmente malotes para os príncipes e outras pessoas que
ocupavam postos de responsabilidade (Prov. 31: 4), e todos outros eram
acautelados quanto a seu consumo (Prov. 20: 1; 23: 29-33; Hab. 2: 15).

Vinagre.

Um produto ácido proveniente da elaboração de vinho de conteúdo ácido de
graduação alcoólica inferior. O comum do povo o diluía com água e o
usava como uma bebida troca.

Licor de uvas.

"Suco de uvas" (BJ). Podia referir-se a qualquer bebida feita com uvas
frescas.

4.

Granillos.

As palavras "granillos" e "pele" não se encontram em nenhuma outra parte do
AT e seu significado é duvidoso.

5.

Navalha.

O exemplo melhor conhecido de cabelo intonso é o do Sansón (Juec. 13: 5; cf.
Núm. 8: 7). Esta proibição se encontra em todas as referências aos
nazareos pois as jubas largas eram um sinal externo de dedicação a Deus
(ver Lev. 21: 5; Juec. 13: 5; 16:17; 1 Sam. 1: 11).

Sejam cumpridos os dias.

Ver Hech. 21: 24, 26.

Seu cabelo.

As jubas de cabelo eram típicas do nazareo consagrado (ver Juec. 16: 17).

6.

Pessoa morta.

proibia-se que o nazareo tocasse um cadáver, que estivesse em uma casa com uma
pessoa morta, ou que acompanhasse o cadáver à tumba (cap. 19: 11-16). Da
mesma maneira se proibia que o supremo sacerdote estivesse em contato com um
corpo morto (Lev. 21: 11). A expressão literal aqui é "a alma do morto"
(ver com. Núm. 5: 2 e Gén. 35: 18). junto com outras proibições, Sansón não
observou esta (Juec.14:19; 15: 8).

7.

Por seu pai.

A mesma ordem se aplicava ao supremo sacerdote (Lev. 21: 11), embora não aos
sacerdotes que lhe ajudavam (Lev. 21: 1, 2).
A consagração.

Isto se refere a suas jubas intonsas como uma coroa real. Esta mesma
palavra é traduzida "coroa" no Exo. 29: 6; 39: 30; Lev. 8: 9; 21: 12; 2 Sam.
1: 10; 2 Rei. 11: 12; 2 Crón. 23: 11; Sal. 89: 39; 132: 18; Prov. 27: 24; Zac.
9: 16.

9.

Poluída.

A contaminação era causada pelo cadáver, e portanto não tinha sido
provocada a propósito pelo nazareo. Até o pecado não intencional ou "oculto"
era considerado como grave (Sal. 19: 12; 90: 8).

Raspará.

Como o cabelo se poluiu, era necessário eliminá-lo. Não se menciona
que método devia seguir-se. Uma prática antiga entre outros povos era a de
enterrar os objetos poluídos.

Sua purificação.


Isto implicava aspersão com água que continha as cinzas da vaca alazã
(Núm. 19).

10.

Dois tórtolas.

0 pombinhos de pombas. Poluído-los de impureza ofereciam as mesmas
oferenda trocas como substituto por outras mais caras (Lev. 5: 7; 12: 8; 15: 14,
29). Um que não era nazareo e se poluía por contato com um cadáver não
estava obrigado a fazer uma oferenda (Núm. 19: 19).

11.

Em expiação.

O propósito deste sacrifício era eliminar a contaminação. oferecia-se em
a consagração dos sacerdotes (Exo. 29: 1, 14; Lev. 8: 2, 14), dos
levita (Núm. 8: 8, 12), também para a contaminação cerimoniosa como neste
caso (Lev. 12: 6, 8; 14: 19; 15: 15) e para a consagração de objetos (Exo.
29: 36; Lev. 8: 14).

Holocausto.

Mediante esta oferenda se fazia também dedicação.

Pecou.

Quer dizer, contraiu uma impureza legal, e assim pecou contra Deus pois não tomou as
precauções adequadas para não ficar em contato com um cadáver. Compare-se
com a ênfase de Cristo quanto à importância da limpeza do coração
(Mar. 7: 18-23).

Santificará sua cabeça.
Outra vez retoma seu estado de nazareo, reitera seus votos depois de barbeá-la
cabeça e reconsagrar seu cabelo.

12.

Consagrará.

Tendo recuperado sua limpeza, lhe requeria que começasse outra vez todo o
período de seu voto de nazareo.

Um cordeiro.

O original hebreu diz: "O trará um cordeiro, o filho de um ano, para uma
oferenda de culpa". A palavra traduzida "expiação pela culpa" sempre
implica culpabilidade. Apresentar esta oferenda equivalia a reconhecer a culpa
(cf. Lev. 5: 15). 862

Serão anulados.

Os dias de seu voto de nazareo que já tinha completo lhe eram invalidados pela
contaminação.

13.

O tempo de seu nazareato.

Este pode ter sido um período variável. Entretanto, os exemplos de
nazareato que temos na Bíblia em cada caso abrangem a vida inteira: Sansón
(juec. 13: 5), Samuel (1 Sam. 1: 11), Juan o Batista (Luc. 1: 15).

14.

Oferecerá sua oferenda.

Ao completar o período de seu voto, voltava para sua forma usual de vida, daí a
necessidade de uma oferenda pelo pecado. Esta oferenda normalmente se oferecia
antes do holocausto. A oferenda pelo pecado era por qualquer omissão de
que pudesse ter sido culpado durante os dias de seu voto.

Oferenda de paz.

A palavra hebréia empregada é de uma origem duvidosa, e poderia relacionar-se com a
palavra "paz" ou com o significado de "fazer restituição". É uma oferenda para
as ocasiões felizes, uma oferenda de agradecimento em que o adorador come
parte do sacrifício.

15.

Oferenda.

"Oblações" (BJ). Quer dizer a oferenda cereal de flor de farinha, e as
libações tais como as que se empregavam com o holocausto e com a oferenda
de paz do vers. 14; a oferenda pelo pecado não requeria oferenda de farinha nem
libações.

16.

Oferecerá-o.
O sacerdote trazia as oferendas ao altar.

18.

À porta.

A rasuración se fazia junto à oferenda de paz sacrificada (cf Lev. 3: 2) e
o cabelo era jogado no fogo do sacrifício sobre o altar que estava
diante da porta do tabernáculo (Exo. 40: 6). O cabelo tinha sido
dedicado ao Jehová. portanto, era destruído para evitar qualquer perigo
de contaminação.

19.

Espaldilla.

A espaldilla cozida tinha ficado lista para ser usada.

Sobre as mãos.

lê-se em hebreu: "Sobre as mãos voltas para cima" do nazareo (ver Exo.
29: 24; Lei. 8: 27).

20.

Balançará aquilo.

O sacerdote balançava e recebia para si uma porção maior da oferenda do
nazareo que de qualquer outra oferenda, pois "a espaldilla" acrescentava-se a "a
espaldilla direita" (ou coxa direita) que já lhe tinha sido atribuída (Lev. 7:
30-33).

Santa do sacerdote.

Isto alude a espaldilla cozida, a porção adicional mencionada no vers.
19. Provavelmente o nazareo comia do sacrifício depois de que tinha sido
despedido pelo sacerdote.

Poderá beber vinho.

Talvez ficava em liberdade de fazê-lo no futuro. O homem estava então
em liberdade de viver como os outros homens. A palavra para "vinho" é a
mesma que a do vers. 3.

21.

Além disso.

Não havia lei que proibisse que o nazareo trouxesse holocaustos e oferendas de
paz adicionais se seus meios o permitiam; mas se admitia uma só oferenda
pelo pecado.

23.

lhes dizendo.

Isto sugere que a bênção era pronunciada em presença de toda a
congregação (ver Lev. 9: 22; Deut. 21: 5).
24.

Benza-te, e te guarde.

Uma dobro bênção de larga vida e felicidade, e amparo contra perdas e
pecados.

25.

Resplandecer seu rosto.

A palavra significa "iluminar, envolver com glória" (ver 1 Sam. 14: 29; Esd.
9: 8; Prov. 4: 18; ISA. 60: 19).

Tenha de ti misericórdia.

Isto sugere toda sorte de bondades e tenra consideração. Nenhum atributo
divino é mais precioso para o pecador que a graça de Deus.

26.

Eleve sobre ti seu rosto.

Compare-se com Sal. 4: 6. Se o rosto do Jehová se oculta, o desespero se
dá procuração do homem (Deut. 31: 17, 18; Job 13: 24). Se seu rosto se voltar
contra o homem, então a morte e a destruição caem sobre ele (Lev. 17:
10; Sal. 30: 7; 34: 16; 44: 24, 25; 104: 29).

Paz.

Compare-se com a ISA. 26: 3. A palavra hebréia significa "unidade", "integridade" E
"perfeição".

27.

Porão meu nome.

Deus revelou pessoalmente seu nome (Exo. 3: 13-15; 6: 3) e é de uma santidade
inexpresable (Exo. 20: 7; 33: 19; 34: 6, 7).

A palavra hebréia "nomeie" tem muitos significados que são extremamente úteis:
ver "por nome" ou "sinal eterno" (ISA. 55: 13). Outros textos mostram a
relação entre o nome de Deus e seu lugar de culto (Exo. 20: 24; Jer. 7: 10);
também seu caráter revelado (Amós 9: 6). A lição fundamental da
expressão "porão meu nome sobre os filhos do Israel" radica em que eles
eram a posse privada de Deus, peculiarmente deles (ver com. Exo. 19: 5) e
intimamente associados com ele (ver Deut. 28: 10; Jer. 14: 9).863

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

2 HAp 325

22-27 3JT 17

23-27 MC 217

27 MC 315
CAPÍTULO 7

1 Oferenda dos príncipes na dedicação do tabernáculo. 10 Seus diversas
oferenda na dedicação do altar. 89 Deus fala com o Moisés do
propiciatorio.

1 ACONTECIO que quando Moisés teve acabado de levantar o tabernáculo, e o
teve ungido e santificado, com todos seus utensílios, e deste modo ungido e
santificado o altar e todos seus utensílios,

2 então os príncipes do Israel, os chefes das casas de seus pais, os
quais eram os príncipes das tribos, que estavam sobre os contados,
ofereceram;

3 e trouxeram suas oferendas diante do Jehová, seis carros talheres e doze
bois; por cada dois príncipes um carro, e cada um um boi, e os ofereceram
diante do tabernáculo.

4Y Jehová falou com o Moisés, dizendo:

5 Toma os deles, e serão para o serviço do tabernáculo de reunião; e os
dará aos levita, a cada um conforme a seu ministério.

6 Então Moisés recebeu os carros e os bois, e os deu aos levita.

7 E dois carros e quatro bois deu aos filhos do Gersón, conforme a seu
ministério,

8 e aos filhos do Merari deu quatro carros e oito bois, conforme a seu
ministério sob a mão do Itamar filho do sacerdote Aarón.

9 Mas aos filhos do Coat não lhes deu, porque levavam sobre si nos ombros
o serviço do santuário.

10 E os príncipes trouxeram oferendas para a dedicação do altar o dia em que
foi ungido, oferecendo os príncipes sua oferenda diante do altar.

11 E Jehová disse ao Moisés: Oferecerão sua oferenda, um príncipe um dia, e outro
príncipe outro dia, para a dedicação do altar.

12 E o que ofereceu sua oferenda o primeiro dia foi Naasón filho do Aminadab, da
tribo do Judá.

13 Sua oferenda foi um prato de prata de cento e trinta siclos de peso, e um
jarro de prata de setenta siclos, ao siclo do santuário, ambos os cheios de flor
de farinha amassada com azeite para oferenda;

14 uma colher de ouro de dez siclos, cheia de incenso;

15 um bezerro, um carneiro, um cordeiro de um ano para holocausto;

16 um macho caibro para expiação;

17 e para oferenda de paz, dois bois, cinco carneiros, cinco machos caibros e
cinco cordeiros de um ano. Esta foi a oferenda do Naasón filho do Aminadab.

18 O segundo dia ofereceu Natanael filho do Zuar, príncipe do Isacar.

19 Ofereceu como sua oferenda um prato de prata de cento e trinta siclos de peso,
e um jarro de prata de setenta siclos, ao siclo do santuário, ambos os cheios de
flor de farinha amassada com azeite para oferenda;

20 uma colher de ouro de dez siclos, cheia de incenso;

21 um bezerro, um carneiro, um cordeiro de um ano para holocausto;

22 um macho caibro para expiação;

23 e para oferenda de paz, dois bois, cinco carneiros, cinco machos caibros e
cinco cordeiros de um ano. Esta foi a oferenda do Natanael filho do Zuar.

24 O terceiro dia, Eliab filho do Helón, príncipe dos filhos do Zabulón.

25 E sua oferenda foi um prato de prata de cento e trinta siclos de peso, e um
jarro de prata de setenta siclos, ao siclo do santuário, ambos os cheios de flor
de farinha amassada com azeite para oferenda;

26 uma colher de ouro de dez siclos, cheia de incenso;

27 um bezerro, um carneiro, um cordeiro de um ano para holocausto;

28 um macho caibro para expiação; 864

29 e para oferenda de paz, dois bois, cinco carneiros, cinco machos caibros e
cinco cordeiros de um ano. Esta foi a oferenda do Eliab filho do Helón.

30 O quarto dia, Elisur filho do Sedeur, príncipe dos filhos do Rubén.

31 E sua oferenda foi um prato de prata de cento e trinta siclos de peso, e um
jarro de prata de setenta siclos, ao siclo do santuário, ambos os cheios de flor
de farinha amassada com azeite para oferenda;

32 uma colher de ouro de dez siclos, cheia de incenso;

33 um bezerro, um carneiro, um cordeiro de um ano para holocausto;

34 um macho caibro para expiação;

35 e para oferenda de paz, dois bois, cinco carneiros, cinco machos caibros e
cinco cordeiros de um ano. Esta foi a oferenda do Elisur filho do Sedeur.

36 O quinto dia, Selumiel filho do Zurisadai, príncipe dos filhos do Simeón.

37 E sua oferenda foi um prato de prata de cento e trinta siclos de peso, e um
jarro de prata de setenta siclos, ao siclo do santuário, ambos os cheios de flor
de farinha amassada com azeite para oferenda;

38 uma colher de ouro de dez siclos, cheia de incenso;

39 um bezerro, um carneiro, um cordeiro de um ano para holocausto;

40 um macho caibro para expiação;

41 e para oferenda de paz, dois bois, cinco carneiros, cinco machos caibros e
cinco cordeiros de um ano. Esta foi a oferenda do Selumiel filho do Zurisadai.

42 O sexto dia, Eliasaf filho do Deuel, príncipe dos filhos do Gad.
43 E sua oferenda foi um prato de prata de cento e trinta siclos de peso, e um
jarro de prata de setenta siclos, ao siclo do santuário, ambos os cheios de flor
de farinha amassada com azeite para oferenda;

44 uma colher de ouro de dez siclos, cheia de incenso;

45 um bezerro, um carneiro, um cordeiro de um ano para holocausto;

46 um macho caibro para expiação;

47 e para oferenda de paz, dois bois, cinco carneiros, cinco machos caibros e
cinco cordeiros de um ano. Esta foi a oferenda do Eliasaf filho do Deuel.

48 O sétimo dia, o príncipe dos filhos do Efraín, Elisama filho do Amiud.

49 E sua oferenda foi um prato de prata de cento e trinta siclos de peso, e um
jarro de prata de setenta siclos, ao siclo do santuário, ambos os cheios de flor
de farinha amassada com azeite para oferenda;

50 uma colher de ouro de dez siclos, cheia de incenso;

51 um bezerro, um carneiro, um cordeiro de um ano para holocausto;

52 um macho caibro para expiação;

53 e para oferenda de paz, dois bois, cinco carneiros, cinco machos caibros e
cinco cordeiros de um ano. Esta foi a oferenda da Elisama filho do Amiud.

54 O oitavo dia, o príncipe dos filhos do Manasés, Gamaliel filho de
Pedasur.

55 E sua oferenda foi um prato de prata de cento e trinta siclos de peso, e um
jarro de prata de setenta siclos, ao siclo do santuário, ambos os cheios de flor
de farinha amassada com azeite para oferenda;

56 uma colher de ouro de dez siclos, cheia de incenso;

57 um bezerro, um carneiro, um cordeiro de um ano para holocausto;

58 um macho caibro para expiação;

59 e para oferenda de paz, dois bois, cinco carneiros, cinco machos caibros e
cinco cordeiros de um ano. Esta foi a oferenda do Gamaliel filho do Pedasur.

60 O nono dia, o príncipe dos filhos de Benjamim, Abidán filho do Gedeoni.

61 E sua oferenda foi um prato de prata de cento e trinta siclos de peso, e um
jarro de prata de setenta siclos, ao siclo do santuário, ambos os cheios de flor
de farinha amassada com azeite para oferenda;

62 uma colher de ouro de dez siclos, cheia de incenso;

63 um bezerro, um carneiro, um cordeiro de um ano para holocausto;

64 um macho caibro para expiação;

65 e para oferenda de paz, dois bois, cinco carneiros, cinco machos caibros e
cinco cordeiros de um ano. Esta foi a oferenda do Abidán filho do Gedeoni.
66 O décimo dia, o príncipe dos filhos de Dão, Ahiezer filho do Amisadai.

67 E sua oferenda foi um prato de prata de cento e trinta siclos de peso, e um
jarro de prata de setenta siclos, ao siclo do santuário, ambos os cheios de flor
de farinha amassada com azeite para ofrenda;865

68 uma colher de ouro de dez siclos, cheia de incenso;

69 um bezerro, um carneiro, um cordeiro de um ano para holocausto;

70 um macho caibro para expiação;

71 e para oferenda de paz, dois bois, cinco carneiros, cinco machos caibros e
cinco cordeiros de um ano. Esta foi a oferenda do Ahiezer filho do Amisadai.

72 O décimo primeiro dia, o príncipe dos filhos do Aser, Pagiel filho do Ocrán.

73 E sua oferenda foi um prato de prata de cento e trinta siclos de peso, e um
jarro de prata de setenta siclos, ao siclo do santuário, ambos os cheios de flor
de farinha amassada com azeite para oferenda;

74 uma colher de ouro de dez siclos, cheia de incenso;

75 um bezerro, um carneiro, um cordeiro de um ano para holocausto;

76 um macho caibro para expiação;

77 e para oferenda de paz, dois bois, cinco carneiros, cinco machos caibros e
cinco cordeiros de um ano. Esta foi a oferenda do Pagiel filho do Ocrán.

78 O décimo segundo dia, o príncipe dos filhos do Neftalí, Ahira filho do Enán.

79 Sua oferenda foi um prato de prata de cento e trinta siclos de peso, e um
jarro de prata de setenta siclos, ao siclo do santuário, ambos os cheios de flor
de farinha amassada com azeite para oferenda;

80 uma colher de ouro de dez siclos, cheia de incenso;

81 um bezerro, um carneiro, um cordeiro de um ano para holocausto;

82 um macho caibro para expiação;

83 e para oferenda de paz, dois bois, cinco carneiros, cinco machos caibros e
cinco cordeiros de um ano. Esta foi a oferenda da Ahira filho do Enán.

84 Esta foi a oferenda que os príncipes do Israel ofereceram para a
dedicação do altar, o dia em que foi ungido: doze pratos de prata, doze
jarros de prata, doze colheres de ouro.

85 Cada prato de cento e trinta siclos, e cada jarro de setenta; toda a prata
da baixela, dois mil e quatrocentos siclos, ao siclo do santuário.

86 As doze colheres de ouro cheias de incenso, de dez siclos cada colher, ao
siclo do santuário; todo o ouro das colheres, cento e vinte siclos.

87 Todos os bois para holocausto, doze bezerros; doze os carneiros, doze os
cordeiros de um ano, com sua oferenda, e doze os machos caibros para expiação.

88 E todos os bois da oferenda de paz, vinte e quatro novilhos, sessenta os
carneiros, sessenta os machos caibros, e sessenta os cordeiros de um ano. Esta
foi a oferenda para a dedicação do altar, depois que foi ungido.

89 E quando entrava Moisés no tabernáculo de reunião, para falar com Deus,
ouvia a voz que lhe falava de cima do propiciatorio que estava sobre o arca
do testemunho, de entre os dois querubins; e falava com ele.

1.

Quando Moisés.

"O dia em que Moisés" (BJ). De acordo com o Exo. 40: 17, 18, este teria sido
o primeiro dia do primeiro mês do segundo ano de peregrinação. É o dia
quando se completou o tabernáculo e o unção do altar (vers. 1, 10, 84,
88). O relato agora volta para primeiro dia do segundo ano, o mês precedente
à recontagem dos exércitos.

Acabado de levantar.

Moisés pessoalmente fiscalizou a ereção do tabernáculo (Exo. 40: 18).

Teve-o ungido.

Ver Exo. 40: 9; Lev. 8:10, 11.

2.

Os príncipes do Israel.

Este é o equivalente de "os chefes da congregação" (caps. 1: 5, 16; 4:
34).

3.

Carros talheres.

Necessários para as partes pesadas do tabernáculo, e talheres para
proporcionar um amparo adequado contra as inclemências do tempo.

5.

Toma os deles.

Os carros e os bois eram uma oferenda voluntária (vers. 3) que deve haver
sido recebida com gratidão pelos levita para efetuar o transporte. É
evidente que Moisés não aceitou o oferecimento até que foi especificamente
autorizado pelo Senhor.

7.

Conforme a seu ministério.

Os gersonitas transportavam menos que os meraritas (vers.; ver cap. 4: 24-26,
31-33).

9.

Filhos do Coat.
Os coatitas não receberam carros pois não estava a seu cargo a armação mesma
do tabernáculo. encarregavam-se do arca, a mesa do pão da proposição,
etc. 866 Essas coisas eram levadas a ombro, sobre varas (cap. 4: 15).

10.

Oferenda para a dedicação.

Quer dizer oferecidas para o serviço santo antes de ser levadas a altar. A
oferenda de objetos (vers. 13-17, etc.) para o serviço do altar em um sentido
especial era uma nova dedicação do altar mesmo. No que respeita à
consagração do altar, ver Exo. 29: 37; Lev. 8: 10, 15.

12.

A tribo do Judá.

Naasón, representando a sua tribo, deu uma contribuição o primeiro dia. Havia
sido renomado para ajudar ao Moisés no censo e para ser o caudilho do Judá
(caps. 1: 7; 2: 3).

13.

Jarro.

Traduzido "tigelas" no Exo. 27: 3 e em outros lugares.

14.

Uma colher.

A palavra hebréia é a que se usa geralmente para a palma da mão. Aqui
faz-se referência a um recipiente semelhante a um prato.

18.

Príncipe do Isacar.

A oferenda do Natanael e a dos outros príncipes da mesma categoria de
Naasón se descrevem em términos similares.

48.

Sétimo dia.

Este pode ter sido, ou não, na sábado que corresponde ao sétimo dia da
semana. As palavras se referem principalmente ao sétimo dia da
consagração do altar. Pelo menos um dos dias das oferendas de
dedicação deve ter cansado em sábado, se é que foram consecutivos, como
parece ter sido neste caso.

84.

Foi ungido.

As oferendas de dedicação dos príncipes foram apresentadas durante um
período de 12 dias.

89.
Ouvia a voz.

Jehová falou com o Moisés audiblemente, assim como o tinha feito com o Adão e Eva em
o horta (Gén. 3: 9) e com o Abraão à porta de sua loja (Gén. 17: 1). Em
esta ocasião, só se permitiu que Moisés entrasse no tabernáculo para ouvir o
mensagem de Deus. Evidentemente, até Aarón foi excluído (ver Exo. 25: 22; 40:
33, 34; Lev. 16: 2)

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

9 PP 764

CAPÍTULO 8

1 Forma de acender os abajures. 5 Consagração dos levita. 23 Idade e
duração de seu serviço.

1 FALO Jehová ao Moisés, dizendo:

2 Fala ao Aarón e lhe diga: Quando acender os abajures, os sete abajures
iluminarão para frente do castiçal.

3 E Aarón o fez assim; acendeu para a parte anterior seu castiçal
abajures, como Jehová o mandou ao Moisés.

4 E esta era a feitura do castiçal, de ouro lavrado a martelo; desde seu pé
até suas flores era lavrado a martelo; conforme ao modelo que Jehová mostrou a
Moisés, assim fez o castiçal.

5 Também Jehová falou com o Moisés, dizendo:

6 Toma aos levita de entre os filhos do Israel, e faz expiação por eles.

7 Assim fará para expiação por eles: Orvalha sobre eles a água da
expiação, e faz acontecer a navalha sobre tudo seu corpo, e lavarão seus vestidos,
e serão desencardidos.

8 Logo tomarão um novilho, com sua oferenda de flor de farinha amassada com
azeite; e tomará outro novilho para expiação.

9 E fará que os levita se aproximem diante do tabernáculo de reunião, e
reunirá a toda a congregação dos filhos do Israel.

10 E quando tiver aproximado dos levita diante do Jehová, porão os filhos
do Israel suas mãos sobre os levita;

11 e oferecerá Aarón os levita diante do Jehová em oferenda dos filhos de
Israel, e servirão no ministério do Jehová.

12 E os levita porão suas mãos sobre as cabeças dos novilhos; e
oferecerá o um por expiação, e o outro em holocausto ao Jehová, para fazer
expiação pelos levita. 867

13 E apresentará aos levita diante do Aarón, e diante de seus filhos, e os
oferecerá em oferenda ao Jehová.

14 Assim apartará aos levita de entre os filhos do Israel, e serão meus os
levita.
15 depois disso virão os levita a ministrar no tabernáculo de reunião;
serão desencardidos, e os oferecerá em oferenda.

16 Porque inteiramente me são dedicados os levita de entre os filhos de
Israel, em lugar de tudo primeiro nascido; tomei-os para mim em lugar dos
primogênitos de todos os filhos do Israel.

17 Porque meu é todo primogênito de entre os filhos do Israel, assim de homens
como de animais; desde dia que eu feri todo primogênito na terra de
Egito, santifiquei-os para mim.

18 E tomei aos levita em lugar de todos os primogênitos dos filhos de
Israel.

19 E eu dei em dom os levita ao Aarón e a seus filhos de entre os filhos de
Israel, para que exerçam o ministério dos filhos do Israel no tabernáculo
de reunião, e reconciliem aos filhos do Israel, para que não haja praga nos
filhos do Israel, ao aproximá-los filhos do Israel ao santuário.

20 E Moisés e Aarón e toda a congregação dos filhos do Israel fizeram com
levita-os conforme a todas as coisas que mandou Jehová ao Moisés a respeito dos
levita; assim fizeram com eles os filhos do Israel.

21 E os levita se desencardiram, e lavaram seus vestidos; e Aarón os ofereceu em
oferenda diante do Jehová, e fez Aarón expiação por eles para desencardi-los.

22 Assim vieram depois os levita para exercer seu ministério no
tabernáculo de reunião diante do Aarón e diante de seus filhos; da maneira
que mandou Jehová ao Moisés a respeito dos levita, assim fizeram com eles.

23 Logo falou Jehová ao Moisés, dizendo:

24 Os levita de vinte e cinco anos acima entrarão em exercer seu ministério em
o serviço do tabernáculo de reunião.

25 Mas dos cinqüenta anos cessarão de exercer seu ministério, e nunca mais
exercerão-o.

26 Servirão com seus irmãos no tabernáculo de reunião, para fazer a
guarda,

mas não servirão no ministério. Assim fará com os levita quanto a seu
ministério.

2.

Quando acender os abajures.

Literalmente, "instale os abajures".

Castiçal.

Como uma unidade, os sete abajures do castiçal iluminavam o santuário.

3.

Aarón o fez assim.
Ver Exo. 27: 21; 30: 8; Lev. 24: 3; 2 Crón. 13: 11.

4.

Lavrado a martelo.

Provavelmente algo idêntico à classe de obra a martelo, esculpido, que há
sido comum por todo o Oriente desde tempos muito antigos (ver Exo. 25: 18, 31,
36; 37: 7, 17-22). Estas palavras provêm de um término hebreu traduzido "de
prata maciça" no Núm. 10: 2 (BJ).

6.

Faz expiação por eles.

Este ritual devia ser efetuado em benefício dos levita antes de que
começassem seus deveres solenes.

7.


A água da expiação.

Literalmente, "água de transgressão", quer dizer a água que tira a
transgressão lavando-a. Esta expressão não se encontra em outra parte da
Bíblia. Não nos diz o que lhe acrescentava à água. Compare-se com "águas de
amargura" e "água de impureza" (ver com. cap. 19: 9, 18, 19) e a água para
limpar ao leproso (Lev. 14: 4-7).

Passar a navalha.

Compare-se este caso com o do nazareo (cap. 6: 9), o leproso (Lev. 14: 8) e
a mulher cativa (Deut. 21: 12).

10.

Porão... suas mãos.

Este era um ato simbólico. Alguns comentadores pensam que possivelmente era levado
a cabo pelos príncipes para transferir aos levita as obrigações da
congregação relacionadas com os serviços do tabernáculo. Levita-os eram
jogo de dados a Deus em lugar dos primogênitos; e como toda a família era
santificada mediante o primogênito, assim também se beneficiava toda a
congregação.

11.

Oferecerá Aarón os levita.

Esta ordem se repete três vezes (vers. 11, 13, 15). Levita-os eram uma
oferenda vivente para o serviço (ver ROM. 12: 1).

16.

Inteiramente me são dedicados.

Ver com. cap. 3: 9.

Em lugar de tudo primeiro nascido.
Os quais pertenciam a Deus (vers. 17, 18; cf. cap. 3: 12, 13). 868

19.

Reconciliem.

Literalrnente, "fazer uma cobertura", a mesma raiz da qual vem a palavra
traduzida "propiciatorio". Ao efetuar estes serviços, levita-os faziam
expiação pelos filhos do Israel.

Praga.

Com freqüência, um castigo pela desobediência (Exo. 12: 13; 30: 12; Jos. 22:
17). Levita-os se colocavam entre Deus e a Congregação, lhe proporcionando
assim uma cobertura (expiação) para ela.

21.

Se puirificaron.

Literalmente, "ficaram livres de pecado", com referência à preparação
pessoal requerida e não às aspersões cerimoniosas (vers. 7).

24.

Vinte e cinco.

Um levita, entre as idades de 25 e 50 anos, devia aceitar as responsabiliades
dos serviços do tabernáculo. Ficava livre de tais deveres aos 50. O
ficava o privilégio de realizar serviços menores no santuário
voluntariamente, como um motivo de honra. Não era aposentado arbitrariamente
contra seus próprios desejos.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

16 PP 281

CAPÍTULO 9

1 Se volta a ordenar a celebração da Páscoa. 6 Se permite uma segunda
páscoa para os que estavam impuros ou ausentes. 15 A nuvem guia aos
israelitas em suas viagens.

1 FALO Jehová ao Moisés no deserto do Sinaí, no segundo ano de sua saída
da terra do Egito, no primeiro mês, dizendo:

2 Os filhos do Israel celebrarão a páscoa a seu tempo.

3 O décimo quarto dia deste mês, entre as duas tardes, celebrarão-a a seu
tempo; conforme a todos seus ritos e conforme a todas suas leis a celebrarão.

4 E falou Moisés aos filhos do Israel para que celebrassem a páscoa.

5 Celebraram a páscoa no primeiro mês, aos quatorze dias do mês, entre as
duas tardes, no deserto do Sinaí; conforme a todas as coisas que mandou
Jehová ao Moisés, assim fizeram os filhos do Israel.

6 Mas houve alguns que estavam imundos por causa de morto, e não puderam
celebrar a páscoa aquele dia; e vieram diante do Moisés e diante do Aarón
aquele dia,

7 e lhe disseram aqueles homens: Nós estamos imundos por causa de morto;

por que seremos impedidos de oferecer oferenda ao Jehová a seu tempo entre os
filhos do Israel?

8 E Moisés lhes respondeu: Esperem, e ouvirei o que ordena Jehová a respeito de
vós.

9 E Jehová falou com o Moisés, dizendo:

10 Fala aos filhos do Israel, dizendo: Qualquer de vós ou de seus
descendentes que estivesse imundo por causa de morto ou estivesse de viagem
longe celebrará a páscoa ao Jehová.

11 No segundo mês, aos quatorze dias do mês, entre as duas tardes, a
celebrarão;

com pães sem levedura e ervas amargas a comerão.

12 Não deixarão do animal sacrificado para a manhã, nem quebrarão osso dele;
conforme a todos os ritos da páscoa a celebrarão.

13 Mas o que estivesse limpo, e não estuviere de viagem, se deixar de celebrar
a páscoa, a tal pessoa será atalho de entre seu povo; por quanto não
ofereceu a seu tempo a oferenda do Jehová, o tal homem levará seu pecado.

14 E se morar com vós estrangeiro, e celebrarei a páscoa ao Jehová,
conforme ao rito da páscoa e conforme a suas leis a celebrará; um mesmo
rito terão, tanto o estrangeiro como o natural da terra.

15 O dia que o tabernáculo foi ereto, a nuvem cobriu o tabernáculo sobre
a loja do testemunho; e à tarde havia sobre o tabernáculo como uma
aparência de fogo, até a manhã. 869

16 Assim era continuamente: a nuvem o cobria de dia, e de noite a aparência de
fogo.

17 Quando se elevava a nuvem do tabernáculo, os filhos do Israel partiam; e em
o lugar onde a nuvem parava, ali acampavam os filhos do Israel.

18 Ao mandato do Jehová os filhos do Israel partiam, e ao mandato do Jehová
acampavam; todos os dias que a nuvem estava sobre o tabernáculo, permaneciam
acampados.

19 Quando a nuvem se detinha sobre o tabernáculo muitos dias, então os
filhos do Israel guardavam o regulamento do Jehová, e não partiam.

20 E quando a nuvem estava sobre o tabernáculo poucos dias, ao mandato de
Jehová acampavam, e ao mandato do Jehová partiam.

21 E quando a nuvem se detinha da tarde até a manhã, ou quando à
amanhã a nuvem se levantava, eles partiam; ou se tinha estado um dia, e à
noite a nuvem se levantava, então partiam.

22 Ou se dois dias, ou um mês, ou um ano, enquanto a nuvem se detinha sobre o
tabernáculo permanecendo sobre ele, os filhos do Israel seguiam acampados, e não
moviam-se; mas quando ela se elevava, eles partiam.

23 Ao mandato do Jehová acampavam, e ao mandato do Jehová partiam, guardando a
regulamento do Jehová como Jehová o havia dito por meio do Moisés.

1.

O primeiro mês.

Não se dá o dia exato, mas é o mês em que se erigiu o tabernáculo, o mês
anterior ao censo.

Segundo ano.

O segundo contado inclusivamente. O primeiro foi o ano em que se efetuou o
êxodo (ver págs. 191, 192, 196, 197).

2.

Páscoa.

Evidentemente a primeira depois da promulgação da lei. Parece ser
novo o problema das impurezas rituais, das quais são um prefácio
estas observações (vers. 6-8).

3.

Entre as duas tardes.

É difícil determinar o significado preciso desta frase (ver com. Exo. 12:
6). A mesma expressão também se encontra no Exo. 16: 12; 29: 39, 41; 30: 8;
Núm. 28: 4.

Ritos.

Ver Exo. 12: 3-28, 42-49; cf. 1 Cor. 5: 7; Couve. 1: 14; F. 1: 7.

6.

Por causa de morto.

Por isso estavam imundos (cap. 19: 11). Como nos caps. 5: 2; 6: 11, a
palavra hebréia aqui traduzida "morto" é néfesh, "alma".

Não puderam celebrar.

Uma pessoa imunda que participava de uma festividade cerimoniosa devia ser
"atalho" de seu povo (Lev. 7: 20). A respeito de "atalho" ver com. Exo. 12:
15.

8.

Ouvirei.

Moisés não ofereceu nenhuma solução sem procurar a direção divina (Núm. 15: 34;
27: 5; Lev. 24: 12).

10.
Descendentes.

Esta é uma provisão para as gerações futuras.

11.

Os quatorze dias do mês.

dedicou-se um mês a uma preparação cabal, antes de observar a páscoa.

12.

Nem quebrarão osso.

Ver Exo. 12: 46; cf. Sal. 34: 20; Juan 19: 36.

13.

Será atalho.

Ver com. Gén. 17: 14; Exo. 12: 15,

14.

Estrangeiro.

"Forasteiro" (BJ). Literalmente, "peregrino", um que se radicou entre
os hebreus. Um completamente alheio, um estrangeiro (de uma palavra hebréia
diferente), não tivesse tido permissão para comer da páscoa (Exo. 12: 45,
48).

15.

Loja do testemunho.

A expressão hebréia assim traduzida aparece só aqui e, como "tabernáculo do
testemunho", no Núm. 17: 7, 8; 18: 2; 2 Crón. 24: 6.

Testemunho.

Quer dizer, as duas pranchas de pedra escritas pelo dedo de Deus e colocadas
dentro do arca. Esta lei moral, o Decálogo, era a pedra fundamental sobre
a qual estava apoiado o judaísmo. A nuvem cobria aquela parte do santuário
que continha o arca, na qual descansava a Santa lei, os Dez
Mandamentos.

Aparência de fogo.

No Gén. 15: 17 Deus é representado com uma figura similar.

18.

Mandato do Jehová.

Literalmente, "ante a boca do Jehová". Não nos diz se se pronunciava uma
ordem pessoalmente. Em todo caso, o afastamento da nuvem anunciava o tempo
para levantar o acampamento.

22.
Ou um ano.

A palavra traduzida "ano" é literalmente "dias". O essencial plural
sugere um período indefinido. A mesma palavra hebréia se traduz de uma
maneira diferente no Gén. 4: 3; 40: 4. Veja-se também Lev. 25: 29, onde a
expressão "um ano inteiro" (Bj) provém da mesma palavra, "dias".

É extremamente atraente o relato da 870 forma em que dependeu a igreja de
a direção pessoal de Deus. Deus escolheu a rota, os lugares de repouso e a
longitude da permanência em cada um deles. O sinal visível de seu
presencia no deserto deve ter sido grandemente animadora, pois
proporcionava um vigoroso incentivo para a fé. Quanto às lições
em relação à nuvem, ver Exo. 13: 21; 14: 19, 20, 24; Lev. 16: 2; Neh. 9: 19.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

12 DTG 716

CAPÍTULO 10

1 Uso das trompetistas de prata. 11 Os israelitas se transladam do Sinaí a
Param. 14 A ordem de marcha. 29 Moisés roga ao Hobab que não os deixe. 33
Bênção do Moisés ao mover e ao assentar o arca.

1 Jehova falou com o Moisés, dizendo:

2 Te faça dois trompetistas de prata; de obra de martelo as fará, as quais lhe
servirão para convocar a congregação, e para fazer mover os acampamentos.

3 E quando as tocarem, toda a congregação se reunirá ante ti à porta do
tabernáculo de reunião.

4 Mas quando tocaram só uma, então se congregarão ante ti os príncipes,
os chefes dos milhares do Israel.

5 E quando tocarem alarme, então moverão os acampamentos dos que estão
acampados ao oriente.

6 E quando tocarem alarme a segunda vez, então moverão os acampamentos de
os que estão acampados ao sul; alarme tocarão para suas partidas.

7 Mas para reunir a congregação tocarão, mas não com som de alarme.

8 E os filhos do Aarón, os sacerdotes, tocarão as trompetistas; e as terão
por estatuto perpétuo por suas gerações.

9 E quando saíssem à guerra em sua terra contra o inimigo que vos
incomodar, tocarão alarme com as trompetistas; e serão recordados pelo Jehová
seu Deus, e serão salvos de seus inimigos.

10 E no dia de sua alegria, e em suas solenidades, e nos
princípios de seus meses, tocarão as trompetistas sobre seus
holocaustos, e sobre os sacrifícios de paz, e lhes serão por memória diante de
seu Deus. Eu Jehová seu Deus.

11 No segundo ano, no segundo mês, aos vinte dias do mês, a nuvem se
elevou do tabernáculo do testemunho.
12 E partiram os filhos do Israel do deserto do Sinaí segundo a ordem de
marcha; e se deteve a nuvem no deserto de Param.

13 Partiram a primeira vez ao mandato do Jehová por meio do Moisés.

14 A bandeira do acampamento dos filhos do Judá começou a partir primeiro,
por seus exércitos; e Naasón filho do Aminadab estava sobre seu corpo de
exército.

15 Sobre o corpo de exército da tribo dos filhos do Isacar, Natanael
filho do Zuar.

16 E sobre o corpo de exército da tribo dos filhos do Zabulón, Eliab
filho do Helón.

17 Depois que estava já desarmado o tabernáculo, moveram-se os filhos de
Gersón e os filhos do Merari, que o levavam.

18 Logo começou a partir a bandeira do acampamento do Rubén por seus
exércitos; e Elisur filho do Sedeur estava sobre seu corpo de exército.

19 Sobre o corpo de exército da tribo dos filhos do Simeón, Selumiel
filho do Zurisadai.

20 E sobre o corpo de exército da tribo dos filhos do Gad, Eliasaf filho
do Deuel.

21 Logo começaram a partir os coatitas levando o santuário; e enquanto isso
que eles chegavam, os outros acondicionaram o tabernáculo.

22 Depois começou a partir a bandeira do acampamento dos filhos do Efraín
por seus exércitos; e Elisama filho do Amiud estava sobre seu corpo de exército.
871

23 Sobre o corpo de exército da tribo dos filhos do Manasés, Gamaliel
filho do Pedasur.

24 E sobre o corpo de exército da tribo dos filhos de Benjamim, Abidán
filho do Gedeoni.

25 Logo começou a partir a bandeira do acampamento dos filhos de Dão por
seus exércitos, a retaguarda de todos os acampamentos; e Ahiezer filho de
Amisadai estava sobre seu corpo de exército.

26 Sobre o corpo de exército da tribo dos filhos do Aser, Pagiel filho de
Ocrán.

27 E sobre o corpo de exército da tribo dos filhos do Neftalí, Ahira
filho do Enán.

28 Esta era a ordem de marcha dos filhos do Israel por seus exércitos quando
partiam.

29 Então disse Moisés ao Hobab, filho do Ragüel madianita, seu sogro: Nós
partimos para o lugar do qual Jehová há dito: Eu lhes darei isso. Vêem com
nós, e lhe faremos bem; porque Jehová prometeu o bem ao Israel.

30 E lhe respondeu: Eu não irei, mas sim partirei a minha terra e a meu
parental.
31 E lhe disse: Rogo-te que não nos deixe; porque você conhece os lugares onde
temos que acampar no deserto, e nos será em lugar de olhos.

32 E se vier conosco, quando tivermos o bem que Jehová nos tem que
fazer, nós lhe faremos bem.

33 Assim partiram do monte do Jehová caminho de três dias; e o arca do pacto
do Jehová foi diante deles caminho de três dias, lhes buscando lugar de
descanso.

34 E a nuvem do Jehová ia sobre eles de dia, desde que saíram do
acampamento.

35 Quando o arca se movia, Moisés dizia: te levante, OH Jehová, e sejam
dispersados seus inimigos, e fujam de seu presencia os que lhe aborrecem.

36 E quando ela se detinha, dizia: Volta, OH Jehová, aos milhares de
milhares do Israel.

2.

Trompetistas de prata.

Há três palavras hebréias do AT que se traduzem como "trompetista". Uma é o
corno de carneiro usado no Sinaí (Exo. 19: 13) e no Jericó (Jos. 6: 5).
Havia a trompetista empregada nas convocações seculares; além disso a que é
chamada "clarim" por alguns escritores. Era um tubo reto e magro com uma
abertura alargada.

3.

Quando as tocarem.

O som de ambas as trompetistas era uma convocação para todo o acampamento. Em
quanto a um ressonar significativo das trompetistas, veja-se Joel 2: 15.

5.

Tocarem alarme.

A palavra traduzido "alarme" foi vertida como "vozes" no Jer. 20: 16 e
"estrondo" no Amós 1: 14.

8.

Os sacerdotes.

Posto que se usavam as trompetistas para práticas religiosas e ressonavam em
harmonia com os desejos expressos Por Deus, resultava natural colocar esses
instrumentos sob a custódia dos sacerdotes e que só eles as tocassem.

9.

Em sua terra.

A referência é à Terra Santa, quando tivessem cessado suas peregrinações
e tivesse terminado o uso para o qual foram feitas as trompetistas.
10.

O dia de sua alegria.

Isto significava qualquer ocasião nacional de ação de obrigado (ver 2 Crón.
5: 12, 13; 7: 6; 29: 27; Est. 9: 19; Juan 10: 22).

Em suas solenidades.

Literalmente, "em suas reuniões estabelecidas", com referência à páscoa,
a festa dos pães sem levedura, a festa das semanas, a festa das
trompetistas, o dia da expiação, a festa dos tabernáculos (Lev. 23).

Princípios de seus meses.

Quer dizer, o primeiro dia de cada mês, ou cada nova lua (ver artigo sobre o
calendário judeu no T. ll).

11.

Aos vinte dias do mês.

Esta foi a primeira jornada dos israelitas, quando partiram do deserto
do Sinaí, onde tinham acampado durante quase um ano (ver Exo. 16: 1; 19: 1).

segundo ano.

Um ano e um pouco mais de um mês do começo do êxodo (ver págs. 196,
197).

A nuvem se elevou.

A nuvem já tinha descansado sobre o tabernáculo durante 1 mês e 19 dias (Exo.
40: 17, 34).

12.

Deserto de Param.

Não se determinaram os limites precisos deste deserto. Em términos
generais, estava limitado pelo golfo da Akaba ao este, o golfo do Suez ao
oeste e as montanhas do Sinaí ao sul. Era a morada do Ismael (Gén. 21: 21;
cf. Gén. 14: 6; Deut. 33: 2; Hab. 3: 3).

14.

Naasón.

Em cada caso, o príncipe (vers. 14-27) era o caudilho renomado para sua tribo
872 (cap. 1: 4-16) e dava todas as ordens quando estavam em marcha.

21.

O santuário.

Isto não se refere ao tabernáculo, ou loja, a cargo dos gersonitas e os
meraritas, a não ser às coisas santas -o arca, etc.- levadas sobre os ombros
dos coatitas (cap. 4: 4, 15).
25.

Retaguarda.

Literalmente, "o coletor". Neftalí, parte da divisão comandada por Dão,
estava em realidade na mesma retaguarda. A palavra se aplica a Deus como
protetor na ISA. 52: 12; 58: 8.

29.

Hobab.

Este versículo não esclarece se Ragüel ou Hobab era o sogro do Moisés, pois a
palavra tão somente significa um "parente político" de qualquer natureza. O
contexto deve determinar cada caso. Mas Ragüel (ou Reuel) era o sogro (Exo.
2: 16-21), posto que seu filho Hobab era o cunhado do Moisés (ver PP 681).

31.

Você conhece.

Como morador do deserto, Hobab estava bem familiarizado com sua topografia e
seus caminhos e sabia onde procurar água.

32.

Se vier conosco.

Possivelmente ao fim Hobab consentiu em acompanhá-los, pois os filhos do Hobab moraram
entre os filhos do Judá (Juec. 1: 16; 4: 11).

33.

Arca do pacto.

Quer dizer, dos Dez Mandamentos (Núm. 14: 44; Deut. 10: 8; 31: 9, 25; Jos.
4: 7, 18; 6: 8). Um pacto é um convênio. O pacto entre Deus e os
israelitas era um convênio no que ambos participaram. Por este pacto, eles
deviam ser povo de Deus, deviam lhe obedecer e deviam converter-se em seus
representantes ante o mundo, e por sua parte ele os benzeria e seria seu Deus
(ver com. Exo. 19: 5 e 24: 7). devido a sua eleição voluntária de aceitar o
papel de ser o povo escolhido de Deus, ele lhes deu os Dez Mandamentos, que
prometeram obedecer como sua parte no convênio (Exo. 19: 8; 24: 3, 7). Com
justiça os Dez Mandamentos, escritos pela mão de Deus sobre duas pranchas
de pedra, chegaram a ser chamados o "pacto" (Deut. 4: 13), pois constituíam
uma cópia escrita das condições sobre as que se apoiava o pacto. Pelo
tanto, o arca mesma, que continha os Dez Mandamentos, chegou a ser conhecida
como "o arca do pacto" (ver com. Exo. 25: 16 e Núm. 1: 50).

35.

Moisés dizia.

A partida dos filhos do Israel, em sua marcha para a Terra Santa, foi uma
demonstração de fé e esperança. Sobre o Moisés descansava a maior
responsabilidade. Os vers. 35 e 36 registram sua oração matutina em que
pedia uma boa jornada diurna e sua oração vespertina em que pedia descanso
e amparo. O apóstolo Pablo fala dos israelitas, que "no Moisés foram
batizados na nuvem e no mar" (1 Cor. 10: 2).
COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

33 PP 393

34-36 SR 157 .

35, 36 Ed 36; PP 394

CAPÍTULO 11

1 Incêndio na Tabera provocado pela ira do Jehová e detido pela oração
do Moisés. 4 A gente sente vivo desejo de comer carne e rechaça o maná. 10
Moisés se queixa de seu cargo. 16 Deus divide suas responsabilidades entre setenta
anciões. 31 Deus envia codornas no Kibrot- hataava.

1 ACONTECEU que o povo se queixou para ouvidos do Jehová; e o ouviu Jehová, e ardeu
sua ira, e se acendeu neles fogo do Jehová, e consumiu um dos extremos
do acampamento.

2 Então o povo clamou ao Moisés, e Moisés orou ao Jehová, e o fogo se
extinguiu.

3 E chamou a aquele lugar Tabera, porque o fogo do Jehová se acendeu neles.

4 E a gente estrangeira que se mesclou com eles teve um vivo desejo, e os filhos
do Israel também voltaram a chorar e disseram: Quem nos desse a comer carne!

5 Nos lembramos do pescado que comíamos no Egito de balde, dos pepinos,
os melões, os porros, as cebolas e os alhos; 873

6 e agora nossa alma se seca; pois nada a não ser este maná vêem nossos olhos.

7 E era o maná como semente de culantro, e sua cor como cor de bedelio.

8 O povo se pulverizava e o recolhia, e o moía em moinhos ou o socava em
morteiros, e o cozia em caldeira ou fazia dele tortas; seu sabor era como sabor
de azeite novo.

9 E quando descendia o rocio sobre o acampamento de noite, o maná descendia
sobre ele.

10 E ouviu Moisés ao povo, que chorava por suas famílias, cada uma à porta
de sua loja; e a ira do Jehová se acendeu em grande maneira; também lhe pareceu
mau ao Moisés.

11 E disse Moisés ao Jehová: por que tem feito mal a seu servo? e por que não hei
achado graça em seus olhos, que puseste a carga de todo este povo sobre
mim?

12 Concebi eu a todo este povo? Engendrei-o eu, para que me diga: Leva-o
em seu seio, como leva a que cria ao que mama, à terra da qual jurou
a seus pais?

13 De onde conseguirei eu carne para dar a todo este povo? Porque choram a
mim, dizendo: nos dê carne que comamos.

14 Não posso eu sozinho suportar a todo este povo, que me é pesado em demasia.
15 E se assim o fizer você comigo, eu te rogo que me dê morte, se tiver achado
graça em seus olhos; e que eu não veja meu mau.

16 Então Jehová disse ao Moisés: me reúna setenta varões dos anciões de
Israel, que você sabe que são anciões do povo e seus principais; e traz-os para
a porta do tabernáculo de reunião, e esperem ali contigo.

17 E eu descenderei e falarei ali contigo, e tirarei do espírito que está em
ti, e porei neles; e levarão contigo a carga do povo, e não a levará
você sozinho.

18 Mas ao povo dirá: lhes santifique para amanhã, e comerão carne; porque
chorastes em ouvidos do Jehová, dizendo: Quem nos desse a comer carne!
Certamente melhor ia no Egito! Jehová, pois, dará-lhes carne, e comerão.

19 Não comerão um dia, nem dois dias, nem cinco dias, nem dez dias, nem vinte
dias,

20 a não ser até um mês inteiro, até que lhes saia pelos narizes, e a
aborreçam, por quanto menosprezaram ao Jehová que está em meio de
vós, e choraram diante dele, dizendo: Para que saímos aqui de
Egito?

21 Então disse Moisés: Seiscentos mil da pé é o povo no meio do
qual eu estou; e você diz: darei-lhes carne, e comerão um mês inteiro!

22 Se degolarão para eles ovelhas e bois que lhes bastem? ou se juntarão
para eles todos os peixes do mar para que tenham provisão?

23 Então Jehová respondeu ao Moisés: Acaso se cortou a mão do Jehová?
Agora verá se se cumpre minha palavra, ou não.

24 E saiu Moisés e disse ao povo as palavras do Jehová; e reuniu aos
setenta varões dos anciões do povo, e os fez estar ao redor do
tabernáculo.

25 Então Jehová descendeu na nuvem, e lhe falou; e tirou do espírito que
estava nele, e o pôs nos setenta varões anciões; e quando posou sobre
eles o espírito, profetizaram, e não cessaram.

26 E tinham ficado no acampamento dois varões, chamados o um Eldad e o
outro Medad, sobre os quais também repousou o espírito; estavam estes entre
os inscritos, mas não tinham vindo ao tabernáculo; e profetizaram no
acampamento.

27 E correu um jovem e deu aviso ao Moisés, e disse: Eldad e Medad profetizam em
o acampamento.

28 Então respondeu Josué filho do Nun, ajudante do Moisés, um de seus
jovens, e disse: Senhor meu Moisés, impede-os.

29 E Moisés lhe respondeu: você tem ciúmes por mim? Oxalá todo o povo de
Jehová fosse profeta, e que Jehová pusesse seu espírito sobre eles.

30 E Moisés voltou para acampamento, ele e os anciões do Israel.

31 E veio um vento do Jehová, e trouxe codornas do mar, e as deixou sobre o
acampamento, um dia de caminho a um lado, e um dia de caminho ao outro ao redor
do acampamento, e quase dois cotovelos sobre a face da terra.
32 Então o povo esteve levantado todo aquele dia e toda a noite, e tudo
o dia seguinte, e recolheram codornas; que menos, recolheu dez montões;
e as tenderam para si ao longo ao redor do acampamento.

33 Ainda estava a carne entre os dentes deles, antes que fosse mastigada,
quando a 874 ira do Jehová se acendeu no povo, e feriu Jehová ao povo
com uma praga muito grande.

34 E chamou o nome daquele lugar Kibrot-hataava, por quanto ali sepultaram
ao povo ambicioso.

35 Do Kibrot-hataava partiu o povo ao Hazerot, e ficou no Hazerot.

1.

O povo se queixou.

Literalmente, eles "foram como murmuradores do mal". Quer dizer, mal no
sentido de infortúnio, desgraça. Possivelmente o deserto lhes parecia uma armadilha de
morte. Aterrorizados por sua própria imaginação, começaram a predizer toda
sorte de males que ali lhes sobreviriam.

Os extremos do acampamento. A gente estrangeira (ver com. vers. 4) estava em
borde-os do acampamento, pois o acerto por tribos (cap. 2) não lhes deixava
outro lugar.

2.

Moisés orou.

Moisés era um grande homem de oração, sempre preparado para interceder por outros
(ver caps. 12: 13; 14: 13-19; 16: 22).

3.

Tabera.

Este lugar só é mencionado uma vez mais (Deut. 9: 22). Nunca foi
identificada sua localização. O nome provém de um verbo que significa
"queimar", "consumir", "exterminar".

4.

A gente estrangeira.

Do Heb. há'safsúf, uma repetição do verbo 'asáf, "recolher". Sugeriu-se
a palavra "gentinha" como uma tradução moderna adequada. Quanto à
identidade dessa gente, ver com. Exo. 12: 38 (ver também Deut, 29: 11; Jos.
8: 35).

Teve um vivo desejo.

Literalmente, "teve um grande desejo" (ver Sal. 106: 14; 78: 29).

Os filhos do Israel também voltaram a chorar.

Para isto israelitas chegou a ser quase um hábito em momentos de desgosto e
irritação (Núm. 14: 1; Deut. 1: 45; 34: 8; Juec. 2: 4; 20: 23, 26; 21: 2).
A comer carne.

Os israelitas eram ricos em ganho quando saíram do Egito (Exo. 12: 32, 38;
17: 3; 34: 3; Núm. 32: 1). Mas possivelmente não todos os israelitas tinham grandes
rebanhos e manadas, e sem dúvida a quantidade que tinham não era suficiente para
lhes proporcionar um regime regular de carne para todos, até caso que isso
tivesse sido o melhor para eles.

5.

Lembramo-nos.

Compare-se com o Exo. 16: 3.

Pescado.

Comum e muito barato no Egito (Exo. 7: 21; ISA. 19: 8).

Pepinos.

Refrescantes nos climas quentes (ISA. 1: 8). É obvio, tais coisas não
conseguiam-se no deserto.

Melões.

As melancias são um alimento favorito nos países quentes e secos. Os
pescados e as verduras que se mencionam neste versículo eram o alimento de
as classes mais pobres do Egito, como ainda o são hoje em dia.

6.

Nossa alma se seca.

Pela falta de frutas e verduras que continham muita água e que são
especialmente refrescantes em um clima quente e seco.

Maná.

O original hebreu diz: "Não há nada sobre o qual caiam nossos olhos,
exceto este maná". Jesus usou o maná como um símbolo do alimento espiritual
que nos é dado gratuitamente do céu (Juan 6: 30-35, 41-58). Ao cristão
vencedor lhe promete "o maná escondido" (Apoc. 2: 17).

7.

Semente de culantro.

De forma redonda, de cor clara (Exo. 16: 14), tão facilmente visto como o
bedelio (Gén. 2: 12) na luz do sol do deserto.

8.

Seu sabor.

Quer dizer, tinha um gosto fresco e apetitoso como alimento recém cozido ou frito
em bom azeite. Também tinha sabor de barquinhas feitas com mel (Exo. 16: 31).

9.
Quando descendia o rocio.

O maná caía sobre a terra, lhe refrigerem e fresco, junto com o rocio
(ver Sal. 78: 23-25).

10.

Cada um.

Os orientais têm o costume de participar a todo mundo seus pesares e
seu duelo. Neste caso há toda a aparência de um plano preconcebido de
ação consertada; cada família se lamentava em voz alta e à porta de seu
loja.

11.

Fez mal a seu servo.

Moisés se refere a sua nomeação como caudilho do povo, que agora
exagerava suas provas e rapidamente esquecia suas bênções (ver Exo. 33:
1-3).

12.

Como leva a que cria.

Moisés fala do Jehová como o que engendrou aos filhos do Israel (Deut. 32:
18), seus filhos que lhe deram problemas (Ouse. 11: 1-3). Compare-se este
versículo com outras expressões da solicitude e do cuidado divinos (Deut. 1:
31; ISA. 40: 11; 16: 3; Ouse. 11: 3, 4).

13.

De onde.

Compare-se isto com a expeiencia dos discípulos registrada no Mat. 15: 33;
Mar. 8: 4. 875

14.

Não posso.

Em realidade Moisés se mostrou tão irrazonable como o povo, pois Deus nunca
deixou sozinho ao Moisés nem esperava que ele alimentasse ao acampamento por sua própria
conta.

15.

Dê-me morte.

O significado é "me mate e termina com isso" (ver Exo. 32: 32; 1 Rei. 19: 4).

16.

Setenta varões.

Estes anciões (ver Exo. 24: 1, 9) eram homens proeminentes de diversas
famílias (Exo. 12: 21; cf. 1 Sam. 4: 3; 8: 4; 2 Sam. 17: 15).
Principais.

Esta é a palavra usada para designar aos capatazes israelitas que
trabalhavam sob os chefes de equipes egípcios (Exo. 5: 15). O significado
original da palavra é "arreglador", "organizador", "secretário".

17.

Do espírito.

Compare-se isto com a transferência do "espírito do Elías" (2 Rei. 2: 15) a
Eliseo. Aqui se faz referência aos dons e atividades do Espírito Santo
como fatores dinamizantes do espírito do homem para levar a cabo os
planos de Deus.

18.

lhes santifique.

Uma palavra usada com referência à purificação cerimoniosa mediante
abluções e abstenções (ver cap. 19: 10, 14) e como uma preparação para o
sacrifício (Gén. 35: 2). A mesma palavra é traduzida "assinala-os" como para
uma matança, no Jer. 12: 3. Alguns comentadores judeus lhe davam esse
significado aqui. Em realidade, a palavra em si mesmo é ambígua pelo que
pode significar preparar-se para bem ou para mau.

20.

Menosprezaram.

A palavra original tem o sentido de "rechaçar" (Jer. 6: 19; 7: 29; 8: 9;
Ouse. 4: 6).

23.

cortou-se.

Ver ISA. 50: 2; 59: 1.

25.

Na nuvem.

A mesma palavra significa "uma massa de nuvens". Usa-se em circunstâncias
diversas, como se vê no Gén. 9: 13; Exo. 13: 21, 22; 24: 18; Eze. 8: 11; 30:
3; Joel 2: 2; Sof. 1: 15.

26.

Os inscritos.

Quer dizer, na lista dos 70, mas ainda não se uniram a eles.

29.

Espírito.

Como instrumento de Deus (Gén. 1: 2; Juec. 3: 10; ISA. 11: 2; Joel 2: 28).
31.

Um vento.

Compare-se com o uso que Deus deu ao vento no Gén. 8: 1; Exo. 10: 13, 19; 14:
21.

Trouxe codornas.

O verbo traduzido "trouxe" significa "tirar cortando", "seccionar", "separar".
 Indubitavelmente, a idéia é que Jehová usou o vento para separar o bando de
seu lugar de descanso à borda do mar e a trouxe para o acampamento.

Dois cotovelos.

Aproximadamente um metro. Uma altura fácil de alcançar para capturar as aves.

32.

Dez montões.

Literalmente, "dez homens". Equivalem aproximadamente a algo mais de 2 m
cúbicos.

Tenderam-nas.

Talvez para as secar e as curar.

33.

Praga.

Com o passar do livro de Números, várias pragas são o resultado da
desobediência e da rebelião (ver caps. 16: 47; 25: 9).

34.

Kibrot-hataava.

Este lugar não pode ser identificado com exatidão. O significado é "as
tumbas dos ambiciosos".

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-35 PP 397-401

1-6 PP 397

4 PP 325

5 1JT 34; MJ 125; 1T 137

8 3JT 21; PP 301

11, 13, 14 PP 398

16, 17 Ed 35
16-20 PP 398

16-23 CPA 449

21-28 PP 399

24, 25 PP 391

29 PP 400

31-33 CRA 450, 452; MC 240; PP 400

35 PP 401 876

CAPÍTULO 12

1 Deus reprova a rebelião da María e Aarón. 10 A oração do Moisés cura a
lepra da María. 14 Deus a faz jogar fora do acampamento.

1 Maria e Aarón falaram contra Moisés por causa da mulher cusita que havia
tomado; porque ele tinha tomado mulher cusita.

2 E disseram: Somente pelo Moisés falou Jehová? Não falou também
por nós? E o ouviu Jehová.

3 E aquele varão Moisés era muito manso, mais que todos os homens que havia sobre
a terra.

4 Logo disse Jehová ao Moisés, ao Aarón e a María: Saiam vós três ao
tabernáculo de reunião. E saíram eles três.

5 Então Jehová descendeu na coluna da nuvem, e ficou à porta do
tabernáculo, e chamou o Aarón e a María; e saíram ambos.

6 E ele lhes disse: Ouçam agora minhas palavras. Quando houver entre vós profeta de
Jehová, aparecerei-lhe em visão, em sonhos falarei com ele.

7 Não assim a meu servo Moisés, que é fiel em toda minha casa.

8 Cara a cara falarei com ele, e claramente, e não por figuras; e verá a
aparência do Jehová. Porquê, pois, não tiveram temor de falar contra meu
servo Moisés?

9 Então a ira do Jehová se acendeu contra eles; e se foi.

10 E a nuvem se separou do tabernáculo, e hei aqui que María estava leprosa como
a neve; e olhou Aarón a María, e hei aqui que estava leprosa.

11 E disse Aarón ao Moisés: Ah! meu senhor, não ponha agora sobre nós este
pecado; porque locamente atuamos, e pecamos.

12 Não ela fique agora como o que nasce morto, que ao sair do ventre de seu
mãe, tem já médio consumida sua carne.

13 Então Moisés clamou ao Jehová, dizendo: Rogo-te, OH Deus, que a sãs
agora.

14 Respondeu Jehová ao Moisés: Pois se seu pai tivesse cuspido em seu rosto,
não se envergonharia por sete dias? Seja arremesso fora do acampamento por sete
dias, e depois voltará para a congregação.

15 Assim María foi arremesso do acampamento sete dias; e o povo não passou adiante
até que se reuniu María com eles.

16 Depois o povo partiu do Hazerot, e acamparam no deserto de Param.

1.

María e Aarón.

O nome da María é dado em primeiro término pois ela presidiu na
falação.

Falaram.

O verbo hebreu está em gênero feminino e em número singular, o que assinala a
María como a instigadora: "Ela falou".

Mulher cusita.

Ver com. Gén. 10: 6. O pai da Séfora era em realidade madianita (Exo. 2:
16-19; 3: l) e, portanto, descendente do Abraão (Gén. 25: 1, 2; PP 402).
Ao reunir-se com o Moisés no monte Sinaí (ver com. Exo. 4: 25 e 18: 2), Séfora
tinha observado as pesadas responsabilidades que levava seu marido e lhe havia
expresso ao Jetro seus temores pelo bem-estar do Moisés. portanto, Jetro
aconselhou a seu genro que escolhesse a outros para que compartilhassem as
responsabilidades da administração com ele. Quando Moisés seguiu este
conselho sem consultar primeiro com a María e Aarón, eles ficaram ciumentos com ele
e jogaram a culpa a Séfora porque consideravam que Moisés não os tinha tomado
em conta (ver PP 402). O fato de que Séfora fora madianita, embora
adoradora do Deus verdadeiro, foi usado pela María e Aarón meramente como uma
desculpa para rebelar-se contra a autoridade do Moisés. O não violou o princípio
de não casar-se com pagãos quando tomou como esposa, pelo que indubitavelmente
acusavam-no.

2.

Somente pelo Moisés falou.

O irmão e a irmã aqui pretendem igualdade com o Moisés, ignorando que Deus
tinha-o colocado em uma posição singular de autoridade (ver Exo. 4: 10-16;
Deut. 34: 10).

Ouviu-o Jehová.

O ouça todas as queixa contra seus servos (ver Núm. 11: 1; 2 Rei. 19: 4; Mau.
3: 16).

3.

Manso.

De uma raiz que significa "humilde", 877 "submisso", "modesto". A mesma palavra
traduz-se de várias maneiras, como "pobres" (Job 24: 4), "afligidos" (Sal. 9:
12) e "humildes" (Prov. 3: 34; 16: 19). O rasgo de caráter que aqui se
descreve como humildade é essencial para ser dirigente na causa de Deus.
Moisés não era naturalmente humilde (Exo. 2: 11-14); desenvolveu essa qualidade
como resultado dos 40 anos passados na dura escola do deserto de
Madián. Só um homem humilde sabe como ser submisso ante Deus e ante seus
subordinados e, ao mesmo tempo, ser um caudilho valente e dinâmico. Não há
lugar na obra de Deus para um dirigente que crie ter a prerrogativa de
dominar a seus colaboradores e ser seu ditador.

6.

Em visão.

Deus sempre revelou sua vontade a seus servos os profetas mediante
visões e sonhos, e promete continuar fazendo-o (Joel 2: 28; Amós 3: 7).
Tomando como base Joel 2: 28, sugeriu-se que as "visões" geralmente
são concedidas a homens e mulheres mais jovens, e "sonhos" aos que são
maiores. Uma "visão manifesta" (1 Sam. 3: 1, Valha. ant.) é uma experiência
extenuante que esgota fisicamente (ver Dão. 10: 8-11, 16-19). Vários dos
profetas falam de experiências similares a do Daniel. Os sonhos
inspirados parecem extenuar menos ao que os recebe.

7.

Meu servo Moisés.

Também é descrito assim no Exo. 14: 31; Deut. 34: 5. Esta expressão também é
aplicada a outros (Gén. 26: 24; Job 1: 8). Compare-a referência que se faz a
estas palavras no Heb. 3: 5.

Minha casa.

Aqui se refere ao povo de Deus (ver Heb. 3: 2, 5).

8.

Cara a cara.

Quer dizer, diretamente, sem intermediários.

A aparência do Jehová.

Não o verdadeiro ser de Deus, a não ser alguma forma visível que um homem pudesse
ver e apreciar. A palavra traduzida aqui "aparência" às vezes se traduz
"figura", "imagem", "semelhança" (Deut. 4: 15, 16, 23, 25; Sal. 17: 15; ISA. 40:
18; cf. Juan 1: 18 e 1 Tim. 6: 16).

Falar contra meu servo.

O equívoco fundamental da María foi a falta de respeito e a rebelião
contra a autoridade legalmente constituída, neste caso instituída Por Deus
mesmo. Os enganos de critério de parte de quão dirigentes Deus emprega hoje
dia não são uma desculpa para lhes negar nosso leal apoio. Por exemplo, David
permaneceu leal em palavra e em feito ao rei Saúl, apesar de que este queria
matá-lo. "me guarde Jehová -disse David - de estender minha mão contra o ungido
do Jehová" (1 Sam. 26: 11). Embora Cristo condenava a hipocrisia dos
fariseus, ordenou a seus discípulos que cooperassem com eles como os dirigentes
legítimos da nação (Mat. 23: 3). Quando uma pessoa se sente tentada a
perguntar a respeito de algum dirigente da igreja: "E o que de este?", o Senhor
responde como nos dias do Pedro: "O que a ti? me siga você" (Juan 21: 21, 22).
 É explícito o conselho do Pablo: "Não lhes vós vinguem mesmos, amados meus
" (ROM. 12: 19), e logo entrevista as Escrituras: "Minha é a vingança, eu pagarei,
diz o Senhor". Cada verdadeiro discípulo do Professor hoje em dia será leal aos
que têm autoridade dentro da igreja, embora pareça que erraram em seu
julgamento (1 Tim. 5: 1; Tito 3: 1).

10.

Leprosa como a neve.

Compare-se com o Exo. 4: 6; 2 Rei. 5: 27; 2 Crón. 26: 19-21. Aarón não recebeu
castigo físico. Evidentemente todo o clamor foi promovido pela María, quem
recebeu seu castigo.

11.

Não ponha agora sobre nós este pecado.

No Zac. 14: 19 a mesma palavra hebréia se traduz "castigo", posto que se
refere tanto ao pecado como a seu castigo.

12.

Como o que nasce morto.

Quer dizer, condenado a morrer. Ela foi afastada dos outros como uma criminosa.

14.

Cuspido em seu rosto.

Entre os orientais se supõe que cuspir tem efeitos tão bons como
maus (ver Deut. 25: 9; Job 30: 10; Mar. 7: 33; 8: 23). Entre alguns povos,
supõe-se que cuspir é o meio de transferir poderes sobre-humanos.

Depois.

As palavras do vers. 14, segundo as quais María poderia voltar uma semana
depois de ter sido atacada de lepra, implicam que foi sanada imediatamente
(ver vers. 13), e aí mesmo começou o ritual de purificação (Lev. 13: 4).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-16 PP 402-406

1, 2 PP 402

3 C (1949) 38; DMJ 20; FÉ 508; PP 255, 403; 3T 2971 34 l; 4T 368

5, 7-16 PP 404

8 PP 418 878

CAPÍTULO 13

1 Nomes das pessoas que foram enviadas como espiões ao Canaán. 17 Seus
instruções. 21 Suas aventuras. 26 Seu relatório.

1 E JEHOVA falou com o Moisés, dizendo:

2 Envia você homens que reconheçam a terra do Canaán, a qual eu dou aos
filhos do Israel; de cada tribo de seus pais enviarão um varão, cada um
príncipe entre eles.

3 E Moisés os enviou do deserto de Param, conforme à palavra de
Jehová; e todos aqueles varões eram príncipes dos filhos do Israel.

4 Estes são seus nomes: Da tribo do Rubén, Samúa filho do Zacur.

5 Da tribo do Simeón, Safat filho do Horí.

6 Da tribo do Judá, Caleb filho do Jefone.

7 Da tribo do Isacar, Igal filho do José.

8 Da tribo do Efraín, Oseas filho do Nun.

9 Da tribo de Benjamim, Palti filho do Rafú.

10 Da tribo do Zabulón, Gadiel filho do Sodi.

11 Da tribo do José: da tribo do Manasés, Gadi filho do Susi.

12 Da tribo de Dão, Amiel filho do Gemali.

13 Da tribo do Aser, Setur filho do Micael.

14 Da tribo do Neftalí, Nahbi filho do Vapsi.

15 Da tribo do Gad, Geuel filho do Maqui.

16 Estes são os nomes dos varões que Moisés enviou a reconhecer a terra;
e ao Oseas filho do Nun lhe pôs Moisés o nome do Josué.

17 Os enviou, pois, Moisés a reconhecer a terra do Canaán, lhes dizendo: Subam
daqui ao Neguev, e subam ao monte,

18 e observem a terra como é, e o povo que a habita, se for forte ou
débil, se pouco ou numeroso;

19 como é a terra habitada, se for boa ou má; e como são as cidades
habitadas, se forem acampamentos ou lugares fortificados;

20 e como é o terreno, se for fértil ou estéril, se nele há árvores ou não; e
lhes esforce, e tirem do fruto do país. E era o tempo das primeiras uvas.

21 E eles subiram, e reconheceram a terra do deserto do Zin até
Rehob, entrando no Hamat.

22 E subiram ao Neguev e vieram até o Hebrán; e ali estavam Abimán, Sesai e
Talmai, filhos do Anac. Hebrán foi edificada sete anos antes do Zoán em
Egito.

23 E chegaram até o arroio do Escol, e dali cortaram um sarmento com um
cacho de uvas, o qual trouxeram dois em um pau, e das granadas e dos
figos.

24 E se chamou aquele lugar o Vale do Escol, pelo cacho que cortaram dali
os filhos do Israel.

25 E voltaram de reconhecer a terra ao fim de quarenta dias.
26 E andaram e vieram ao Moisés e ao Aarón, e a toda a congregação dos
filhos do Israel, no deserto de Param, no Cades, e deram a informação a
eles e a toda a congregação, e lhes mostraram o fruto da terra.

27 E lhes contaram, dizendo: Nós chegamos à terra a qual nos
enviou, a que certamente flui leite e mel; e este é o fruto dela.

28 Mas o povo que habita aquela terra é forte, e as cidades muito
grandes e fortificadas; e também vimos ali aos filhos do Anac.

29 Amalec habita o Neguev, e o heteo, o jebuseo e o amorreo habitam no
monte, e o cananeo habita junto ao mar, e à ribeira do Jordão.

30 Então Caleb fez calar ao povo diante do Moisés, e disse: Subamos
logo, e tomemos posse dela; porque mais poderemos nós que eles.

31 Mas os varões que subiram com ele, disseram: Não poderemos subir contra aquele
povo, porque é mais forte que nós.

32 E falaram mal entre os filhos do Israel, da terra que haviam
reconhecido, dizendo: A terra por onde passamos para reconhecê-la, é terra
que traga a seus moradores; e todo o povo que vimos em meio dela são
homens de grande estatura.

33 Também vimos ali gigantes, filhos do Anac, raça dos gigantes, e fomos
nós, 879 a nosso parecer, como lagostas; e assim lhes parecíamos .

1.

Jehová falou.

Deut, 1: 22 esclarece que aqui Deus acessa a um pedido feito originalmente pelo
povo.

2.

Canaán.

Prometida ao Abraão (Gén. 17: 8), ao Jacob (Gén. 48: 3, 4; Sal. 105: 10, 11) e a
Moisés (Exo. 6: 4). Deus admoestou aos israelitas a obedecer suas leis e a não
poluir a terra, para que não fossem jogados dela, como ocorreu com
seus moradores anteriores (Lev. 18: 3, 24-28; cf. Exo. 16: 29).

3.

A palavra.

Esta foi dada ao Moisés em "o tempo das primeiras uvas" (vers. 20), o que
localizaria-me este incidente em volto do quinto mês, do segundo ano, depois de
que o Israel saiu do Egito.

Do deserto de Param.

Quer dizer, do Cades-barnea (Núm. 32: 8; Deut. 1: 19-22; 9: 23; Jos. 14: 7).

Príncipes.

Os governantes de centenares e milhares (Exo. 18: 25) e príncipes das
tribos (Núm. 1: 16). Mas evidentemente estes eram caudilhos de uma categoria
inferior dentro das tribos.

16.

Josué.

Este nome pode ter sido dado ao Oseas da tribo do Efraín (vers. 8) pouco
depois de que saíram do Egito os filhos do Israel; do contrário, é
usado antecipadamente no Exo. 17: 9. O nome Oseas significa "salvação", e
Josué uma forma abreviada do Jehosué, "Jehová é salvação". Usualmente os
nomes bíblicos são significativos (ver Apoc. 2: 13, 17; 3: 12; 14: 1; 19: 12,
13, 16; 21: 12, 14; 22: 4).

17.

Ao Neguev.

A zona meridional da Palestina (ver com. Gén. 12: 9). Em realidade os espiões
foram do Cades para o norte para chegar à zona do "sul". Esta palavra -
de uma raiz que significa "seco" ou "ressecado"- geralmente se aplica à zona
desértico do limite meridional da Palestina. Esta era uma região de
transição entre o deserto meridional e a terra mais cultivável do norte, e
portanto boa para o pastoreio de gado. Esta zona se conhece hoje em dia com
o mesmo nome. Já que o Neguev está ao sul da Palestina, a
palavra chegou a ser o término hebreu usual para "sul".

Ao monte.

A zona montanhosa da Palestina central (ver com. vers. 29).

20.

Fértil.

Ver Neh. 9: 25, 35.

21.

Deserto do Zin.

Não devesse confundir-se com o deserto de Sem, perto do Sinaí (Exo. 16: 1).
Cades estava situada no deserto do Zin (Núm. 20: 1; 27: 14; 33: 36; 34: 3,
4; Deut. 32: 51; Jos. 15: 1, 3) que estava incluído no deserto de Param ou
unido com ele (ver cap. 13: 3).

Até o Rehob.

Este poderia ter sido o Rehob perto do mar da Galilea, ou outro mais ao norte
perto do rio Orontes.

22.

Hebrón.

Uma cidade a 30 km ao sul de Jerusalém (Juec. 1: 10).

Filhos do Anac.
Alguns pensam que o nome significa "os filhos do pescoço", pelo que se
inferiria que era gente de pescoço muito comprido. A palavra que serve de raiz é
traduzida "colares" e "gargantilhas". Quer dizer um colar para o pescoço
(Juec. 8: 26; Prov. 1: 9; Cant. 4: 9). infere-se que os habitantes em torno
do Hebrón eram altos e magros (ver Deut. 1: 28; 9: 2).

23.

O arroio do Escol.

'Eshcol significa "cacho". A mesma palavra aparece no Gén. 40: 10; Deut. 32:
32; ISA. 65: 8; Miq. 7: 1.

27.

Leite e mel.

Um término geral para expressar abundância (ver com. Exo. 3: 8; cf. 13: 5;
33: 3). Nessa época, Palestina era muito menos seca e árida do que é hoje
dia (ver com. Gén. 12: 6).

28.

Mas.

A palavra aqui traduzida "mas" sugere algo impossível para o homem. Seu uso
neste caso implica a falta de fé deles e revela seu pecado. Se tão somente
tivessem apresentado os fatos, fariam tudo o que se requeria deles,
mas ao usar esta palavra acrescentaram sua opinião privada de que a tarefa que
tinham por diante era mais do que podia realizar a força do Israel.

29.

Amalec.

Descendentes do Esaú (ver com. Gén. 36: 12). Os amalecitas eram uma tribo
nômade da zona desértica do sul da Palestina. Quanto a seu primeiro ataque
contra Israel, ver Exo. 17: 8-16.

O heteo.

Súditos de um império poderoso (ver com. Gén. 10: 15).

O jebuseo.

Um povo relativamente pouco importante das proximidades de Jerusalém, mais
tarde conquistado pelo David (2 Sam. 5: 6; ver com. Gén. 10: 16).

O amorreo.

Resíduo de um povo antes poderoso. encontrava-se na zona montanhosa da
que se fala no Deut. 1: 19, 44 e em outros lugares (ver com. Gén. 10: 16). 880

junto ao mar.

Quer dizer, o Mediterrâneo.

A ribeira do Jordão.
Ao longo ou, literalmente, "pela mão" do Jordão (ver cap. 2: 17).

30.

Caleb.

Possivelmente Josué era mais guerreiro que orador público (ver cap. 14: 6).

32.

Falaram mau.

A mensagem dada foi completamente desanimador, embora não necessariamente falso
no que corresponde aos fatos. A palavra traduzida "falaram" significa
"inventar", "divulgar". Sem dúvida as aparências pareciam justificar o mal
relatório. De um ponto de vista humano, a conquista do Canaán pode haver
parecido impossível. Mas Deus lhes tinha prometido a terra e lhes ordenou que
entrassem e a subjugassem. Seu fracasso em realizar então o indicado
refletia dúvida quanto ao poder de Deus para lhes dar Canaán. O eloqüente
argumento do Pablo em favor da fé se refere a triste experiência de
Cades-barnea como a uma lição plena de significado para os cristãos (Heb.
3: 8 a 4: 16).

Traga a seus moradores.

Não é claro o significado da expressão assim traduzida. Dificilmente pode
referir-se à pobreza da terra, posto que acabava de ser descrita como
uma terra que flui leite e mel (vers. 27). Era uma contradição de seu
relatório que Canaán era uma terra fértil (vers. 27). A referência à
condição física superior dos gigantes também pareceria desmentir seu
relatório.

Homens de grande estatura.

Amós 2: 9 descreve aos amorreos, altos como cedros e fortes como carvalhos.

33.

Gigantes.

A palavra traduzida "gigantes" poderia provir do verbo "cair". A mesma
palavra se usa no Gén. 6: 4. Isto poderia referir-se a homens que caíram pela
espada, indicando assim que a terra tragava aos habitantes (vers. 32), ou
poderia significar homens cuja estatura gigantesca faz que decaia o coração
de outros devido ao temor (ver com. Gén. 6: 4). O verbo afim se usa para
expressar morte violenta (1 Sam. 4: 10; 14: 13).

Como lagostas.

Na ISA. 40: 22 se usa a mesma expressão aplicada aos homens à vista de
Deus. Tais quadros verbais são comuns nos idiomas semíticos (1 Sam. 24:
14; 26: 20; 1 Rei. 20: 27).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-33 CV 106; PP 407-409

1, 2 CV 106; SR 158
2 PP 407

7 4T 148

17-25 PP 407

23-29 SR 158

25-27 CV 106

27 PP 408; 5T 376

28 CV 106; 5T 376

28, 29 PP 408

30 CV 106; 2JT 29; MeM 320; SC 292; 5T 303, 376, 383

30, 31 Ed 144; P 14

30-33 PP 409; SR 159

31 CV 106; 5T 377

32 CV 106; PP 409

32, 33 5T 377

33 CV 106; 4T 148

CAPÍTULO 14

1 As notícias dos espiões fazem murmurar ao povo. 6 Josué e Caleb procuram
acalmá-los. 11 Deus ameaça ao povo. 13 Moisés persuade a Deus e consegue seu
perdão. 26 Se anuncia aos murmuradores que não poderão entrar na terra
prometida. 36 Morte dos espiões sediciosos. 40 Derrota dos israelitas que
entram na terra prometida contra a vontade de Deus.

1 ENTÃO toda a congregação gritou, e deu vozes; e o povo chorou aquela
noite.

2 E se queixaram contra Moisés e contra Aarón todos os filhos do Israel; e os
disse toda a multidão: Oxalá morrêramos na terra do Egito; ou neste
deserto oxalá morrêramos!

3 E por que nos traz Jehová a esta terra para cair a espada, e que nossas
mulheres e nossos meninos sejam por presa? Não nos seria melhor voltamos para o Egito?
881

4 E diziam o um ao outro: Designemos um capitão, e nos voltemos para o Egito.

5 Então Moisés e Aarón se prostraram sobre seus rostos diante de toda a
multidão da congregação dos filhos do Israel.

6 E Josué filho do Nun e Caleb filho do Jefone, que eram dos que haviam
reconhecido a terra, romperam seus vestidos,

7 e falaram com toda a congregação dos filhos do Israel, dizendo: A terra
por onde passamos para reconhecê-la, é terra em grande maneira boa.
8 Se Jehová se agradar de nós, ele nos levará a esta terra, e nos a
entregará; terra que flui leite e mel.

9 portanto, não sejam rebeldes contra Jehová, nem temam ao povo desta
terra; porque nós os comeremos como pão; seu amparo se apartou de
eles, e conosco está Jehová; não os temam.

10 Então toda a multidão falou de lhes apedrejar. Mas a glória do Jehová se
mostrou no tabernáculo de reunião a todos os filhos do Israel,

11 e Jehová disse ao Moisés: Até quando me tem que irritar este povo? Até
quando não me acreditarão, com tudo os sinais que tenho feito em meio deles?

12 Eu os ferirei de mortandade e os destruirei, e te porei sobre gente mais
grande e mais forte que eles.

13 Mas Moisés respondeu ao Jehová: Ouvirão-o logo os egípcios, porque de em
meio deles tirou este povo com seu poder;

14 e o dirão aos habitantes desta terra, os quais ouviram que você, OH
Jehová, estava em meio deste povo, que cara a cara aparecia você, OH
Jehová, e que sua nuvem estava sobre eles, e que de dia foi diante deles em
coluna de nuvem, e de noite em coluna de fogo;

15 e que tem feito morrer a este povo como a um só homem; e as gente que
tiverem ouvido sua fama falarão dizendo:

16 Por quanto não pôde Jehová colocar este povo na terra da qual os
tinha jurado, matou-os no deserto.

17 Agora, pois, eu te rogo que seja magnificado o poder do Senhor, como o
falou, dizendo:

18 Jehová, demoro para a ira e grande em misericórdia, que perdoa a iniqüidade
e a rebelião, embora não terá por inocente ao culpado; que
visita a maldade dos pais sobre os filhos até os terceiros e até os
quartos.

19 Perdoa agora a iniqüidade deste povo segundo a grandeza de você
misericórdia, e como perdoaste a este povo do Egito até aqui.

20 Então Jehová disse: Eu o perdoei conforme a seu dito.

21 Mas tão certamente como vivo eu, e minha glória enche toda a terra,

22 todos os que viram minha glória e meus sinais que tenho feito no Egito e no
deserto, e me tentaram já dez vezes, e não ouviram minha voz,

23 não verão a terra da qual jurei a seus pais; não, nenhum dos que me
irritaram a verá.

24 Mas a meu servo Caleb, por quanto houve nele outro espírito, e decidiu ir em
detrás de mim, eu lhe meterei na terra onde entrou, e sua descendência a terá
em posse.

25 Agora bem, o amalecita e o cananeo habitam no vale; lhes volte amanhã e
saiam ao deserto, caminho do Mar Vermelho.
26 E Jehová falou com o Moisés e ao Aarón, dizendo:

27 Até quando ouvirei esta depravada multidão que murmura contra mim, as
questões dos filhos do Israel, que de mim se queixam?

28 lhes diga: Vivo eu, diz Jehová, que conforme falastes a meus ouvidos, assim farei
eu com vós.

29 Neste deserto cairão seus corpos; todo o número dos que foram
contados de entre vós, de vinte anos acima, os quais murmuraram
contra mim.

30 Vós à verdade não entrarão na terra, pela qual elevei minha mão e
jurei que lhes faria habitar nela; excetuando ao Caleb filho do Jefone, e a
Josué filho do Nun.

31 Mas a seus meninos, dos quais disseram que seriam por presa, eu os
introduzirei, e eles conhecerão a terra que vós desprezaram.

32 Quanto a vós, seus corpos cairão neste deserto.

33 E seus filhos andarão pastoreando no deserto quarenta anos, e eles
levarão suas rebeldias, até que seus corpos sejam consumidos no
deserto.

34 Conforme ao número dos dias, dos quarenta dias em que reconheceram a
terra, levarão suas iniqüidades quarenta 882 anos, um ano por cada dia;
e conhecerão meu castigo.

35 Eu Jehová falei; assim farei a toda esta multidão perversa que se há
juntado contra mim; neste deserto serão consumidos, e aí morrerão.

36 E os varões que Moisés enviou a reconhecer a terra, e que ao voltar haviam
feito murmurar contra ele a toda a congregação, desacreditando aquele país,

37 aqueles varões que tinham falado mal da terra, morreram de praga
diante do Jehová.

38 Mas Josué filho do Nun e Caleb filho do Jefone ficaram com vida, de entre
aqueles homens que tinham ido reconhecer a terra.

39 E Moisés disse estas coisas a todos os filhos do Israel, e o povo se enlutou
muito.

40 E se levantaram pela manhã e subiram à cúpula do monte, dizendo:
Fenos aqui para subir ao lugar do qual falou Jehová; porque pecamos.

41 E disse Moisés: por que quebrantam o mandamento do Jehová? Isto tampouco
sairá-lhes bem.

42 Não subam, porque Jehová não está em meio de vós, não sejam feridos
diante de seus inimigos.

43 Porque o amalecita e o cananeo estão ali diante de vós, e cairão a
espada; pois por quanto lhes negastes a seguir ao Jehová, por isso não estará
Jehová com vós.

44 Entretanto, se obstinaron em subir ao topo do monte; mas o arca do
pacto do Jehová, e Moisés, não se separaram de no meio do acampamento.
45 E descenderam o amalecita e o cananeo que habitavam naquele monte, e os
feriram e os derrotaram, perseguindo-os até Fôrma.

1.

A congregação gritou.

Quando os espiões repetiram suas dúvidas aos príncipes das tribos
respectivas, o mau relatório se pulverizou por todo o acampamento.

2.

queixaram-se.

O leitor pode imaginá-las violentas acusações que se levantaram
contra Moisés e Aarón e a agitação para escolher a outros dirigentes que os
conduzissem de retorno ao Egito (vers. 4).

4.

Um capitão.

Chegaram ao ponto de querer designar um chefe para substituir ao Moisés (Neh. 9:
17).

5.

prostraram-se sobre seus rostos.

Moisés e Aarón se prostraram se desesperados aos pés de toda a congregação.
Entretanto, seus pensamentos estavam dirigidos para Deus.

6.

Romperam seus vestidos.

Rasgá-los vestidos era uma maneira antiga de expressar profundo pesar
(Gén. 37: 29, 34; Job 1: 20; cf. Joel 2: 13).

8.

Agradar-se de nós.

Uma expressão do favor de Deus encontrada em 2 Sam. 22: 20, com referência a
David; em 1 Rei. 10: 9, ao Salomón; e na ISA. 62: 4, à igreja.

9.

Comeremo-los como pão.

Quer dizer, será fácil vencê-los (ver Núm. 13: 32; 24: 8; Deut. 7: 16; Sal. 14:
4; Jer. 10: 25). Esta expressão mostrava grande fé na capacidade e vontade de
Deus para cumprir suas promessas.

Seu amparo.

Literalmente, "sua sombra". Possivelmente Josué e Caleb pensavam na nuvem de Deus que
estava sobre o acampamento do Israel para sua condução e amparo, e assim
sugeriram a incapacidade dos deuses dos pagãos para proporcionar
amparo.

10.

Glória do Jehová.

A glória que apareceu no monte Sinaí (Exo. 24: 16, 17) e encheu o
tabernáculo quando foi dedicado (Exo. 40: 34, 35). Sem dúvida a aparição da
Santa Shekinah impediu que o povo apedrejasse aos dois espiões.

11.

Até quando não me acreditarão.

Através de toda sua história, os judeus hão posto grande ênfase em que são
descendentes do Abraão. Entretanto, insistiram em falhar precisamente em
aquilo pelo qual ele foi honrado Por Deus (Gén. 15: 6; Gál. 3: 7, 9). Esta
falta de fé é o que impediu que entrassem no repouso de Deus (Heb. 3: 19; 4:
11).

Tudo os sinais.

Apesar de que falta fé em amplos setores do mundo moderno, os "sinais" em
sua forma mais explícita som uma evidência destinada a confirmar as mensagens de
Deus (ver Exo. 14: 31; Juan 12: 37).

12.

Mortandade.

A palavra denota uma praga ou pestilência em geral, tanto sobre os homens
como sobre as bestas.

Gente maior.

Moisés (ver Exo. 32: 10) converteria-se dessa maneira em um segundo Abraão,
cumprindo-se assim tudo o que tinha sido prometido a aquele patriarca (Gén. 12:
2; 8:18; Deut. 26: 5; ISA. 51: 2).

13.

Ouvirão logo os egípcios.

Moisés usa 883 estas palavras para argumentar com o Jehová em sua petição a
favor do Israel (ver Exo. 32: 12; Deut. 9: 28; Jos. 7: 9; ISA. 48: 9, 11;
etc.).

14.

Esta terra.

A referência é ao Canaán.

Cara a cara.

Literalmente, "olho sobre olho". Compare-se com expressões similares no Núm. 12:
8; Exo. 33: 11; ISA. 52: 8.
15.

Como a um só homem.

Uma figura de destruição completa, como a de um homem que é matado com um
só golpe (Juec. 6: 16).

Sua fama.

A palavra hebréia significa "relatório" ou "notícias", já sejam verdadeiras ou
falsas.

17.

Poder do Senhor.

A palavra "Senhor" neste versículo não é a que se traduziu "Jehová",
como nos vers. 16 e 18 (ver com. Exo. 6: 3; 15: 2). Aqui Moisés usa um
argumento apoiado na natureza de Deus como se revelou no monte Sinaí
(Exo. 34: 6, 7).

18.

Perdoa a iniqüidade e a rebelião.

Literalmente, "um que levanta iniqüidade e transgressão". A palavra traduzida
"iniqüidade" significa "perversão", "distorção", " torcedura"; e "rebelião",
"desafio", "revolta".

20.

Conforme a seu dito.

Entretanto, o povo pereceria no deserto (Exo. 32: 34), mas a oração
do Moisés impediu seu completo extermínio como nação. Em seu papel de
intercessor, pode considerar-se o Moisés como um precursor de Cristo (Sal. 106:
23; Jer. 15: 1).

21.

Como vivo.

A expressão equivalente "vivo eu" aparece na ISA. 49: 18; Jer. 22: 24; 46: 18;
Sof. 2: 9. usa-se como confirmação de uma afirmação muito solene.

22.

Tentaram-me.

A palavra hebréia aqui usada significa "pôr a prova" e não " tentar" no
sentido moderno. Compare o seguinte uso do mesmo verbo traduzido
"provar", no sentido de "pôr a prova": Exo. 15: 25; 20: 20; Dão. 1: 12,
14; Mau. 3: 10.

24.

Meu servo Caleb.

O cumprimento desta promessa aparece no Jos. 14: 6-15; Juec. 1: 20.
Outro espírito.

Quer dizer, a influência do Espírito santo sobre o espírito pessoal do Caleb
(ver Juec. 3: 10; 6: 34; ISA. 59: 19; 6 1: 1).

Decidiu ir em detrás de mim.

Isto se repete várias vezes (ver Juec. 14: 8; Núm. 32: 11; Deut. 1: 36).

25.

No vale.

Se procuravam entrar na Terra Santa pelo vale, os foram derrotar os
amalecitas e cananeos.

lhes volte.

Assim lhe ordenou ao povo que retrocedesse, indo para o sul em direção
do mar Vermelho.

29.

Seus corpos.

"Seus cadáveres" (BJ). Palavra empregada para os corpos mortos de
homens (Amós 8: 3) e de animais (Gén. 18: 11), usada aqui com desprezo (ver
Lev. 26: 30; Eze. 6: 5).

Desde vinte anos acima.

Geralmente se pensa que os levita foram excluídos desta predição
porque não estiveram entre os contados a partir dos 20 anos de idade, a não ser
de um mês (cap. 3: 15) ou a partir dos 30 anos (cap. 4: 3). Além disso eles não
tinham tido representantes entre os espiões. Isto é confirmado pelo fato
de que sobreviveu Eleazar, filho do Aarón, quem evidentemente tinha mais de 30
anos quando chegou a ser sacerdote (Jos. 17: 4; 24: 33).

30.

Pela qual elevei minha mão.

Ver Gén. 14: 22; Deut. 32: 40; Eze. 20: 5, 6, 15, 23.

31.

Seus meninos.

Por debaixo de 20 anos de idade (ver vers. 3; Deut. 1: 39).

33.

Pastoreando.

Literalmente, "sede pastores". (A mesma palavra original está no Gén. 13: 7;
47: 3; Exo. 2: 17; ISA. 31: 4; Jer. 6: 3; etc.) O povo tinha que peregrinar
pelo deserto cuidando de seus rebanhos.
Consumidos.

refere-se ao desaparecimento completo dos condenados a morrer. Comparem-se
os seguintes versículos nos quais a mesma palavra se traduziu "há-se
acabado" (Gén. 47: 18), "acabaram" (Jos. 5: 8), "terminam" (Job 31: 40), "seja
perfeito" (ISA. 18: 5).

34.

Cada dia.

De yom, uma palavra traduzida de diversas formas como "dia", "muitos dias"
(Gén. 26: 8), "dias" (Gén. 40: 4), "idade" (Gén. 18: 11), "quando" (Lev. 14:
57), "de antemão" (Deut. 31: 21), "um pouco" (1 Sam. 9: 27), "anos" (2 Sam. 13:
23), "sempre" (2 Rei. 17: 37), "larga vida" (Sal. 91: 16), "todos meus dias"
(Job 27: 6), "tempo" (Prov. 25: 20) e "ano" (Exo. 13: 10). É óbvio que yom
era muito mais flexível em seu significado que nossa palavra "dia". No
hebreu familiar, yamim, "dias", com freqüência se usava para "ano" (ver Exo.
13: 10; Lev. 25: 29; Núm. 9: 22; Jos. 13: 1; Juec. 11: 40; 17: 10; 21: 19; 1
Sam. 1: 3; 2: 19; 20: 6; 27: 7; 2 Sam. 14: 26; 1 Rei. 1: 1; 2 Crón. 21: 19;
Amós 4: 4).

A palavra yom é uma forma suavizada de 884 jom, "calor", da raiz yajámm,
"estar quente" (ver com. Gén. 9: 2). Cada dia se dizia que estava composto
de " tarde", a parte escura ou "fresca" do dia (Gén. 1: 4, 5; 3: 8), e
"amanhã", a parte luminosa ou "cálida" do dia (Gén. 1: 4, 5; 18: 1). Da
mesma maneira, um ano estava composto do frio do inverno e do calor do
verão (ver Gén. 8: 22). De modo que, com respeito a seus ciclos de temperatura
-uma característica importante comum a ambos -, pareciam-se mutuamente o dia e
o ano. No Gén. 8: 22, as diversas expressões "a sementeira e a ceifa",
"o frio e o calor", "o verão e o inverno" e "o dia e a noite" usam-se
neste sentido paralelo. Os primeiros dois casais são o produto, ou
resultado, das últimas dois. Nas duas primeiras, o calor segue ao frio; em
as duas últimas, o frio segue ao calor. Note-se especialmente o estrito
paralelismo dos dois últimos casais, onde o calor e o frio do ano correm
casais com o calor e o frio do dia.

Aqui (Núm. 14: 34) aparece o primeiro uso das palavras "dia" e "ano", juntas
em um sentido correlativo, dentro de um marco profético. Os espiões haviam
passado 40 dias esquadrinhando a terra do Canaán e tinham informado
desfavorablemente quanto às perspectivas de ocupá-la. Ao proceder assim
tinham demonstrado uma falta de fé nas promessas de Deus e em seu poder para
cumprir essas promessas. Entretanto, seu relatório foi aceito pelo povo (ver
com. vers. 4). como resultado desta decisão, a nação foi sentenciada a 40
anos de sofrimento no deserto. Os 40 dias literais se converteram assim
em uma profecia de 40 anos literais: um ano de peregrinação reparadora no
deserto por cada dia desprovido de fé passado percorrendo a terra prometida.
 Que este não é um exemplo isolado do uso do princípio do dia ano na
profecia, resulta evidente pelo Eze. 4: 6, onde se aplica outra vez o mesmo
princípio. Deus especificamente disse ao Ezequiel: "Dia por ano lhe hei isso
dado", e ao fazer isso confirmou o princípio estabelecido no Núm. 14: 34.

Meu castigo.

"O que é apartar-se de mim" (BJ). De um verbo que significa "estorvar",

 "frustrar", "restringir". Também se traduz "vedar" (cap. 30: 5, 8, 1 l),
"desanimar" (cap. 32: 7), "desalentar" (cap. 32: 9) e "fazer nulo" (Sal. 33:
10). Haviam-se oposto a Deus e afastado dele. A fim de que aprendessem a
cooperar com Deus, ordenou que eles experimentassem a oposição divina, a
frustração divina de seus planos.

37.

De praga.

Literalmente, um "golpe". A mesma palavra se usa para as dez pragas de
Egito (Exo. 9: 14), para a praga que seguiu à rebelião do Coré, Datam e
Abiram (Núm. 16: 48, 49) e para a matança pela espada (1 Sam. 4: 17; 2 Sam.
17: 9; 18: 7). Não se revela a classe de repente" que castigou aqui ao povo.

diante do Jehová.

Quer dizer, a "praga" foi um julgamento divino.

40.

Monte.

Quer dizer o "monte do amorreo" (Deut. 1: 19, 20), ou a zona montanhosa do
Neguev, ao norte do Cades-barnea (ver com. Núm. 13: 17).

Fenos aqui.

Um reconhecimento de que estavam preparados para fazer como Caleb e Josué os
tinham insistido que fizessem (caps. 13: 30; 14: 9).

41.

por que.

Deus lhes tinha ordenado que retrocedessem e não que avançassem (vers. 25).

42.

Não está em meio de vós.

O arca não os acompanharia (Núm. 14: 44; cf. Jos. 6: 8, 9)nem a nuvem iria
diante deles.

44.

Se obstinaron.

Um caso notório de necedad e conduta insolente contra a vontade de Deus.

O arca.

A nuvem descansava sobre o tabernáculo. portanto, Moisés não fez nenhum
movimento para abandonar o acampamento, e os levita não levaram o arca
diante do povo (caps. 9: 21, 22; 10: 33). Evidentemente, com exceção de
levita-os, todas as outras tribos partiram.

45.

Fôrma.

Significa "dedicada à destruição". Uma cidade atribuída depois ao Judá ou
Simeón, Fôrma se menciona várias vezes nas Escrituras (Núm. 21: 3; Juec. 1:
17; 1 Sam. 30: 30). O caminho da perseguição se dá mais plenamente no Deut.
1: 44. Sua extensão sugere que não foi pequeno o número de feridos e de
mortos.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-45 CV 106, 107; PP 409-416; SR 159-163; 4T 152-154

1 5T 377

1, 2 CV 106 885

1-5 PP 410; SR 159

2 CV 106; PP 412; SR 163

2-4 5T 377

3 4T 150

4 SR 160; 4T 150

5 4T 149, 151; 5T 377

6 4T 149; 5T 377

6-8 SR 175

7-9 CV 106; PP 410; SR 160; 5T 377

9 MC 408

10 P 14; 4T 151; 5T 378

10-12 PP 411

11-16 SR 161

12 PR 232; 4T 152

13-16 4T 152

16 CV 107

17-19 PP 411; PR 232; SR 162; 4T 152

19 MeM 297 20 MeM

20 297 201 21 PR 232

20-24 SR 162

21 MeM 297

23, 24 4T 153

24 CV 107; PP 412; 5T 303
25 SR 162

26-30 SR 163

28, 29 PP 412

29 4T 153

29, 30 FÉ 508; 4T 153; Lhe 13

30 Ed 144; FÉ 505

31 PP 412; SR 163; 4T 153

33 FÉ 505; SR 163

34 CS 371; DTG 200; Ev 504, 505 PP 412; PR 515; SR 163

36, 37 PP 412

37 4T 153

39, 40 PP 413

41-43 PP 415

43-45 4T 154

44, 45 PP 466

CAPÍTULO 15

1 Leis sobre as oferendas de comida e de bebida, 13, 29 O natural e o
estrangeiro estão sob as mesmas leis. 17 Oferenda do Primeiro que se amassasse
na terra prometida. 22 Sacrifício por pecado de ignorância. 30 Castigo de
a presunção. 32 Lapidação dos violadores do sábado. 37 Lei das
franjas nos vestidos.

1 JEHOVA falou com o Moisés, dizendo:

2 Fala aos filhos do Israel, e lhes diga: Quando tiverem entrado na terra de
sua habitação que eu lhes dou,

3 e façam oferenda acesa ao Jehová, holocausto, ou sacrifício, por especial
voto, ou de sua vontade, ou para oferecer em suas festas solenes aroma
grato ao Jehová, de vacas ou de ovelhas;

4 então o que presente sua oferenda ao Jehová trará como oferenda a décima
parte de um f de flor de farinha, amassada com a quarta parte de um hin de
azeite.

5 De vinho para a libação oferecerá a quarta parte de um hin, além disso do
holocausto ou do sacrifício, por cada cordeiro.

6 Por cada camero fará oferenda de dois décimos de flor de farinha, amassada com
a terceira parte de um hin de azeite;

7 e de vinho para a libação oferecerá a terceira parte de um hin, em aroma
grato ao Jehová.
8 Quando oferecer novilho em holocausto ou sacrifício, por especial voto, ou de
paz ao Jehová,

9 oferecerá com o novilho uma oferenda de três décimos de flor de farinha,
amassada com a metade de um hin de azeite;

10 e de vinho para a libação oferecerá a metade de um hin, em oferenda
acesa de aroma grato ao Jehová.

11 Assim se fará com cada boi, ou carneiro, ou cordeiro das ovelhas, ou cabrito.

12 Conforme ao número assim farão com cada um, segundo o número deles.

13 Tudo natural fará estas coisas assim, para oferecer oferenda acesa de aroma
grato ao Jehová.

14 E quando habitar com vós estrangeiro, ou qualquer que estivesse entre
vós por suas gerações, se hiciere oferenda acesa de aroma grato
ao Jehová, como vós hiciereis, assim fará ele. 886

15 Um mesmo estatuto terão vós da congregação e o estrangeiro que
com vós mora; será estatuto perpétuo por suas gerações; como
vós, assim será o estrangeiro diante do Jehová.

16 Uma mesma lei e um mesmo decreto terão, vós e o estrangeiro que com
vós mora.

17 Também falou Jehová ao Moisés, dizendo:

18 Fala aos filhos do Israel, e lhes diga: Quando tiverem entrado na terra a
a qual eu lhes levo,

19 quando começarem a comer do pão da terra, oferecerão oferenda ao Jehová.

20 Do primeiro que amassem, oferecerão uma torta em oferenda; como a oferenda
da era, assim a oferecerão

21 Das primicias de sua massa darão ao Jehová oferenda por suas
gerações.

22 E quando errarem, e não hiciereis todos estes mandamentos que Jehová há
dito ao Moisés,

23 todas as coisas que Jehová lhes mandou por meio do Moisés, desde dia
que Jehová o mandou, e em adiante por suas idades,

24 se o pecado foi feito por erro com ignorância da congregação, toda a
congregação oferecerá um novilho por holocausto em aroma grato ao Jehová, com seu
oferenda e sua libação conforme à lei, e um macho caibro em expiação.

25 E o sacerdote fará expiação por toda a congregação dos filhos de
Israel; e lhes será perdoado, porque erro é; e eles trarão suas oferendas,
oferenda acesa ao Jehová, e suas expiações diante do Jehová por seus ermos.

26 E será perdoado a toda a congregação dos filhos do Israel, e ao
estrangeiro que mora entre eles, por quanto é erro de todo o povo.

27 Se uma pessoa pecar por erro, oferecerá uma cabra de um ano para
expiação.

28 E o sacerdote fará expiação pela pessoa que tenha pecado por erro;
quando pecar por erro diante do Jehová, reconciliará-a, e lhe será
perdoado.

29 O nascido entre os filhos do Israel, e o estrangeiro que habitar entre
eles, uma mesma lei terão para o que hiciere algo por erro.

30 Mas a pessoa que hiciere algo com soberba, assim o natural como o
estrangeiro, ultraja ao Jehová; essa pessoa será atalho de em meio de seu
povo.

31 Por quanto teve em pouco a palavra do Jehová, e menosprezou seu mandamento,
inteiramente será atalho essa pessoa; sua iniqüidade cairá sobre ela.

32 Estando os filhos do Israel no deserto, acharam a um homem que recolhia
lenha em dia de repouso.*

33 E os que lhe acharam recolhendo lenha, trouxeram-no para o Moisés e ao Aarón, e a
toda a congregação;

34 e o puseram no cárcere, porque não estava declarado o que lhe tinha que
fazer.

35 E Jehová disse ao Moisés: Irremisiblemente mora aquele homem; apedreje-o toda
a congregação fora do acampamento.

36 Então o tirou a congregação fora do acampamento, e o apedrejaram, e
morreu, como Jehová mandou ao Moisés.

37 E Jehová falou com o Moisés, dizendo:

38 Fala aos filhos do Israel, e lhes diga que se façam franjas nos borde de
seus vestidos, por suas gerações; e ponham em cada franja dos borde um
cordão de azul.

39 E lhes servirá de franja, para que quando o virem lhes lembrem de todos os
mandamentos do Jehová, para pô-los por obra; e não olhem em detrás de seu
coração e de seus olhos, em detrás dos quais vos prostituyáis.

40 Para que lhes lembrem, e façam todos meus mandamentos, e sejam Santos a
seu Deus.

41 Eu Jehová seu Deus, que lhes tirei da terra do Egito, para ser
seu Deus. Eu Jehová seu Deus.

2.

Quando tiverem entrado na terra.

Estas palavras esclarecem que a legislação aqui ordenada não era para o deserto
e que o Israel estava seguro de entrar na terra prometida. portanto,
supomos que a referência aqui não é para toda a congregação (cap. 14: 31)
a não ser para a gente jovem que não estava condenada a morrer no deserto.

3.

Oferenda acesa.
Quer dizer, qualquer sacrifício queimado sobre o altar, já fora total ou
parcialmente. 887

Holocausto.

Esta oferenda se queimava completamente. Cada manhã e cada tarde se oferecia um
cordeiro por toda a congregação (Exo. 29: 38-40; ver com. Lev. 1: 3).

Sacrifício.

Esta é a oferenda de paz como aparece no vers. 8 (ver Exo. 18: 12; Lev. 3;
17: 5, 8).

Por especial voto.

Corresponde com um "sacrifício", quer dizer uma oferenda de paz oferecida de
acordo com um voto, pela livre vontade da pessoa (Lev. 7: 16; 22: 21).

Em suas festas solenes.

Oportunidades apropriadas para oferendas adicionais (ver Lev. 23 e Núm. 29: 39).

Aroma grato.

Quanto a que a vida do cristão se assemelha a uma fragrância, ver com. 2
Cor. 2: 15.

4.

Oferenda.

A palavra hebréia que significa "presente" ou "tributo", originalmente
significava qualquer classe de sacrifício (ver Gén. 4: 4). No Sinaí se
limitou a sacrifícios nos que se empregavam cereais.

A décima parte de um f de flor de farinha.

Quer dizer um homer, a décima parte de um f (Exo. 16: 36), ou 2,2 litros.

A quarta parte de um hin.

um pouco menos de um litro.

5.

Libação.

De uma raiz que significa "esvaziar" (Jer. 7: 18; Ouse. 9: 4). Também usada
quando se trata de fundir metais (ISA. 40: 19); o substantivo derivado-se
traduz "imagens fundidas" e "imagens ... de fundição" (ISA. 41: 29; 48: 5;
Jer. 10: 14; 51: 17).

Por cada cordeiro.

Se havia mais de um cordeiro, a libação e a oferenda de cereal se aumentavam
proporcionalmente. Expressamente se fazia assim em dia sábado (cap. 28: 4-9).
Aqui não se faz menção do sal; entretanto deve haver-se acrescentado posto que
estava proibida sua omissão em qualquer sacrifício (Lev. 2: 13).
6.

Porcadacarnero.

Isto se considerou como um sacrifício mais aceitável que o de um cordeiro.
Acompanhavam-no majores oferenda de cereal e maiores libações, em proporção
com o tamanho do animal.

7.

Veio.

É possível que houvesse um tempo quando a libação se derramava sobre o
sacrifício. Posteriormente se derramou em volto do altar (Josefo, Antiguidades
iII. 9. 4). Um terço de um hin seria aproximadamente 1, 22 litro.

8.

Em holocausto.

Esta era uma oferenda voluntária e se considerava como extremamente aceitável para
Deus. Não se oferecia em pagamento de um voto, a não ser tão somente como uma amostra de amor
a Deus.

9.

Uma oferenda.

Uma minjáh, ou oferenda cereal. Tais oferendas eram aumentadas em proporção com
o tamanho dos holocaustos com os que se ofereciam: certa quantidade para um
cordeiro (vers. 4), algo mais para um carneiro (vers. 6), e para um novilho três
décimas de flor de farinha com o meio hin de azeite.

12.

Conforme ao número.

As proporções de comidas e de libações eram prescritas e reguladas
estritamente.

13.

Tudo natural.

Quer dizer, os israelitas nativos.

14.

Estrangeiro.

Um que estivesse de passagem (cap. g: 14). A LXX traduz "partidário".

15.

Um mesmo estatuto.

Quer dizer, para os sacrifícios.
Assim será o estrangeiro.

Depois os judeus interpretaram que isto não incluía um direito ao Sanedrín ou
ao concílio de Jerusalém.

16.

Uma mesma lei e um mesmo decreto.

Esta atitude liberal tinha o propósito de animar aos estrangeiros a
converter-se em partidários da religião judia e para assegurar que eles
receberiam um tratamento bondoso de parte dos judeus

19.

Pão da terra.

Quer dizer, o que produzia a terra (ver Sal. 104: 14, 15).

20.

Uma torta.

Não a colocava sobre o altar, mas sim a dava aos sacerdotes a
quem era atribuídas todas as oferendas que se elevavam (cap. 18: 8). Essas
oferendas eram elevadas em presença do Senhor como Criador e Doador de todas as
coisas boas.

24.

Por erro.

Quer dizer, sem premeditação, ou sem uma intenção deliberada de parte do
transgressor. A palavra hebréia denota uma transgressão cometida
inconscientemente (Lev. 4: 2).

Com ignorância de.

Literalmente, "dos Olhos de" (ver Lev. 4: 13), quer dizer, um pecado pessoal
não conhecido publicamente.

25.

Expiação.

Da mesma palavra hebréia também traduzida "propiciatorio", que significa
originalmente "cobrir". É significativo que toda a congregação parece estar
implicada no pecado desta pessoa e no sacrifício feito por ele. Isto
ressalta no vers. 26.

27.

Uma pessoa.

Literalmente, "alma de vida", quer dizer uma criatura que tenha vida.

Uma cabra.

No Lev. 4: 28 se especifica "uma cabra 888 sem defeito", sem fazer-se menção de
a idade.

30.

Com soberba.

Literalmente, "com mão altiva", com a intenção expressa (ver Deut. 17: 12;
Sal. 19: 13).

Atalho.

O sistema de sacrifícios não proporcionava expiação para a oposição
deliberada à vontade e às ordens de Deus.

31.

Teve em pouco a palavra.

Compare-se com a experiência do David em 2 Sam. 12: 9; veja-se também Prov. 13:
13; 19: 16.

32.

Recolhia lenha.

A observância do dia de repouso, do sétimo dia da semana da criação,
era tão obrigatória no deserto como na Terra Santa (Exo. 16: 27-30),
sob pena de morte por sua profanação (Exo. 31 : 14, 15; 35: 2). No
deserto, com seu clima quente, o fogo era desnecessário para a saúde e não
devia ser aceso em sábado (ver com. Exo. 16: 23; 35: 3). O pecado disso
homem era claramente insolente, e pelo mesmo era uma ilustração da classe
de pecado de que se fala no Núm. 15: 30.

33.

A congregação.

Quer dizer, talvez ao concílio dos anciões que representavam à
congregação (Exo. 18: 25, 26).

34.

O que lhe tinha que fazer.

Indubitavelmente, o castigo era a morte (Exo. 31: 14; 35: 2). Mas não se sabia
a ciência certa como devia aplicar-se. Moisés desejava elucidação a respeito de
isto.

35.

Apedreje-o.

Este era o castigo para crímenes notórios (Lev. 20: 2; 24: 14). Esse homem
foi o primeiro em quebrantar o santo sábado desde que se deu a lei, ao
menos até onde saibamos pelo que está registrado.

Fora do acampamento.

Provavelmente para evitar a contaminação cerimoniosa do acampamento (Hech. 7:
58; Heb. 13: 12).

36.

Morreu.

Foi sua atitude desafiante a que provocou o severo castigo. Deliberadamente
quebrantou na sábado.

38.

Franjas nos borde.

Literalmente, "nas asas" de suas vestimentas, refiriéndose possivelmente aos
dobras (ver Mat. 14: 36; Mar. 6:56). A palavra traduzida "borde" se usa
para a lâmina de ouro que estava sobre a mitrade Aarón (Exo. 28: 36); no Jer.
48: 9 se traduz "asas" e no Eze. 8: 3 "jubas" de cabelo.

39.

Para que quando o virem.

Borde-os" deviam ser um recordativo constante para o povo de que
pertencia a Deus e de que em seu vestido e em outros costumes devia seguir os
princípios que ele tinha repartido.

40.

Sejam Santos.

Não se alcança a santidade por uma observância externa -tal como a de usar
borlas e cintas- a não ser só pela obediência à vontade de Deus.

41.

Jehová seu Deus.

Esta frase se dá duas vezes neste curto versículo. Pode haver ficado tanto
ênfase devido a que a gente era propensa a adorar e a servir a outros deuses.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

15 PP 541

30 PR 226

32-35 PP 433

38 3T 171

38-41 1T 524

CAPÍTULO 16

1 Rebelião do Coré, Datam e Abiram. 23 Moisés afasta ao povo das lojas de
os rebeldes. 31 A terra se abre e se traga ao Coré, e o fogo consome aos
demais. 36 Os incensarios se reservam para uso sagrado. 41 Morte de quatorze
mil e setecentas pessoas que murmuram contra Moisés e Aarón. 46 Aarón toma o
incensario e faz expiação pela congregação detendo a mortandade.
1 CORE filho do Izhar, filho do Coat, filho do Leví, e Datam e Abiram filhos de
Eliab, e On filho do Pelet, dos filhos do Rubén, tomaram gente,

2 e se levantaram contra Moisés com duzentos e cinqüenta varões dos filhos
do Israel, príncipes da congregação, dos do conselho, varões de
renome.

3 E se juntaram contra Moisés e Aarón e lhes disseram: Basta já de vós!
Porque toda a congregação, todos eles são Santos, e em meio deles está
Jehová; por qué,889 pois, levantam-lhes vós sobre a congregação de
Jehová?

4 Quando ouviu isto Moisés, prostrou-se sobre seu rosto;

5 e falou com o Coré e a todo seu séquito, dizendo: Amanhã mostrará Jehová quem é
dele, e quem é santo, e fará que se aproxime dele; ao que ele escolhesse, ele o
aproximará de si.

6 Façam isto: tome incensarios, Coré e todo seu séquito,

7 e ponham fogo neles, e ponham neles incenso diante do Jehová amanhã; e
o varão a quem Jehová escolhesse, aquele será o santo; isto lhes baste, filhos de
Leví.

8 Disse mais Moisés ao Coré: Ouçam agora, filhos do Leví:

9 Lhes é pouco que o Deus do Israel lhes tenha afastado da congregação de
Israel, lhes aproximando dele para que ministréis no serviço de tabernáculo de
Jehová, e estejam diante da congregação para ministrarles,

10 e que te fez aproximar de ti, e a todos seus irmãos os filhos do Leví
contigo? Procuram também o sacerdócio?

11 portanto, você e todo sua Quito são os que lhes juntam contra Jehová; pois
Aarón, o que é, para que contra ele murmurem?

12 E enviou Moisés a chamar a Datam e Abiram, filhos do Eliab; mas eles
responderam: Não iremos lá.

13 É pouco que nos tenha feito vir de uma terra que destila leite e mel,
para fazer morrer no deserto, mas sim também lhe enseñorees de nós
imperiosamente?

14 Nem tampouco nos colocaste você em terra que flua leite e mel, nem nos há
dado herdades de terras e vinhas. Tirará os olhos destes homens? Não
subiremos.

15 Então Moisés se zangou em grande maneira, e disse ao Jehová: Não olhe a seu
oferenda; nem mesmo um asno tirei que eles, nem a nenhum deles tenho feito mal.

16 Depois disse Moisés ao Coré: Você e todo seu séquito, lhes ponha amanhã diante de
Jehová; você, e eles, e Aarón;

17 e tomem cada um seu incensario e ponham incenso neles, e lhes aproxime diante
do Jehová cada um com seu incensario, duzentos e cinqüenta incensarios; você
também, e Aarón, cada um com seu incensario.

18 E tomou cada um seu incensario, e puseram neles fogo, e jogaram neles
incenso, e ficaram à porta do tabernáculo de reunião com o Moisés e
Aarón.

19 Já Coré fazia juntar contra eles toda a congregação à porta do
tabernáculo de reunião; então a glória do Jehová apareceu a toda a
congregação.

20 E Jehová falou com o Moisés e ao Aarón, dizendo:

21 Lhes aparte de entre esta congregação, e os consumirei em um momento.

22 E eles se prostraram sobre seus rostos, e disseram: Deus, Deus dos
espíritos de toda carne, não é um só homem o que pecou? por que te irar
contra toda a congregação?

23 Então Jehová falou com o Moisés, dizendo:

24 Fala à congregação e lhes diga: lhes aparte de em redor da loja de
Coré, Datam e Abiram.

25 Então Moisés se levantou e Foi datam e Abiram, e os anciões do Israel
foram em detrás dele.

26 E ele falou com a congregação, dizendo: lhes aparte agora das lojas de
estes homens ímpios, e não toquem nada dela, para que não pereçam em
todos seus pecados.

27 E se separaram das lojas do Coré, de Datam e do Abiram em redor; e
Datam e Abiram saíram e ficaram às portas de suas lojas, com seus
mulheres, seus filhos e seus pequeñuelos.

28 E disse Moisés: Nisto conhecerão que Jehová me enviou para que fizesse
todas estas coisas, e que não as fiz de minha própria vontade.

29 Se como morrem todos os homens estes murieren, ou se eles ao ser visitados
seguem a sorte de todos os homens, Jehová não me enviou.

30 Mas se Jehová hiciere algo novo, e a terra abrir sua boca e os tragar
com todas suas coisas, e descenderam vivos ao Seol, então conhecerão que
estes homens irritaram ao Jehová.

31 E aconteceu que quando cessou ele de falar todas estas palavras, abriu-se a
terra que estava debaixo deles.

32 Abriu a terra sua boca, e os tragou a eles, a suas casas, a todos os
homens do Coré, e a todos seus bens.

33 E eles, com tudo o que tinham, descenderam vivos ao Seol, e os cobriu a
terra, e pereceram de em meio da congregação.

34 E todo o Israel, os que estavam em redor deles, fugiram ao grito de
eles; porque diziam: Não nos trague também a terra. 890

35 Também saiu fogo de diante do Jehová, e consumiu aos duzentos
cinqüenta homens que ofereciam o incenso.

36 Então Jehová falou com o Moisés, dizendo:

37 Dava ao Eleazar filho do sacerdote Aarón, que tome os incensarios de no meio
do incêndio, e derrame mais à frente o fogo; porque são santificados

38 os incensarios destes que pecaram contra suas almas; e farão deles
pranchas batidas para cobrir o altar; por quanto ofereceram com eles diante
do Jehová, são santificados, e serão como sinal aos filhos do Israel.

39 E o sacerdote Eleazar tomou os incensarios de bronze com que os queimados
tinham devotado; e os bateram para cobrir o altar,

40 em recordo para os filhos do Israel, de que nenhum estranho que não seja da
descendência do Aarón se aproxime para oferecer incenso diante do Jehová, para
que não seja como Coré e como seu séquito; segundo disse Jehová por meio de
Moisés.

41 O dia seguinte, toda a congregação dos filhos do Israel murmurou contra
Moisés e Aarón, dizendo: Vós destes morte ao povo do Jehová.

42 E aconteceu que quando se juntou a congregação contra Moisés e Aarón,
olharam para o tabernáculo de reunião, e hei aqui a nuvem o tinha coberto, e
apareceu a glória do Jehová.

43 E vieram Moisés e Aarón diante do tabernáculo de reunião.

44 E Jehová falou com o Moisés, dizendo:

45 Lhes aparte de em meio desta congregação, e os consumirei em um momento. E
eles se prostraram sobre seus rostos.

46 E disse Moisés ao Aarón: Toma o incensario, e ponha nele fogo do altar, e
sobre ele ponha incenso, e vê logo à congregação, e faz expiação por
eles, porque o furor saiu que a presença do Jehová; a mortandade há
começado.

47 Então tomou Aarón o incensario, como Moisés disse, e correu em meio da
congregação; e hei aqui que a mortandade tinha começado no povo; e ele
pôs incenso, e fez expiação pelo povo,

48 e ficou entre os mortos e os vivos; e cessou a mortandade.

49 E os que morreram naquela mortandade foram quatorze mil e setecentos, sem
os mortos pela rebelião do Coré.

50 Depois voltou Aarón ao Moisés à porta do tabernáculo de reunião, quando
a mortandade tinha cessado.

L.

Coré.

Coré era descendente do Leví (Exo. 6: 16, 18, 21; 1 Crón. 6: 37, 38). Os
coreítas acampavam ao lado sul do tabernáculo, perto dos rubenitas. Aos
filhos do Coré lhes atribuiu a missão da música e do canto nos serviços
do santuário (vejam-nos títulos de Sal. 42, 44 a 49, 84, 85, 87, 88).

Datam e Abiram.

O nome de Datam não se encontra em nenhuma outra parte do AT. O pai de
estes dois homens era o filho do Falú, o segundo filho do Rubén (cap. 26: 5, 8,
9).
On.

Este nome não volta a mencionar-se. Alguns pensaram que isto poderia
indicar que se separou da conspiração, recusando qualquer parte ativa em
ela.

Filhos do Rubén.

Datam e Abiram, príncipes da tribo do Rubén, pretendiam para si o direito
da liderança civil no Israel, como descendentes do primogênito do Jacob.

Tomaram gente.

Não há razão para a palavra acrescentada "gente". Em hebreu não se dá o
complemento do verbo. Alguns sugerem que aqui devesse ler-se "oferendas" em
lugar de "gente". Possivelmente é melhor traduzir o complemento da forma verbal
"tomaram" como que fora "varões dos filhos do Israel" do vers. 2.

2.

Contra Moisés.

Literalmente, "contra o rosto do Moisés", quer dizer, abertamente e em forma
desafiante.

Príncipes da congregação.

Estes homens da congregação evidentemente pertenciam a outras tribos tanto
como a do Leví.

Dos do conselho.

Ou "distinguidos na assembléia" (BJ). Isto provavelmente se refere a que eram
chamados consultas públicas, em deliberações de assuntos importantes.

Varões de renome.

Literalmente, "homens de nome". Varões tidos em alta estima na
igreja estiveram implicados 891 nesta insurreição, fazendo-a assim mais
grave. Expressões similares se encontram no Gén. 6: 4; 1 Crón. 5: 24; 12:
30. Note-se também o contraste no Job 30: 8, onde a expressão "filhos de
vis" literalmente é "filhos de homens sem nome".

3.

Todos eles são Santos.

Quer dizer, qualificados para ser sacerdotes. Esta expressão pode ter
referência ao feito de que antes do tempo do Moisés qualquer oferecer
sacrifícios dentro de sua própria família. Mas agora este cargo estava
restringido a uma família, e ela desfrutava de todos os benefícios que
procediam de dito privilégio. É obvio, é certo que em um sentido toda
a congregação era Santa posto que o povo era escolhido Por Deus e separado
das nações circunvizinhas (Exo. 19: 6; Lev. 20: 26). Mas agora Deus havia
ordenado que a igreja teocrática exercesse suas funções sacerdotais
externas por meio daquela família que tinha sido apartada para esse
propósito.
Em meio deles.

Particularmente na coluna de nuvem e no santuário. Os rebeldes sugeriam
que, fora do Jehová, não era necessário nenhum outro dirigente (ver Exo. 29: 45).

Sobre a congregação.

A palavra aqui traduzida "congregação" é diferente da anterior neste
versículo. A primeira "congregação" provém da raiz "nomear",
"encontrar-se por nomeação". O substantivo derivado do verbo quase sempre
traduz-se "congregação", e com freqüência se usa para uma reunião espontânea
do povo. No Juec. 14: 8 se usa para um "enxame" de abelhas; em Sal. 68:
30, para uma "multidão" de touros. No segundo caso em que se traduz
"congregação", refere-se a toda sorte de reuniões da gente, já fora
para instrução religiosa, para oração, para guerra ou para queixar-se. Se
traduz "assembléia" na Bj.

4.

prostrou-se sobre seu rosto.

Possivelmente Aarón também orou, como no cap. 14: 5, embora seja possível que ele
não tomasse parte ativa nesta oração junto ao Moisés enquanto este se prostrava
diante do Senhor.

5.

Falou com o Coré.

Moisés se levantou de sua oração e se dirigiu ao Coré como ao caudilho do grupo.
Deus imediatamente respondeu a oração do Moisés dirigindo-o com seu
Espírito.

Amanhã.

Literalmente, "a manhã". Não devia haver demora nem suspense mais à frente do
resto do dia, para lhes dar tempo para pensar no que estavam fazendo, e
para arrepender-se e retratar-se se se sentiam inclinados a fazê-lo.

Mostrará Jehová.

Jehová se faria cargo da situação, dando provavelmente alguma sinal externo
que eles deviam esperar.

Quem é santo.

Quer dizer, "quais são deles". Os homens que são de Deus são os indivíduos
Santos, separados, consagrados, os elegíveis para um serviço da mais alta
qualidade e significação.

aproxime-se.

É possível que o significado aqui seja o de aproximar-se do altar para
ministrar ali. Esta expressão se usa usualmente para os sacerdotes (Lev. 21:
17; Eze. 40: 46).

6.

Incensarios.
A mesma palavra hebréia se traduz "braseiros" (Exo. 27: 3). O oferecimento de
incenso era considerado como uma das mais santas de todas as funções
sacerdotais (ver com. Luc. 1: 9). Coré e os homens que estavam com ele
foram convidados a realizar um muito importante dever do ofício ao qual
aspiravam.

7.

Isto lhes baste.

Note-se como Moisés adota as palavras do Coré apresentadas no vers. 3.

8.

Filhos do Leví.

Posto que Moisés dirige suas observações aos levita, pareceria que um
número considerável deles tinham sido influídos pelos argumentos do Coré.

9.

É-lhes pouco.

Mas bem, "é muito pequeno para vós?" Compare-se com o Núm. 16: 13;
ISA. 7: 13. Coré e os levita que o acompanhavam já possuíam grandes
privilégios, maiores que os de outras tribos, mas não estavam satisfeitos.
Desejavam ter as mesmas prerrogativas da família do Aarón.

lhes aproximando dele.

Levita-os já tinham sido destinados ao serviço sagrado; portanto, que
eles procurassem também o sacerdócio era uma evidente soberba.

11.

Contra Jehová.

A rebelião não foi contra Aarón a não ser contra Deus (ver Exo. 16: 8; 1 Sam. 8: 7;
Hech. 5: 3).

Aarón, o que é?

Aarón era o servo de Deus, renomado Por Deus; de modo que a responsabilidade
não era dela.

12.

Datam e Abiram.

Tendo desafiado ao Coré, o caudilho, e a seus seguidores levita para uma
prova pela manhã (vers. 5-7), 892 Moisés citou a Datam e ao Abiram, os
conspiradores rubenitas.

Não iremos lá.

Esses homens recusaram submeter seu caso a uma arbitragem ante um tribunal. A
expressão "iremos" é o término hebreu para apresentar-se diante de um tribunal
(ver Deut. 25: 7; Juec. 4: 5). Negaram a autoridade legal do Moisés.
13.

Leite e mel.

A referência é ao Egito como que abundava em coisas boas, em contraste com
o árido deserto onde se encontravam então.

Você enseñorees de nós.

Uma observação descarada pela que se inferia que Moisés exercia uma
autoridade autocrática sobre eles.

14.

Tirará os olhos?

0 "cegará". Estas palavras implicam que Moisés procurava enganar ao povo.
Alguns viram um sentido literal nas palavras, como no Juec. 16: 21
respeito ao Sansón. A primeira explicação parece mais provável aqui (ver PP
422).

15.

zangou-se em grande maneira.

Ou, ficou "excessivamente triste" (LXX). A mansidão do Moisés não pôde
suportar sua insolência (ver com. cap. 12: 3).

Não olhe.

A referência é ao incenso que estavam por oferecer esses homens (ver Gén. 4:
4, 5).

Um asno.

Compare-se com o protesto do Samuel (1 Sam. 12: 3).

Nem a nenhum deles tenho feito mal.

Moisés não tinha exercido nenhuma classe de opressão absolutamente. Pelo
contrário, não se tinha regulado em fazer o bem.

17.

Duzentos e cinqüenta incensarios.

O número dos príncipes rebeldes (vers. 2).

diante do Jehová.

Quer dizer, no átrio do tabernáculo.

18.

Cada um seu incensario.

Quer dizer, do grupo de 250 homens.
Puseram neles fogo.

Provavelmente do altar dos holocaustos que estava no átrio (ver Lev. 16:
12, 13). Os homens estavam dentro do átrio.

19.

A glória do Jehová.

Esta é a segunda aparição especial da glória do Jehová (cap. 14: 10), que
saía do lugar muito santo, onde morava usualmente.

Toda a congregação.

Este deve ter sido um espetáculo extremamente assombroso. A inconsciente
maioria do povo estava de acordo com o Coré.

21.

lhes aparte.

A congregação que se reuniu ante a chamada do Coré, por esse ato se
tinha aliado com a rebelião e se converteu em objeto do desgosto de
Deus (ver Gén. 19: 17, 22; Jer. 51: 6, 9).

22.

prostraram-se sobre seus rostos.

Para suplicar a Deus (vers. 4).

Deus dos espíritos de toda carne.

que criou ao homem -corpo, alma e espírito- não pôde menos que estar
plenamente a par dos pensamentos que pensa um homem. Deus é
plenamente capaz de distinguir entre o culpado e o inocente.

25.

Os anciões.

Quer dizer, os 70 anciões que tinham sido nomeados para ajudar ao Moisés (cap.
11: 16). É evidente que Moisés tinha o apoio dos dirigentes oficiais do
povo.

26.

Estes homens ímpios.

O povo é exortado a uma foto instantânea e completa separação dos que
estavam em rebelião.

Não toquem nada dela.

Todos os bens dos rebeldes, junto com suas pessoas, eram anátema
destinados à destruição; portanto não deviam ser tocados (Deut. 13: 17;
cf. Acán, Jos. 7: 1).

Pereçam em todos seus pecados.
Literalmente, "varridos longe com todas suas transgressões". Compare-se com a
experiência similar dos sodomitas (Gén. 18: 23; 19: 15).

27.

Datam e Abiram.

Não se menciona ao Coré, mas evidentemente esteve com eles posto que se dá seu
nomeie na primeira parte do versículo.

Seus pequeñuelos.

A palavra que serve de raiz, traduzida "pequeñuelos", significa "dar passos
rápidos", "mover ritmicamente os pés ao longo de", e se refere aos meninos
que têm suficiente idade para caminhar com segurança por seus próprios meios.
A mesma palavra se usa em 2 Crón. 20: 13; 31: 18. Deus não impôs esta pena de
morte sobre meninos pequenos. Mas, como acontece com freqüência, meninos inocentes
sofreram pela obstinação de seus maiores que recusaram arrepender-se ou até
fazer caso à advertência de fugir. Pelo menos, sobreviveram alguns de
os filhos do Coré (Núm. 26: 11; Exo. 6: 24).

28.

De minha própria vontade.

Literalmente, "de meu próprio coração". Moisés não tinha sido movido por uma
ambição pessoal, Não há palavra no hebreu bíblico para "mente" (neste
caso como assento da "vontade") (ver Jer. 23: 16, 20). 893

29.

Jehová não me enviou.

Ressalta mais enfaticamente no hebreu: "Não é Jehová quem me enviou". Para um
uso similar do negativo, colocado em uma posição enfática, ver Gén. 45:8; 1
Sam. 6: 9.

30.

Hiciere algo novo.

Literalmente, "mas se Jehová criasse uma criação". Moisés estava pedindo uma
manifestação extraordinária (ver Exo. 34: 10; Jer. 31: 22) que não pudesse ser
explicada sem uma intervenção divina.

Vivos ao Seol.

Assim como estavam ali, em perfeita saúde. O seol é a tumba, o lugar dos
mortos (ver com. Gén. 37: 35 e Sal. 16: 10 ).

Irritaram ao Jehová.

Literalmente, foi "desprezado, considerado indigno" de ser tomado em conta
(ver cap. 14: 23).

31.

Cessou ele de falar.
Uma vindicação notável do Moisés, pois logo que saíram as palavras de seu
boca, quando Deus atuou para as confirmar e vindicá-lo.

32.

Tragou-os a eles.

Um ato instantâneo de Deus para evitar a propagação de um espírito rebelde
que vai tinha pervertido a toda a congregação.

A todos os homens.

Isto pode referir-se aos membros da família do Coré, embora não se faz
menção dos meninos menores de sua casa (ver cap. 26: 11 ). Deste modo poderia
referir-se a escravos pagãos ou a israelitas que eram seguidores do Coré.

33.

Cobriu-os a terra.

Todo o grupo descendeu vivo como Moisés havia predito (vers. 30), e a terra
fechou-se outra vez como um notável testemunho da direta intervenção divina.

34.

Todo o Israel.

Embora o povo estava a certa distância, pois se tinha afastado (vers. 27),
o som da convulsão da terra que tragava aos rebeldes e os agudos
gritos de terror e espanto das vítimas, fizeram que fugissem a uma
distância ainda maior.

Não nos trague também.

Conscientes de sua falação e incredulidade prévias (cap. 14) e reconhecendo
sua simpatia pelo bando rebelde, temeram correr a mesma sorte.

35.

Fogo de diante do Jehová.

De "a glória do Jehová" que "apareceu a toda a congregação" (vers. 19; PP
424).

37.

Eleazar.

O também foi renomado para oficiar quando se oferecia a vaca alazã (cap.
19: 3). Evidentemente, em ambos os casos se estimou imperativo que o supremo
sacerdote evitasse a imundície cerimoniosa (Lev. 21: 10-15).

De no meio do incêndio.

De entre os .corpos queimados.

São santificados.
Os incensarios se habían,usado para oferecer incenso ao Jehová, e haviam
contido fogo sagrado procedente do altar (Núm. 16: 7,18,46; cf. Lev. 16:
12, 13). Anteriormente só tinham sido a propriedade privada dos príncipes
(Núm. 16: 6).

38.

Pecaram contra suas almas.

Possivelmente devêssemos entender isto "ao preço de suas próprias vidas" (ver Prov. 20:
2; Hab. 2: 10; Heb.16:12: 3).

Para cobrir o altar.

O altar do incenso era de ouro (Exo. 30: 3; 37: 26); de modo que a
referência evidentemente é ao altar de bronze do átrio. Entretanto, esse
altar estava recubierto de bronze quando foi feito primeiro no Sinaí (Exo.
27: 2; 38: 2). Logo isto provavelmente foi uma cobertura de bronze adicional
para cobrir a superfície primitiva de metal. Os incensarios do Coré e dos
seus eram feitos de bronze (Núm.16: 39). No tempo do Salomón os
incensarios eram feitos de ouro (1 Rei. 7: 50; 2Crón. 4: 22).

Sinal.

Assim também foi a vara do Aarón (cap. 17: 10).

40.

Em lembrança.

Como explicação das palavras precedentes "serão como sinal" (vers. 38).

Nenhum estranho.

Quanto à forma em que Uzías transgrediu esta advertência, ver 2 Crón. 26:
16-19.

Como Coré.

Para que não sofresse a mesma terrível sorte.

Por meio do Moisés.

Moisés era o mediador entre o Eleazar e Deus (vers. 36, 37).

41.

O dia seguinte.

Ao dia seguinte ocorreu um notável exemplo da determinação do coração do
homem para ignorar os julgamentos de Deus.

Murmurou.

Seria difícil encontrar um exemplo mais lhe ressaltem de rebelião depois de uma
demonstração tão impressionante da desaprovação divina como a que havia
sido presenciada.

Vós destes morte.
O pronome "vós" é enfático no hebreu, Evidentemente o povo
atribuiu a morte dos 250 príncipes ao Moisés e ao Aarón, quem havia
sugerido que oferecessem incenso em seus incensarios. Possivelmente também acreditaram
que 894 Moisés e Aarón devessem ter rogado a Deus que perdoasse aos
príncipes, antes que fazer descender um castigo sobre eles.

42.

juntou-se a congregação contra Moisés.

A mera falação deu passo a ameaças de violência física (ver PP 425).

43.

Vieram Moisés e Aarón.

Para receber instruções de Deus e descansar sob seu amparo.

44.

Ao Moisés.

A LXX acrescenta o nome do Aarón. Eleazar pode ter estado também com eles
(ver com. vers. 45).

45.

lhes aparte.

Refiriéndose sem dúvida aos três homens, Moisés, Aarón e Eleazar. Assim o
indica o plural do verbo hebreu: "lhes aparte".

Se postrazon.

Implorando misericórdia para o povo que merecia castigo (vers. 2 l).

46.

Disse Moisés ao Aarón.

Moisés atuava como porta-voz de Deus.

Toma o incensario.

Quer dizer, que Aarón usava como supremo sacerdote. O incenso era um símbolo
de mediação e intercessão (ver Sal. 141: 2; Apoc. 8: 3, 4).

À congregação.

Geralmente o incenso se oferecia tão somente ante o altar de ouro, dentro do
santuário. Mas agora, por ordem de Deus, Aarón o levou entre a gente que
estava fora, demonstrando assim sua autoridade procedente de Deus, e o poder de
Deus que obrava nele e mediante ele.

Expiação.

Não havia tempo para escolher um animal e sacrificá-lo. Foi feita a expiação
por meio do incenso no incensario pois a praga já se difundiu
entre o povo.

47.

Correu.

Quer dizer, do acampamento de uma tribo a outra. A praga tinha estalado por
onde quer e a gente estava morrendo por todos lados.

48.

Entre.

Como se tivesse estado diante de uma maré para impedir que avançasse.

Cessou a mortandade.

Aarón foi aqui um símbolo de Cristo, quem descendeu entre os pecadores e se
converteu a si mesmo em oferenda por eles (F. 5: 2).

49.

Os que morreram.

Sem dúvida foram puídas famílias inteiras como terrível exemplo do que
significa rebelar-se contra a explícita vontade de Deus. Isto foi em adição
a "os mortos pela rebelião do Coré". Possivelmente pereceram, em total, não menos
de 15.000 pessoas.

50.

Voltou Aarón.

Para substituir seu incensario e unir-se com o Moisés que ainda estava no
tabernáculo.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-50 PP 417-429; 3T 343-352

1 3T 343

1, 2 CRA 514; PP 417

2 3T 344

3 1JT 169; 2T 440; 3T 345

3-5 PP 421

5-11 3T 347

61 7 PP 421

9-14 PP 422

13 3T 345

13, 14 3T 347
16-18 3T 348

19 PP 423; 3T 354

19-22 3T 349

21, 22 PP 423

22-30 3T 349

24 3T 354

24-32 PP 423

32 3T 353

33 PP 424

34 PP 425; 3T 350, 357

34, 35 PP 424

36-38 3T 350

41 PP 425, 429; 3T 351, 357; 5T 66

42-44 PP 426

42-45 3T 352

45 3T 357

45-47 PP 426

46 1JT 343

46-50 3T 352

48 OE 138; P 99,426; 1T445; 3T 238; 5T 157,252

49 PP 426 895

CAPÍTULO 17

1 A vara do Aarón é quão única floresce entre todas as varas das tribos.
10 É conservada como recordativo contra os rebeldes.

1 LOGO falou Jehová ao Moisés, dizendo:

2 Fala aos filhos do Israel, e tira deles uma vara por cada casa dos
pais, de todos os príncipes deles, doze varas conforme às casas de seus
pais; e escreverá o nome de cada um sobre sua vara.

3 E escreverá o nome do Aarón sobre a vara do Leví; porque cada chefe de
família de seus pais terá uma vara.

4 E as porá no tabernáculo de reunião diante do testemunho, onde eu
manifestarei a vós.
5 E florescerá a vara do varão que eu escolha, e farei cessar de diante de mim
queixa-as dos filhos do Israel com que murmuram contra vós.

6 E Moisés falou com os filhos do Israel, e todos os príncipes deles o
deram varas; cada príncipe pelas casas de seus pais uma vara, em total doze
varas; e a vara do Aarón estava entre as varas deles.

7 E Moisés pôs as varas diante do Jehová no tabernáculo do testemunho.

8 E aconteceu que o dia seguinte veio Moisés ao tabernáculo do testemunho; e
hei aqui que a vara do Aarón da casa do Leví tinha reverdecido, e jogado
flores, e arrojado renuevos, e produzido amêndoas.

9 Então tirou Moisés todas as varas de diante do Jehová a todos os filhos
do Israel; e eles o viram, e tomaram cada um sua vara.

10 E Jehová disse ao Moisés: Volta a vara do Aarón diante do testemunho, para
que se guarde por sinal aos filhos rebeldes; e fará cessar seus queixa de
diante de mim, para que não morram.

11 E fez Moisés como lhe mandou Jehová, assim o fez.

12 Então os filhos do Israel falaram com o Moisés dizendo: Hei aqui nós
somos mortos, perdidos somos, todos nós somos perdidos.

13 Qualquer que se aproximar, que viniere ao tabernáculo do Jehová, morrerá.
Acabaremos por perecer todos?

1.

Falou Jehová ao Moisés.

Possivelmente pouco depois da detenção da praga, de modo que se pudessem dar mais
passos para desarraigar completamente o espírito de rebelião,

2.

Fala com os filhos do Israel.

Deus ainda reconhecia ao Moisés como mediador entre ele e seu povo.

Deles.

Não como indivíduos, mas sim como representantes de cada tribo.

Doze varas.

Eram os símbolos oficiais da autoridade tribal conferida aos príncipes.
Não se faz referência a varas ou ramos recém tirados das árvores. A mesma
palavra hebréia se usa para a vara do Judá (Gén. 38: 18) e para a vara de
Moisés (Exo. 4: 2). Havia 12 tribos além dos levita; mas havia também
uma vara para o Aarón. Os comentadores não estão de acordo quanto a se José
era contado como uma tribo, ou separadamente como Efraín e Manasés, ou se a vara
do Aarón estava além das 12 dos príncipes tribais.

Escreverá.

Compare-se com o Eze. 37: 16. A escritura pode ter sido feita com alguma
classe de tinta, ou possivelmente em forma de uma incisão. Os nomes dos
príncipes, um para cada vara, foram colocados nos cajados.

3.

O nome do Aarón.

Posto que não havia príncipe para representar ao Leví, Moisés inscreveu o
nome do Aarón na vara da tribo do Leví. Só Aarón devia reter o
elevado cargo para o qual tinha sido atribuído. Nenhum outro, nem mesmo da
tribo do Leví, podia aspirar a esse cargo.

4.

Diante do testemunho.

Evidentemente isto era no lugar muito santo (ver Núm. 17:7-10; Heb. 9: 4).

Onde eu me manifestarei.

Literalmente, "onde eu me encontro com vós". O mesmo lugar onde Deus
havia dito que falaria com o Moisés (Exo. 25: 22) e, mediante ele, com o
povo.

5.

Farei cessar.

Mais falações contra Aarón teriam sido um aberto desafio ao Jehová.

7.

diante do Jehová.

Literalmente, "na presença do Jehová".

8.

O dia seguinte.

Moisés tinha fé implícita na ação imediata do poder divino.896

Tabernáculo do testemunho.

Quer dizer, o lugar muito santo (ver com. vers. 4).

Produzido amêndoas.

Aqui estava a evidência do agrado de Deus. O cajado que tinha sido colocado
ali para o Aarón não poderia ter recebido vida, não poderia ter germinado, dado
casulo, flor e fruto amadurecido se Deus não lhe tivesse repartido vida e um
crescimento milagroso. Ninguém podia duvidar de que se realizou um milagre.

9.

Viram-no.

Quer dizer, examinaram as varas. Cada príncipe identificou seu próprio cajado.
Era clara a evidência.
10.

Volta a vara do Aarón.

Literalmente, "faz que retorne a vara do Aarón". Devia ser levada de volta
ao lugar onde se realizou o milagre (Heb. 9: 4).

Aos filhos rebeldes.

Literalmente, "contra os filhos de rebelião" (ver 2 Sam. 7: 10; ISA. 30: 9).

Fará cessar seus queixa.

O povo se convenceria de que opor-se ao Moisés e ao Aarón seria colocar-se em
oposição contra Deus.

Para que não morram.

Como Deus o tinha advertido (cap. 16: 21, 45). O rei Uzías não teve em conta
o privilégio especial da tribo sacerdotal, e foi ferido com lepra enquanto
sustentava um incensario na mão (2 Crón. 26: 19).

12.

Falaram com o Moisés.

Um sentimento adequado de reverência e temor entrou no coração do povo e
predispô-lo para aproximar-se do Moisés como o mediador eleito Por Deus.

Somos mortos.

O povo se deu conta de que sua segurança futura dependia de obedecer a
vontade de Deus.

13.

Aproximar-se ... do tabernáculo.

Qualquer, quer dizer além dos sacerdotes (ver cap. 16: 40). Então
compreendeu o povo que o acesso ao Jehová, o privilégio que tinha procurado
mediante Coré (cap. 16: 3-5), só podia ser seu pela mediação dos
dirigentes atribuídos Por Deus. Sem dúvida também recordou a maldição do cap.
14: 35, que "neste deserto serão consumidos, e aí morrerão".

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1- 13 PP 426

8 P 32

CAPÍTULO 18

1 Cargo dos sacerdotes e levita. 9 A parte dos sacerdotes. 21 A parte
dos levita. 25 Oferenda balançada dos sacerdotes tirada da porção dos
levita.

1 JEHOVA disse ao Aarón: Você e seus filhos, e a casa de seu pai contigo, levarão
o pecado do santuário; e você e seus filhos contigo levarão o pecado de
seu sacerdócio.

2 E a seus irmãos também, a tribo do Leví, a tribo de seu pai, faz que se
aproximem de ti e se juntem contigo, e lhe servirão; e você e seus filhos contigo
servirão diante do tabernáculo do testemunho.

3 E guardarão o que você ordene, e o cargo de todo o tabernáculo; mas não se
aproximarão dos utensílios Santos nem ao altar, para que não eles morram e
vós.

4 Se juntarão, pois, contigo, e terão o cargo do tabernáculo de reunião em
todo o serviço do tabernáculo; nenhum estranho se tem que aproximar de vós.

5 E terão o cuidado do santuário, e o cuidado do altar, para que não
venha mais a ira sobre os filhos do Israel.

6 Porque hei aqui, eu tomei a seus irmãos os levita de entre os
filhos do Israel, jogo de dados a vós em dom do Jehová, para que sirvam no
ministério do tabernáculo de reunião.

7 Mas você e seus filhos contigo guardarão seu sacerdócio em todo o
relacionado com o altar, e do véu dentro, e ministraréis. Eu lhes dei em
dom o serviço de seu sacerdócio; e o estranho, que se aproximar, morrerá.

8 Disse mais Jehová ao Aarón: Hei aqui eu te dei também o cuidado de meus
oferendas; 897 todas as coisas consagradas dos filhos do Israel te dei por
razão da unção, e a seus filhos, por estatuto perpétuo.

9 Isto será teu da oferenda das coisas santas, reservadas do fogo; toda
oferenda deles, tudo presente dele, e toda expiação pelo pecado deles,
e toda expiação pela culpa deles, que me têm que apresentar, será coisa muito
Santa para ti e para seus filhos.

10 No santuário a comerá; todo varão comerá dela; costure Santa será para
ti.

11 Isto também será teu: a oferenda elevada de seus dons, e todas as
oferendas balançadas dos filhos do Israel, dei a ti e a seus filhos e a vocês
filhas contigo, por estatuto perpétuo; tudo limpo em sua casa comerá delas.

12 De azeite, de mosto e de trigo, todo o mais escolhido, as primicias disso,
que apresentarão ao Jehová, para ti as dei.

13 As primicias de todas as coisas da terra deles, as quais trarão para
Jehová, serão tuas; tudo limpo em sua casa comerá delas.

14 Todo o consagrado por voto no Israel será teu.

15 Tudo o que abre matriz, de toda carne que oferecerão ao Jehová, assim de
homens como de animais, será teu; mas fará que se redima o primogênito
do homem; também fará redimir o primogênito de animal imundo.

16 De um mês fará efetuar o resgate deles, conforme a sua estimativa, por
o preço de cinco siclos, conforme ao siclo do santuário, que é de vinte
geras.

17 Mas o primogênito de vaca, o primogênito de ovelha e o primogênito de
cabra, não redimirá; santificados são; o sangue deles orvalhará sobre o
altar, e queimará a grosura deles, oferenda acesa em aroma grato a
Jehová.

18 E a carne deles será tua; como o peito da oferenda balançada e como a
espaldilla direita, será tua.

19 Todas as oferendas elevadas das coisas santas, que os filhos do Israel
oferecerem ao Jehová, dei-as para ti, e para seus filhos e para suas filhas
contigo, por estatuto perpétuo; pacto de sal perpétuo é diante do Jehová para
ti e para sua descendência contigo.

20 E Jehová disse ao Aarón: Da terra deles não terá herdade, nem entre
eles terá parte. Eu sou sua parte e sua herdade em meio dos filhos de
Israel.

21 E hei aqui eu dei aos filhos do Leví todos os dízimos no Israel por
herdade, por seu ministério, por quanto eles servem no ministério do
tabernáculo de reunião.

22 E não se aproximarão mais os filhos do Israel ao tabernáculo de reunião, para
que não tenham pecado pelo qual morram.

23 Mas os levita farão o serviço do tabernáculo de reunião, e eles
levarão sua iniqüidade; estatuto perpétuo para seus descendentes; e não
possuirão herdade entre os filhos do Israel.

24 Porque aos levita dei por herdade os dízimos dos filhos do Israel,
que oferecerão ao Jehová em oferenda; pelo qual lhes hei dito: Entre os filhos de
Israel não possuirão herdade.

25 E falou Jehová ao Moisés, dizendo:

26 Assim falará com os levita, e lhes dirá: Quando tirarem dos filhos de
Israel os dízimos que lhes dei que eles por sua herdade, vós
apresentarão deles em oferenda balançada ao Jehová o dízimo dos dízimos.

27 E lhes contará sua oferenda como grão da era, e como produto do
lagar.

28 Assim oferecerão também vós oferenda ao Jehová de todos seus dízimos
que recebam dos filhos do Israel; e darão deles a oferenda do Jehová ao
sacerdote Aarón.

29 De todos seus dons oferecerão toda oferenda ao Jehová; de todo o melhor
deles oferecerão a porção que tem que ser consagrada.

30 E lhes dirá: Quando oferecerem o melhor deles, será contado aos
levita como produto da era, e como produto do lagar.

31 E o comerão em qualquer lugar, vós e suas famílias; pois é
sua remuneração por seu ministério no tabernáculo de reunião.

32 E não terão pecado por isso, quando tivessem devotado a melhor parte de
ele; e não poluirão as coisas santas dos filhos do Israel, e não morrerão.

1.

Levarão o pecado.

Os sacerdotes, sendo diferentes do resto dos levita, deviam 898
encarregar-se de que nenhuma pessoa não autorizada se aproximasse do tabernáculo,
poluído dessa maneira. Isto mitigaria os temores da congregação de
que ao aproximar-se do tabernáculo corria perigo de morte.

2.

Seus irmãos também.

Uma referência aos gersonitas e aos meraritas, os outros dois ramos da
tribo do Leví.

juntem-se contigo.

A forma verbal aqui traduzida "juntem" é provavelmente a palavra que serve
de raiz no nome do Leví (ver com. Gén. 29: 34).

3.

Guardarão o que você ordene.

Eram os guardiães nomeados do santuário.

Não se aproximarão.

Isto não se referia aos coatitas (cap. 4: 15), a não ser só aos outros levita.
Os coatitas não deviam dirigir os utensílios quando estavam descobertos, nem
até deviam olhá-los (cap. 4: 19, 20). Esta proibição também incluía o
altar de bronze (Exo. 29: 37) tanto como o altar do incenso, pois ambos eram
"Santos".

Os utensílios.

Literalmente, "o mobiliário". A palavra traduzida "utensílios" inclui todos
os copos sagrados e móveis do santuário.

4.

Juntarão-se, pois, contigo.

Os sacerdotes deviam considerar a seus irmãos os levita como uma parte
integral do corpo de homens designados para servir ao Jehová no ofício
sagrado, embora em uma categoria inferior.

Nenhum estranho.

Quer dizer, qualquer que não fora levita (cap. 1: 51).

5.

Não venha mais a ira.

Levita-os eram responsáveis fora do tabernáculo, como os sacerdotes o
eram dentro. Os sacerdotes deviam cuidar de todas as coisas santas, tais
como o pão da proposição (o pão da Presença, Bj), os abajures, etc.
e deviam as cobrir ao as transladar. Levita-os deviam ver que os membros de
a congregação não profanassem o santuário inadvertida ou impíamente.

6.
Seus irmãos os levita.

Levita-os não deviam procurar o ofício do sacerdócio, como o fez Coré,
mas sim deviam ajudar aos sacerdotes no ministério do Senhor. Mas os
sacerdotes não deviam menosprezá-los, a não ser sempre recordar que tinham que ser
tratados e considerados como "irmãos".

Dom do Jehová.

Ver caps. 3: 12, 41, 45; 8: 6, 16, 18.

7.

Guardarão seu sacerdócio.

Os operários de Deus devessem estar orgulhosos de seu ministério e serviço na
obra do Senhor, e sempre devessem conservá-los íntegros diante de Deus.

O altar, e do véu dentro.

Estas palavras servem para explicar a expressão "seu sacerdócio". Os
sacerdotes deviam oferecer os sacrifícios ante o altar de bronze, no átrio,
e deviam realizar todos os deveres sagrados dentro do santuário mesmo, como
o oferecimento do incenso, a disposição dos pães da proposição,
recortar as mechas dos abajures e as acender, assim como os outros deveres
relacionados com as ocasiões solenes, tais como o dia da expiação.

O estranho.

Quer dizer, qualquer que não fora sacerdote. Os tais não deviam atrever-se a
aproximar-se do tabernáculo com a intenção de realizar alguma função
sacerdotal.

8.

Oferendas.

Esta é uma referência às contribuições, aquelas partes do sacrifício que
não se queimavam sobre o altar mas sim eram reservadas para ser comidas pelo
sacerdote lhe oficiem. Aarón devia ser responsável por elas.

Por razão da unção.

Alguns comentadores se referem ao Lev. 8: 12, e por isso lêem: "Porque você há
sido consagrado pelo azeite da unção". O hebreu diz literalmente: "A
ti, elas são dadas como uma porção consagrada, e a seus filhos como um
privilégio para sempre" (ver Lev. 7: 35).

9.

Costure santas.

 "Costure sacratísimas" (BJ). Para especificar as coisas que concerniam ao
sacerdócio e para preservar a distinção entre "o muito santo" e "as coisas
santificadas", como se apresenta no Lev. 21: 22.

Reservadas do fogo.

Quer dizer, do altar dos holocaustos. Os sacerdotes recebiam algumas costure
que não provinham do altar, tais como as 12 fogaças do pão da
proposição, ou pão da Presença (ver com. Exo. 25: 30; Lev. 24: 5-8).

Para ti e para seus filhos.

Essas porções deviam ser uma compensação parcial por sua falta de herança
entre as tribos do Israel.

10.

No santuário a comerá.

Geralmente se entendeu que isto se refere ao tabernáculo em contraste
com o átrio exterior. Em harmonia com a intenção óbvia das Escrituras
(Lev. 16: 2; Heb. 9: 6, 7), Straubinger traduz "em lugar muito santo". 899

Todo varão comerá dela.

E nenhum outro, como se declara especificamente em outras partes (Lev. 2: 3, 10;
6: 17, 18, 29; 7: 6).

11.

Isto também será teu.

"Isto" se refere às coisas menos santas.

A oferenda elevada.

O peito do sacrifício de paz era balançado diante do Jehová e a espaldilla (ou
coxa) era elevada diante dele (ver com. Exo. 29: 27 e Lev. 7: 14). Ambos
chegavam a ser dos sacerdotes (Lei. 7: 30-34). O mesmo se fazia com a
espaldilla do carneiro devotado por um nazareo (Núm. 6: 19, 20).

E a suas filhas.

Estas dádivas não eram exclusivamente para o uso dos varões (Lev. 10: 14;
22: 13). Entretanto, a comida devia fazer-se em um lugar limpo (Lev. 10: 14)
dentro do acampamento (Deut. 12: 6, 7, 17, 18) e não se permitia que participasse
nenhuma pessoa imunda (Lev. 7: 20, 21; 22: 4).

12.

Todo o mais escolhido.

Literalmente, "a gordura". A gordura era um símbolo de riqueza tanto em
mantimentos como em sacrifícios (Deut. 32: 14; Sal. 63: 5; Exo. 23: 18; 29: 13,
22; 1 Sam. 2: 15, 16). Também se usava para referir-se aos melhores produtos
da terra (Gén. 45: 18). Aqui se faz referência aos produtos da
terra, antes de ser processados para seu consumo.

As primicias disso.

Isto pode ser uma referência ao tempo, o primeiro que maturava da colheita,
mas poderia também referir-se à qualidade (cf. "as primicias dos primeiros
frutos" no Exo. 23: 19).

13.
Tudo limpo.

permitia-se que todos os membros de uma família sacerdotal comessem de "as
primicias de todas as coisas". Só estavam excluídos os que se encontravam
sob a interdição de imundície.

14.

Tudo o consagrado.

Tudo o que estava submetido a um voto era completamente dado a Deus e não podia
ser redimido (Lev. 27: 1-29; cf. Núm. 21: 2; Mar. 7: 11).

15.

Que abre matriz.

O que nascia primeiro, já fora varão ou animal macho, pertencia aos
sacerdotes. Se nascia primeiro uma fêmea e um macho depois, o macho não devia
ser dos sacerdotes, posto que nesse caso não tinha aberto a matriz (Exo.
13: 2).

redima-se.

Duas classes de primogênitos que pertenciam aos sacerdotes deviam redimir-se,
quer dizer recuperar-se por dinheiro: (1) os animais imundos, que não se aceitavam
como sacrifícios, e (2) os seres humanos.

16.

Cinco siclos.

O preço fixado quando o primogênito era permutado pelos levita (cap. 3:
46, 47). Os judeus de hoje celebram uma cerimônia derivada desta redenção,
quando um filho primogênito tem um mês de idade.

17.

Não redimirá.

Quer dizer, não se aceitava uma soma de dinheiro como redenção, mas sim o animal
mesmo devia ser sacrificado. Estes eram animais limpos, e só os imundos
que não podiam ser sacrificados deviam ser redimidos (vers. 15).,

Orvalhará.

A fórmula usada para os sacrifícios de paz (Lev. 7: 31-33).

18.

A carne deles.

Com a exceção das partes com graxa, que eram queimadas, todo o sacrifício
devia ser dos sacerdotes.

O peito da oferenda balançada.

Como isto e a coxa direita ("espaldilla") das oferendas de paz se
convertiam em propriedade dos sacerdotes (ver Lev. 10: 14, 15), assim também em
este caso todo o cadáver lhes pertencia.

19.

Pacto de sal.

Um pacto indissolúvel, um que nunca se deteriora, um vínculo de amizade
sagrada. O sal, que em si mesmo preserva outros corpos da corrupção, é
um símbolo apropriado do que é incorruptível. É um emblema de uma aliança
válida, como quando dois homens comiam juntos pão e sal. O sal sempre se
acrescentava aos sacrifícios oferecidos ao Senhor (Lev. 2: 13; Mar. 9: 49).

20.

Da terra deles não terá herdade.

Quer dizer, levita-os não receberam herança territorial na Terra Santa
como as outras tribos. Aarón mesmo não entrou na Terra Santa, mas se o
faz a ele esta declaração como representante dos levita. Certos deveres
sagrados foram ocupar o lugar de uma herança de terra.

Eu sou sua parte.

Os sacerdotes estavam consagrados completamente a Deus (Deut. 10: 9). Por seu
parte, o povo devia manifestar um espírito de generosidade com seus irmãos
os sacerdotes que não tinham recebido uma herança de terra (ver Deut. 12: 12;
Jos. 13: 14). Os sacerdotes viviam do altar de Deus e, por assim dizê-lo,
comiam na mesa de Deus.

21.

Todos os dízimos.

Como uma recompensa por seu serviço, levita-os deviam receber uma décima
parte de todo o produzido (vers. 26, 30). No Heb. 7: 5 o pagamento dos dízimos
entra no argumento de que o sacerdócio aarónico era inferior ao sacerdócio
de Cristo. 900

22.

Não tenham pecado pelo qual morram.

Para que não morreram, os membros da congregação não deviam ousar
aproximar-se do tabernáculo com a idéia de ocupar-se em obra alguma do
sacerdócio ou dos levita.

23.

Levarão sua iniqüidade.

Se os levita permitiam que uma pessoa não autorizada fizesse a obra de
eles, eles mesmos receberiam o castigo que correspondia ao perpetrador da
falta.

24.

Em oferenda.

Para que o povo estivesse bem disposto a dar seus dízimos aos levita,
os dízimos são representados como uma "oferenda" para o Jehová. Isto não
significa que se seguia o ritual das oferendas elevadas ou elevadas, a não ser mais
bem que os dízimos deviam ser oferecidos a Deus, e que ele a sua vez os dava a
levita-os.

26.

Quando tomarem.

Uma confirmação para o Moisés (vers. 25) das palavras sortes ao Aarón (vers.
20).

Apresentarão.

Levita-os mesmos deviam dar um dízimo do que recebiam dos dízimos de
Israel.

27.

Sua oferenda.

A contribuição dos levita, que deviam dar aos sacerdotes, era uma décima
parte dos dízimos que recebiam.

Lhes contará.

Compare-se com o Lev. 7: 18, onde a mesma palavra se traduziu "terá
conta" (BJ) ou seja um pouco imputado. usa-se também quanto à fé do Abraão
(Gén. 15: 6, "o reputou", BJ).

Como.

Levita-os não tinham cereais nem vinho próprios, mas deviam dizimar seu ingresso
como se procedesse de suas próprias foi ou de seus próprios lagares.

28.

Ao sacerdote Aarón.

Os que não eram levitam eram muito mais numerosos que os levita, em uma
proporção, aproximadamente, de 30 a 1 (ver caps. 2: 32; 3: 39). Isso
significava que os levita certamente estavam bem providos. portanto,
era adequado que assim como os levita recebiam dízimos do povo, a sua vez
pagassem dízimo aos sacerdotes.

29.

De todos seus dons.

De tudo o que chegava a sua mão os levita deviam dar oferendas aos
sacerdotes.

De todo o melhor.

Nada menos que o melhor podia oferecer-se a Deus.

A porção que tem que ser consagrada.

Isto era o dízimo, a parte do Senhor (Lev. 27: 30).
31.

Em qualquer lugar.

Não em algum "lugar santo" designado.

Sua remuneração.

Ficava liberado a seu arbítrio, para ser usado no lar, participado com toda
a família, ou vendido para comprar outras coisas (ver Mat. 10: 10; Luc. o: 7; 1
Cor. 9: 4; 1 Tim. 5: 18).

32.

Não terão pecado.

Não seriam culpados por usá-lo para seus próprios fins e necessidades.

Devotado.

depois de que tinham tirado a décima parte para Deus.

Não poluirão as coisas santas.

Não haveria contaminação, com seu castigo acompanhante, pelo fato de que usassem
em forma pessoal e não religiosa o que ficasse dos dízimos que haviam
recebido.

Não morrerão.

Como certamente aconteceria com os que dessem um uso comum às coisas santas.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

12 HAp 27 l; 1JT 466

15, 16 PP 281

20 6T 312

21 CMC 76, 108; MB 289, 291; PP 570

CAPÍTULO 19

1 As cinzas de uma vaca alazã destinadas para a água de Purificação. 11
Leis para seu uso na purificação dos imundos.

1 JEHOVA falou com o Moisés e ao Aarón, dizendo:

2 Este é o regulamento da lei que Jehová tem prescrito, dizendo: Dava aos
filhos do Israel que lhe tragam uma vaca alazã, perfeita, na qual não haja
falta, sobre a qual não se pôs jugo;

3 e a darão ao Eleazar o sacerdote, e ele a tirará fora do acampamento, e a
fará degolar em sua presença.

4 E Eleazar o sacerdote tirará do sangue com seu dedo, e orvalhará para a
parte dianteira 901 do tabernáculo de reunião com o sangue dela sete
vezes;

5 e fará queimar a vaca ante seus olhos; seu couro e sua carne e seu sangue, com seu
esterco, fará queimar.

6 Logo tomará o sacerdote madeira de cedro, e hisopo, e escarlate, e o jogará
no meio do fogo em que arde a vaca.

7 O sacerdote lavará logo seus vestidos, lavará também seu corpo com água, e
depois entrará no acampamento; e será imundo o sacerdote até a noite.

8 Deste modo o que a queimou lavará seus vestidos em água, também lavará em água
seu corpo, e será imundo até a noite.

9 E um homem limpo recolherá as cinzas da vaca e as porá fora do
acampamento em lugar limpo, e as guardará a congregação dos filhos de
Israel para a água de purificação; é uma expiação.

10 E o que recolheu as cinzas da vaca lavará seus vestidos, e será imundo
até a noite; e será estatuto perpétuo para os filhos do Israel, e para o
estrangeiro que mora entre eles.

11 O que tocar cadáver de qualquer pessoa será imundo sete dias.

12 Ao terceiro dia se desencardirá com aquela água, e ao sétimo dia será limpo;
e se ao terceiro dia não se desencardir, não será limpo ao sétimo dia.

13 Todo aquele que tocar cadáver de qualquer pessoa, e não se desencardir, o
tabernáculo do Jehová poluiu, e aquela pessoa será atalho do Israel; por
quanto a água da purificação não foi orvalhada sobre ele, imundo será, e seu
imundície será sobre ele.

14 Esta é a lei para quando algum mora na loja: qualquer que entre
na loja, e tudo o que esteja nela, será imundo sete dias.

15 E toda vasilha aberta, cuja tampa não esteja bem ajustada, será imunda;

16 e qualquer que tocar algum morto a espada sobre a face do campo, ou
algum cadáver, ou osso humano, ou sepulcro, sete dias será imundo.

17 E para o imundo tirarão da cinza da vaca queimada da expiação, e
jogarão sobre ela água corrente em um recipiente;

18 e um homem limpo tomará hisopo, e o molhará na água, e orvalhará sobre a
loja, sobre todos os móveis, sobre as pessoas que ali estiveram, e
sobre aquele que houver meio doido o osso, ou o assassinado, ou o morto, ou o
sepulcro.

19 E o limpo orvalhará sobre o imundo ao terceiro e ao sétimo dia; e quando
tenha-o desencardido ao sétimo dia, ele lavará logo seus vestidos, e a si mesmo
lavará-se com água, e será limpo de noite.

20 E o que for imundo, e não se desencardir, a tal pessoa será atalho de
entre a congregação, por quanto poluiu o tabernáculo do Jehová; não foi
orvalhada sobre ele a água da purificação; é imundo.

21 Lhes será estatuto perpétuo; também o que orvalhar a água da
purificação lavará seus vestidos; e o que tocar a água da purificação
será imundo até a noite.
22 E tudo o que o imundo tocar, será imundo; e a pessoa que o tocar
será imunda até a noite.

L.

Ao Moisés e ao Aarón.

A ambos correspondia a instrução que segue: Moisés como mediador para dar a
instrução, e Aarón como instrumento para levá-la a cabo.

2.

O regulamento da lei.

Os filhos do Israel estavam em perigo de perder suas vidas devido à
contaminação cerimoniosa (caps. 16: 49; 17: 12, 13). Deu-se esta lei para
mostrar como poderiam ser desencardidos da contaminação.

Uma vaca alazã.

"Uma vaca vermelha" (BJ). Simbolicamente, a cor vermelha sugere sangue como
instrumento de purificação; também fogo.

Perfeita.

Literalmente, "impecável", "sã", "saudável".

Na qual não haja falta.

Sem defeitos físicos (ver Lev. 22: 2022).

Não se tenha posto jugo.

Posto que este animal era eleito com um propósito especial, não devia haver
sido usado para trabalhos domésticos comuns (ver Deut. 21: 3; 1 Sam. 6: 7).

3.

Ao Eleazar.

Posto que o sacrifício da vaca era para um assunto muito importante, não devia
matá-la nenhum sacerdote comum. Eleazar era o que seguia ao Aarón em categoria
e Finalmente o substituiu no cargo. Não era adequado que Aarón, como supremo
sacerdote, poluísse-se incapacitando-se assim temporalmente para seus deveres
sagrados (vers. 7). 902

Fora do acampamento.

Compare-se com o Exo. 29: 14; Lev. 4: 12,21; 16: 27; Heb. 13: 11, 12. Como
sacrifício por impurezas, o animal devia ser morto a alguma distância do
santuário.

Fará-a degolar.

Eleazar fiscalizava o sacrifício, mas em realidade outro matava o animal. A
presença do Eleazar fazia ressaltar que era um sacrifício para o serviço de
Deus, embora devotado a certa distância do altar do tabernáculo.
4.

Orvalhará ... com o sangue.

Eleazar tirava do sangue como em um sacrifício expiatório (Lev. 4: 6), e
logo a orvalhava na direção do tabernáculo, para a presença de Deus.

Sete vezes.

O número da perfeição (ver Lev. 4: 17), e assim denota simbolicamente a
perfeição da expiação. As "obras mortas" do Heb. 9: 13, 14 podem ser
uma referência ao uso freqüente das cinzas da vaca morta para limpar
a contaminação. As "obras mortas" são um peso eliminado pelo verdadeiro
arrependimento. Não há vida espiritual nelas, e a gente não pode servir a um
Deus vivente com "obras mortas", os frutos da morte espiritual. As
"obras mortas" devem ser limpas pelo sangue de Cristo, e a vida do
Salvador deve ser aceita como um instrumento renovador.

5.

Fará queimar a vaca.

Tudo era convertido em cinzas depois de orvalhar o sangue (ver Exo. 29: 14).
Este é o único sacrifício no qual é consumida o sangue com o resto do
sacrifício, em vez de ser derramada perto do altar. Alguns sugeriram que
a razão era a falta de um lugar consagrado longe do altar, onde a terra
pudesse receber o sangue.

6.

Madeira de cedro, e hisopo, e escarlate.

Estes mesmos artigos se usavam na limpeza do leproso (Lev. 14: 4, 6, 49,
51l). Jogados sobre a vaca que ainda ardia, mesclavam-se com as cinzas
do cadáver para formar ingredientes de limpeza. Os antigos atribuíam tanto
ao cedro como ao hisopo várias propriedades medicinais. O fio escarlate
fazia jogo com a cor da vaca. A madeira de cedro era considerada como
um emblema de fragrância e incorrupción, o hisopo como um símbolo de
purificação. A cor escarlate era um símbolo do pecado (ISA. 1: 18). Em
os três havia uma referência simbólica ao derramamento do sangue de Cristo
(ver Heb. 9: 13, 14).

7.

O sacerdote lavará.

Posto que Eleazar se pôs em contato com o cadáver da vaca
alazã e havia meio doido seu sangue, ceremonialmente se convertia em imundo. Por
o tanto, estava obrigado a passar pela purificação cerimoniosa antes de
voltar para acampamento (ver Lev. 16: 24).

Imundo ... até a noite.

Cada detalhe aqui prescrito se dava para esclarecer o efeito virulento e fatal de
a impureza espiritual. Tais detalhes só podem ser devidamente apreciados
como um anúncio prévio da obra expiatório do Jesucristo na cruz (ver Lev.
11: 24-27, 31, 39; 14: 46; 15; 17: 15).

8.
que a queimou.

Essa pessoa devia fazer exatamente como o homem que levava o macho caibro
ao deserto (Lev. 16: 26), mas devia ficar imundo até a noite.

9.

Um homem limpo.

Quer dizer, livre de impureza cerimoniosa. Devia ser outra pessoa e não o homem
que queimou a vaca.

Recolherá as cinzas.

Quer dizer, da vaca, do cedro, do hisopo e do fio de escarlate, todas
mescladas.

Porá-as.

Para as mesclar com água corrente, quando se necessitasse, para ter água para
a limpeza da impureza cerimoniosa (vers. 17). Compare-se isto com as
cinzas do bezerro de ouro (Exo. 32: 20).

Guardará-as.

entende-se que são as cinzas embora a palavra hebréia está em número
singular.

Para a água de purificação.

Quer dizer, para a purificação de homens que, havendo-se convertido em impuros
por assim dizê-lo, ficavam separados ou desterrados da congregação. A
palavra hebréia traduzida "purificação" significa algo impura, como
a idolatria ou imoralidade. Também se traduz "imundície" (2 Crón. 29: 5;
Esd. 9: 11; Zac. 13: 1).

10.

que recolheu as cinzas.

As cinzas eram um meio de purificação para o arrependido que as usava,
mas um instrumento de contaminação para o que as reunia.

Para o estrangeiro.

A lei da pureza aplicada também para os que não eram israelitas. Da
mesma maneira, a remissão de pecados por meio do Jesucristo era também para

o "estrangeiro" que estava "longe" (Hech. 2: 39).

11.

Cadáver de qualquer pessoa.

Tocar o cadáver de um animal imundo provocava impureza até a noite (Lev.
11: 24). O mesmo lhe acontecia ao que tocava a cama de uma 903 pessoa com
fluxo (Lev. 15: 5). Mas o período mais comprido de sete dias se requeria no
caso de contato com o cadáver de uma pessoa (ver Lev. 21: 1; Núm. 5: 2; 6:
6; 9: 6).

12.

Desencardirá-se.

Literalmente, "ele se tirará o pecado".

Com aquela água.

Quer dizer, com a água de purificação (vers. 9).

Terceiro dia.

Compare-se com o cap. 31: 19.

13.

O tabernáculo ... poluiu.

Se a pessoa poluída se aproximava do santuário sem ter usado a água de
purificação, poluía o santuário (ver Exo. 2 5: 8; Lev. 15: 3 1). Sem
embargo, se a transgressão se cometia por ignorância, aceitava-se um
sacrifício como expiação (Lev. 5: 3, 6, 17, 18).

14.

Esta é a lei.

A regra estabelecida a respeito de uma contaminação tal, em que se incorria por
contato com o cadáver de uma pessoa. A palavra hebréia aqui traduzida "lei"
é toráh. Neste caso é óbvio que toráh não se aplica só aos Dez
Mandamentos. Em realidade, tem muitas aplicações. usa-se para a
instrução de uma mãe (Prov. 1: 8; 6: 20) ou de um pai (Prov. 3: 1; 4: 2;
7: 2), de um poeta (Sal. 78: 1), de gente sábia (Prov. 13: 14; 28: 4, 7, 9; 29:
18), e de uma esposa sábia (Prov. 31: 26). Provém de um verbo que significa
"arrojar", "disparar", e portanto implica dar direção ou instrução a
alguém.

Na loja.

Aplicável especialmente ao tempo da permanência no deserto. Sem
embargo, a LXX diz "em uma casa", sugiriendo assim que a lei tinha que
permanecer em vigência depois de que o povo se estabeleceu na
Terra Santa.

15.

Toda vasilha aberta.

deduzia-se que a falta de uma cobertura expor o conteúdo da vasilha à
contaminação resultante da morte (Lev. 11: 32, 33).

16.

Morto a espada.

Quer dizer, que morria de morte violenta.
Osso.

Isto é, tirado de uma tumba, ou desenterrado por um besta.

Ou sepulcro.

Desde aí o costume de branquear a parte externa das tumbas para que
ressaltassem (ver Mat. 23: 27; Luc. 11: 44).

Sete dias.

O mesmo período que se prescreve se se tocava um cadáver humano.

17.

Cinza da vaca queimada.

Literalmente, "as cinzas da queima do pecado". Isto indica que as
cinzas da vaca queimada eram consideradas como que tinham em alguns
respeitos as virtudes de uma oferenda pelo pecado. Nada se diz quanto a
a quantidade de cinzas requerida. Possivelmente se estimava suficiente uma quantidade
muito pequena.

Quanto à natureza e os propósitos da "expiação" (vers. 9, 17) que
realizava-se jogando o "água de purificação" (vers. 9, 21), podem fazer-se
duas perguntas: (1) Qual era a natureza do "pecado" (vers. 9, 17 Bj) ou
"impureza" (vers. 13) que se desencardia assim? (2) Qual era a natureza do
ato de "purificação"?

1. A água era "um sacrifício pelo pecado" (vers. 9, 17 BJ) em que se
incorria ao tocar a uma pessoa morta ou o cadáver de um animal imundo, ou
qualquer de suas partes (vers. 11-13), ou por entrar em uma casa onde havia
ocorrido uma morte, ou por tocar uma tumba (vers. 14-16), intencionalmente ou
por acidente. É óbvio que o contato com a morte não era uma infração
do código moral mas sim do cerimonial. Entretanto, faz-se referência a ele
como a um "pecado". Em que sentido se usa assim a palavra "pecado"?

A palavra aqui traduzida "pecado" (BJ) é jatta'th, que significa literalmente
"um passo em falso", "um escorregão do pé". De acordo com o Prov. 13: 6, "o
pecado subverte ao pecador" (Madrepérola-Colunga), quer dizer, joga-lhe uma rasteira.
 Na VVR Prov. 19: 2 diz em parte: "Aquele que se apressa com os pés,
sarda". mas se lê na BJ: "o de pés precipitados se extravia", quer dizer se
separa-se do caminho correto. jatta'th também significa "culpa". No Gén. 43:
9, Judá se oferece para ser considerado "culpado para sempre", literalmente,
"ser um pecador para sempre" se voltava sem Benjamim. propunha-se fazer o
melhor possível, mas se fracassava seria "culpado", literalmente "levaria o
pecado" por isso.

2. É evidente a natureza cerimoniosa da purificação efetuada pelo
"água de purificação" devido a seu uso para desencardir objetos materiais (Núm.
31: 22, 23). No caso de uma morte, a loja mesma onde tinha ocorrido a
morte, e seu conteúdo, voltavam-se imundos e deviam ser desencardidos (cap. 19:
14-17). Isto certamente não provinha de nenhuma contaminação moral que
acompanhasse ao falecimento, a não ser só uma contaminação cerimoniosa. Outra
evidência da natureza cerimoniosa da purificação efetuada é o fato
de que depois de que se orvalhava a água, a pessoa ainda ficava "imunda"
até a noite ou até por vários dias (vers. 10-12, 19). 904 O assunto da
imundície e a purificação realizada por meio da vaca alazã só assumia
um aspecto moral quando uma pessoa deixava de obedecer as disposições
estabelecidas Por Deus em relação com isto. De maneira que deixar de usar o
"água de purificação" como Deus tinha ordenado, nas circunstâncias quando
a prescrevia, era uma ofensa grave que isolava a um homem da
misericórdia de Deus (vers. 13, 20).

Água corrente.

Literalmente, "água de vidas" ou água vivente (ver Lev. 14: 5; Juan 4: 10).

18.

Hisopo.

No vers. 6 o hisopo era queimado junto com a vaca alazã. Aqui se usa
como um instrumento para orvalhar (ver Exo. 12: 22; Sal. 51: 7).

19.

O limpo orvalhará.

Uma elucidação do vers. 12.

A si mesmo se lavará.

Até depois da cerimônia, a pessoa poluída era ainda imunda até
a queda da noite.

20.

que for.

O vers. 20 é uma repetição para dar ênfase (ver vers. 13).

21.

que tocar a água.

Como quando juntava as cinzas e a água corrente. Até hoje, a mente
oriental pensa em uma íntima relação entre os lavamientos cerimoniosos e a
santidade pessoal.

22.

Tudo o que o imundo tocar.

voltava-se imundo tudo o que fora meio doido por uma pessoa poluída por
contato com um cadáver, e qualquer que tocasse essas coisas ficava imundo
até a noite. É evidente que os objetos inanimados podiam voltar-se
ceremonialmente imundos. Havia grande cuidado em relação à contaminação de
as coisas externas a fim de impressionar ao povo com a necessidade, o valor e
a exigência da pureza interior.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-22 1JT 483-485

2 1JT 483

3, 4 1JT 484
13 4T 123

16-19 PP 281

17, 18 1JT 484

19 1JT 485

20 TM 94

CAPÍTULO 20

1 Os israelitas chegam ao Zin, onde María morre. 2 Murmuram por falta de água.
7 Moisés fere a rocha na Meriba e saca água dela. 14 Moisés no Cades pede
permissão para cruzar pelo Edom, mas lhe é negado. 22 Aarón entrega seu cargo a
Eleazar.

1 CHEGARAM os filhos do Israel, toda a congregação, ao deserto do Zin, no
primeiro mês, e acampou o povo no Cades; e ali morreu María, e ali foi
sepultada.

2 E porque não havia água para a congregação, juntaram-se contra Moisés e
Aarón.

3 E falou o povo contra Moisés, dizendo: Oxalá tivéssemos morrido quando
pereceram nossos irmãos diante do Jehová!

4 por que fez vir a congregação do Jehová a este deserto, para que
morramos aqui nós e nossas bestas?

5 E por que nos tem feito subir do Egito, para nos trazer para este mau lugar? Não
é lugar de sementeira, de figueiras, de vinhas nem de granadas; nem mesmo de água
para beber.

6 E se foram Moisés e Aarón de diante da congregação à porta do
tabernáculo de reunião, e se prostraram sobre seus rostos; e a glória do Jehová
apareceu sobre eles.

7 E falou Jehová ao Moisés, dizendo:

8 Toma a vara, e reúne a congregação, você e Aarón seu irmão, e falem com a
penha a vista deles; e ela dará sua água, e lhes tirará águas da penha, e
dará de beber à congregação e a suas bestas.

9 Então Moisés tomou a vara de diante do Jehová, como lhe mandou.

10 E reuniram Moisés e Aarón à congregação diante da penha, e lhes disse:
Ouçam agora, rebeldes! Temo-lhes que fazer sair águas desta penha?

11 Então elevou Moisés sua mão e golpeou 905 a penha com sua vara duas vezes; e
saíram muitas águas, e bebeu a congregação, e suas bestas.

12 E Jehová disse ao Moisés e ao Aarón: Por quanto não creísteis em mim, para
me santificar diante dos filhos do Israel, portanto, não colocarão esta
congregação na terra que lhes dei.

13 Estas são as águas da rixa, pelas quais disputaram os filhos de
Israel com o Jehová, e ele se santificou neles.
14 Enviou Moisés embaixadores ao rei do Edom desde o Cades, dizendo: Assim diz
Israel seu irmão: Você soubeste todo o trabalho que nos veio;

15 como nossos pais descenderam ao Egito, e estivemos no Egito comprido
tempo, e os egípcios nos maltrataram, e a nossos pais;

16 e clamamos ao Jehová, o qual ouviu nossa voz, e enviou um anjo, e nos tirou
do Egito; e hei aqui estamos no Cades, cidade próxima a suas fronteiras.

17 Lhe rogamos que aconteçamos sua terra. Não passaremos por lavoura, nem por
vinha, nem beberemos água de poços; pelo caminho real iremos, sem nos apartar a
mão direita nem a sinistra, até que tenhamos passado seu território.

18 Edom lhe respondeu: Não passará por meu país; de outra maneira, sairei contra ti
armado.

19 E os filhos do Israel disseram: Pelo caminho principal iremos; e se
bebêssemos suas águas eu e meus gados, darei o preço delas; me deixe
somente passar a pé, nada mais.

20 Mas ele respondeu: Não passará. E saiu Edom contra ele com muito povo, e
mão forte.

21 Não quis, pois, Edom deixar passar ao Israel por seu território, e se desviou
Israel dele.

22 E partindo do Cades os filhos do Israel, toda aquela congregação,
vieram ao monte do Hor.

23 E Jehová falou com o Moisés e ao Aarón no monte do Hor, na fronteira da
terra do Edom, dizendo:

24 Aarón será reunido a seu povo, pois não entrará na terra que eu dava aos
filhos do Israel, por quanto foram rebeldes a meu mandamento nas águas de
a rixa.

25 Toma ao Aarón e ao Eleazar seu filho, e faz-os subir ao monte do Hor,

26 e nua ao Aarón de suas vestimentas, e viu com elas ao Eleazar seu filho;
porque Aarón será reunido a seu povo, e ali morrerá.

27 E Moisés fez como Jehová lhe mandou; e subiram ao monte do Hor à vista de
toda a congregação.

28 E Moisés despiu ao Aarón de suas vestimentas, e as vestiu a seu Eleazar
filho; e Aarón morreu ali na cúpula do monte, e Moisés e Eleazar
descenderam do monte.

29 E vendo toda a congregação que Aarón tinha morrido, fizeram-lhe duelo por
trinta dias todas as famílias do Israel.

1.

Ao deserto do Zin.

Quer dizer, ao território desértico lhe confinem com o Edom (ver vers. 14, 15).

No primeiro mês.
Era Abib, mais tarde chamado Nisán, quando o pasto ainda estava verde (ver
Juan 6: 10). Secava-se em maio ou junho. Este provavelmente era o 40° ano de
as peregrinações pelo deserto (ver Núm. 27: 14; 33: 36-38; PP 434), aqui
passado por cima sem comentário.

No Cades.

Evidentemente, nesta ocasião o povo ficou no Cades durante vários meses,
em parte devido aos bons pastos e em parte pela morte da María.

Ali morreu María.

Não se dão detalhes a respeito de sua morte; nem a causa nem a data. Provavelmente
tinha 132 anos (Exo. 2: 4,7). Aarón, que morreu uns poucos meses depois, tinha
123 (Núm. 33: 38, 39) e Moisés 120 (Deut. 34: 7).

E ali foi sepultada.

Não há registro de um período de duelo, como se fez depois para o Aarón (vers.
29). Isto foi uns quatro meses antes da morte do Aarón (cap. 33: 38), e
onze meses antes da morte do Moisés. Ela era a maior dos três.

2.

Não havia água.

Assim começa o relato dos acontecimentos que levaram a exclusão de
Moisés e do Aarón da terra prometida. Evidentemente, a água que foi
proporcionada do milagre do Horeb (Exo. 17: 1-7), 40 anos antes, já
tinha sido suprimida. Isto foi causado Por Deus a fim de provar a fé da
nova congregação que tinha crescido no deserto (ver PP 436).

Contra Moisés.

Compare-se com o Exo. 17: 2, 3, onde os pais deles tinham manifestado o
mesmo espírito. 906

3.

Falou o povo.

"O povo protestou" (BJ). Quer dizer, "opôs-se bulliciosamente", o que poderia
ter levado a violência física.

Pereceram nossos irmãos.

A alusão é a vários atos retributivos de Deus como os registrados nos
caps. 11: 1, 33; 14: 37, particularmente na rebelião do Coré (cap. 16: 32,
35, 46). É evidente que pensavam em uma morte súbita como preferível à
lenta e crescente tortura da sede.

4.

por que fazem vir?

Palavras que refletem o espírito de seus pais (Exo. 17: 3).

5.
Subir do Egito.

Esqueciam os sofrimentos e as lamentações de seus pais no Egito (Exo. 2:
23, 24; 3: 17).

6.

Desde diante.

Parece haver-se voltado ameaçadora a atitude do povo. Moisés e Aarón se
dirigiram ao santuário em busca de conselho e amparo.

prostraram-se sobre seus rostos.

Para pedir que fora perdoado seu pecado de queixa rebelde, e que fossem
satisfeitas suas necessidades físicas.

A glória do Jehová apareceu.

Sem dúvida isto foi visível para toda a congregação, e devesse ter sido tanto
uma advertência para eles como uma recriminação por sua falta de confiança em Deus
(ver caps. 14: 10; 16: 19, 42).

7.

Falou Jehová.

Quer dizer, desde dentro da glória que apareceu como uma indicação da
presença de Deus.

8.

Falem com a penha.

Nada se diz nas Escrituras quanto ao que devia fazer-se com a vara.
Possivelmente Deus tinha o propósito de que Moisés a levantasse na direção da
rocha enquanto falava.

9.

Tomou a vara de diante do Jehová.

Estas palavras parecem implicar que foi a vara do Aarón a que tomou Moisés.
Mas no vers. 11 se fala da vara como pertencente ao Moisés, e a vara
do Moisés era "a vara de Deus" (Exo. 4: 20; 17: 9). Embora não temos o
registro de uma ordem para que Moisés colocasse sua própria vara no santuário,
pode ter sido guardada ali.

10.

Reuniram ... à congregação.

Em harmonia com a instrução de Deus (vers. 8).

Rebeldes.

A mesma linguagem que Deus tinha usado a respeito de seus pais (cap. 17: 10).
Mas no caso do Moisés refletia ira pessoal mas bem que zelo para Deus, e
ali estribou seu pecado,

Temo-lhes que fazer sair?

Com estas palavras Moisés se exaltou a si mesmo e exaltou ao Aarón, ao passo que
descartava a Deus, como se eles tivessem querido que pensasse o povo que
podiam realizar um milagre por seu próprio poder.

11.

Golpeou a penha com sua vara duas vezes.

Parte do pecado do Moisés dependeu de que golpeasse duas vezes a rocha, pois
Deus não lhe havia dito que a golpeasse. Além disso Moisés esqueceu a paciência de
Deus em seu trato com o povo que deveria haver-se refletido em sua própria
atitude e comportamento. Falou e atuou como se as queixa tivessem sido
contra ele.

Saíram muitas águas.

Deus fez frente à situação com uma abundante provisão de água, apesar de
a atitude do Moisés e Aarón.

12.

Não creísteis em mim.

Aqui é onde falhou Moisés.

Para me santificar.

A falta de fé impediu uma demonstração da santidade de Deus por meio de
Moisés e do Aarón.

Não colocarão.

infere-se que Moisés e Aarón pela morte seriam tirados de seu elevado cargo
antes de que o povo entrasse na Terra Santa.

13.

Águas da rixa.

"Meribá" (BJ). Um uso similar da palavra se encontra em Exo.17:7 e Deut.
32: 51. A raiz hebréia da qual se formou a palavra significa
"disputar", "disputar", "agitar", "reclamar bulliciosamente", com freqüência
usando de violência física.

O se santificou neles.

Quer dizer, Deus demonstrou sua santidade e poder no ato misericordioso de fazer
que brotassem as águas em presença do povo. Além disso atribuiu um castigo a seus
dirigentes favoritos quando se separaram de sua ordem.

14.

Ao rei do Edom.

Moisés estimou que não era prudente procurar entrar no Canaán do sul, sem
duvida devido à atitude das hostes hebréias que conduzia. Os edomitas, a
quem se dirigiu, ocupavam o território que estava ao sul do mar Morto;
para o oeste chegava até o Cades, e para o sul até o braço oriental do
mar Vermelho.

Israel seu irmão.

Como é costume no Oriente hoje em dia, aos que têm relação sangüínea
pode chamar-lhe irmãos". Os edomitas eram os descendentes do Esaú
(Gén. 25: 30). 907

Todo o trabalho.

Assim sugeriu Moisés aos edomitas que, como parentes, mostrarão uma atitude de
simpatia para os descendentes do Jacob. A palavra traduzida "trabalho"
provém da raiz hebréia "estar cansado", "estar exausto". Aqui se refere
às dificuldades de seu comprido viaje, perigoso e cansador, sem lar estável
próprio.

15.

Egito.

A experiência dos filhos do Israel era bem conhecida entre as nações
circunvizinhas.

16.

Clamamos.

Ver Exo. 2: 23-25; 3: 7, 8.

Enviou um anjo.

Ver Gén. 24: 7; Exo. 3: 2; 23: 20; 33: 2. O Anjo neste caso era Cristo
mesmo, o eterno Príncipe do povo de Deus (PP 382).

Tirou-nos.

Ver Exo. 13: 21; 14: 19.

17.

Por sua terra.

A fim de entrar na terra do Canaán do este, os israelitas deviam ou
bem passar pelo Edom ou dar um comprido rodeio para o sul e logo voltar em
direção ao norte.

Pelo caminho real iremos.

Esta era a principal artéria para viajar ao leste do Jordão, desde Damasco em
o norte até o Ezión-geber no golfo da Akaba. Os mapas atualizados dos
remotos tempos bíblicos indicam essa rota de comércio. Vieram ao longo de
esse caminho, procedentes de Síria, os quatro reis que atacaram a Sodoma nos
dias do Abraão. Reparado séculos mais tarde pelos romanos, "o caminho real"
está em uso ainda hoje. Uma fotografia aérea de uma seção desta estrada
aparece na página 40 do The Westminster Historical Atlas to the Bible.
18.

Armado.

Ver Gén. 27: 40. Sem dúvida o povo do Edom temia que seu território fora
ocupado, ou ao menos saqueado.

19.

Nada mais.

Moisés reitera o aprazível espírito dos israelitas para com o Edom e diz que
passariam sem fazer "nada mais". Literalmente, "não é uma coisa", quer dizer que não
fariam coisa alguma a não ser passar tão rapidamente como fora possível.

20.

Não passará.

Edom temia deixar passar ao Israel por seu território. Entretanto, vendeu-lhe as
provisões necessárias (ver Deut. 2: 28, 29).

Mão forte.

O rei alistou suas tropas e fez uma exibição de força, manifestando seu
intenção de resistir pela força das armas qualquer tento de passar por
seu território.

21.

desviou-se o Israel.

Deus mesmo ordeno ao Israel que se desviasse, mas que comprasse as
provisões necessárias dos edomitas (Deut. 2: 5, 6).

22.

Monte do Hor.

Até hoje este sítio não foi definidamente se localizado. Os eruditos
identificam quatro diferentes montanhas com o monte do Hor onde morreu Aarón.
Em jebel Nebi Harún, quer dizer o monte do profeta Aarón, há uma mesquita em
o sítio onde se supõe que está a tumba do profeta que é visitada pelos
devotos peregrinos. Esta localização contradiz o relato bíblico, segundo o qual
deve tratar-se de uma montanha fora dos limites do Edom (vers. 23; cap. 33:
37), ao passo que o, Jebel Nebi Harún está bem dentro dos limites do país,
não longe das ruínas da cidade da Petra.

23.

No monte do Hor.

Possivelmente o Israel acampou ao pé da montanha.

24.

Será reunido a seu povo.

A mesma expressão se usa para a morte do Abraão (ver com. Gén. 25: 8), de
Ismael (Gén. 25: 17), do Isaac (Gén. 35: 29), do Jacob (Gén. 49: 33) e de
Moisés (Núm. 27: 13; 31: 2).

25.

Ao monte do Hor.

De acordo com o Deut. 10: 6, o monte do Hor também era conhecido como monte
Mosera; ou pode ser que o campo ao pé do monte fora conhecido como Mosera.

26.

Nua ao Aarón.

Uma descrição das vestimentas do supremo sacerdote se dá no Lev. 8: 7-9.

Ali morrerá.

Com a transferência das vestimentas e a morte do Aarón se fez ressaltar
a sucessão sacerdotal.

27.

À vista de toda a congregação.

Assim não podia levantar-se nenhuma duvida quanto à legalidade da sucessão de
Elcazar ao sagrado ofício depois da morte de seu pai.

28.

Moisés despiu ao Aarón.

Moisés fez isto atuando para Deus de acordo com a ordem divina e como uma
sinal da transferência do ofício sacerdotal, que continuava apesar da
morte do que o possuía.

Aarón morreu ali.

A data da morte do Aarón e sua idade, 123 anos, dão-se na passagem do
cap. 33: 38, 39. A morte do Aarón faz ressaltar a imperfeição do
sacerdócio levítico respeito a sua instabilidade. Pablo fala do contraste em
este respeito entre ele e o sacerdócio de Cristo (Heb. 7: 24). De acordo com
Deut, 10: 6, Aarón foi sepultado na Mosera (ver com. vers. 25). 908

29.

Trinta dias.

Este é o mesmo número de dias de duelo observados por causa do Moisés alguns
meses mais tarde (Deut. 34: 8).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-29 PP 439-454; SR 164-169

1 PP 434

2 FÉ 509
2-5 SR 164

3-5 PP 440

4, 5 FÉ 509

6-8 PP 440; SR 165

1 0 PP 441, 442, 452, 506; PR 128; 3T 302; 4T 369

10, 12 FÉ 509

10-12 Lhe 13

11 PP 441, 452, 506

12 PP 443, 452, 502; SR 166

14-20 PP 447

22-24 PP 450

25-27 PP 450

28 PP 452; 3T 293

29 PP 453

CAPÍTULO 21

1 o Israel destrói ao cananeo em Fôrma. 4 O povo descontente e murmurador é
castigado com serpentes ardentes. 7 A serpente de bronze. 10 Diversos
viagens dos israelitas. 21 Derrota do Sehón, 33 e do Og.

1 QUANDO o cananeo, o rei de Arem, que habitava no Neguev, ouviu que vinha
Israel pelo caminho do Atarim, brigou contra Israel, e tirou dele prisioneiros.

2 Então o Israel fez voto ao Jehová, e disse: Se em efeito entregar este
povo em minha mão, eu destruirei suas cidades.

3 E Jehová escutou a voz do Israel, e entregou ao cananeo, e os destruiu a
eles e a suas cidades; e chamou o nome daquele lugar Fôrma.

4 Depois partiram do monte do Hor, caminho do Mar Vermelho, para rodear a
terra do Edom; e se desanimou o povo pelo caminho.

5 E falou o povo contra Deus e contra Moisés: por que nos fez subir de
Egito para que morramos neste deserto? Pois não há pão nem água, e nossa
alma tem chateio deste pão tão leve.

6 E Jehová enviou entre o povo serpentes ardentes, que mordiam ao povo; e
morreu muito povo do Israel.

7 Então o povo veio ao Moisés e disse: pecamos por ter falado
contra Jehová, e contra ti; roga ao Jehová que estorvo de nós estas
serpentes. E Moisés orou pelo povo.

8 E Jehová disse ao Moisés: te faça uma serpente ardente, e ponha sobre uma haste;
e qualquer que for mordido e olhar a ela, viverá.
9 E Moisés fez uma serpente de bronze, e a pôs sobre uma haste; e quando
alguma serpente mordia a algum, olhava à serpente de bronze, e vivia.

10 Depois partiram os filhos do Israel e acamparam no Obot.

11 E partindo do Obot, acamparam no Ije-abarim, no deserto que está
em frente do Moab, ao nascimento do sol.

12 Partiram dali, e acamparam no vale do Zered.

13 dali partiram, e acamparam ao outro lado do Arnón, que está no
deserto, e que sai do território do amorreo; porque Arnón é limite de
Moab, entre o Moab e o amorreo.

14 portanto se diz no livro das batalhas do Jehová:

O que fez no Mar Vermelho,

E nos arroios do Arnón;

15 E à corrente dos arroios

Que vai parar no Ar,

E descansa no limite do Moab.

16 dali deveram beber: este é o poço do qual Jehová disse ao Moisés:
Reúne ao povo, e lhes darei água.

17 Então cantou o Israel este cântico:

Sobe, OH poço; a ele cantem;

18 Poço, o qual cavaram os senhores. 909

Cavaram-no os príncipes do povo,

o legislador, com seus bastões.

Do deserto vieram a Matana,

19 e da Matana ao Nahaliel, e do Nahaliel ao Bamot;

20 e do Bamot ao vale que está nos campos do Moab, e à cúpula da Pisga,
que olhe para o deserto.

21 Então enviou o Israel embaixadores ao Sehón rei dos amorreos, dizendo:

22 Passarei por sua terra; não iremos pelos semeados, nem pelas vinhas; não
beberemos as águas dos poços; pelo caminho real iremos, até que passemos
seu território.

23 Mas Sehón não deixou passar ao Israel por seu território, mas sim juntou Sehón
todo seu povo e saiu contra Israel no deserto, e veio a Jahaza e brigou
contra Israel.

24 E o feriu o Israel a fio de espada, e tomou sua terra desde o Amón até o Jaboc,
até os filhos do Amón; porque a fronteira dos filhos do Amón era forte.
25 E tomou o Israel todas estas cidades, e habitou o Israel em todas as cidades
do amorreo, no Hesbón e em todas suas aldeias.

26 Porque Hesbón era a cidade do Schón rei dos amorreos, o qual havia
tido guerra antes com o rei do Moab, e tirado de seu poder toda sua terra
até o Arnón.

27 portanto dizem os proverbistas: Venham ao Hesbón,

se edifique e repare-a cidade do Schón.

28 Porque fogo saiu do Hesbón,

E chama da cidade do Sehón,

E consumiu ao Ar do Moab,

Aos senhores das alturas do Arnón.

29 Ai de ti, Moab!

Pereceu, povo do Quemos.

Foram postos seus filhos em fuga,

E suas filhas em cautividad,

Pelo Sehón rei dos amorreos.

30 Mas devastamos o reino deles;

Pereceu Hesbón até o Dibón,

E destruímos até a Nofa e Medeba.

31 Assim habitou o Israel na terra do amorreo.

32 Também enviou Moisés a reconhecer ao Jazer; e tomaram suas aldeias, e jogaram ao
amorreo que estava ali.

33 E voltaram, e subiram caminho de Apóiam; e saiu contra eles Og rei de
Apóiam, ele e todo seu povo, para brigar no Edrei.

34 Então Jehová disse ao Moisés: Não lhe tenha medo, porque em sua mão o hei
entregue, a ele e a todo seu povo, e a sua terra; e fará dele como fez
do Sehón rei dos amorreos, que habitava no Hesbón.

35 E feriram ele e a seus filhos, e a toda sua gente, sem que ficasse um, e
apoderaram-se de sua terra.

L.

O rei de Arem.

Arem está a 80 km. ao norte do Cades e a 27 km. ao sul do Hebrón, e
conhece-se hoje em dia como Tell Arem.

Prisioneiros.
Evidentemente o rei isolou a uns poucos atrasados da retaguarda ou dos
flancos da linha de marcha; pois se tivesse atacado ao grosso da força,
possivelmente haveria algum registro dos mortos na batalha.

2.

Fez voto.

Esta é uma forma de pedido de ajuda ao Jehová para castigar ao rei de Arem (ver
Gén. 28: 20; Juec. 11: 30; 1 Sam. 1: 11; 2 Sam. 15: 8).

Destruirei suas cidades.

Literalmente, "dedicarei suas cidades", usando a raiz verbal da palavra
traduzida "separada" no Lev. 27: 29. O importante disto é que os despojos
dessas cidades deviam ser separados para Deus e seu serviço (ver Deut. 7: 1,
2; Jos. 6: 17, 21). Quando uma coisa era dedicada a Deus, não podia ser empregada
para um uso secular.

3.

Entregou ao cananeo.

Em harmonia com seu voto, que aceitou Jehová, Josué efetuou a destruição das
cidades ao entrar na Terra Santa (Jos. 12: 14).

Fôrma.

A palavra significa "destruição" no sentido de dedicação a Deus, e pelo
tão não redimível para o uso do homem. A forma verbal da mesma palavra
dá-se no vers. 2 como "destruirei", quer dizer, oferecerei a Deus como
sacrifício. Evidentemente, o nome se aplicava à cidade e seus arredores
(Núm. 14: 45; Deut. 1: 44; Jos. 12: 14; 15: 30).

4.

Caminho do Mar Vermelho.

feito-se necessária uma alteração da rota escolhida, pois lhes havia
negado o passo pelo Edom. Agora estavam em caminho para o Ezión-geber (Deut. 2:
8), dando as costas à Terra Santa. Quanto aos lugares onde
acamparam entre o Cades e a região do Moab, ver Núm. 33: 41-44.

O rumo da marcha do Israel se dirigia 910 para o sul, passando pelo
Arará, e pela fronteira meridional do Edoin, de onde continuava para o
este. Finalmente, voltando para o norte, passaram ao este tanto do Edom como
do Moab (PP 454, 461; ver nota na pág. 589).

Pelo caminho.

Literalmente, "no caminho". Houve vários fatores para provocar o desânimo.
A parte do território pelo qual estavam viajando, o Arará, é tina
planície árida semeada de pedras e areia e geralmente calorosa e seca.
Além disso, sabiam que viajavam dando as costas ao Canaán; foram afastando-se em vez
de entrar nela.

5.
Fez-nos subir.

A forma do verbo hebreu que aqui se usa é outro sinal de sua impaciência
crescente. A forma é causal: "Fez-nos subir".

Não há pão.

Havia abundância de alimento, mas se rebelavam pela monotonia de sua dieta
celestial.

Pão tão leve.

A palavra hebréia traduzida "leve", que não aparece em nenhuma outra parte de
a Bíblia, provém da raiz "ser leve", quer dizer, tido em pouca estima.
O povo pensava nos mantimentos saborosos e variados do Egito.

6.

Serpentes ardentes.

Literalmente, "as serpentes, as ardentes". A palavra traduzida
"ardentes" aparece em outras partes como "serafines" (ISA. 6: 2, 6). Provém
da raiz "arder" (Jos. 11: 9; ISA. 44: 16; Eze. 43: 21). As serpentes
foram chamadas ardentes devido à inflamação violenta causada por seu
mordida (PP 456).

Morreu muito povo do Israel.

As mortes se deveram a que se retirou a mão protetora de Deus. A parte de
a região por onde viajavam estava infestada de serpentes, escorpiões, etc.
(Deut. 8: 15); daí que cada dia se vissem milagres do amparo divino.
Mas o Senhor repentinamente retirou seu amparo e permitiu que as serpentes
atacassem ao povo.

7.

pecamos.

O povo se humilhou diante de Deus, sabendo que eram falsas suas acusações
contra ele.

Roga ao Jehová.

Compare-se com a petição do Job por seus amigos (Job 42: 10).

8.

Uma serpente ardente.

Uma réplica da classe de serpentes que eram uma praga para o povo.

Sobre uma haste.

A palavra traduzida "haste" é a que se usa para um estandarte militar. É a
que aparece no Exo. 17: 15: Jehová-nisi, "Jehová, meu estandarte". Também uma
"bandeira" (Sal. 60: 4), "pendão" (ISA. 11: 10) e "bandeira" (Jer. 51: 27). Não
importa o que fora, o haste era o bastante alta para ser vista por tudo
o acampamento.
9.

Olhava à serpente.

A gente sabia que a serpente era um símbolo do Salvador vindouro. Também
dava-se conta de que não era suficiente tão somente olhar à serpente, mas sim
o olhar devia ir acompanhada de fé, posto que não havia cura na
serpente mesma. Era possível contemplar a imagem sem ser curado, se não se
empregava fé em Deus como o Curador divino. Da mesma maneira, não tinham
valor as oferendas se não foram acompanhadas pela fé (ver Juan 3: 14, 15; PP
457, 458).

10.

Acamparam no Obot.

antes do Obot (cap. 33: 41-43) os israelitas tinham acampado em outros dois
lugares que Moisés não menciona aqui. Não se determinou a localização do Obot.

11.

Ije-abarim.

Literalmente, "as ruínas do Abarim". A primeira palavra provém da mesma
raiz que Hai, que significa "montão de pedras" ou "ruínas". A segunda
significa "o outro lado" e dela provém a palavra "hebreus", quer dizer, os
que passaram do outro lado: imigrantes de mais à frente do Eufrates. portanto,
alguns traduziam Ije-abarini como "os lugares dos hebreus" (ver com. Gén.
10: 21).

Que está em frente do Moab.

O deserto do Moab (Deut. 2: 8). Os israelitas agora foram para o norte.

12.

O vale do Zered.

Literalmente, o "arroio do Zered". Se leito estava seco na estação
calorosa. Esta palavra se usa no idioma urdu da Índia, derivada através
do árabe, e se aplica aos canais do Punjab. O "vale do Zered" agora se
conhece como o Wadi o-Hesa, um arroio que entra no mar Morto por seu
esquina sudeste. Antigamente, o Zered separava ao Edom do Moab.

13.

Arnón.

O rio Arnón flui pelo atual Wadi o Mojib, que tem 550 m de
profundidade e 3.200 m de largura, e penetra cortando o altiplano de
Moab. Seu ravina é uma miniatura do grande canhão do Avermelhado.

No deserto. Os israelitas estavam ainda ao leste do Moab, no deserto
do Cademot (Deut. 2: 26). 911

Entre o Moab e o amorreo.

O rio Arnón nasce nos altiplanos da Arábia e desemboca no mar Morto.
O território do Moab está ao sul do rio e o dos amorreos ao norte (ver
com. Gén. 10: 16). Os moabitas tinham sido deslocados para o sul do
Arnón pelo Sehón (Núm. 21: 26; Juec. 11: 22).

14.

O livro.

Ao igual ao livro do Jaser (Jos. 10: 13; 2 Sam. 1: 18), perdeu-se este
registro.

O que fez no Mar Vermelho.

Mais exatamente, por uma transliteración literal do hebreu: "Waheb in Sufah".
Waheb era o nome de um povo. Sufah, literalmente "torvelinho" (como em
Job 37: 9; Prov. 10: 25; ISA. 21: 1; 66: 15; Ouse. 8: 7; etc.), possivelmente um vale ou
região onde eram comuns os torvelinhos (ver Deut. 1: 1, "frente a Suf ",
(BJ). Os torvelinhos geralmente provinham do sul (Job 37: 9; ISA. 2 1: 1).
 Os outros lugares mencionados no contexto (Núm. 21: 12-16) dão cabo à
sugestão de que Suf estava ao norte do Arnón. Alguns o identificaram
com o Khirbet Sufa, a 12 km. ao sudeste do monte Nebo.

15.

O limite do Moab.

A entrevista dos vers. 14 e 15, tirada do livro das batalhas do Jehová,
sugere que os amorreos tinham tomado à força esses lugares dos
moabitas. Possivelmente os israelitas estavam em território amorreo e além dos
limites do Moab.

16.

Beer.

Esta é a palavra hebréia comum para "fonte", "poço" (Gén. 21: 19, 25, 30; 26:
15; etc.). Sugeriu-se de primeira intenção que este é o Beer-elim, ou poço
do Elim (ISA. 15: 8).

17.

A ele cantem.

Nos países orientais é difícil exagerar a importância de um bom poço.
Os poços foram motivos de cantos de louvor e de violentas disputas (Gén.
21: 25; 26: 15-22; Juec. 1: 15; cf. Juan 4: 12).

18.

O legislador.

Da mesma palavra traduzida "cetro" no Gén. 49: 10. Isto sugere um milagre
de parte de Deus. O terreno era branda areia. Quando os 70 anciões e os
principais das tribos colocaram seus cajados na areia, Deus fez que
fluíra abundantemente a água para formar um poço de águas surgentes.

Matana.

Sítio desconhecido. Possivelmente se identifica com a moderna O-Medeiyineh.
19.

Do Nahaliel ao Bamot.

Nos limites do Moab. Nahaliel, "o wadi de Deus", que se identificou que
primeira intenção com o Wadi Zerqa MA'in. Da mesma maneira Bamot,
"alturas", poderia ser Bamot-baal (Jos. 13: 17) ou "os lugares altos do Baal"
(Núm. 22: 41).

20.

Os campos do Moab.

Literalmente, "o campo do Moab", com provável referência à região reclamada
pelo Moab.

Pisga.

O monte Pisga oferece um magnífico panorama de toda a Palestina ocidental.
O nome provém de um verbo que significa "cortar", "fender"; o substantivo
relacionado significa "farallón" e se refere ao bordo quebrado e denteado da
altiplano moabita que descende a pique por volta do mar Morto e o vale do
Jordão (Núm. 23: 14; Deut. 3: 27; 34: 1). Pisga está perto da extremidade
nordeste do mar Morto, no lado oposto do Jericó, e se conhece agora como
Ras esSiyaghah.

Olhe para o deserto.

Literalmente, "olhe para o rosto do deserto". Em hebreu é "Jeshimón",
essencial que significa "lugar desolado", do verbo "ser desolado" e se usa
para os desertos pelos quais passou o Israel (Deut. 32: 10; Sal. 68: 7) e para
a terra desolada ao norte do mar Morto (1 Sam. 23: 19, 24; 26: 1, 3).

21.

Sehón.

Os israelitas estavam no deserto do Cademot, que está nos limites do
reino do Sehón (Deut. 2: 26). A terra dos amorreos estava incluída no
território prometido ao Israel. Os amorreos não tinham parentesco com os
israelitas -como era o caso dos amonitas, edomitas e moabitas- pois eram de
origem cananeo (Gén. 10: 16; Deut. 1: 7, 19, 27). Sehón é chamando rei dos
amorreos, como neste versículo, ou rei do Hesbóri (Deut. 2: 26, 30), ou é
identificado com uma combinação dos dois nomes (Deut. 1: 4; 3: 2). Hesbón
era a residência do rei ou a cidade real.

22.

Passarei por sua terra.

Os israelitas enviaram uma mensagem de paz similar ao que previamente mandaram a
Edom (cap. 20: 14), embora tinham recebido ordens de vencer ao Schón (Deut. 2:
26, 24).

23.

Jahaza.

Possivelmente uma cidade na planície do Moab, mais tarde uma parte do território de
Rubén. desconhece-se sua localização exata (ver Deut. 2: 32; ISA. 15: 4; Jer. 48:
21).

Brigou contra Israel.

Os israelitas tinham recebido a segurança de que sairiam vitoriosos (Deut.
2: 31). O povo amorreo estava destinado à destruição (Jos. 3: 10) e ele
912

CAMPANHA DO Israel AO leste DO Jordão

913 mesmo trouxe sobre si o desastre ao sair com o propósito de destruir ao
povo de Deus.

24.

Feriu-o o Israel.

Uma animadora vitória para o Israel -acanhado em questões bélicas sobre um
inimigo que acabava de vencer ao Moab.

Desde o Arnón até o Jaboc.

O Arnón formava a fronteira meridional do território do Sehón (vers. 13); o
Jaboc, o limite setentrional, e o rio Jordão, o limite ocidental. Ao este
estavam os amonitas. O Jaboc ainda leva seu antigo nome.

Era forte.

Preferivelmente "era Jazer" ("Yazer" BJ), uma cidade no limite entre os
amorreos e os amonitas.

25.

Todas as cidades.

Quer dizer, as cidades dos amorreos mencionadas nos vers. 25 a 30.

Hesbón.

A cidade real, o lugar onde residia o rei e o assento de seu governo. O
montículo do Tell Hesbán, situado a 29 km. ao leste do Jordão, frente a
Jericó, conservou o nome antigo.

Todas suas aldeias.

Literalmente "todas suas filhas", o que se refere à cidade do Hesbón como a
metrópole, ou cidade mãe, e às aldeias como seus descendentes que dependiam
dela para seu bem-estar econômico e social.

27.

Dizem os proverbistas.

Ou "os trovadores" (BJ). A referência é ao canto dos vers. 27 a 30 que
narra a vitória do Sehón sobre os moabitas. O território que tinham tomado
os israelitas pertencia aos amorreos.

28.
Fogo.

Isto se refere às conquistas do Sehón dos territórios circunvizinhos de
Hesbón; o fogo e as chamas são um símbolo de guerra (ver Amós 1: 7, 10, 12,
14; 2: 2, 5).

29.

Quemos.

O deus dos moabitas (1 Rei. 11: 7; Jer. 48: 7), a quem se ofereciam
sacrifícios humanos (2 Rei. 3: 26, 27), mas que não liberou a seus fiéis nesta
crise.

Postos seus filhos em fuga.

O que significa que Quemos se desgostou com seus adoradores e não os salvou de
seus inimigos (ver Jer. 48: 13).

30.

Dibón.

Há uma moderna Dibán a 5 km. ao norte do Arnón (ver Jer. 48: 18, 22),
junto à antiga Dibón, que hoje jaz em ruínas. Foi aqui onde se encontrou,
a famosa Pedra Moabita, em 1868.

Nofa.

Ver Juec. 8: 11.

Medeba.

Identificada com a moderna Madeba. Seu nome aparece na Pedra Moabita
como Mehedeba.

31.

A terra do amorreo.

O território que então ocupava o Israel, ao leste do Jordão, era o dos
amorreos e não o dos moabitas, que tinham sido deslocados dele.

32.

Jazer.

Não se conhece a localização do Jazer. sugeriram-se vários lugares, mas
nenhum pode ser identificado exatamente. Não estava longe do monte Galaad
(2 Sam. 24: 5, 6; 1 Crón. 26: 31). Ao tomar esta cidade, Israel completou a
conquista do país dos amorreos.

33.

Apóiam.

Apóiam adquiriu fama por seus excelentes campos de pastoreio, nos quais
cresciam grandes rebanhos de gado, e também por seus bosques de carvalhos (Deut.
32: 14; Sal. 22: 12; Eze. 27: 6).

Og.

Um descendente dos poderosos refaítas (Gén. 14: 5; Jos. 12: 4; 13: 12).

Edrei.

identificou-se com a Edrea ou Dera a 35 km. ao noroeste da Bosra.
Evidentemente era a segunda cidade real de Apóiam (ver Deut. 1: 4; Jos. 12: 4;
13: 12), e estava a 50 km. ao sudeste do mar do Tiberias, e a outros 50
km. ao oeste dos Montes Haurán no limite meridional de Apóiam (Deut. 3: 1,
10), sobre um dos afluentes do Yarmuk. As ruínas maciças da cidade
estão sepultadas debaixo da aldeia moderna. Se Og tivesse permanecido detrás
de suas torres fortificadas, Israel logo que poderia havê-lo meio doido. A Divina
Providência fez que deixasse suas fortificações e apresentasse batalha em campo
aberto.

34.

Não lhe tenha medo.

necessitava-se uma segurança tal de parte de Deus devido à gigantesca
estatura dos homens (Deut. 1: 28; 3: 11), e a fama de suas fortificações.

35.

Feriram ele.

depois de derrotar ao exército do Og, Israel ocupou toda a comarca, exceto
algumas parte dela que resistiram algum tempo mais. A conquista final
foi realizada pelo Jair, o filho do Manasés, quem recebeu a terra do Argob
como sua recompensa (Núm. 32: 39, 41; Deut. 3: 14).

E a seus filhos.

Não mencionados no Deut. 3: 3.

apoderaram-se de sua terra.

Isto incluía 60 cidades fortificadas, além de uma quantidade de povos
mais pequenos (Deut. 3: 4, 5; Jos. 13: 30). Isto foi dado à meia tribo de
Manasés, como já foi mencionado (Deut. 3: 13; Jos. 13: 29, 30; 1 Rei. 4: 13).
914

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-35 PP 454-474

2-5 PP 455

3 PP 463

6, 7 PP 456

6-9 8T 50

8 FÉ 198
8, 9 PP 457

9 PP 463; 5T 202

16-18 Ed 158

33 PP 464

CAPÍTULO 22

Balaam rechaça o primeiro convite do Balac. 15 Aceita seu segundo convite.
22 Um anjo o teria morrido se o asna não o salva. 36 Balac recebe ao Balaam.

1 PARTIRAM os filhos do Israel, e acamparam nos campos do Moab junto ao
Jordão, frente a Jericó.

2 E viu Balac filho do Zipor tudo o que o Israel fazia ao amorreo.

3 E Moab teve grande temor a causa do povo, porque era muito; e se angustiou
Moab por causa dos filhos do Israel.

4 E disse Moab aos anciões do Madián: Agora lamberá esta gente todos nossos
contornos, como lambe o boi a grama do campo. E Balac filho do Zipor era
então rei do Moab.

5 portanto, enviou mensageiros ao Balaam filho do Beor, no Petor, que está junto
ao rio na terra dos filhos de seu povo, para que o chamassem, dizendo:
Um povo saiu que o Egito, e hei aqui cobre a face da terra, e habita
diante de mim.

6 Vêem pois, agora, rogo-te, me amaldiçoe este povo, porque é mais forte que
eu; possivelmente eu possa feri-lo e jogar o da terra; pois eu sei que o que você
benza será bendito, e o que você amaldiçoe será maldito.

7 Foram os anciões do Moab e os anciões do Madián com as dádivas de
adivinhação em sua mão, e chegaram ao Balaam e disseram as palavras do Balac.

8 O lhes disse: Repousem aqui esta noite, e eu lhes darei resposta segundo Jehová me
falar. Assim os príncipes do Moab ficaram com o Balaam.

9 E veio Deus ao Balaam, e lhe disse: Que varões são estes que estão contigo?

10 E Balaam respondeu a Deus: Balac filho do Zipor, rei do Moab, enviou a
me dizer:

11 Hei aqui, este povo que saiu que o Egito cobre a face da terra; vêem
pois, agora, e me amaldiçoe isso possivelmente poderei brigar contra ele e jogá-lo.

12 Então disse Deus ao Balaam: Não vá com eles, nem amaldiçoe ao povo,
porque bendito é.

13 Assim Balaam se levantou pela manhã e disse aos príncipes do Balac: lhes volte
a sua terra, porque Jehová não me quer deixar ir com vós.

14 E os príncipes do Moab se levantaram, e vieram ao Balac e disseram: Balaam
não quis vir conosco.

15 Voltou Balac a enviar outra vez mais príncipes, e mais honoráveis que os
outros;
16 os quais vieram ao Balaam, e lhe disseram: Assim diz Balac, filho do Zipor:
Rogo-te que não deixe de vir para mim;

17 porque sem dúvida te honrarei muito, e farei tudo o que me diga; vêem, pois,
agora, me amaldiçoe a este povo.

18 E Balaam respondeu e disse aos servos do Balac: Embora Balac me desse seu
casa cheia de prata e ouro, não posso transpassar a palavra do Jehová meu Deus para
fazer coisa garota nem grande.

19 Vos rogo, portanto, agora, que repousem aqui esta noite, para que eu saiba
o que me volta a dizer Jehová.

20 E veio Deus ao Balaam de noite, e lhe disse: Se vieram para te chamar estes
homens, te levante e vete com eles; mas fará o que eu te diga.

21 Assim Balaam se levantou pela manhã, e enalbardó seu asna e foi com os
príncipes do Moab. 915

22 E a ira de Deus se acendeu porque ele ia; e o anjo do Jehová ficou em
o caminho por adversário dele. Ia, pois, ele montado sobre seu asna, e com ele
dois criados deles.

23 E o asna viu o anjo do Jehová, que estava no caminho com sua espada
nua em sua mão; e se apartou o asna do caminho, e ia pelo campo.
Então açoitou Balaam ao asna para fazê-la voltar para caminho.

24 Mas o anjo do Jehová ficou em um caminho de vinhas que tinha parede a um
lado e parede ao outro.

25 E vendo o asna ao anjo do Jehová, pegou-se à parede, e apertou contra a
parede o pé do Balaam; e ele voltou a açoitá-la.

26 E o anjo do Jehová passou mais à frente, e ficou em um estreitamento onde não
havia caminho para apartar-se nem a direita nem a esquerda.

27 E vendo o asna ao anjo do Jehová, tornou-se debaixo do Balaam; e Balaam se
zangou e açoitou ao asna com um pau.

28 Então Jehová abriu a boca ao asna, a qual disse ao Balaam: O que te hei
feito, que me açoitaste estas três vezes?

29 E Balaam respondeu ao asna: Porque te burlaste que mim. Oxalá tivesse
espada em minha mão, que agora te mataria!

30 E o asna disse ao Balaam: Não sou eu seu asna? Sobre mim cavalgaste desde
que você me tem até este dia; acostumei fazê-lo assim contigo? E ele
respondeu: Não.

31 Então Jehová abriu os olhos do Balaam, e viu o anjo do Jehová que
estava no caminho, e tinha sua espada nua em sua mão. E Balaam fez
reverência, e se inclinou sobre seu rosto.

32 E o anjo do Jehová lhe disse: por que açoitaste seu estas asna três vezes?
Hei aqui eu saí para resistir, porque seu caminho é perverso diante de
mim.

33 O asna me viu, e se apartou logo depois de diante de mim estas três
vezes; e se do Í não se apartou, eu também agora mataria a ti, e a
ela deixaria viva.

34 Então Balaam disse ao anjo do Jehová: pequei, porque não sabia que você
punha-te diante de mim no caminho; mas agora, se te parecer mau, eu me
voltarei.

35 E o anjo do Jehová disse ao Balaam: Vê com esses homens; mas a palavra que
eu te diga, essa falará. Assim Balaam foi com os príncipes do Balac.

36 Ouvindo Balac que Balaam vinha, saiu a recebê-lo à cidade do Moab, que
está junto ao limite do Arnón, que está ao extremo de seu território.

37 E Balac disse ao Balaam: Não enviei eu a te chamar? por que não vieste a mim?
Não posso eu te honrar?

38 Balaam respondeu ao Balac: Hei aqui eu vim a ti; mas poderei agora falar
alguma coisa? A palavra que Deus pusiere em minha boca, essa falarei.

39 E foi Balaam com o Balac, e vieram ao Quiriat-huzot.

40 E Balac fez matar bois e ovelhas, e enviou ao Balaam, e aos príncipes que
estavam com ele.

41 O dia seguinte, Balac tomou ao Balaam e o fez subir ao Bamot-baal, e desde
ali viu os mais próximos do povo.

L.

Os campos do Moab.

Esta planície tinha pertencido antes aos moabitas. Embora a haviam
conquistado os amorreos (cap. 21: 26), a comarca reteve seu nome original.
Não diz o mês quando os filhos do Israel acamparam na planície de
Moab, mas geralmente se pensa que foi perto do fim do 40º ano quando
partiram das montanhas da Pisga ou Abarim (caps. 21: 20; 33: 48). A planície
abrange 150 km².

Junto ao Jordão.

Quer dizer, neste lado, frente a Jericó. Não cruzaram o Jordão até que
Josué tomou o mando (Jos. 3: 1).

2.

Balac.

Significa "saqueador", "devastador", da raiz "deixar assolado", "saquear". Se
menciona-o outra vez no Jos. 24: 9; Miq. 6: 5 e no Juec. 11: 25, sem fazer
referência ao Balaam.

Zipor.

Significa "passarinho". A forma feminina do nome é Séfora, o nome da
esposa do Moisés. A forma masculina do nome não aparece outra vez no AT a
menos que Zofar (Job 2: 11) seja uma variante na grafia do mesmo nome.

Fazia ao amorreo.
Quer dizer, aos reis amorreos Sehón e Og (ver com. Gén. 10: 16), os mais
capitalistas dos governantes cananeos desse tempo (Deut. 3: 8).

3.

teve grande temor.

Não conheciam a ordem dada Por Deus ao Israel de que não os incomodassem, e pelo
tanto temiam ser desposeídos de seu território (cf. a atitude dos 916
egípcios no Exo. 1: 12). O temor que agora sentiam os moabitas tinha sido
predito (Exo. 15: 15).

4.

Os anciões do Madián.

Moab e Madineran inimigos tradicionais (Gén 36: 35,pero) estiveram dispostos
a unir-se contra Israel. Parece que os "anciões" também eram chamados
"reis" (Núm. 31: 8) 'príncipes" (Jos. 13: 21). Entre os orientais, até hoje
dia, os homens de idade e experiência são chamados "anciões". Os madianitas
eram descendentes do Abraão e da Cetura (Gén. 25: 2, 4) e eram um povo de
pastores e comerciantes intinerantes (Gén. 37: 28).

A grama do campo.

Literalmente, "o verdor do campo", o que significa todo rastro de
vegetação.

5.

Enviou mensageiros.

Evidentemente enviados por convênio com os madianitas (ver. vers. 4).

Balaam.

De um verbo que significa "tragar", "sumir", "destruir violentamente".

Petor.

identificou-se agora definitivamente com o Pitru, a uma curta distância do
Eufrates, ao sul do Carquemis. Esta identificação requer que "o rio" deva
ser o Eufrates (ver Exo. 23: 31; Jos. 24: 2, 3, 14). De acordo com a própria
afirmação do Balaam (Núm. 23: 7), ele era do Aram, nome com que se conhecia a
região da alta Mesopotamia (ver PP 467).

Seu povo.

Literalmente, "Ammav" (BJ), identificado positivamente, por uma inscrição em
a estátua do Idrimi, com a região do vale do Sajur. Este vale está
situado entre o Alepo e Carquemis. A viagem desde o Pitru (veja-se acima), uma
distância de 650 km, requeria 2 semanas (ver PP 468).

Um povo.

Uma nação organizada que 40 anos antes tinha despojado ao Egito e humilhado a
Faraó.

diante de mim.
Uma constante ameaça de partidas invasoras organizadas. Naturalmente, uma
situação tal fez que os moabitas sentissem grande temor.

6.

me amaldiçoe este povo.

Balac e seu povo acreditavam no poder dos feiticeiros e em seus encantamentos.
 A nigromancia, a magia negra, a posse demoníaca são companheiras
inseparáveis da idolatria.

Mais forte que eu.

Balac se dava conta de que necessitava mais que ajuda humana para fazer frente
ao indiscutível poder do Israel.

Será maldito.

Balac tinha o plano de destruir ao Israel, mas temia tentá-lo com sua própria
força. Tinha ouvido da eficácia dos poderes do Balaam. Na antigüidade
eram comuns tanto a bênção como a maldição, como no caso do Noé (Gén.
9: 25-27), Isaac (Gén. 27: 27), Jacob (Gén. 49), Josué (Jos. 6: 26) e Eliseo (2
Rei. 2: 24). Assim também Goliat iniciou seu combate com o David invocando a
maldição de seu deus sobre o moço (1 Sam. 17: 43). É um despropósito
querer explicar todos os fenômenos da magia pagã atribuindo-os
unicamente a mutretas ou artifícios.

7.

Dádivas de adivinhação.

Moab e Madián se uniram neste plano. As dádivas de adivinhação e
intercessão eram consideradas como um ganho legitima (ver 1 Sam. 9: 7, 8; 1
Rei. 14: 3; 2 Rei. 8: 8). Desde tempos remotos, era difícil que alguém se
aproximasse de uma pessoa eminente sem um obséquio na mão (Gén. 43: 11, 25,
26; Mau. 1: 8).

8.

Darei-lhes resposta.

Um profeta apóstata joga com fogo esperando um benefício pecuniário. Balaam
já sabia dos israelitas e da atitude de Deus para eles (PP 468, 469).

Jehová.

Muitos comentadores encontram extremamente estranho que Balaam usasse a palavra
"Jehová", pois o consideram como um adivinho pagão. A realidade é que Balaam
foi originalmente um verdadeiro profeta de Deus que perverteu seus dons devido a
seu afã por obter lucros materiais (PP 468). Da mesma maneira,
Melquisedec e Jetro (PP 129, 252) foram representantes do Deus verdadeiro.
Labán permitiu que tivesse ido-os familiares em seu lar, e entretanto em
determinadas circunstâncias Deus condescendeu em comunicar-se com ele (Gén. 31:
9, 247 30).

9.

Que varões são estes?
Esta não foi uma pergunta em procura de informação, pois Deus sabia tudo aproxima
deles (ver Gén. 3: 10, 11). Foi uma pergunta explicativo com o propósito
de que Balaam compreendesse os perigos do caminho em que estava por posar
seus pés (ver 1 Rei. 19: 9; ISA. 39: 3, 4).

10.

Balac.

Isto implica que o participante mais capitalista da coalizão era Balac, rei de
os moabitas, e que os madianitas eram os aliados mais débeis.

12.

Não vá.

Balaam conhecia seu dever (ver com. vers. 8). Ambicionava recompensas, 917 mas
também sabia que suas maldições não machucariam ao Israel.

Bendito é.

Nenhum ser humano podia transtornar a bênção de Deus e convertê-la em uma
maldição.

13.

Jehová não me quer.

Outra vez Balaam usa o nome do Jehová, como o fez no vers. 8. Omite
informar aos mensageiros do Balac que os filhos do Israel eram benditos por
Deus.

14.

Balaam não quis.

Naturalmente os príncipes interpretaram mal os motivos do Balaam (ver com.
vers. 13), e não puderam dar um relatório fidedigno ao Balac. Também devem haver
estado inclinados a culpar ao Balaam pelo fracasso de sua missão.

15.

Príncipes, e mais honoráveis.

Um típico proceder oriental em tais circunstâncias. Balac supôs que Balaam
mantinha-se firme esperando maior respeito, o qual ele poderia lhe demonstrar
lhe enviando homens de categoria superior, e uma maior avaliação por seus serviços
mediante a oferta de majores recompensa.

16.

Não deixe de vir.

Literalmente, "não te retenha". A forma reflexiva do verbo implica que Balac
entendia que a pouca disposição do Balaam se devia a um desejo de maior
reconhecimento e maior recompensa.

17.
Honrarei-te muito.

A tradução literal é: "Certamente te honrarei ao máximo" (ver Dão. 2: 6).

Tudo o que me diga.

Não em relação às recompensas, a não ser quanto à cooperação em conseguir o
propósito do Balac.

18.

Sua casa enche.

Compare-se com a experiência do profeta anônimo de 1 Rei. 13: 8.

Prata e ouro.

Um reflexo dos pensamentos do Balaam enfocados nas riquezas mundanas.
A avareza era o pecado que o acossava.

Não posso transpassar a palavra do Jehová.

Literalmente, "não sou capaz de passar por cima a boca do Jehová meu Deus". Uma
expressão tal implica um conhecimento pessoal do Deus do céu.

Costure garota nem grande.

Isto significa "nada" (ver 1 Sam. 20: 2; 22: 15; 25: 36). Balaam sábia
que Deus podia controlar suas ações, embora não podia controlar seus
pensamentos.

19.

Repousem.

Tratou com eles como com os primeiros mensageiros.

Para que eu saiba.

Balaam já sabia o que diria o Senhor (ver vers. 12 e com. vers. 8). Estava
tratando de entender-se com Deus como se fora um débil homem capaz de trocar
seu pensamento.

20.

Veio Deus.

O mensageiro divino é outra vez o mesmo Todo-poderoso.

Se vinieren . . . estes homens.

Quer dizer, se vinham pela manhã para ouvir sua resposta.

te levante e vete.

O Senhor permitiu que o profeta fizesse o que estava determinado a fazer.
Balaam não estava procurando sinceramente a vontade de Deus pois já sabia qual
era (vers. 12). Estava teimado em sua própria conduta, e procurava uma
aparência de licença.

O que eu te diga.

Por esta afirmação Balaam sábia que não lhe permitiria amaldiçoar ao Israel, e
concordar na aparência com os mensageiros do Balac significava receber ricos
pressente e cobrir-se de uma máscara de falsidade.

21.

Enalbardó seu asna.

Os asnos eram usados então usualmente por gente de toda categoria,
especialmente para viagens curtas. usavam-se camelos para jornadas mais largas.
 fala-se de asnas no hebreu do Juec. 5: 10 e 2 Rei. 4: 22, mas se fala
com mais freqüência de asnos (Exo. 4: 20; Jos. 15: 18; 1 Sam. 25: 20; 2 Sam. 16:
2; 17: 23; etc.). Em vários casos do AT, enalbardar um asno se relaciona com
uma tragédia (2 Sam. 17: 23; 1 Rei. 2: 40; 13: 13).

22.

A ira de Deus.

No vers. 12 Deus tinha feito conhecer sua vontade ao Balaam. No vers. 20
o Senhor lhe permitiu que fora. Esta foi uma instrução meramente permissivo,
apoiada não na vontade de Deus a não ser na própria vontade do Balaam. Se o
profeta tivesse desejado cumprir a vontade de Deus, as palavras registradas
no vers. 12 teriam definido o assunto. Mas quando um homem é rebelde de
coração, Deus pode lhe permitir seguir seus desejos e sofrer as conseqüências
(ver Sal. 81: 11, 12; Ouse. 4: 17).

Balaam é sem exemplo de um profeta que prostituyó sua vocação ao procurar
obter lucros com seu dom divino. Por isso lemos de "a doutrina do Balaam"
(Apoc. 2: 14), "o engano do Balaam" (Jud. 11 ) e "o caminho do Balaam" (2 Ped.
2: 15).

O anjo do Jehová.

Isto se refere a Cristo com freqüência (Exo. 3: 2, 14; 23: 20, 23; 32: 918 34;
PP 320, 381), embora não sempre é certo que isto seja assim (ver Heb. 1:14; PP
53). Aqui pareceria ser Cristo ( PP 381; cf Exo. 23:20 ).

Adversário.

Heb. satan, 'adversário' ou 'inimigo' . Posto que Satanás é o grande inimigo de
Deus e do homem, chegou a ser chamado literalmente " o adversário ", ou
Satanás(1 Crón. 21: 1; Job 1: 6; Zac. 3: 1). Jehová esteve no caminho de
Balaam como um adversário, nem tanto por que o profeta esteve determinado a
seguir seu próprio caminho de destruição, se não mas bem por que se estava
colocando como oponente do povo escolhido de Deus. A palavra "Satanás", uma
transliteración do término hebreu se considera como equivalente em
significado e importância com a palavra " diabo " do NT. O é o inimigo
das almas dos homens , dedicado a sua destruição eterna .

Com ele dois criados deles.

Não se menciona que os príncipes do Balac estubieran com o Balaam. Esses
mensageiros-hombres de linhagem, com grandes dádivas em sua mão e a promessa de
mais (vers.15-17)- estavam desconcertados por que Balaam não tinha acessado
imediatamente a acompanhá-los . Antecipando outra negativa , já se tinham posto
em marcha de volta ( PP 471). Balaam procurava alcançá-los e por isso
qualquer demora lhe incomodava de um modo especial. Os dois criados não figuram
na cena, nisiquiera paraayudar a seu amo a dominar seu asna.

23.

O asna viu.

Evidentemente os dois criados eram tão siegos como seu amo. O Senhor lhe abriu
os olhos ao asna, como lhe abriria a boca pouco depois .

Com sua espada nua.

Literalmente "uma arma de ataque", do verbo "atacar", "ferir derrubando" (ver
Jos. 5: 13).

separou-se . . . do caminho.

Tinha cercados para sercar a vinhas, mas não os campos.

24.

Parede.

Em sua marcha pelo campo cultivado, o profeta chegou a um lugar fechado entre
dois vinhedos, com uma parede a cada lado e o caminho no meio.

25.

pegou-se.

Aproximando-se muito à parede o asna pôde passar ao anjo, que novamente
lhe pôs por diante.

Apertou . . . o pé do Balaam.

Ao tratar de passar novamente ao anjo, o asna apertou violentamente o pé de
Balaam entre seu corpo e a parede.

26.

Não havia caminho.

O asna não podia voltar-se nem à direita nem à esquerda; tampouco podia dar
a volta para empreender uma rápida retirada.

27.

Se hechó.

O asna compreendeu o desesperado da situação. O profeta, cegado pela
avareza e a ira, só podia dar-se conta da teima da conduta de
ela.

28.

Jehová abriu.
O único outro exemplo registrado na Bíblia de um animal que falasse é o de
a serpente do Gén. 3.

29.

Burlaste-te que mim.

Literalmente, " jogaste comigo como um menino ", (quer dizer), trataste-me
caprichosamente e jogaste comigo. A mesma forma verbal se traduz como
"abusaram" no Juec. 19: 25; "ludibriem" em 1 Sam. 31: 4; "fundo" no Job 16:
15 (BJ); "fazem" iniqüidade em Sal. 141: 4.

Agora te mataria.

Ficou de manifesto a falta de sinceridade do profeta. estava-se gabando de
que podia destruir a uma nação com seus encantamentos e entretanto era
importante para matar a seu asna . Dificilmente um homem podia estar mais
cego ao não surpreender-se de que um asna pudesse conversar com ele.

30.

Desde que você me tem.

Literalmente, "desde você existência", quer dizer, "desde que começou a
cavalgar".

acostumei?

"É esta a forma em que procedo sempre?" O comportamento peculiar do asna
deveria ter bastado para lhe mostrar ao Balaam que se encontrava frente a uma
situação anormal, pois o asna nunca antes se levou mau.

31.

Os olhos do Balaam.

Compare-se com a experiência do servo do Eliseo (2 Rei. 6: 17).

Viu o anjo.

Ao Balaam faltava visão espiritual. Evidentemente seus dois servos não viram
nada. Compare-se com a experiência dos companheiros do Pablo (Hech. 9: 7).

inclinou-se sobre seu rosto.

Não por verdadeiro arrependimento devido a seus maus propósitos, se não por um
terror abjeto .

32.

Perverso.

Literalmente, " descuidado". A idéia é que Balaam estava empreendendo uma viagem
motivado por sua teima e que não estava em harmonia com a vontade de Deus.

33.

Mataria a ti.
O profeta devia sua vida ao asna , a qual tinha golpeado brutalmente. O
espírito que controlava ao Balaam se manifestou plenamente em sua conduta.

A ela deixaria viva.

Deus teria preservado ao asna assim como teria morrido ao Balaam. A obediência
é uma virtude à vista de Deus. Compare-se com a experiência do asno de 919
outro profeta desobediente (1 Rei. 13: 24).

34.

pequei.

Ao dizê-lo teve possivelmente em conta seu insensato vapuleo do asna, tanto como seu
obstinada busca das dádivas do Balac.

Se te parecer mau.

Sabia que a viagem tinha sido permitido tão somente devido a sua teima.

35.

Vê com esses homens.

Compare-se com o vers. 20 onde primeiro foi dado a mesma permissão e onde Deus
também se identifica com o que fala.

36.

Saiu.

Balaac saiu com uma grande comitiva de príncipes e signatários para honrar ao
profeta que -assim se esperava- liberaria ao país dos temores de uma invasão.

A cidade do Moab.

Compare-se com o cap. 21: 15. Ar pode ser o nome da cidade designada
aqui.

Ao limite.

Sehón, rei dos amorreos, tinha conquistado o território dos moabitas
até o Arnón. Balac foi até a mesma fronteira de seu território para
encontrar-se com o profeta.

37.

Não enviei eu a te chamar?

Uma galanteria para o Balaam, posto que Balac não tratou de ocultar ou diminuir seu
ansiedade.

Não posso eu te honrar?

Ver o vers. 17; cap. 24: 11.

38.

Deus pusiere em minha boca.
Balaam indicou ao Balac que ele estava submetido a restrições, não importando
quanto lhe pesasse isso (ver Núm. 23: 5, 12, 16; 1 Rei. 22: 14).

39.

Quiriat-huzot.

Literalmente, "a cidade das ruas". Desconhece-se a localização. Alguns
comentadores a identificam com o Quiriataim (cap. 32: 37).

40.

Balac fez matar.

Com toda probabilidade uma festa de sacrifícios para honrar ao Balaam e
predispor um começo propício da cerimônia da maldição. Assim demonstrou
Balac seu gozo porque o profeta tinha chegado a salvo (cf. 1 Sam. 9: 23, 24).

41.

O dia seguinte.

Literalmente, "na manhã".

Bamot-baal.

Quer dizer, "os lugares altos do Baal"; provavelmente o mesmo que Bamot (cap.
21: 19). O nome indica que era um santuário pagão. É possível que Balac
tivesse a idéia de que a maldição do Balaam seria mais eficaz se via os
israelitas enquanto os amaldiçoava.

Os mais próximos.

Pode ser que Balaam pudesse ver todo o acampamento, ou possivelmente só as partes
mais próximas à colina onde ele estava. Não resulta claro o propósito de
isto.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-41 PP 467-474

1-4 PP 467

5, 6 PP 468

7 PP 468

8 PP 468

11-19 3T 73

12, 13 PP 468

14-20 PP 469

20-25 PP 471

26-29 PP 471
31 DC 21

31-33 PP 472

34 5T 637

34-38 PP 473

41 PP 474

CAPÍTULO 23

1, 13, 28 O sacrifício do Balac. 7, 18 A parábola do Balaam.

1 E BALAAM disse ao Balac: me edifique aqui sete altares, e me prepare aqui sete
bezerros e sete carneiros.

2 Balac fez como lhe disse Balaam; e ofereceram Balac e Balaam um bezerro e um
carneiro em cada altar.

3 E Balaam disse ao Balac: Ponha junto a seu holocausto, e eu irei; possivelmente Jehová me
virá ao encontro, e qualquer coisa que me mostrar, avisarei-te. E se foi a
um monte descoberto. 920

4 E veio Deus ao encontro do Balaam, e este lhe disse: Sete altares hei
ordenado, e em cada altar ofereci um bezerro e um carneiro.

5 E Jehová pôs palavra na boca do Balaam, e lhe disse: Volta para o Balac, e lhe diga
assim.

6 E voltou para ele, e hei aqui estava ele junto a seu holocausto, ele e todos os
príncipes do Moab.

7 E ele tomou sua parábola, e disse:



Do Aram me trouxe Balac, Rei do Moab, dos Montes do oriente;

Vêem, me amaldiçoe ao Jacob,



E vêem, execra ao Israel.

8 por que amaldiçoarei eu ao que Deus não amaldiçoou?



E por que tenho que execrar ao que Jehová não execrou?

9 Porque da cúpula das penhas o verei,



E das colinas o olharei;
Hei aqui um povo que habitará crédulo,



E não será contado entre as nações.

10 Quem contará o pó do Jacob,



Ou o número da quarta parte do Israel?



Mora eu a morte dos retos,



E meu postrimería seja como a sua.

11 Então Balac disse ao Balaam: O que me tem feito? Trouxe-te para que
amaldiçoe a meus inimigos, e hei aqui proferiste bênções.

12 O respondeu e disse: Não cuidarei de dizer o que Jehová ponha em minha boca?

13 E disse Balac: Rogo-te que venha comigo a outro lugar do qual os
veja; somente os mais próximos verá, e não os verá todos; e de ali me
amaldiçoará-os.

14 E o levou a campo do Zofím, à cúpula da Pisga, e edificou sete altares,
e ofereceu um bezerro e um carneiro em cada altar.

15 Então ele disse ao Balac: Ponha aqui junto a seu holocausto, e eu irei a
encontrar a Deus ali.

16 E Jehová saiu ao encontro do Balaam, e pôs palavra em sua boca, e lhe disse:
Volta para o Balac, e lhe diga assim.

17 E veio a ele, e hei aqui que ele estava junto a seu holocausto, e com ele os
príncipes do Moab; e lhe disse Balac: O que há dito Jehová?

18 Então ele tomou sua parábola, e disse:



Balac, te levante e ouça;



Escuta minhas palavras, filho do Zipor:

19 Deus não é homem, para que minta,



Nem filho de homem para que se arrependa.
O disse, e não fará?



Falou, e não o executará?

20 Hei aqui, recebi ordem de benzer;



O deu bênção, e não poderei revogá-la.

21 Não notou iniqüidade no Jacob,



Nem viu perversidade no Israel. Jehová seu Deus está com ele,

E júbilo de rei nele.

22 Deus os tirou que o Egito;

Tem forças como de búfalo.

23 Porque contra Jacob não há agouro,

Nem adivinhação contra Israel.

Como agora, será dito do Jacob e de

Israel:

O que tem feito Deus!

24 Hei aqui o povo que como leão se levantará,

E como leão se erguerá;

ou se tornará até que devore a presa, E bebê o sangue dos mortos.

25 Então Balac disse ao Balaam: Já que não o amaldiçoa, tampouco o benza.

26 Balaam respondeu e disse ao Balac: Não te hei dito que tudo o que Jehová me
diga, isso tenho que fazer?

27 E disse Balac ao Balaam: Rogo-te que venha, levarei-te a outro lugar; por
ventura parecerá bem a Deus que de ali me amaldiçoe isso.

28 E Balac levou ao Balaam à cúpula de Pior, que olhe para o deserto.

29 Então Balaam disse ao Balac: me edifique aqui sete altares, e me prepare aqui
sete bezerros e sete carneiros.

30 E Balac fez como Balaam lhe disse; e ofereceu um bezerro e um carneiro em cada

altar.

1.
me edifique aqui.

Quer dizer, no lugar alto, o santuário do Baal, onde se acostumava oferecer
sacrifícios e do qual era visível o acampamento dos israelitas. Sete
bezerros e sete carneiros. Multiplicando o número dos sacrifícios, Balaam
pensou aplacar a Deus. Sua mente estava então de tudo dominada 921 pelos
conceitos pagãos de Deus, segundo os quais a quantidade é mais importante que
a qualidade e as oferendas materiais são mais efetivas que a obediência
sincera.

2.

Ofereceram Balac e Balaam.

Como rei pagão, Balac realizou funções sacerdotais ajudando ao Balaam. A
paródia de tudo isto não era evidente para o profeta -um perverso profeta de
Deus- que cooperava com um rei pagão oficiando em um sacrifício ao Baal,
enquanto pensava ao mesmo tempo que seu próprio Deus poderia ser aplacado com esse
sacrifício.

3.

Ponha junto a seu holocausto.

Para cuidá-lo.

Possivelmente.

Balaam tão somente podia esperar que o Senhor condescendesse em encontrar-se com
ele, pois sabia que o que fala em seu coração era contrário à vontade de
Deus.

Descoberto.

"Descascado" (BJ). Literalmente, "nu", "liso", "plano". A raiz verbal
significa "aplainar", "alisar", "desbastar", "cortar". Balaam desejava estar
sozinho, embora já estava em um lugar "descoberto" (um alto), onde estavam
construídos os altares.

4.

Veio Deus ao encontro do Balaam.

A paciência infinita de Deus!

Sete altares.

Balaam pretendia que os sacrifícios eram oferecidos a Deus e que, portanto,
o Muito alto devia condescender com os planos do Balaam e estar disposto a
cooperar com ele. Compare-se com 1 Sam. 13: 12 no que respeita a um
sacrifício como forma de súplica e com Ouse. 12: 11 quanto à disposição
de Deus para um sinnúmero de altares e sacrifícios.

5.

Pôs palavra na boca do Balaam.

É um sinal de um verdadeiro profeta o levar a palavra, ou a mensagem, de
Jehová (Deut. 18: 18; Jer. 1: 9). feito-se notar que assim como Deus, indo
contra a natureza, pôs palavras na boca do asna, também pôs
palavras na boca do Balaam, contrárias à teimosa vontade desse profeta.

7.

Parábola.

A palavra hebréia se refere a uma afirmação apresentada em linguagem figurada
em vez de reto.

Rei do Moab.

Um fingimento de que Balaam tinha ido contra sua vontade.

Dos Montes do oriente.

Provavelmente uma referência à parte árida, pedregosa e montanhosa de
Mesopotamia.

8.

por que amaldiçoarei?

Isto sugere que Balac estava lhe pedindo ao Balaam que fizesse o impossível. A
bênção de Deus descansava sobre seu povo e a maldição do homem não podia
prevalecer contra ele.

9.

Da cúpula das penhas.

Balaam estava sobre o topo da montanha contemplando o acampamento do Israel
que se estendia a seus pés (caps. 22: 41; 23: 3).

Habitará crédulo.

"Vive à parte" (BJ). Viver afastado era um símbolo de segurança (Deut. 33: 28,
BJ; Miq. 7: 14). Além disso o povo de Deus devia separar-se das práticas e
costumes das nações circunvizinhas.

Não será contado.

Escolhidos Por Deus, deviam ser um povo separado (ver Exo. 33: 16; 1 Rei. 8:
53). Os judeus chegaram a considerar-se como inteiramente superiores a todas
as outras nações.

10.

Quem contará?

Ao ler esta passagem em hebreu, adverte-se a grande surpresa de que alguém
sequer pensasse fazer uma coisa tal. Compare-se com a promessa ao Abraão (Gén.
13: 16) e ao Israel (Gén. 28: 14).

A quarta parte.

Os comentadores judeus vêem aqui uma referência a que o acampamento do Israel
estava dividido em quatro partes.
A morte dos retos.

A avareza pecaminosa do Balaam impedia que ele tivesse um fim aprazível (Núm.
31: 8; Prov. 28: 9). Os filhos do Israel eram "retos" porque Jehová os havia
transformado e os tinha eleito para ser seu povo (Deut. 7: 68).

Meu postrimería. A palavra hebréia aqui traduzida "postrimería" significa com
freqüência "posteridade", "descendentes" (Sal. 109: 13; Dão. 11: 4; Amós 4: 2).
 Poderia ser preferível entender a desta maneira aqui.

11.

Trouxe-te para que amaldiçoe.

Não havia engano ou subterfúgio de parte do Balac. Não entendia que Balaam
tivesse sido autorizado para apresentar-se só com a condição de falar as
palavras que Deus pusesse em sua boca. É obvio, lhe havia dito isso a
Balac (cap. 22: 38), mas ao igual a Balaam 922 -quem devesse ter obrado
corretamente- sem dúvida o rei pensava que Deus poderia ser persuadido a trocar
sua vontade. A chegada do Balaam lhe fez parecer com o Balac que o mesmo profeta
pensava que isso era possível.

proferiste bênções.

O hebreu é muito enfático: "Certamente você benzeste". Balaam não só se
tinha refreado de amaldiçoar ao Israel, mas sim o tinha bento
definidamente.

12.

Jehová ponha.

Pareceria que Balac tivesse reconhecido que Balaam não estava em liberdade de
seguir seu próprio mau caminho, mas sim estava submetido ao Espírito de Deus (ver
cap. 22: 35, 38).

13.

Outro lugar.

Aqui Balaam teve a oportunidade de retirar-se, mas o deteve sua ambição de
lucros materiais.

Os mais próximos.

Pensando que Balaam podia estar muito apavorado ante o vasto acampamento de
os israelitas, Balac esperava que ao ver só uma pequena parte dele, o
profeta seria mais ousado. Dessa maneira, indo a vários sítios, desde cada um
dos quais fora visível só uma porção do acampamento do Israel,
finalmente todo o conjunto ficaria maldito.

14.

Ao campo do Zofim.

De uma palavra que significa "espionar", "vigiar". O nome Zofim significa
"o campo dos vigilantes" (ver 1 Sam. 14: 16; ISA. 56: 10 ; Jer. 6: 17; Eze.
3: 17). Não se conhece a localização do Zofim. Indubitavelmente era outro "lugar
alto" (ver Núm. 22: 41).

Pisga.

Uma elevada montanha do território moabita, da qual se pode ter um
amplo panorama do território circunvizinho (Deut. 3: 27; 34: 1, 2; ver com.
Núm. 21: 20).

Sete altares.

repetiu-se o fato originalmente. Entretanto, em seu coração Balaam deve
ter sabido que não podia investir a primeira mensagem de Deus. Mas tratou de
fazer tudo o que podia para ganhar o favor do Balac e as recompensas
prometidas.

15.

Ponha aqui.

Literalmente, "fique assim". Balaam não lhe está mostrando ao Balac onde estar,
a não ser como comportar-se. Possivelmente Balaam queria dizer que Balac, pelo menos em
parte, era culpado de seu fracasso anterior.

Eu irei encontrar a Deus ali.

Literalmente, "e eu rogarei assim". Outra vez o profeta fala de como fazer seu
petição, e não do lugar do qual a fez. Entretanto, fora de dúvida
Balaam se retirou a outro lugar para encontrar-se com o Jehová.

16.

Jehová saiu ao encontro do Balaam.

Outra vez é Jehová o que encontra ao profeta.

lhe diga assim.

Era impossível que Balaam falasse contra Israel enquanto este fora fiel às
revelações de Deus.

17.

O que há dito Jehová?

Balac compreendeu que a mensagem provinha de Deus, pois Balaam era evidentemente
impotente.

18.

Balac, te levante.

Isto pode significar: "Disposta atenção e escuta, Balac". Ou também pode
significar simplesmente levantar-se em uma atitude reverente e escutar o
mensagem do Jehová. A primeira sugestão é a mais provável.

Escuta minhas palavras.

O profeta compreendeu plenamente a importância da mensagem que estava
constrangido a pronunciar, e isso sem alterar uma só palavra. A expressão
hebréia sugere não só escutar mas também examinar bem a importância da mensagem.

19.

Deus não é homem.

Parece estranho que Balaam não compreendesse que estava tratando ao Jehová como se
fora um mero homem sobre o que se pudesse influir para trocar seu
pensamento. Esse era um conceito puramente pagão.

Nem filho de homem.

A palavra aqui traduzida "homem" é o vocábulo genérico que significa
qualquer membro da raça humana. Deus não é um ser mortal.

Arrependa.

No sentido de afligir-se pelo que tem feito. A mudança de localização,
os altares adicionais e os sacrifícios oferecidos neles, não convenceram a
Jehová de que tinha cometido um engano ao não haver-se deixado influir pelo
primeiro lugar e as primeiras oferendas. Só o sincero arrependimento do
pecador e seu afastamento do pecado, é o único que pode influir para que
Deus retenha o devido castigo (ver Jer. 18: 8; 26: 3; Mau. 3: 6, 7; ROM. 11:
27 -32). 923

20.

Ordem de benzer.

Jehová tinha bento ao Israel como a seu povo peculiar. Os perversos
desejos de homens maus que queriam machucar ao Israel nunca fariam que Deus se
desdissera.

21.

Perversidade.

Esta afirmação declara enfaticamente que enquanto o Israel permanecesse leal a
Deus, nenhum mal cairia sobre a nação. A palavra traduzida "iniqüidade"
denota maldade, idolatria, palavras falsas ou qualquer separação da vontade
de Deus, separação que, ao fim, sempre resulta infrutífera. Esta palavra
expressa uma relação moral entre o pecado e seu justo castigo. "Perversidade"
faz ressaltar o fato de que o pecado converteu a vida em um pouco pesado de
levar; transformou as atividades normais da vida em uma carga
penosa. Esta palavra é usualmente traduzida "trabalho" (Gén. 41: 51; Sal. 55:
10), "miséria" (Job 3: 10), "aflição" (Job 5: 6, 7; Sal. 25: 18), "calamidade"
 (Job 7: 3), "duro trabalho" (Sal. 73: 16), e "moléstia" (Sal. 90: 10).

Júbilo.

Literalmente, "o som de um corno", que ressonasse como alarme, ou por gozo, ou
por ardor religioso (ver Lev. 23: 24; Sal. 47: 5; Jer. 4: 19). Possivelmente
aqui se expressa a idéia de "vozes de alegria".

22.

tirou que o Egito

Certamente, com o propósito de que lhe servissem com lealdade e retidão (ver
Lev. 11: 45; 25: 38; Núm. 15: 41).

Búfalo.

Provavelmente um boi em estado selvagem. Sem dúvida um animal de grande fortaleza,
valor e de dois chifres (Deut. 33: 17; Sal. 22: 21; note o plural "hastes",
"chifres"). A LXX traduz esta palavra hebréia com um término grego que
significa "um corno", pensando que se refere à rinoceronte. Evidentemente
os tradutores não advertiram que outras passagens já assinaladas falam deste
animal como de dois chifres.

23.

Não há agouro.

A fortaleza do Israel radicava na abstinência total da nação da
prática de consultar augúrios, presságios, oráculos e magia negra em geral.
Tais costumes sempre desencaminharam aos homens de Deus e estão
proibidas estritamente (Deut. 18: 10; Jer. 27: 9; Eze. 13: 6; Ouse. 4: 12;
Zac. 10: 2).

O que tem feito Deus!

A gloriosa realização do plano de Deus para a salvação de seu povo está
além do que pode expressar a linguagem humana (Sal. 44: 1; ISA. 40: 21;
52: 7-15).

24.

Como leão.

O substantivo hebreu pode significar tanto "leoa" como "leão". Tal como
ocorre em outros idiomas semíticos e em livros religiosos orientais, no AT
as qualidades dos animais usualmente se atribuem a seres humanos (Gén.
49: 9, 27; Núm. 24: 8, 9; Deut. 33: 20; Jer. 49: 19; Miq. 5: 8).

Como leão se erguerá.

Levantando-se com vigor de sua guarida para tomar sua presa.

Devore a presa.

Um quadro das conquistas passadas e futuras dos israelitas. Na guerra
contra os madianitas pouco depois da entrevista do Balaam e Balac nem um
israelita perdeu a vida (cap. 31: 49).

25.

Tampouco o benza.

Balac temia que as bênções do Balaam fossem tão capitalistas como havia
esperado que fossem suas maldições.

26.

Tudo o que Jehová me diga.

Balaam compreendeu que não podia guardar silêncio se o Senhor lhe ordenava que
benzera (caps. 22: 20; 23: 3, 12).
27.

De ali.

Uma esperança renovada no coração do Balac o induziu a pensar que o
contemplar o acampamento do Israel desde outra localização poderia influir em
Balaam. Esta foi uma oportunidade mais para que o profeta cortasse seus
relacione com o Balac e retornasse a sua terra (ver caps. 22: 6; 23: 13; 24: l).

28.

Pior.

A localização de Pior não foi localizada definidamente. O nome se usa em
palavras compostas que designam vários lugares: Bet-pior (Deut. 3: 29; 4: 46;
34: 6; Jos. 13: 20) e Baal-pior (Núm. 25: 3). Pior era uma montanha do Moab, em
as proximidades do Pisga, sobre a qual havia um altar, ou possivelmente um templo, de
Baal ou de algum outro deus pagão.

29.

me edifique.

Aqui se repetiu um procedimento idêntico ao dos vers. 1 e 14.
Evidentemente, Balac e Balaam estavam ofuscados pois, apesar dos dois
fracassos prévios, não 924 podiam pensar em outro meio para obter seu propósito.

30.

Como Balaam lhe disse.

Nesta ocasião, Balaam não se retirou para estar sozinho. Não pretendeu estar
recorrendo, em segredo, a artes mágicas, mas sim permaneceu com o Balac ante o
altar. Sem perguntar nada, Balac cumpriu com as instruções dadas por
Balaam. A responsabilidade era inteiramente do Balaam.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

30 PP 474-478

7-10 PP 474

7-23 Ed 155

8 CS 584

9 PP 137, 475; 7T 109

10 CS 584; PP 476, 481; PVGM 206

11-21 PP 476

20, 21 CS 584

21 2JT 240

21, 23 PP 487
23 CS 584; 2T 274; 4T 276, 368

23, 25, 27-30 PP 477

CAPÍTULO 24

1 Balaam profetiza a felicidade do Israel. 10 Balac o despede zangado. 15
Profetiza a respeito da Estrela do Jacob e a destruição de algumas nações.

1 QUANDO viu Balaam que parecia bem ao Jehová que ele benzesse ao Israel, não
foi, como a primeira e segunda vez, em busca de agouro, mas sim pôs seu rosto
para o deserto;

2 e elevando seus olhos, viu o Israel agasalhado por suas tribos; e o Espírito de
Deus veio sobre ele.

3 Então tomou sua parábola, e disse: Disse Balaam filho do Beor,

E disse o varão de olhos abertos;

4 Disse o que ouviu os ditos de Deus, que viu a visão do Onipotente;
Cansado, mas abertos os olhos:

5 Quão formosas som suas lojas, OH Jacob, Suas habitações, OH o Israel!

6 Como arroios estão estendidas, Como hortas junto ao rio, Como árvores
plantados pelo Jehová, Como cedros junto às águas.

7 De suas mãos destilarão águas, E sua descendência será em muitas águas;

Enaltecerá seu rei mais que Agag, E seu reino será engrandecido.

8 Deus o tirou do Egito; Tem forças como de búfalo. Devorará às nações
inimizades, Esmiuçará seus ossos, E as transpassará com suas setas.

9 Se encurvará para tornar-se como leão, E como leoa; quem despertará?
Benditos os que lhe benzeram, E malditos os que lhe amaldiçoaram.

10 Então se acendeu a ira do Balac contra Balaam, e batendo suas mãos o
disse: Para amaldiçoar a meus inimigos chamei, e hei aqui os benzeste
já três vezes.

11 Agora foge a seu lugar; eu disse que te honraria, mas hei aqui que Jehová te há
privado de honra.

12 E Balaam lhe respondeu: Não o declarei eu também a seus mensageiros que me
enviou, dizendo:

13 Se Balac me desse sua casa cheia de prata e ouro, eu não poderei transpassar o
dito do Jehová para fazer coisa boa nem malote de meu arbítrio, mas o que fale
Jehová, isso direi eu?

14 Hei aqui, eu vou agora a meu povo; portanto, vêem, indicarei-te o que
este povo há e fazer a seu povo nos últimos dias.

15 E tomou sua parábola, e disse: Disse Balaam filho do Beor, Disse o varão de olhos
abertos;

16 Disse o que ouviu os ditos do Jehová, E o que sabe a ciência do Muito alto,
que viu a visão do Onipotente; Cansado, mas abertos os ojos:925

17 O verei, mas não agora; Olharei-o, mas não de perto: Sairá ESTRELA do Jacob,
E se levantará cetro do Israel, E ferirá as têmporas do Moab, E destruirá a
todos os filhos de Set.

18 Será tomada Edom, Será também tomada Seir por seus inimigos, E Israel se
levará varonilmente.

19 Do Jacob sairá o dominador, E destruirá o que ficar da cidade.

20 E vendo o Amalec, tomou sua parábola e disse: Amalec, cabeça de nações; Mas
ao fim perecerá para sempre.

21 E vendo o ceneo, tomou sua parábola e disse: Forte é sua habitação; Ponha em
a penha de seu ninho;

22 Porque o ceneo será jogado, Quando Assíria te levará cativo.

23 Tomou sua parábola outra vez e disse: Ai! quem viverá quando hiciere Deus
estas coisas?

24 Virão naves da costa do Quitim, E afligirão a Assíria, afligirão também
ao Heber; Mas ele também perecerá para sempre.

25 Então se levantou Balaam e se foi, e voltou para seu lugar; e também Balac se
foi por seu caminho.

1.

Parecia bem ao Jehová.

Balaam já conhecia perfeitamente qual era a vontade do Senhor (cap. 23: 20).

Em busca de agouro.

Duas vezes se tinha retirado Balaam para procurar um encontro com Deus (ver
cap. 23: 3, 15).

Para o deserto.

Quer dizer, para o acampamento do Israel, na planície do Moab (cap. 22: 1).
Não se separou de seu lugar perto dos altares, em Pior. Ao contemplar o
acampamento do Israel, sua mente ficou preparada a fim de receber a mensagem de
Jehová. Sabia que não podia fazer outra coisa a não ser permitir que o Espírito de
Deus viesse sobre ele. Posto que professava ser profeta de Deus, devia
apresentar a mensagem de Deus.

2.

Viu o Israel.

Enquanto estava acampado de acordo com as instruções de Deus (ver cap. 2).

O Espírito de Deus veio sobre ele.

Em duas ocasiões anteriores Jehová tinha posto palavras na boca do Balaam
(cap. 23: 5, 16). Mais tarde, a mesma experiência sobreveio aos mensageiros
do Saúl (1 Sam. 19: 20) e ao Saúl mesmo (1 Sam. 19: 23). Quando surge a
necessidade, Deus pode usar a uma pessoa má para que dê um mensa e verdadeiro.
 Deus pode comunicar-se diretamente com uma pessoa ou mediante um sonho (Núm.
22: 9, 20), ou por meio de um mensageiro (vers. 32). Compare-se esta
experiência do Balaam com a ISA. 48: 16; 61: 1; Miq. 3: 8.

3.

Disse.

Usualmente se usa esta forma nos livros proféticos da Bíblia para
começar uma mensagem divina (cap. 14: 28). Não há a não ser três ou quatro
exceções a esta regra.

O varão.

Há várias palavras hebréias traduzidas "varão" ou "homem". A mais comum é
'adám. Esta palavra aparece mais de 450 vezes, geralmente em um sentido
genérico. Outra palavra, 'ish, usa-se para um homem em contraste com uma
mulher, um marido em contraste com uma esposa, um amo em contraste com um
servo, uma pessoa eminente em contraste com outra humilde. Faz ressaltar a
individualidade. Uma terceira palavra, 'enósh, põe ênfase na inferioridade,
pois procede do verbo "estar doente", "ser incurável". Este vocábulo nunca se
usa em relação com o Mesías. A palavra final para homem é guéber, usada
aqui pelo Balaam para si mesmo. Posto que essa palavra procede de uma raiz que
significa "ser poderoso", alguns comentadores pensam que o emprego que faz
dela Balaam indica arrogância.

De olhos abertos.

Os comentadores não estão de acordo quanto ao significado desta
expressão. Muitos a traduzem: "Cujos olhos estão fechados", quer dizer, cuja
vista física, natural, era inútil, de modo que não via nada com os olhos mas
estava em um êxtase. A palavra hebréia não parece em outra parte do AT. Já seja
que se traduza como "abertos" ou "fechados", ressalta o pensamento de que a
vista física do Balaam era substituída pela visão espiritual. Os olhos
permaneciam abertos mas sem vista.

4.

Onipotente.

Do Shaddái, uma palavra a respeito de cujo significado exato houve muita
discussão. "O Onipotente" há-se 926 adotado como um equivalente
convencional na tradução e assim se traduz sempre, possivelmente devido à
adoção do vocábulo latino Omnipotens empregado pelo Jerónimo. Alguns eruditos
hebreus pensam que o nome se remonta a uma raiz que significa "ser
dadivoso". Se for assim, o uso desta palavra como título para Deus indica a
plenitude e riqueza de sua graça. Faz-o ressaltar como aquele que generosamente
abastece-nos com tudo o que necessitamos.

Cansado, mas abertos os olhos.

Literalmente, "caindo e seus olhos descobertos". O significado parece ser que
caiu sobre seu rosto no terreno, mas seus olhos ficaram abertos. O dobro
fenômeno físico implica o controle do Espírito Santo. Compare-se com a
experiência do Saúl (1 Sam. 19: 23, 24), do Ezequiel (Eze. 1: 28), do Daniel
(Dão. 8: 17, 18; 10: 8-19), do Juan (Apoc. 1: 17). Alguns também pensam em
as experiências do Adão (Gén. 2: 21) e Abraão (Gén. 15: 12) como que fossem
similares. Balaam caiu dormido, por assim dizê-lo, e Deus lhe falou enquanto
estava nessa condição. O corpo do Balaam pôde encontrar-se em qualquer
posição, prostrado ou ereto, mas seus sentidos naturais não funcionavam
normalmente, e sua percepção sensorial estava controlada pelo Espírito de
Deus.

5.

Suas lojas.

O acerto bem ordenado do acampamento aniquilou muitíssimo ao profeta.

6.

Estendidas.

Literalmente, "estiram-se sozinhas". Possivelmente uma referência às largas fileiras de
tenda com amplos espaços intermédios. A palavra traduzida assim também se
verteu como "rios" (Lev. 11: 9, 10), "arroios" (Lev. 23: 40; Núm. 21: 14,
15) e "correntes" (cap. 34: 5).

Como hortas junto ao rio.

Literalmente, "como hortas junto a um rio". Compare-se com a ISA. 58: 11,
"horta de rega", e ISA. 1: 30, "horta ao que lhe faltam as águas". Balaam
deve ter estado pensando no rio Eufrates, que para ele era o rio (ver ISA.
7: 20; também Sal. 1: 3; Jer. 17: 8).

Aloes.

Esta árvore não se conhecia na Palestina, porque era oriundo do sudeste do Ásia
de onde se exportava sua madeira. Em outras partes da Bíblia a palavra se
refere a um perfume (Sal. 45: 8;Prov.7: 17). Alguns comentadores preferem
"palmeiras" ou "álamos" antes que "áloes".

Plantados pelo Jehová.

Compare-se com a ISA. 21; 61: 3; Sal. 80: 8. No AT, com freqüência as árvores
são um símbolo do povo de Deus.

junto às águas.

Os cedros orientais geralmente não crescem na proximidade das correntes
de águas, mas com freqüência se refere a Escritura como plantados
pelo Jehová (Sal. 104: 16). Alguns comentadores sugerem que as duas
expressões -"plantados pelo Jehová" e "junto às águas"- hão-se transposto
acidentalmente. De qualquer maneira, mediante o uso destas metáforas e
sob a direção do Espírito Santo, Balaam apresentou a prosperidade futura que
Deus planejava para seu povo (ver Sal. 65: 9).

7.

Destilarão águas.

A figura é a de um homem que leva seus baldes de água e rega
abundantemente sua horta: um quadro de paz e prosperidade. Assim devia lhe acontecer
ao Israel.

Sua descendência.
Uma referência à prosperidade do Israel na terra prometida (ver Deut. 8:
7; 11: 11), onde seriam como árvores plantadas junto às águas e, pelo
tanto, prolíficos em frutos e em semente (ver ISA. 32: 20; 44: 4; 65: 22, 23).

Agag.

O nome Agag provavelmente era genérico para referir-se aos reis dos
amalecitas, como Faraó o era dos egípcios e Abimelec dos filisteus (ver
com. Gén. 20: 2). É possível que Balaam (mediante o Espírito) tivesse em
conta a vitória do Saúl sobre o Agag como um exemplo da futura grandeza de
Israel entre as nações, se tivesse permanecido leal a Deus (ver Gén. 17: 6;
35: 11; 1 Sam. 15).

Será engrandecido.

O cumprimento supremo destas palavras se produziu durante os dias do David
e Salomón, como símbolo da vinda do Mesías.

8.

Deus o tirou.

Todo o poder imperial do Egito, desdobrado sem misericórdia, não pôde reter
ao Israel na escravidão quando chegou o tempo da liberação (Exo. 13: 9;
14: 8).

Forças.

A mesma palavra aparece no Job 22: 25 como "abundância" e outra vez em Sal.
95:4 como "alturas" (ver também Núm. 23: 22). Alguns tradutores preferem
"chifres" em vez de "forças" e traduzem "chifres como de búfalo".

As nações.

Principalmente a destruição das sete nações da terra do Canaán. 927

Transpassará.

Um quadro de vitória completa no que o Israel é irresistível.

9.

Encurvará-se.

Isto segue como uma figura natural derivada da expressão do vers. 8:
"Devorará às nações inimizades" (ver Núm. 23: 24; Gén. 49: 9).

Quem despertará?

As grandes feras dos bosques se incomodam se as perturba em seus
tocas, e ficam furiosas.

Benditos.

Compare-se com a bênção do Jehová sobre o patriarca Abraão (Gén. 12: 3) e
a que Isaac pronunciou sobre seu filho Jacob (Gén. 27: 29).

10.
acendeu-se a ira do Balac.

Sem dúvida compreendeu então todos os alcances do engano a que o havia
submetido Balaam.

Batendo suas mãos.

Uma expressão de desprezo e um sinal de grande ira (ver Job 27: 23; Lam. 2: 15;
Eze. 21: 17). Pode ter pensado que Balaam se entendia com o Israel e pelo
tanto se mofava dele (do Balac).

Três vezes.

Balac tinha em conta o trabalho e os gastos implicados em construir três
vezes os altares e oferecer os sacrifícios, e as falsas esperanças que se
tinham despertado cada vez.

11.

Foge.

Esta foi uma ordem de que voltasse para sua casa, posto que sua só presença se
fazia desagradável para o rei.

Jehová.

O rei pagão tinha chegado a compreender que Jehová era maior que qualquer
poder terrestre que pudesse invocar um mago.

13.

O que fale Jehová.

A insinceridade do profeta se revela nestas palavras. Tinha ido ao Balac com
um espírito de teima e avareza, sabendo perfeitamente que sua presença
despertaria falsas esperanças no coração do rei.

14.

Nos últimos dias.

Literalmente, "no fim dos dias", uma expressão comum no AT que denota
o futuro longínquo, especialmente os dias do Mesías e de seu reino.

16.

Os ditos do Jehová.

Um reconhecimento de que a mensagem provinha de Deus e não do exercício da
magia (ver Amós 3: 7; Jer. 23: 18, 22).

Muito alto.

Título de Deus usado pela primeira vez no Gén. 14: 18- 22, no relato de
Melquisedec. Moisés também o usou ao falar da divisão da terra entre
as nações (Deut. 32: 8; ver Hech. 17: 26). Esta expressão hebréia também se
encontra ocasionalmente nos Salmos (Sal. 18: 13; 78: 35; 89: 27). O
término não se limita ao uso sagrado, mas sim se encontra no Gén. 40: 17 como
"mais alto", em 1 Rei. 8: 8 como "em estima", em 2 Rei. 18: 17 e Jer. 36: 10
como "vamos", em 2 Crón. 7: 21 como "tão excelente", no Neh. 3: 25 como "alta"
e no Jer. 20: 2 como "superior".

17.

Verei-o.

Uma predição messiânica. A hoste do Israel estava diante dos olhos de
Balaam, claramente visível do lugar elevado onde ele se encontrava. O
profeta se estava refiriendo a Aquele que tinha que vir, a quem podia ver com
os olhos da mente mas não com sua vista física.

Estrela.

Usada com freqüência como símbolo de um grande personagem (Job 38: 7; ISA. 14: 12;
Dão. 8: 10; Apoc. 1: 20; 2: 28; 22: 16).

Cetro.

Compare-se com a profecia do Jacob (Gén. 49: 10). "Cetro" significa
"governo", da raiz "ferir". É um instrumento para ferir (Exo. 21: 20),
para castigar a uma nação (ISA. 10: 24; 30: 31) ou a um indivíduo (Job 9: 34;
21: 9). Também é o cajado do pastor (Sal. 23: 4; Miq. 7: 14).

Ferirá.

A vitória sobre os inimigos do Israel é uma antecipação da destruição final
dos ímpios e do estabelecimento do reino eterno de Cristo (Sal. 2: 9; 149:
69; Apoc. 2: 27; 12: 5; 19: 15).

18.

Será tomada Edom.

Compare-se com Sal. 60: 8. Isto se cumpriu no tempo do David (2 Sam. 8: 14),
mas o cumprimento final espera o estabelecimento do reino de Cristo (ISA.
63: 1- 4).

Seir.

O antigo nome da terra do Edom (ver com. Gén. 36: 6, 20). Posto que
também era o nome das montanhas do Edom, pode sugerir que os lugares
fortificados não poderiam resistir a conquista (ver 1 Crón. 18: 13).

19.

Sairá o dominador.

Embora isto se cumpriu imediatamente com o David, a consumação final só
pode realizar-se com o Jesucristo (Sal. 72: 8).

A cidade.

Não se nomeia nenhuma cidade. Muitos comentadores judeus referem isto a Roma,
usando o nome "Edom" como alusão ao Império Romano, e "a cidade" à
capital imperial, Roma.

20.
Vendo o Amalec.

Provavelmente não com a vista física a não ser proféticamente, enquanto estava na
topo do monte Pior (Núm. 23: 28; cf. Gén. 36: 12; Exo. 17: 8; Núm. 14: 25,
43).

Amalec.

Muitos entendem isto como 928 referência genérica a todos os inimigos de
Israel. Amalec seria um símbolo.

Cabeça de nações.

Elifaz, o filho do Esaú, foi o progenitor dos amalecitas (Gén. 36: 12).
Entretanto, a palavra "cabeça" pode fazer referência aos amalecitas como
ao primeiro povo que atacou aos filhos do Israel quando saíram do Egito
(Exo. 17: 8). A palavra pode ser usada já seja para hierarquia ou para tempo.

Perecerá para sempre.

Os amalecitas foram condenados à destruição quando atacaram ao Israel
(Exo. 17: 14, 16). Mais tarde lhe ordenou ao rei Saúl que executasse a
sentença (1 Sam. 15: 3, 15); e o rei David lhes infligiu severas perdas (1
Sam. 30). Evidentemente foram exterminados no tempo do Ezequias (1 Crón.
4: 42, 43; ver também com. Gén. 36: 12).

21.

Ceneo.

Este povo, aparentado com o Jetro, estava relacionado com os madianitas
(Juec. 1: 16; Núm. 10: 29). Também estava estreitamente relacionado com judá
(Juec. 1: 16; 5: 24; 1 Sam. 27: 10).

Seu ninho.

Trocadilho com ken, "ninho", e o gentilicio "lhes jante"; "quenitas" (BJ).
Esta declaração também é simbólica quanto a confiar no poder e a
ajuda humanos (Abd. 3).

22.

Jogado.

Pouco a pouco foram diminuindo os lhes jante apesar de sua segura morada.

Levará-te cativo.

Isto pode referir-se à ação dos assírios contra um remanescente tribal de
os lhes jante (2 Rei. 16: 9).

23.

Quem viverá?

Compare-se com o Joel 2: 11; Mau. 3: 2. Quando Deus usa a uma nação para castigar
a outra, então se cumpre a vontade de Deus, já seja que a nação implicada
reconheça ao Senhor ou não (ISA. 10: 5 -15; Dão. 4: 30; 5: 1 -4).
24.

Quitim.

Kittim, do antigo nome da moderna Chiti, Kition, localidade do Chipre
(ver com. Gén. 10: 4; ver também 1 MAC. 1: 1). A mesma expressão ocorre em
Dão. 11: 30 (ver também Jer. 2: 10; Eze. 27: 6).

Assíria.

Geralmente se sustenta que Assíria e Heber juntos representam às grandes
potências do Oriente. Entretanto, é duvidoso o significado exato do Heber,
embora alguns aplicam este nomeie aos hebreus. Quanto à aplicação de
Assíria ao império persa, ver 1 MAC. 1: 1, que se refere às conquistas de
Alejandro Magno. Mais tarde Persia conquistou o território de Assíria.

25.

Voltou para seu lugar.

Ver vers. 11. Ao chegar a casa concebeu uma estratagema pela qual poderia
produzi-la queda do Israel (PP 480). Morreu pouco depois em uma batalha
(cap. 31: 8).

Também Balac se foi.

Possivelmente ao Quiriathuzot, como no cap. 22: 39.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-25 PP 478-482

1, 2 PP 478

3, 4 PP 472

4-6 Ed 156

5-7 PP 478

9 CS 584; PP 478

10, 11 PP 480

12, 13 PP 480

16-19 Ed 156

17 DTG 42; PP 480, 507; PR 504

20-22, 25 PP 480

CAPÍTULO 25

Os israelitas cometem fornicação e idolatria no Sitim. 6 Finees dá morte a
Zimriy Cozbi. 10 Deus dá ao Finees o pacto do sacerdote perpétuo. 16 Deus
pede a destruição dos madianitas.
1 MORAVA o Israel no Sitim; e o povo começou a fornicar com as filhas do Moab,

2 as quais convidavam ao povo aos sacrifícios de seus deuses; e o povo
comeu, e se inclinou a seus deuses.

3 Assim acudiu o povo ao Baal-pior; e o furor do Jehová se acendeu contra
Israel.

4 E Jehová disse ao Moisés: Toma a todos os 929

NORTE DA Palestina NOS TEMPOS BÍBLICOS

príncipes do povo, e enforca-os ante o Jehová diante do sol, e o ardor da
ira do Jehová se separará do Israel.

5 Então Moisés disse aos juizes do Israel: Matem cada um a aqueles dos
seus que se juntaram com o Baal-pior.

6 E hei aqui um varão dos filhos do Israel veio e trouxe uma madianita a seus
irmãos, a olhos do Moisés e de toda a congregação dos filhos do Israel,
enquanto choravam eles à porta do tabernáculo de reunião.

7 E o viu Finees filho do Eleazar, filho do sacerdote Aarón, e se levantou de em
meio da congregação, e tomou uma lança em sua mão;

8 e foi depois do varão do Israel à loja, e os lanceou a ambos, ao varão de
Israel, e à mulher por seu ventre. E cessou a mortandade dos filhos de
Israel.

9 E morreram daquela mortandade vinte e quatro mil.

10 Então Jehová falou com o Moisés, dizendo:

11 Finees filho do Eleazar, filho do sacerdote Aarón, fez apartar meu furor
dos filhos do Israel, levado de zelo entre eles; pelo qual eu não hei
consumido em meu zelo aos filhos do Israel.

12 portanto lhes diga: Hei aqui eu estabeleço meu pacto de paz com ele;

13 e terá ele, e sua descendência depois dele, o pacto do sacerdócio
perpétuo, por quanto teve zelo por seu Deus e fez expiação pelos filhos de
Israel.

14 E o nome do varão que foi morto com a madianita era Zimri filho de
Salu, chefe de uma família da tribo do Simeón.

15 E o nome da mulher madianita morta era Cozbi filha do Zur, príncipe de
povos, pai de família no Madián.

16 E Jehová falou com o Moisés, dizendo:

17 Persigam aos madianitas, e firam,

18 por quanto eles lhes afligiram a vós com seus ardis com que lhes hão
enganado no referente ao Baal-pior, e no referente ao Cozbi filha do príncipe
do Madián, sua irmã, a qual foi morta o dia da mortandade por causa de
Baal-pior.

1.
No Sitim.

Literalmente, "árvores de acácia". Posto que a palavra aqui está em plural e,
em hebreu, tem o artigo definido com a preposição "em" ou "entre", a
expressão pode traduzir-se "entre as árvores de acácia". daqui é de
onde Josué enviou, posteriormente, a alguns homens para que espiassem a
terra do Canaán nas proximidades do Jericó (Jos. 2: 1; 3: 1). A forma mais
completa do nome é Abelsitim (Núm. 33: 49). Embora não se conhece com
exatidão sua localização, está nas planícies do Moab.

Fornicar.

A fornicação literal foi seguida por seu acompanhante espiritual: a adoração
de ídolos. Se não se deu o primeiro passo, provavelmente o segundo não
o teria seguido.

2.

Convidavam ao povo.

Quer dizer, as mulheres moabitas chamavam os israelitas. A participação em
as festas de sacrifícios em honra dos deuses pagãos foi uma seqüela
natural da fornicação literal (ver Deut. 12: 5, 7, 17, 18; Juec. 9: 27).

O povo comeu.

Quer dizer, da festa de sacrifícios em honra do deus (ver Sal. 106: 28).

inclinou-se.

Quer dizer, as mulheres moabitas e quão israelitas elas haviam convidado. Ao
comer assim da comida de sacrifícios e ao inclinar-se ante o deus pagão,
proclamaram ser seus seguidores (ver Exo. 34: 15).

4.

Enforca-os.

"Despenha-os" (BJ). Deviam ser executados os principais das tribos, se
eram culpados. Sua hierarquia no povo e sua participação na idolatria
faziam-nos principalmente responsáveis. Pelo hebreu é difícil dizer no que
forma se realizou o castigo. O mesmo verbo se usa no Gén. 32: 25 ao referir-se
ao deslocamento da coxa do Jacob, com a diferença de que aqui se usa a
forma transitiva do verbo. Aparece também em 2 Sam. 2 1: 6 para a execução
dos sete filhos do Saúl. Muitos comentadores pensam que a forma de
castigo a que aqui se faz referência foi enforcamento ou empalamiento.

Ante o Jehová.

Provavelmente frente ao tabernáculo do Senhor, cujo culto tinham abandonado.
Não havia oferenda para um pecado como o deles (Heb. 6: 4-6; 10: 26); pelo
tanto seu próprio sangue foi derramada para pagar o castigo de seus
transgressões.

Diante do sol.

Literalmente, "à vista do sol", quer dizer publicamente, como uma advertência
para todo o acampamento (ver 2 Sam. 12: 12; Jer. 8: 2).
Apartará-se.

Mediante um proceder tão drástico, os juizes (vers. 5) provariam seu zelo por
Deus e seu culto. 930

5.

Os juizes do Israel.

Provavelmente os 70 anciões (Núm.11: 25; cf. Exo. 18: 12). Não há registro
da execução da ordem de matar aos participantes da festa
idolátrica.

Cada um a aqueles.

Cada chefe ou ancião devia levar a cabo a sentença que caía sobre os que
estavam sob sua autoridade e por quem era responsável (ver Exo. 18: 25, 26;
32: 27).

6.

Uma madianita.

Moab e Madián evidentemente estavam colaborando na conspiração para
destruir ao Israel. Esta mulher foi introduzida com propósitos imorais (ver
cap. 31: 16).

A olhos do Moisés.

Com deliberado desacato da autoridade do Moisés.

7.

Finees.

Ver Exo. 6: 25. Era o único filho do Eleazar, e devia acontecer a seu pai no
cargo de supremo sacerdote (1 Crón. 9: 20).

levantou-se.

Ver Sal. 106: 30.

Tomou uma lança.

Esta palavra sempre se traduz "lança" ou "lanças" no AT, exceto uma vez,
"lancetas" em 1 Rei. 18: 28 e uma vez "pavés" em 1 Crón. 12: 8.

8.

A loja.

A palavra traduzida aqui "loja" não se usa em nenhuma outra parte do AT e,
portanto, seu significado é algo duvidoso. Pode referir-se à parte
interior da loja principal, a qual se retiravam as mulheres do lar.
Outros sugerem que pode referir-se a lojas especiais levantadas pelos
israelitas quando se uniram com os moabitas e madianitas no culto
idolátrico do Baal.
Cessou a mortandade.

A indignação do Finees, traduzida em ação, agradou ao Senhor (vers. 11) e a
praga foi detida. A ciumenta indignação do Finees chegou a ser um exemplo
para as gerações posteriores (1 MAC. 2: 26).

9.

Vinte e quatro mil.

Compare-se com os 23.000 de 1 Cor. 10: 8. A diferença pode explicar-se com
as palavras "caíram em um dia". Ou possivelmente mil foram mortos pelos juizes em
outro dia e assim não estão incluídos no número redondo do Pablo dos que
"caíram em um dia".

10.

Jehová falou.

depois de um acontecimento tão deplorável, provavelmente Moisés entrou no
santuário para ter comunhão com Deus.

11.

Apartar meu furor.

Compare-se com Sal. 106: 23; Jer. 18: 20.

Levado de zelo.

Literalmente, "esteve ciumento de meu ciúmes". Seu zelo culminou em ação para
restaurar a honra do nome de Deus e de seu povo. Em seu zelo pelo nome
de Deus se converteu em um símbolo adequado de Cristo (Sal. 69: 9; Juan 2: 17).

Eu não consumei.

Quer dizer, mediante a praga que então assolava ao povo (ver 1 Rei. 18: 19;
19: 10; 2 Rei. 10: 16).

12.

Meu pacto de paz.

Literalmente, "meu pacto, paz" (ISA. 54: 10; Eze. 34: 25; 37: 26; Mau. 2: 5).
Fora de dúvida esta promessa de paz incluía o amparo divino para o Finees de
a ira vingativa dos parentes do Zimri (ver vers. 14). A paz provém de
estar nos devidos términos com Deus.

13.

Sacerdócio perpétuo.

Os que receberam originalmente o pacto de Deus foram os varões do Leví
(Jer. 33: 21; Mau. 2: 4, 8), possivelmente devido a seu zelo em uma ocasião anterior
(Exo. 32: 25-29). Cristo assegurou na cruz todas as bênções do pacto de
paz para sua semente espiritual (Sal. 89: 28, 29). Ao seu devido tempo, Finees
foi o sucessor do Eleazar como supremo sacerdote (Juec. 20: 28). Supõe-se que
devido a algum pecado lhe ressalte, que não é mencionado no registro divino,
houve uma interrupção temporaria na sucessão no tempo do Elí. A
sucessão foi restaurada pelo rei Salomón com o Sadoc, descendente do Finees, e
assim continuou nessa família até o período grego.

Fez expiação.

Compare-se com cap. 16: 47.

14.

Zimri.

Este ousado pecador foi um príncipe da tribo do Simeón. Quanto a outros
casos do mesmo nome, ver 1 Rei. 16: 9; 1 Crón. 8: 36. Zimri se deriva da
palavra hebréia usada para "antílope" (Deut. 14: 5).

15.

Filha do Zur.

Compare-se com cap. 31: 8, onde se nomeia ao Zur como um dos cinco reis
madianitas mortos pelos israelitas.

Tanto Zimri como Cozbi eram de famílias destacadas, mas isto não acovardou a
Finees, cujo zelo Por Deus o fazia perder de vista qualquer perigo pessoal
que poderia lhe haver sobrevindo.

16.

Jehová falou.

Não nos diz quanto tempo passou desde que foi dada a ordem Por Deus.

17.

Os madianitas.

Os madianitas tinham colaborado com os moabitas na maligna campanha contra
Israel. Como descendentes do Abraão deveriam ter mostrado uma 931 atitude
diferente para com o povo de Deus. Os moabitas não escaparam completamente
do devido castigo, mas possivelmente devido à promessa feita ao Lot (Deut. 2: 9) ou
devido a sua taça de pecado não estava ainda enche (ver Gén. 15: 16), por
um tempo foram passados por cima. Finalmente, os moabitas foram excluídos
da congregação do Jehová até a décima geração (Deut. 23: 3, 4).

18.

Eles enganaram.

Por meio de suas mulheres, devido à maligna sugestão do Balaam (cap. 31:
16).

No referente ao Baal-pior.

Pelo culto do Baal-pior, ao qual foram seduzidos pelos convites das
mulheres às festas de sacrifícios e aos ritos licenciosos que as seguiam.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-18 PP 483-493
1-3 PP 484, 739

1-5 HAd 295

8, 11-13, 15 PP 486

CAPÍTULO 26

1 Censo do povo no Moab. 52 Ordem para a repartição da terra. 57 Censo
da tribo do Leví. 63 Caleb e Josué como únicos sobreviventes dos
israelitas contados pelo Moisés no Sinaí.

1 ACONTECIO depois da mortandade, que Jehová falou com o Moisés e ao Eleazar filho
do sacerdote Aarón, dizendo:

2 Tomem o censo de toda a congregação dos filhos do Israel, de vinte anos
vamos, pelas casas de seus pais, todos os que podem sair à guerra em
Israel.

3 E Moisés e o sacerdote Eleazar falaram com eles nos campos do Moab,
junto ao Jordão frente a Jericó, dizendo:

4 Contarão o povo de vinte anos acima, como mandou Jehová ao Moisés e aos
filhos do Israel que tinham saído de terra do Egito.

5 Rubén, primogênito do Israel; os filhos do Rubén: do Enoc, a família dos
enoquitas; do Falú, a família dos faluitas;

6 do Hezrón, a família dos hezronitas; do Carmí, a família dos
carmitas.

7 Estas são as famílias dos rubenitas; e foram contados delas quarenta
e três mil setecentos e trinta.

8 Os filhos do Falú: Eliab.

9 E os filhos do Eliab: Nemuel, Datam e Abiram. Estes Datam e Abiram foram
os do conselho da congregação, que se rebelaram contra Moisés e Aarón com
o grupo do Coré, quando se rebelaram contra Jehová;

10 e a terra abriu sua boca e os tragou a eles e ao Coré, quando aquele grupo
morreu, quando consumiu o fogo a duzentos e cinqüenta varões, para servir de
castigo.

11 Mas os filhos do Coré não morreram.

12 Os filhos do Simeón por suas famílias: do Nemuel, a família dos
nemuelitas; do Jamín, a família dos jaminitas; do Jaquín, a família dos
jaquinitas;

13 da Zera, a família dos zeraítas; do Saúl, a família dos saulitas.

14 Estas são as famílias dos simeonitas, veintidos mil e duzentos.

15 Os filhos do Gad por suas famílias: do Zefón, a família dos zefonitas; de
Hagui, a família dos haguitas; do Suni, a família dos sunitas;

16 do Ozni, a família dos oznitas; do Eri, a família dos eritas;
17 do Arod, a família dos aroditas; do Areli, a família dos arelitas.

18 Estas são as famílias do Gad; e foram contados delas quarenta mil
quinhentos.

19 Os filhos de judá: Er e Onán; e Er e Onán morreram na terra do Canaán.

20 E foram os filhos do Judá por suas famílias: da Sela, a família dos
selaítas; do Fares, a família dos faresitas; da Zera, a família dos
zeraítas.

21 E foram os filhos do Fares: do Hezrón, a família dos hezronitas; de
Hamul, a família dos hamulitas. 932

22 Estas são as famílias do Judá, e foram contados delas setenta e seis
mil e quinhentos.

23 Os filhos do Isacar por suas famílias; da Tola, a família dos tolaítas;
da Fúa, a família dos funitas;

24 do Jasub, a família dos jasubitas; do Simrón, a família dos
simronitas.

25 Estas são as famílias do Isacar, e foram contados delas sessenta e
quatro mil e trezentos.

26 Os filhos do Zabulón por suas famílias: do Sered, a família dos
sereditas; do Elón, a família dos elonitas; do Jahleel, a família dos
jahleelitas.

27 Estas são as famílias dos zabulonitas, e foram contados delas
sessenta mil e quinhentos.

28 Os filhos do José por suas famílias: Manasés e Efraín.

29 Os filhos do Manasés: do Maquir, a família dos maquiritas; e Maquir
engendrou ao Galaad; do Galaad, a família dos galaaditas.

30 Estes são os filhos do Galaad: do Jezer, a família dos jezeritas; de
Helec, a família dos helequitas;

31 do Asriel, a família dos asrielitas; do Siquem, a família dos
siquemitas;

32 da Semida, a família dos semidaítas; do Hefer, a família dos
heferitas.

33 E Zelofehad filho do Hefer não teve filhos a não ser filhas; e os nomes das
filhas do Zelofehad foram Maala, Noa, Hogla, Milca e Tirsa.

34 Estas são as famílias do Manasés; e foram contados delas cinqüenta e
dois mil e setecentos.

35 Estes são os filhos do Efraín por suas famílias: da Sutela, a família dos
sutelaítas; do Bequer, a família dos bequeritas; do Tahán, a família de
os tahanitas.

36 E estes são os filhos da Sutela: do Erán, a família dos eranitas.
37 Estas são as famílias dos filhos do Efraín; e foram contados delas
trinta e dois mil e quinhentos. Estes são os filhos do José por suas famílias.

38 Os filhos de Benjamim por suas famílias: da Bela, a família dos belaítas;
do Asbel, a família dos asbelitas; do Ahiram, a família dos ahiramitas;

39 do Sufam, a família dos sufamitas; do Hufam, a família dos
hufamitas.

40 E os filhos da Bela foram Ard e Naamán: do Ard, a família dos arditas;
do Naamán, a família dos naamitas.

41 Estes são os filhos de Benjamim por suas famílias; e foram contados deles
quarenta e cinco mil e seiscentos.

42 Estes são os filhos de Dão por suas famílias: do Súham, a família dos
suhamitas. Estas são as famílias de Dão por suas famílias.

43 Das famílias dos suhamitas foram contados sessenta e quatro mil
quatrocentos.

44 Os filhos do Aser por suas famílias: da Imna, a família dos imnitas; de
lsúi, a família dos isuitas; da Bería, a família dos beriaítas.

45 Os filhos da Bería: do Heber, a família dos heberitas; do Malquiel, a
família dos malquielitas.

46 E o nome da filha do Aser foi Sera.

47 Estas são as famílias dos filhos do Aser; e foram contados delas
cinqüenta e três mil e quatrocentos.

48 Os filhos do Neftalí, por suas famílias: do Jahzeel, a família dos
jahzeelitas; do Guni, a família dos gunitas;

49 do Jezer, a família dos jezeritas; do Silem, a família dos
silemitas.

50 Estas são as famílias do Neftalí por suas famílias; e foram contados de
elas quarenta e cinco mil e quatrocentos.

51 Estes são os contados dos filhos do Israel, seiscentos um mil
setecentos e trinta.

52 E falou Jehová ao Moisés, dizendo:

53 A estes se repartirá a terra em herdade, pela conta dos nomes.

54 Aos mais dará maior herdade, e aos menos menor; e a cada um lhe dará
sua herdade conforme a seus contados.

55 Mas a terra será repartida por sorte; e pelos nomes das tribos de
seus pais herdarão.

56 Conforme à sorte será repartida sua herdade entre o grande e o pequeno.

57 Os contados dos levita por suas famílias são estes: do Gersón, a
família dos gersonitas; do Coat, a família dos coatitas; do Merar, a
família dos meraritas.

58 Estas são as famílias dos levita: a família dos libnitas, a
família dos hebronitas, a família dos mahlitas, a família dos
murmura, a família dos coreítas. E Coat engendrou ao Amram.

59 A mulher do Amram se chamou Jocabed, 933 filha do Leví, que nasceu ao Leví em
Egito; esta deu a luz do Amram ao Aarón e ao Moisés, e a María sua irmã.

60 E ao Aarón nasceram Nadab, Abiú, Eleazar e Itamar.

61 Mas Nadab e Abiú morreram quando ofereceram fogo estranho diante de
Jehová.

62 Dos levita foram contados vinte e três mil, todos varões de um mês
vamos; porque não foram contados entre os filhos do Israel, por quanto não os
tinha que ser dada herdade entre os filhos do Israel.

63 Estes são os contados pelo Moisés e o sacerdote Eleazar, os quais
contaram os filhos do Israel nos campos do Moab, junto ao Jordão frente a
Jericó.

64 E entre estes nenhum teve que os contados pelo Moisés e o sacerdote Aarón,
quem contou aos filhos do Israel no deserto do Sinaí.

65 Porque Jehová havia dito deles: Morrerão no deserto; e não ficou varão
deles, a não ser Caleb filho do Jefone e Josué filho do Nun.

2.

Tomem o censo.

Uma ordem similar tinha sido dada ao Moisés e Aarón, registrada nos caps. 1:
2 e 4: 1, 2. Aarón já tinha morrido, e seu filho Eleazar compartilhava com o Moisés as
responsabilidades da liderança. No primeiro censo, foi renomado um homem de
cada tribo, como principal da casa de seu pai, para cooperar com o Moisés e
Aarón na recontagem do povo. Embora um acerto tal não se menciona agora,
sem dúvida se seguiu um plano similar. O censo do povo devia ser a base para
a divisão da terra prometida (cap. 26: 53). Ainda os filhos do Israel
estavam nas planícies do Moab (cap. 22: 1).

As casas de seus pais.

A relação tribal de um filho se computava por sua linhagem paterna (ver cap. 1:
2).

3.

Os campos do Moab.

O primeiro censo se efetuou no deserto (cap. 1: 1).

4.

Desde vinte anos acima.

O censo prévio se tomou 38 anos antes, e os recenseados então já
tinham morrido (vers. 64).
5.

Rubén, primogênito.

Ver Gén. 46: 8, 9; Exo. 6: 14; Núm. 1: 20; 1 Crón. 5: 3. Os quatro nomes
consignados nos vers. 5 e 6 eram de famílias distinguidas dentro da tribo
do Rubén, e concordam com as outras listas das referências dadas.

7.

Foram contados delas.

Os filhos do Rubén eram aproximadamente 3.000 menos que 38 anos antes (ver cap.
1: 21). A considerável diminuição pode haver-se devido em parte para a
rebelião de Datam e Abiram, que eram rubenitas (cap. 16: 1)

8.

Os filhos.

Em plural, embora não havia a não ser um filho. Era a fórmula correta que se usava
embora não correspondesse neste caso (ver também Gén. 46: 23; Núm. 26: 36; 1
Crón. 1: 41).

9.

Quando se rebelaram.

Ver cap. 16: 1-11.

10.

Castigo.

Uma referência à passagem do cap. 16: 38 onde se diz que os incensarios
pessoais desses homens chegaram a ser um "sinal". O significado aqui de
a palavra assim traduzida é o de fama, a fim de chamar a atenção e
constituir uma advertência. O signficado geral é de "estandarte" ou
"bandeira".

11.

Os filhos do Coré.

Continuaram tendo um bom nome até em tempo do David, e não pereceram
como os descendentes de Datam e Abiram. Os filhos do Coré, uma subdivisão
dos levita, constituíam um dos coros do templo. Vejam-nos
sobrescritos dos Sal. 42, 44-49, 84, 85, 87, 88.

12.

Filhos do Simeón.

Compare-se com as listas do Gén. 46: 10; Exo. 6: 15. Só Ohad está aqui
omitido, possivelmente porque não teve filhos e sua família se extinguiu. Nas
listas de Gênese e Exodo, Nemuel é chamado Jemuel. A forma Nemuel permanece
em 1 Crón. 4: 24, mas aqui Jaquín é chamado Jarib. Com o transcurso dos
anos, trocou algo a forma de escrever alguns nomes, o que é comum na
maioria dos idiomas.
13.

Zera.

Possivelmente o Zohar do Gén. 46: 10 e Exo. 6: 15.

Saúl.

O filho de uma cananea (Gén. 46: 10).

14.

Simeonitas.

Uma diminuição de 37.100. Lhes deu uma parte da herdade do Judá (Jos.
19: 9).

15.

Zefón.

Este nome aparece como Zifión no Gén. 46: 16.

16.

Ozni.

No Gén. 46: 16 se escreve Ezbón.

17.

Arod.

Arodi no Gén. 46: 16.

18.

As famílias do Gad.

5.000 menos que no censo anterior (cap. 1: 25).

19.

Er e Onán morreram.

Ver Gén. 38: 7-10 onde se narra sua morte.

20.

Os filhos do Judá.

Compare-se com o Gén. 46: 12. 934

Sela.

O filho do Judá e a filha da Súa (Gén. 38: 2-5).

Fares.
Fares e Zera eram filhos gêmeos do Judá e Tamar (Gén. 38: 29, 30).

21.

Hezrón.

Judá teve cinco filhos, mas Er e Onán morreram sem descendentes. Hezrón e
Hamul tomaram seus lugares (Gén. 46: 12).

22.

As famílias da Juda.

A tribo do Judá era mais numerosa que qualquer outra. Com exceção do Caleb,
tinha morrido a geração velha, mas a nova excedia à antiga em quase
2.000 pessoas (ver cap. l: 27).

23.

Tola.

Ambos os nomes, Tola e Fúa, provêm de tinturas. "Tola" era a cochinilha,
inseto do que se obtém a tintura escarlate, e "Fúa" uma espécie de loira,
planta herbácea, trepadeira, de flores amarelas das quais se fazia uma
tintura. A família da Tola foi a mais prolifera, chegou a 22.600 homens em
tempo do David (1 Crón, 7: 2).

24.

Jasub.

No Gén. 46: 13, por alguma razão, é chamado Job.

25.

As famílias do Isacar.

Quase 10.000 mais que no primeiro censo (cap. l: 29; 2: 6).

26.

Zabulón.

Não houve troco na lista das famílias do Zabulón desde que entraram em
Egito (Gén. 46: 14).

Elón.

Um zabulonita deste nome se encontra entre os juizes (Juec. 12: 11).

27.

Zabulonitas.

Seu número tinha aumentado grandemente. Seu incremento era de mais de 3.000 sobre
o primeiro censo (cap. 1: 31).

28.
José.

Compare-se com o Gén. 46: 20.

29.

Filhos do Manasés.

Na passagem do cap. 32: 39 se registra que a terra do Galaad foi dada a
Maquir pelo Moisés. Os términos da genealogia aludem aqui a esse fato. Essa
é a razão pela qual os descendentes do Maquir foram chamados tanto
galaaditas como maquiritas. Sua herança se menciona no Jos. 17: 1, 2.

30.

Jezer.

No Jos. 17: 2 figura como Abiezer.

31.

Siquem.

Quanto ao Siquem e Semida (vers.32), compare-se com o Jos. 17: 2.

33.

Zelofehad.

Compare-se com o Núm. 27: 1; 36: 11; Jos. 17: 3.

34.

As famílias do Manasés.

Esta tribo registrou um aumento de mais de 20.000 (cap. 1: 35). Compare-se com a
profecia do Jacob a respeito de quão frutíferos seriam os filhos do José (Gén. 49:
22).

5.

Efraín.

menciona-se a seguir ao irmão menor do Manasés. Efraín mantinha o
estandarte sob o qual acampava e partia Manasés (cap. 2: 18).

Sutela.

menciona-se outra vez em 1 Crón. 7: 20.

Bequer.

Na lista de 1 Crón. 7: 20 aparece como um clã com o nome do Bered.

Tahán.

Possivelmente Tohu, de 1 Sam. 1: 1.
37.

Os filhos do Efraín.

No primeiro censo (cap.1: 33) eram 8.000 mais que em este.

38.

Benjamim.

Esta tribo, como a do Manasés, também estava sob o estandarte do Efraín.
Eram sete famílias em total, das quais cinco levavam os nomes dos
filhos e dois dos netos. Quando os filhos de Benjamim foram ao Egito eram
dez (Gén. 46: 21), mas aqui no Núm. 26: 38, 39 há só cinco. Cinco
morreram ou não deixaram descendentes. O tempo tinha provocada mudanças na
forma de escrever seus nomes, e as genealogias, em alguns lugares, são
difíceis de reconciliar.

Bela.

Bela e Asbel são nomeados como em Gênese.

Ahiram.

O Ehi do Gén. 46: 21 e o Ahara de 1 Crón. 8: L.

39.

Sufam.

O e seu irmão Hufam aparecem no Gén. 46:21 como Mupim e Hupim; em 1 Crón. 7:
12

como Supim e Hupim e em 1 Crón. 8: 5 como Sefufán e Hiram.

40.

Ard e Naamán.

Etos dois netos de Benjamim, os filhos da Bela, converteram-se em famílias
separadas no Israel. Um destes netos foi chamado Ard, como seu tio, o filho
menor de Benjamim, chamado Adar em 1 Crón. 8: 3.

41

Os filhos de Benjamim.

O registro mostra um aumento de mais de 10.000 por cima do cômputo prévio
(cap. 1: 37).

42.

Súham.

No Gén. 46: 23 é chamado Husim, uma mudança de grafia que é comum em todos os
idiomas. Isto acontece hoje em dia, com freqüência e em todos os países, com os
sobrenomes estrangeiros. Tais mudanças na Bíblia não se limitam aos nomes
de gente. Isto se pode encontrar tratando-se de árvores, tais como o
"almugguim" de 1 Rei. 10: 11, 12 (BJ) que é "algummim" em 2 Crón. 2: 8 (2: 7
na BJ). Os nomes de cidades também sofreram mudanças. Por exemplo,
o lugar da sepultura do Josué-Timnat-Séraj no Jos. 24: 30 (BJ)- aparece
como Timnat-jeres no Juec. 2: 9 (BJ).

46.

Sera.

Outra forma da Sara". A raiz hebréia significa "princesa". 935

47.

Os filhos do Aser.

Esta tribo informou um aumento considerável, pois teve perto de 12.000 pessoas
mais que no censo do cap. 1:41.

48.

Neftalí.

Os nomes dos quatro filhos do Neftalí não experimentaram nenhuma mudança
do registro do Gén. 46: 24.

50.

As famílias do Neftalí.

Há uma diminuição de 8.000 do censo do cap. 1: 43.

51.

Os filhos do Israel.

O censo mostra que o povo só tinha diminuído em 1.820 pessoas do
censo do cap. 1: 46, tomado 38 anos antes.

53.

A estes.

Quer dizer, às famílias contadas dos versículos precedentes. Não foram
incluídos os levita.

Herdade.

A terra do Canaán devia ser atribuída a essas famílias, e nunca tirada de
elas. A extensão do território recebido dependia do número de pessoas de
cada tribo, e cada herança levava o nome do progenitor tribal.


54.

Dará.

Palavras dirigidas ao Moisés, mas não cumpridas plenamente até que foi tomada
toda a terra do Canaán (Jos. 13: 15-23; 14: 1-5). portanto, as palavras
significam que Moisés devia transmitir a ordem do Senhor.
55.

Repartida por sorte.

Decidir por meio de um sorteio é um método que se remonta a tempos muito
antigos. acreditava-se que a sorte era decidida por intervenção divina, como se
nota no Prov. 16: 33. O mesmo método foi usado às vezes na igreja
primitiva (Hech. 1: 23-26).

Pelos nomes.

Talvez os nomes foram colocados em um recipiente comum e foram tirados
um por um, à medida que se tornavam sortes. Às vezes se fazia um reajuste de
território, de acordo com o número de pessoas que havia em uma tribo (Jos.
19: 9, 47).

57.

Levita.

O censo dos levita se tomou por separado, como também se fez no primeiro
censo (cap. 1: 47).

58.

Libnitas.

pensa-se que se relacionam com a Libna, no sul do Judá. Os libnitas eram
descendentes do Libni, o filho maior do Gersón.

Hebronitas.

Descendentes do Hebrón, sem filho do Coat (Exo. 6: 18; Núm. 3: 19). Pareceria
natural relacionar a esta gente com a cidade chamada Hebrón, perto da Libna.

Mahlitas.

Uma filha da família do Zelofehad é chamada Maala no vers. 33, mas os
mahlitas e murmura provinham dos dois filhos do Merari, chamados Mahli e Musi
(Exo. 6:19; Núm. 3: 20).

Coreítas.

Ver com. vers. 11. Os coreítas são mencionados várias vezes posteriormente, em
1 Crón. 9: 1 9 como porteiros e em 2 Crón. 20: 19 como coristas.

60.

Nadab,Abiú.

Ver Lev. 10:1; Núm. 3:4.

62.

Foram contados.

Em comparação com seu número no censo do cap. 3: 39, a recontagem dos
filhos do Leví mostrou um aumento de 1.000.
64.

Nenhum.

Compare-se com o Núm. 14:

23, 28, 29; Deut. 2: 14, 15.

65.

Caleb.

Deus tinha prometido preservar ao Josué e ao Caleb e lhes permitir entrar na
terra do Canaán devido a seu valoroso relatório (cap. 14: 24, 30, 38). Com estes
dois homens estavam Moisés e Eleazar, como sobreviventes do primeiro censo
tomado no monte Sinaí. Uma geração tinha perecido, com a exceção de
umas poucas pessoas que estavam sob o cuidado protetor de Deus, e a quem
ele tinha destinado para coisas maiores. Jehová conhece quem som deles (2 Tim.
2: 19); sempre conserva os nome de seu Santos diante dele (Exo. 33: 17;
ISA. 43: l) no livro da vida (Apoc. 3: 5; Fil. 4: 3). Caleb ressalta como
um digno exemplo de lealdade aos princípios sob as circunstâncias mais
adversas e penosas.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

64, 65 PP 486 936

CAPÍTULO 27

1 Petição das filhas do Zelofehad. 6 A lei das heranças. 12 Moisés se
inteira da proximad de sua morte. 18 Josué é designado como sucessor de
Moisés.

1VINIERON as filhas do Zelofehad filho do Hefer, filho do Galaad, filho do Maquir,
filho do Manasés, das famílias do Manasés filho do José, os nomes das
quais eram Maala, Noa, Hogla, Milca e Tirsa;

2 e se apresentaram diante do Moisés e diante do sacerdote Eleazar, e
diante dos príncipes e de toda a congregação, à porta do tabernáculo
de reunião, e disseram:

3 Nosso pai morreu no deserto; e ele não esteve na companhia dos que
juntaram-se contra Jehová no grupo do Coré, mas sim em seu próprio pecado
morreu, e não teve filhos.

4 por que será tirado o nome de nosso pai de entre sua família, por não
ter tido filho? nos dê herdade entre os irmãos de nosso pai.

5 E Moisés levou sua causa diante do Jehová.

6 E Jehová respondeu ao Moisés, dizendo:

7 Bem dizem as filhas do Zelofehad; dará-lhes a posse de uma herdade entre
os irmãos de seu pai, e transpassará a herdade de seu pai a elas.

8 E aos filhos do Israel falará, dizendo: Quando algum muriere sem filhos,
transpassarão sua herança a sua filha.

9 Se não tuviere filha, darão sua herança a seus irmãos;
10 e se não tuviere irmãos, darão sua herança aos irmãos de seu pai.

11 E se seu pai não tuviere irmãos, darão sua herança a seu parente mais
próximo de sua linhagem, e de este será; e para os filhos disto Israel será por
estatuto de direito, como Jehová mandou ao Moisés.

12 Jehová disse ao Moisés: Sobe a este monte Abarim, e verá a terra que hei
dado aos filhos do Israel.

13 E depois que a tenha visto, você também será reunido a seu povo, como foi
reunido seu irmão Aarón.

14 Pois foram rebeldes a meu mandato no deserto do Zin, na rixa de
a congregação, não me santificando nas águas a olhos deles. Estas são as
águas da rixa do Cades no deserto do Zin.

15 Então respondeu Moisés ao Jehová, dizendo:

16 Ponha Jehová, Deus dos espíritos de toda carne, um varão sobre a
congregação,

17 que saia diante deles e que entre diante deles, que os saque e os
introduza, para que a congregação do Jehová não seja como ovelhas sem pastor.

18 E Jehová disse ao Moisés: Toma ao Josué filho do Nun, varão no qual há
espírito, e porá sua mão sobre ele;

19 e o porá diante do sacerdote Eleazar, e diante de toda a
congregação; e lhe dará o cargo em presença deles.

20 E porá de sua dignidade sobre ele, para que toda a congregação dos
filhos do Israel lhe obedeça.

21 O ficará diante do sacerdote Eleazar, e lhe consultará pelo julgamento
do Urim diante do Jehová; pelo dito dele sairão, e pelo dito dele
entrarão, ele e todos os filhos do Israel com ele, e toda a congregação.

22 E Moisés fez como Jehová lhe tinha mandado, pois tomou ao Josué e o pôs
diante do sacerdote Eleazar, e de toda a congregação;

23 e pôs sobre ele suas mãos, e lhe deu o cargo, como Jehová tinha mandado por
mão do Moisés.

L.

As filhas do Zelofehad.

Foram primeiro mencionadas no cap. 26: 33, e agora as menciona outra vez
em relação com as leis da herança (ver Jos. 17: 3).

Filho do José.

As filhas do Zelofehad remontaram sua ascendência até o José, e procuraram uma
herança na terra que amou seu antepassado e onde pediu que estivesse seu
lugar de descanso final (Gén. 50: 25).

Maala.
A filha do Hamolequet (1 Crón. 7: 18).

Noa.

Compare-se com a Nea, o nome de um lugar (Jos. 19: 13). 937

Hogla.

Uma localidade chamada Bet-hogla se menciona no Jos. 15: 6.

Milca.

Outra pessoa do mesmo nome foi Milca, filha de Farão e esposa do Nacor (Gén.
11: 27-29).

Tirsa.

Também o nome de um lugar, a capital do Israel durante o reinado da Baasa
e seus sucessores imediatos (1 Rei. 15: 21). Em casos tais como estes, quando
um povo ou uma cidade é também o nome de uma pessoa, seria natural
esperar que a pessoa que leva o nome, ou seus descendentes, houvessem
tido alguma relação com o lugar, já fora fundando-o ou tendo ali
propriedades.

2.

A porta do tabernáculo.

Sem dúvida era um costume, pois Moisés, Eleazar e os príncipes se congregavam
como um tribunal (Exo. 18: 25, 26) para reunir-se à porta do tabernáculo.
Isto significava que, se a ocasião o exigia, Moisés facilmente podia
aproximar-se de Deus para consultá-lo.

3.

Nosso pai morreu.

Possivelmente as irmãs tinham redigido uma petição para lê-la ante o tribunal.
Começaram chamando a atenção ao feito de que seu pai estava incluído entre
aqueles dos que se fala no cap. 26: 64, 65 que já tinham chegado aos
20 anos de idade quando saíram da terra do Egito.

Não esteve na companhia.

Seu pai, Zelofehad, era da tribo do Manasés. O fato de que não esteve em
o grupo do Coré -embora evidentemente então poderia ter estado- sugere
que membros de diversas tribos participaram dessa revolta. Posto que seu
pai não tinha provocado a ira divina nessa ocasião (cap. 16: 11), as filhas
acreditavam que deviam receber uma herança.

Em seu próprio pecado morreu.

Quer dizer, pecados pessoais dos que todos eram culpados, e não um pecado de
franco desafio ou de negligência voluntária. Os filhos, de maneira nenhuma,
podiam ser tidos como responsáveis pelas faltas dos pais (Núm. 16: 27-
30; Eze. 18: 20).

Não teve filhos.
As filhas eram descendentes legítimas e, portanto, acreditavam que devia
conceder-lhe uma parte na herança. Compare-se com a experiência de
Absalón, que não teve descendentes masculinos (2 Sam. 18: 18). A menos que se
tomassem medidas, extinguiriam-se o nome e linhagem de sua família. Mesmo que
casassem-se e tivessem filhos que perpetuassem o nome da família, não
teriam propriedade que transmitir aos filhos.

4.

Herdade.

Pediam uma porção de terra junto com os outros descendentes do Manasés. Assim
poderia perpetuar o nome de seu pai: mediante um filho de uma delas que
tomasse o nome do avô de sua mãe, Hefer (vers. 1). Posteriormente se
estabeleceu uma lei geral com este fim (Deut. 25: 6).

5.

Moisés levou sua causa.

A decisão do tribunal convocado foi considerada inadequada para resolver o
assunto. Posto que Moisés não queria tomar a decisão sozinho, referiu o assunto
a Deus, como lhe tinha ordenado que fizesse em várias ocasiões (Exo. 25: 22;
Núm. 7: 89).

7.

Bem dizem.

Jehová aprovou a causa das filhas do Zelofehad. O caso surgiu outra vez,
depois de que entraram no Canaán (Jos. 17: 3-6).

Dará-lhes.

Em hebreu, a palavra "lhes" é do gênero masculino, e se refere à
descendência em perspectiva. As filhas eram consideradas como representantes
de seus próprios e possíveis filhos.

A herdade de seu pai.

As filhas ocupavam o lugar de seu pai defunto e, portanto, eram herdeiras
de sua parte. Apresentaram sua petição e receberam a parte de seu pai quando
Canaán foi dividida (Jos. 17: 2, 3).

8.

Quando algum muriere.

Este caso se converteu em um precedente e se escreveu um estatuto formal para
tratar casos similares no futuro.

9.

Se não tuviere filha.

Nos vers. 9-11 encontramos a declaração formal da emenda da lei de
a herança, apoiada no precedente do caso das filhas do Zelofehad. As
disputa entre irmãos, devido a questões de propriedades, podem ser causa
de grande amargura (Luc. 12: 13).
12.

Abarim.

A palavra´Abarim está em plural, e possivelmente se refere à cadeia de montanhas
que formam o bordo ocidental da meseta moabita. Pisga é outro nome de
Abarim, ou se refere à seção norte da cadeia (Deut. 3: 27; 34: 1). O
monte Nebo é uma cúpula da seção norte (Deut. 32: 49; 34: l). Proveniente
do verbo "cruzar ao outro lado", o substantivo significa "vau", um lugar
adequado para cruzar uma correnteza. Daí que as montanhas fossem
chamadas 938 Abarim, literalmente "vaus", por estar situadas ao outro lado do
rio Jordão, frente a Jericó (cf. Núm. 21: 11).

Verá a terra.

Da cúpula do Nebo dispunha de um panorama pleno da terra do Canaán
estendida a seus pés (Deut. 3: 17; 34: 1-4). Moisés já sabia que não devia
entrar na terra prometida (Núm. 20: 12). O privilégio de ver Canaán foi
uma resposta a sua oração (Deut. 3: 24-27).

13.

Reunido a seu povo.

Ver com. Gén.15: 15; 25: 8. As cercanias do Nebo deviam ser seu lugar
temporario de sepultura.

Como ... Aarón.

Deus tinha falado ao Moisés e Aarón no monte Hor (cap. 20: 23, 24).

14.

Foram rebeldes.

Compare-se com o pasajedel cap. 20: 1, 12, 24. O pecado do Moisés e do Aarón,
registrado no cap. 20: 8-13, aqui é chamado rebelião.

15.

Respondeu Moisés.

A grandeza do Moisés como dirigente se vê no fato de que se esqueceu de si
mesmo e começou a riscar planos para o povo de Deus.

16.

Ponha Jehová.

Compare-se com a passagem do cap. 16: 21. Deus conhece plenamente o espírito, ou
disposição, de todos os homens, e pode muito bem avaliar a idoneidade
de uma pessoa para o serviço.

Sobre a congregação.

Para assumir o cargo e a autoridade que Moisés estava por deixar.

17.
Saia.

As expressões "sair" e "entrar" se usam para denotar as experiências
comuns da vida (Deut. 28: 6; 31: 2). Fazer sair e fazer entrar sugerem
a relação do pastor com seu rebanho (Juan 10: 3-9). Quanto ao pensamento
de ovelhas sem pastor, ver 1 Rei. 22: 17; Eze. 34: 5; Zac. 10: 2; 13: 7; Mat. 9:
36; Mar. 6: 34.

18.

Toma ao Josué.

Josué tinha ajudado muito de perto ao Moisés (Exo. 24: 13), e portanto conhecia
sua administração.

No qual há espírito.

Literalmente, "em quem está espírito" (ver o vers. 16). A referência aqui
é à riqueza de espírito necessária, mantida no temor de Deus e sob o
controle do Espírito Santo, o único que pode capacitar ao homem para as
responsabilidades na obra do Senhor.

Porá sua mão.

Uma cerimônia de bênção (Gén. 48: 14) e consagração (Núm. 8: 10),
acompanhada e executada pela condução e sabedoria do Espírito Santo (Deut.
34: 9). Na igreja cristã, a imposição das mãos no rito da
ordenação combina os três aspectos de bênção, sucessão no cargo e
autoridade para ensinar (Hech. 6: 6; 13: 3; 2 Tim. 1: 6).

19.

Porá-o diante do sacerdote Eleazar.

Eleazar teve uma parte pequena nesta cerimônia; tão somente a de ser testemunha.

diante de toda a congregação.

A cerimônia devia ser tão pública como fora possível, para que não houvesse dúvida
nem incerteza quanto à autoridade do Josué.

Dará-lhe o cargo.

Literalmente, "ordenará-lhe" (ver Deut. 31: 7, 8, 14, 15, 23).

20.

De sua dignidade.

A palavra traduzida "dignidade" se usa com freqüência para a autoridade e
majestade reais. Moisés devia começar imediatamente a colocar algo de seu
própria responsabilidade e autoridade sobre o Josué, para que ele pudesse começar a
as exercer junto com o Moisés.

Obedeça-lhe.

Para que o povo pudesse começar a reconhecer e obedecer a autoridade de
Josué.
21.

Diante do sacerdote Eleazar.

Em alguns respeitos, é evidente que a autoridade do Josué era menor que a de
Moisés. Moisés recebia conselho diretamente de Deus, mas Josué devia ir ao
supremo sacerdote como a um mediador entre ele e Deus. A sua vez, o supremo sacerdote
devia consultar o Urim (Exo. 28: 30; Lev. 8: 8).

Pelo dito dele.

Quer dizer, a ordem do supremo sacerdote Josué devia dirigir ao povo, mas baixo
a direção do supremo sacerdote.

23.

Pôs sobre ele suas mãos.

Moisés estava ansioso de que Josué tivesse abundantemente a mesma sabedoria e
direção que tinham sido delas. O devia ser o pastor da grei, para
proporcionar descanso e paz ao povo.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

16-20 PP 494

21 SR 183

21-23 PP 495 939

CAPÍTULO 28

1 As oferendas diárias. 3 O holocausto contínuo. 9 Oferendas do sábado, 11
oferendas mensais, 16 oferenda da páscoa, 26 oferenda das primicias.

1HABLO Jehová ao Moisés, dizendo:

2 Manda aos filhos do Israel, e lhes diga: Minha oferenda, meu pão com minhas oferendas
acesas em aroma grato a mim, guardarão, oferecendo-me isso a seu tempo.

3 E lhes dirá: Esta é a oferenda acesa que oferecerão ao Jehová: dois
cordeiros sem mancha de um ano, cada dia, será o holocausto contínuo.

4 Um cordeiro oferecerá pela manhã, e o outro cordeiro oferecerá à queda de
a tarde;

5 e a décima parte de um f de flor de farinha, amassada com um quarto de um
hin de azeite de olivas amassadas, em oferenda.

6 É holocausto contínuo, que foi ordenado no monte Sinaí para aroma grato,
oferenda acesa ao Jehová.

7 E sua libação, a quarta parte de um hin com cada cordeiro; derramará
libação de vinho superior ante o Jehová no santuário.

8 E oferecerá o segundo cordeiro ao entardecer; conforme à oferenda
da manhã e conforme a sua libação oferecerá, oferenda acesa em aroma
grato ao Jehová.
9 Mas o dia de repouso,* dois cordeiros de um ano sem defeito, e dois décimos de
flor de farinha amassada com azeite, como oferenda, com sua libação.

10 É o holocausto de cada dia de repouso,* além disso do holocausto contínuo e seu
libação.

11 Ao começo de seus meses oferecerão em holocausto ao Jehová dois bezerros
da vacaria, um carneiro, e sete cordeiros de um ano sem defeito;

12 e três décimos de flor de farinha amassada com azeite, como oferenda com cada
bezerro; e dois décimos de flor de farinha amassada com azeite, como oferenda com
cada carneiro;

13 e uma décimo de flor de farinha amassada com azeite, em oferenda que se
oferecerá com cada cordeiro; holocausto de aroma grato, oferenda acesa a
Jehová.

14 E suas libações de vinho, meio hin com cada bezerro, e a terceira parte de
um hin com cada carneiro, e a quarta parte de um hin com cada cordeiro. Este é
o holocausto de cada mês por todos os meses do ano.

15 E um macho caibro em expiação se oferecerá ao Jehová, além disso do holocausto
contínuo com sua libação.

16 Mas no primeiro mês, aos quatorze dias do mês, será a páscoa de
Jehová.

17 E aos quinze dias deste mês, a festa solene; por sete dias se
comerão pães sem levedura.

18 O primeiro dia será Santa convocação; nenhuma obra de servos farão.

19 E oferecerão como oferenda acesa em holocausto ao Jehová, dois bezerros de
a vacaria, e um carneiro, e sete cordeiros de um ano; serão sem defeito.

20 E sua oferenda de farinha amassada com azeite: três décimos com cada bezerro, e
dois décimos com cada carneiro;

21 e com cada um dos sete cordeiros oferecerão uma décima.

22 E um macho caibro por expiação, para lhes reconciliar.

23 Isto oferecerão além disso do holocausto da manhã, que é o holocausto
contínuo.

24 Conforme a isto oferecerão cada um dos sete dias, vianda e oferenda
acesa em aroma grato ao Jehová; oferecerá-se além disso do holocausto contínuo,
com sua libação.

25 E o sétimo dia terão Santa convocação; nenhuma obra de servos farão.

26 Além disso, o dia das primicias, quando apresentarem oferenda nova ao Jehová em
suas semanas, terão Santa convocação; nenhuma obra de servos farão.

27 E oferecerão em holocausto, em aroma grato ao Jehová, dois bezerros da
vacaria, um carneiro, sete cordeiros de um ano;

28 e a oferenda deles, flor de farinha amassada com azeite, três décimos com
cada bezerro, dois décimos com cada carneiro,

29 e com cada um dos sete cordeiros uma décima;

30 e um macho caibro para fazer expiação por vós.

31 Os oferecerão, além disso do holocausto 940 contínuo com suas oferendas, e seus
libações; serão sem defeito.

L.

Falou Jehová.

O Senhor agora promulga sua vontade respeito a certas oferendas, para os
serviços diários matutino e vespertino, para os dias de descanso, para as
novas luas.

2.

Minha oferenda.

Heb. qorbán, da raiz "aproximar", "aproximar", quer dizer com um propósito
específico. usa-se para aproximar-se de um juiz com um caso, para vir a fim de
dedicar algo, vir para apresentar uma oferenda. portanto, qorbán chegou a
ser um término genérico para qualquer oblação (ver Mar. 7: 11).

Meu pão.

Literalmente, "meu alimento". O hebreu diz literalmente: "minha oferenda, até meu
pão", mas bem que "minha oferenda, e meu pão". O costume pagão de oferecer
alimento a seus deuses, provavelmente para ser comido por eles, é uma paródia
do costume de apresentar a Deus as oferendas de um povo arrependido como
evidência de dor poi, o pecado e um sincero desejo de perdão (ver DTG 20;
Lev. 21: 6, 8, 17, 21; 22: 25; Mau. 1: 7).

Minhas oferendas acesas.

Possivelmente isto se refira especialmente às partes de graxa queimadas sobre o
altar.

Em aroma grato.

Compare-se com o Lev. 1: 9,13, 17; Núm. 15: 3; etc.

3.

A oferenda acesa.

faz-se referência particularmente, aqui, ao serviço "contínuo" do sacrifício
jornal (Exo. 29: 38-40) com suas promessas (vers. 42, 43, 45).

Sem mancha.

requeria-se e fazia ressaltar expressamente a perfeição no cordeiro (Heb. 9:
14). Esta condição se exigia também de outros sacrifícios (Exo. 12: 5; Lev.
1: 3; Núm. 19: 2; 1 Ped. 1: 19).

O holocausto contínuo.
A forma equivalente "contínuo sacrifício" encontra-se em Dan.8: 11-13; 11: 3
l; 12: 11. (Assim aparece na VVR. Na Valha. ant. a palavra "sacrifício"
está em itálico, com o que se indica que não se acha no texto hebreu. O
texto original do livro do Daniel só diz "contínuo".) A característica
contínua desta oferenda proporcionava um notável paralelo com o Cordeiro de
Deus, cujo único sacrifício é continuamente eficaz; ele morreu uma só vez por
todos (Heb. 7: 3; 10: 12, 14).

4.

Oferecerá pela manhã.

Compare-se com as palavras do Sal. 5: 3: "Desde amanhã me apresentarei diante de
ti", que originalmente podem ter significado um sacrifício.

Ao entardecer.

Literalmente, "entre as tardes" (ver Exo. 12: 6; Núm. 9: 3).

6.

Holocausto contínuo.

Quer dizer, para ser devotado diariamente (Exo. 29: 42). O holocausto contínuo
e o "incenso; rito perpétuo" (Exo. 30: 8) eram similares às orações
matutinas e vespertinas dos cristãos.

Ordenado no monte Sinaí.

Literalmente, "feito no monte Sinaí". Quer dizer, onde Moisés recebeu as
leis dos sacrifícios.

7.

Libação.

Também ordenada no monte Sinaí (Exo. 29: 40).

No santuário.

Provavelmente na base do altar dos holocaustos, que estava dentro do
átrio (Exo. 29: 42).

Veio superior.

Heb. shekár. A libação, com esta só exceção, se fazia com vinho
ordinário, yáyin. A quantidade usada para cada cordeiro era aproximadamente de
um litro. A palavra shekár se usa freqüentemente para denotar uma bebida que
não é feita de uvas; geralmente se fazia de cereais ou de mel. Por
exemplo, no Lev. 10: 9 se ordenou ao Aarón e a seus filhos que não bebessem nem yáyin
nem shekár quando se preparavam para entrar no tabernáculo. Muitos
comentadores insistem em que neste caso shekár deve referir-se ao vinho mais
nobre e melhor. Os comentadores judeus, por regra general, sustentam que em
este caso do uso de shekár se exclui o conceito de vinho diluído com água, e
favorecem em troca a idéia de vinho recém espremido.

8.

O segundo cordeiro.
Quer dizer, o do sacrifício da tarde. As instruções precedentes correspondem
ao cordeiro matutino, mas tainbién se aplicam ao da tarde. Este sacrifício
concluía as oferendas do dia; nenhum outro se oferecia depois.

9.

O dia de repouso.

A oferenda sabática se acrescentava aos sacrifícios diários, contínuos, feitos cada
dia da semana. Isto significava que na sábado os sacerdotes tinham que
cumprir deveres dobre. Isto possivelmente tenha estado na mente do Senhor quando
disse que "os sacerdotes no templo profanam o dia de repouso, e são sem
culpa" (Mat. 12: 5). Em anos posteriores, cantava-se um hino especialmente
941 dedicado à sábado para acompanhar o derramamento da libação (Sal.
92).

Dois décimos.

4 litros. Com os dobre holocaustos do sábado havia também uma porção
dobro de outros elementos acessórios, tais como farinha e vinho. A ordem em
quanto à libação que devia oferecer-se junto com o holocausto se encontra
no cap. 15: 5.

10.

Além disso.

Quer dizer, em adição. O sacrifico jornal não devia ser omitido devido às
oferendas adicionais do sábado. As oferendas adicionais exigidas eram sete
(Núm. 28: 11, 19, 26; 29: 35-37).

11.

Ao começo.

Isto pode ter sido dado Por Deus para neutralizar as celebrações
idolátricas de cada lua nova, que é obvio se centralizavam no culto
da lua. Então se tocavam trompetistas de prata (cap. 10: 2, 10). Em anos
posteriores se suspenderam as ocupações nesse dia (Amós 8: 5; 1 Sam. 20:
5; ISA. 1: 13).

12.

Três décimos.

Aproximadamente 6,6 litros.

Como oferenda.

Por cada novilho havia uma quantidade precisa de farinha (ver cap. 15: 9).

Dois décimos.

4,4 litros, quão mesmo para um carneiro (cap. 15: 6).

13.

Uma décima.
Compare-se com o cap. 15: 4. A oferenda de cereal devia acompanhar a cada um de
os sete cordeiros mencionados no vers. 11.

14.

Suas libações.

Para acompanhar os diversos sacrifícios em quantidades prefixadas.

Cada mês.

Com as novas luas devia oferecer um número maior de sacrifícios, e pelo
tanto se requeriam mais atenção e mais trabalho que os necessários até nos
dias sábados. Ficavam pouco tempo e poucas oportunidades para que o filho de
Deus fora tentado pelos ritos idolátricos das nações circunvizinhas em
ocasião da lua nova.

15.

Um macho caibro.

Compare-se com a passagem do cap. 15: 24.

16.

A páscoa.

A única oferenda especial ordenada para o dia da páscoa, o 14º do Nisán,
era o cordeiro pascal mesmo (Exo. 12: 6; ver também pág. 721). Esta festa
não tinha sido observada desde que o Israel saiu do Cades-barnea 38 anos antes.

17.

Aos quinze dias.

À tarde do 14º dia era a festa da páscoa (Exo. 12: 6, 14). O 15º dia
era o dia da festa dos pães sem levedura (Lev. 23: 6). O cordeiro
pascal era morto bem avançada a tarde do 14º dia e comido -junto com
pães sem levedura e ervas amargas- depois de pôr-do-sol, quer dizer já
em nos 15º dia.

Sete dias.

Compare-se com o Exo. 12: 15; 13: 6, 7; Lev. 23: 6.

18.

Nenhuma obra de servos.

Literalmente, "obra alguma de trabalho". Proibia-se qualquer ocupação que
requeresse um trabalho fatigante (Exo. 12: 16; Lev. 23: 7, 8).

19.

Como oferenda.

Este sacrifício particular não tinha sido ordenado previamente (ver Lev. 23: 8).
Os sacrifícios assinalados são quão mesmos os do primeiro dia de cada mês
(vers. 11).

20.

Sua oferenda de farinha.

Compare-se com o vers. 12, onde as mesmas ordens foram estabelecidas para o
primeiro dia de cada mês.

22.

Um macho caibro.

Quão mesmo para a nova lua (vers. 15).

23.

Além disso.

Quer dizer, em adição ao holocausto diário. Todos se ofereciam pela manhã
depois do sacrifício matutino jornal.

24.

Conforme a isto.

Todas as oferendas especiais consignadas nos vers. 16-25, quão mesmo as
correspondentes ao primeiro dia de cada mês, eram oferecidas cada dia da
festa dos pães sem levedura (Lev. 23: 5-8).

25.

O sétimo dia.

Compare-se com Exo.13: 6; Lev. 23: 7, 8. Os requisitos do primeiro e do último
dias da festa eram os mesmos.

26.

O dia das primicias.

Esta é uma frase desacostumada. Também se chama "a festa da ceifa,
os primeiros frutos de seus trabalhos" (Exo. 23: 16) e "a festa das semanas"
no tempo de compilar os primeiros frutos da colheita do trigo (Exo.
34: 22; Deut. 16: 10; ver também Lev. 23: 15-21).

Oferenda nova.

Compare-se com o Lev. 23: 16. A principal característica deste dia era a nova
oferenda de cereais. Consistia em duas fogaças chamadas as "primicias para
Jehová" (Lev. 23: 17). Essas fogaças eram feitas do trigo cedo. Com essas
duas fogaças se ofereciam sete cordeiros, um bezerro, dois carneiros, dois cordeiros
como oferenda de paz, e um macho caibro por expiação pelo pecado (Lev. 23:
18, 19).

Em suas semanas.

Quer dizer, as sete semanas contadas do primeiro dia dos pães sem
levedura (Lev. 23: 15-21).
28.

A oferenda.

Compare-se com os vers. 12, 20, que tratam da lua nova e a festa dos
pães sem levadura.942

29.

Uma décima.

Compare-se com os vers.13, 21.

30.

Um macho caibro.

Além disso do que se oferecia com os dois cordeiros (Lev. 23: 19).

31.

Além disso.

O sacrifício diário devia oferecer-se mesmo que não se ordenassem outros
sacrifícios (ver vers. 10, 15, 23). A importância do sacrifício diário não
devia ser subordinada a dos outros.

CAPÍTULO 29

1 Holocausto da festa das trompetistas, 7 no dia da aflição das
almas, 13 e dos oito dias da festa dos tabernáculos.

1 NO sétimo mês, o primeiro do mês, terão Santa convocação; nenhuma
obra de servos farão; será-lhes dia de sonar as trompetistas.

2 E oferecerão holocausto em aroma grato ao Jehová, um bezerro da vacaria, um
carneiro, sete cordeiros de um ano sem defeito;

3 e a oferenda deles, de flor de farinha amassada com azeite, três décimos de
f com cada bezerro, dois décimos com cada carneiro,

4 e com cada um dos sete cordeiros, uma décima;

5 e um macho caibro por expiação, para lhes reconciliar,

6 além disso do holocausto do mês e sua oferenda, e o holocausto contínuo e seu
oferenda, e suas libações conforme a sua lei, como oferenda acesa ao Jehová em
aroma grato.

7 No dez deste sétimo mês terão Santa convocação, e afligirão
suas almas; nenhuma obra farão;

8 e oferecerão em holocausto ao Jehová em aroma grato, um bezerro da vacaria,
um carneiro, e sete cordeiros de um ano; serão sem defeito.

9 E suas oferendas, flor de farinha amassada com azeite, três décimos de f com
cada bezerro, dois décimos com cada carneiro,
10 e com cada um dos sete cordeiros, uma décima;

11 e um macho caibro por expiação; além da oferenda das expiações por
o pecado, e do holocausto contínuo e de suas oferendas e de suas libações.

12 Também aos quinze dias do sétimo mês terão Santa convocação;
nenhuma obra de servos farão, e celebrarão festa solene ao Jehová por sete
dias.

13 E oferecerão em holocausto, em oferenda acesa ao Jehová em aroma grato,
treze bezerros da vacaria, dois carneiros, e quatorze cordeiros de um ano; têm que
ser sem defeito. Farinha amassada com azeite, três décimos de f com cada um de
os treze bezerros, dois décimos com cada um dos dois carneiros,

15 e com cada um dos quatorze cordeiros, uma décima;

16 e um macho caibro por expiação, além disso do holocausto contínuo, sua oferenda
e sua libação.

17 O segundo dia, doze bezerros da vacaria, dois carneiros, quatorze cordeiros
de um ano sem defeito,

18 e suas oferendas e suas libações com os bezerros, com os carneiros e com os
cordeiros, segundo o número deles, conforme à lei;

19 e um macho caibro por expiação; além disso do holocausto contínuo, e seu
oferenda e sua libação.

20 Nos terceiro dia, onze bezerros, dois carneiros, quatorze cordeiros de um ano sem
defeito;

21 e suas oferendas e suas libações com os bezerros, com os carneiros e com os
cordeiros, segundo o número deles, conforme à lei;

22 e um macho caibro por expiação, além disso do holocausto contínuo, e seu
oferenda e sua libação.

23 O quarto dia, dez bezerros, dois carneiros, quatorze cordeiros de um ano sem
defeito;

24 suas oferendas e suas libações com os bezerros, com os carneiros e com os
cordeiros, segundo o número deles, conforme à lei;

25 e um macho caibro por expiação; além disso 943 do holocausto contínuo, seu
oferenda e sua libação.

26 O quinto dia, nove bezerros, dois carneiros, quatorze cordeiros de um ano sem
defeito;

27 e suas oferendas e suas libações com os bezerros, com os carneiros e com os
cordeiros, segundo o número deles, conforme à lei;

28 e um macho caibro por expiação, além disso do holocausto contínuo, sua oferenda
e sua libação.

29 O sexto dia, oito bezerros, dois carneiros, quatorze cordeiros de um ano sem
defeito;

30 e suas oferendas e suas libações com os bezerros, com os carneiros e com os
cordeiros, segundo o número deles, conforme à lei;

31 e um macho caibro por expiação, além disso do holocausto contínuo, sua oferenda
e sua libação.

32 O sétimo dia, sete bezerros, dois carneiros, quatorze cordeiros de um ano sem
defeito;

33 e suas oferendas e suas libações com os bezerros, com os carneiros e com os
cordeiros, segundo o número deles, conforme à lei;

34 e um macho caibro por expiação, além disso do holocausto contínuo, com seu
oferenda e sua libação.

35 O oitavo dia terão solenidade; nenhuma obra de servos farão.

36 E oferecerão em holocausto, em oferenda acesa de aroma grato ao Jehová, um
bezerro, um carneiro, sete cordeiros de um ano sem defeito;

37 suas oferendas e suas libações com o bezerro, com o carneiro e com os
cordeiros, segundo o número deles, conforme à lei;

38 e um macho caibro por expiação, além disso do holocausto contínuo, com seu
oferenda e sua libação.

39 Estas coisas oferecerão ao Jehová em suas festas solenes, além de
seus votos, e de suas oferendas voluntárias, para seus holocaustos,
e para suas oferendas, e para suas libações, e para suas oferendas
de paz.

40 E Moisés disse aos filhos do Israel conforme a tudo o que Jehová lhe havia
mandado.

1.

Santa convocação.

O sétimo mês -primeiro mês do ano civil - tinha sido afastado de um modo
especial para propósitos religiosos (Lev. 23: 23-44), e tinha mais dias
dedicados a ritos religiosos que qualquer outro mês do ano. A Santa
convocação que aqui se indica já tinha sido ordenada (Lev. 23: 24, 25).

Dia de sonar as trompetistas.

O sonar das trompetistas de prata já tinha sido ordenado em várias ocasiões
(ver cap. 10: 10), inclusive as luas novas. Mas o primeiro dia do sétimo
mês, ou dia de ano novo do calendário civil, era especialmente o dia de
as fazer sonar. A palavra "trompetistas" não aparece aqui nem no Lev. 23: 24. O
término teru'ah, traduzido aqui "soar as trompetistas", aparece no Lev. 25: 9
com shofar, "corno de carneiro".

2.

Oferecerão holocausto.

além de todos os outros sacrifícios já ordenados para este dia (Lev. 23: 25).
Os animais destinados para os sacrifícios eram menos que os assinalados para
as festividades do Núm. 28: 19, 27, posto que se acrescentavam a outros que
correspondiam com o mesmo dia.

3.

Três décimos.

6,6 litros, a porção acostumada para todos os sacrifícios desta
natureza (cap. 15: 6, 9).

4.

Uma décima.

Comparem-nos vers. 4 e 5 com a passagem do cap. 28: 15, 22, 30.

6.

Holocausto do mês.

Um holocausto de dois bezerros se ordenou previamente para o começo de
cada mês (cap. 28: 11, 12). Não devia omitir-se esse rito no primeiro dia do
sétimo mês.

Conforme a sua lei.

Quer dizer, na ordem previamente famosa: o holocausto diário logo os
sacrifícios indicados para o primeiro dia de cada mês, e finalmente os que se
indicavam especialmente para o primeiro dia do sétimo mês.

7.

O dez deste mês.

O dia da expiação (Lev. 23: 27), o pináculo de todo o sistema de
sacrifícios. O ritual deste grande dia se acha no Lev. 16 e 23: 26-32.

Afligirão suas almas.

Literalmente, "lhes examine", "afligíos", "lhes humilhe". Isto incluía jejum. Este
foi e é o grande jejum anual observado estritamente pelos judeus ortodoxos
(cf. Lev. 16: 29; 23: 27-29, 32; Sal. 35: 13; ISA. 58: 3, 5; Hech. 27: 9). 944

Nenhuma obra.

O dia devia ser observado estritamente como um sábado de repouso (Lev. 16: 29,
31; 23: 28-32).

8.

Holocausto.

Ver vers. 2.

9.

Suas oferendas.

Os ingredientes desta oferenda deviam estar na mesma proporção como a
indicada nos vers. 3, 4.
11.

A oferenda das expiações pelo pecado.

Este é o rito do qual derivava seu nome especial a festividade (ver Lev.
16). Note-se que Heb. 9: 7-12, 23-28 se apóia na descrição do Lev. 16. A
sangue da oferenda da expiação pelo pecado era levada pelo supremo
sacerdote dentro do lugar muito santo. O sangue do bezerro devotado como uma
oferenda pelo pecado, para a família do Aarón, também era levada dentro do
lugar muito santo (Lev. 16: 11, 14). Fora destes dois casos, nunca se levava
sangue dentro do lugar muito santo.

Holocausto contínuo.

Outra vez se faz ressaltar que as diversas oferendas mencionadas não deviam ser
omitidas, nem mesmo no grande dia da expiação. Até este dia excelso devia
começar com o holocausto contínuo e as outras oferendas pertencentes a ele.
Estas eram seguidas pela oferenda pelo pecado, da que trata este
versículo. Logo vinha o sacrifício de expiação, tal como se especifica em
Lev.16.

12.

Aos quinze dias.

Quer dizer, o primeiro dia da festa dos tabernáculos, que começava à
posta do sol do 14º dia (Lev. 23: 34, 35). Esta festa seguia à colheita
dos frutos e das uvas (Deut. 16: 13). Os sete dias eram uma ocasião de
alegria e de regozijo diante do Senhor.

13.

Treze bezerros da vacaria.

O mesmo tipo de sacrifício se ordenava para outras festividades. Mas ao passo
que 2 bezerros eram suficientes em outras festividades, aqui se indicam 13 (cap.
28: 11, 19, 27). Cada dia -durante 7 dias consecutivos - oferecia-se um bezerro
menos (vers. 17, 20, 23, 26, 29, 32). Assim se ofereciam 7 bezerros o 7º dia,
totalizando 70 bezerros para os 7 dias.

16.

Por expiação.

"Sacrifício pelo pecado" (BJ). Não se aumentavam os requisitos

da oferenda pelo pecado.

17.

O segundo dia.

Um bezerro menos que no dia precedente. Não trocava o número de carneiros e
de cordeiros. Todo o sistema de ritos descansava sobre o sacrifício diário;
não importa que sacrifícios se acrescentassem, nunca ficava a um lado a oferenda
diária. Da mesma maneira, o Cordeiro de Deus nunca pode ser substituído.
Nenhuma atividade, nenhum rito, nenhuma regra pode tomar o lugar do Filho de
Deus, o único por cujo meio há salvação do pecado.
35.

Solenidade.

O oitavo dia era dedicado como um dia de gozo solene diante do Jehová. A
palavra assim traduzida provém de uma raiz que significa "restringir". Um
substantivo da mesma raiz se traduz "magistrado", literalmente, "um possuidor
de restrição", como no Juec. 18: 7. Os filhos do Israel neste dia deviam
abster-se de todo trabalho secular e dedicar seus pensamentos ao Jehová.

36.

Holocausto.

Um sacrifício especial indicado para este dia (ver vers. 13).

37.

Segundo o número deles.

Compare-se com cap. 15: 1-13.

38.

Um macho caibro por expiação.

"Sacrifício pelo pecado" (BJ). Qualquer que fora a festividade, se
requeria uma oferenda pelo pecado (caps. 28: 15, 22, 30; 29: 5; etc.). O
povo sempre necessitava perdão. Era importante que não perdesse desse vista
feito.

39.

Estas coisas oferecerão.

O Senhor tinha famoso certas festividades para certas ocasiões. Deviam
realizar-se na maneira exata em que ele as tinha prescrito.

além de seus votos.

Em adição a todos estes sacrifícios, regularmente prescritos, um indivíduo
podia oferecer um holocausto mais, já fora como uma amostra de gratidão ao Jehová
ou no cumprimento de algum voto.

Holocaustos.

Compare-se com o Lev. 22: 18-21; Núm. 15: 1-13. Os sacrifícios deste capítulo
foram ordenados por cima e além de todos os holocaustos, as oferendas
de cereais, as libações e os sacrifícios de paz apresentados em
cumprimento de votos especiais.

40.

E Moisés disse.

945

CAPÍTULO 30
1 Os votos não devem ser quebrantados. 3 Exceção no caso do voto de uma
donzela. 6 No caso de uma mulher casada. 9 No caso de uma viúva ou de uma
divorciada.

1HABLO Moisés aos príncipes das tribos dos filhos do Israel, dizendo:
Isto é o que Jehová mandou.

2 Quando algum hiciere voto ao Jehová, ou hiciere juramento ligando sua alma com
obrigação, não quebrantará sua palavra; fará conforme a tudo o que saiu de seu
boca.

3 Mas a mulher, quando hiciere voto ao Jehová, e se ligar com obrigação em
casa de seu pai, em sua juventude;

4 se seu pai oyere seu voto, e a obrigação com que ligou sua alma, e seu pai
calar a isso, todos os votos dela serão firmes, e toda obrigação com que
tiver ligado sua alma, firme será.

5 Mas se seu pai lhe vedar o dia que oyere todos seus votos e suas obrigações
com que ela tiver ligado sua alma, não serão firmes; e Jehová a perdoará,
por quanto seu pai o vedou.

6 Mas se for casada e hiciere votos, ou pronunciarei de seus lábios costure com
que obrigue sua alma;

7 se seu marido o oyere, e quando o oyere calar a isso, os votos dela
serão firmes, e a obrigação com que ligou sua alma, firme será.

8 Mas se quando seu marido o ouviu, vedou-lhe, então o voto que ela fez, e
o que pronunciou de seus lábios com que ligou sua alma, será nulo; e Jehová a
perdoará.

9 Mas todo voto de viúva ou repudiada, com que ligar sua alma, será firme.

10 E se tiver feito voto em casa de seu marido, e tiver ligado sua alma com
obrigação de juramento,

11 se seu marido ouviu, e calou a isso e não lhe vedou, então todos seus votos
serão firmes, e toda obrigação com que tiver ligado sua alma, firme será.

12 Mas se seu marido os anulou o dia que os ouviu, tudo o que saiu de seus
lábios quanto a seus votos, e quanto à obrigação de sua alma, será nulo; seu
marido os anulou, e Jehová a perdoará.

13 Todo voto, e todo juramento obrigando-se a afligir a alma, seu marido o
confirmará, ou seu marido o anulará.

14 Mas se seu marido calar a isso de dia em dia, então confirmou todos seus
votos, e todas as obrigações que estão sobre ela; confirmou-os, por quanto
calou a isso o dia que o ouviu.

15 Mas se os anular depois de havê-los ouvido, então ele levará o pecado
dela.

16 Estes são os regulamentos que Jehová mandou ao Moisés entre o varão e seu
mulher, e entre o pai e sua filha durante sua juventude em casa de seu pai.

1.
Os príncipes das tribos.

Os mesmos homens aos que se faz referência nos caps. 1: 4, 16; 7: 2;
etc. Se usam várias expressões: "Os príncipes de suas tribos, e seus
anciões" (Deut. 5: 16), "toda a congregação dos filhos do Israel" (Jos.
18: 1; 22: 12); "os chefes de todo o povo" (Juec. 20: 2), "todo o Israel" (1
Sam. 7: 5), "todos os príncipes do Israel, os chefes das tribos"(1 Crón.
28: 1)," aos anciões do Israel e a todos os príncipes das tribos, os
chefes das famílias"(2 Crón. 5: 2), "dos príncipes e dos anciões"
(Esd. 10: 8).

2.

Voto.

Um compromisso ou promessa de dar algo a Deus: uma promessa de serviço pessoal,
como fez Jacob no Betel (Gén. 28: 20; 31: 13), a consagração do filho da Ana
(1Sam. 1: 11), o voto do Jefté a respeito de sua filha (Juec. 11: 30, 39).

Obrigação.

Uma obrigação tal como a abstinência de vinho, alimento, etc. (ver 1 Sam. 14:
24; Sal. 132: 3; Hech. 23: 21). O verbo hebreu se usa com freqüência com o
significado de "atar", "aprisionar", "arrear".

Não quebrantará sua palavra.

Literalmente, "não desatará sua palavra comprometida", no sentido de
"afrouxar", "liberar de uma obrigação", "fazer legítimo", "profanar".
Abster-se de realizar uma promessa solene feita a Deus é um ato de ruim
ingratidão e descuido pecaminoso (Deut. 23: 21; Anexo 5: 4; Mat. 5: 33). É
melhor que um homem não faça um voto, antes que prometer e não cumprir (Ecl.5:
2-5). 946

3.

A mulher, quando hiciere voto.

considerava-se que uma mulher solteira estava sob o controle de seu pai, e por
o tão não era livre para fazer planos e decidir sem o conselho dele. Não se
menciona às solteironas já entradas em anos.

4.

Calar a isso.

Literalmente, "fica em silêncio" ou "não faz objeções".

Os votos dela serão firmes.

Não estava dentro da potestad do pai anular parte alguma de um voto se não
fazia objeções quando ouviu dele ou escutou que sua filha o fazia.

5.

O dia.

Quer dizer, logo que ele ouça.
O vedou.

O consentimento do pai era necessário para que tivesse força o voto ou
promessa. Mas se ao conhecer o voto não disse nada, então seu silêncio se
considerava como um consentimento. Entretanto, se o pai fazia objeções,
então a jovem ficava livre de seu voto ou obrigação, e não necessitava
cumpri-lo.

6.

Se for casada.

O mesmo se aplicava a uma mulher comprometida que ainda vivesse na casa de
seu pai, pois um noivo tinha autoridade sobre sua noiva. Por exemplo, se ela
cometia adultério, morria apedrejada como se já se realizou o
casamento. Ela e todas suas posses se consideravam como pertencentes a
seu noivo (Deut. 22: 23, 24; ver também Mat. 1: 19, 20).

Hiciere votos.

Literalmente, "e seus votos estejam sobre ela". O voto podia ter sido feito
antes de seu compromisso e podia ter tido o consentimento de seu pai em
esse tempo. Agora, estando comprometida e sob a jurisdição legal de seu
prometido marido, ele podia lhe pedir que renunciasse a seu voto.

8.

Seu marido o ouviu.

Compare-se com o vers. 5, onde o mesmo princípio se aplica a uma filha na
casa de seu pai, como aqui a uma esposa em relação com seu marido.

9.

De viúva.

Tanto uma viúva como uma divorciada estavam em liberdade de fazer votos e
cumpri-los. Entretanto, uma viúva ou uma divorciada que tinha voltado para a casa
de seu pai e estava sob seu amparo, outra vez se achava submetida à
autoridade dele. A palavra traduzida "repudiada" literalmente é "expulsa".
 As disposições do Deut. 24: 1 tacitamente se aplicam aqui.

11.

Seus votos.

Se o voto tinha sido feito enquanto vivia o marido, em um caso, ou antes de
que a esposa fora divorciada, no outro, e não se levantou nenhuma objeção,
então o voto devia ser completo pela mulher que o fez. A mudança das
condições matrimoniais não afetava aos votos vigentes antes da mudança.

12.

Anulou-os.

Uma viúva ou uma divorciada não era responsável pelos votos previamente
anulados por seu marido.
14.

Calar.

Seu silêncio, estando plenamente informado do que ela estava fazendo,
estabelecia e confirmava os votos dela.

15.

Levará o pecado.

A responsabilidade plena era dele; ela ficava livre. Quanto à
natureza da culpa em que se incorreu e o ritual requerido para
livrar-se dela, ver Lev. 5: 4-10.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1, 2 1JT 551

2 HAp 61

CAPÍTULO 31

1 Destruição dos madianitas e morte do Balaam. 13 Moisés reprova aos
oficiais por salvar às mulheres. 19 Purificação dos soldados com seus
cativos e despojos. 25 Instruções para dividir o bota de cano longo. 48 Oferenda
voluntária para o Senhor.

1JEHOVA falou com o Moisés, dizendo:

2 Faz a vingança dos filhos do Israel contra os madianitas; depois será
recolhido a seu povo.

3 Então Moisés falou com povo, dizendo: lhes arme alguns de vós para a
guerra, e vão contra Madián e façam a vingança do Jehová no Madián.

4 Mil de cada tribo de todas as tribos dos filhos do Israel, enviarão à
guerra. 947

5 Assim foram jogo de dados dos milhares do Israel, mil por cada tribo, doze mil em
pé de guerra.

6 E Moisés os enviou à guerra; mil de cada tribo enviou; e Finees filho do
sacerdote Eleazar foi à guerra com os copos do santuário, e com as
trompetistas em sua mão para tocar.

7 E brigaram contra Madián, como Jehová o mandou ao Moisés, e mataram a tudo
varão.

8 Mataram também, entre os mortos deles, aos reis do Madián, Evi,
Requem, Zur, Hur e Reba, cinco reis do Madián; também ao Balaam filho do Beor
mataram a espada.

9 E os filhos do Israel levaram cativas às mulheres dos madianitas, a
seus meninos, e todas suas bestas e todos seus gados; e arrebataram todos seus
bens,

10 e incendiaram todas suas cidades, aldeias e habitações.
11 E tomaram todo o despojo, e todo o bota de cano longo, assim de homens como de bestas.

12 E trouxeram para o Moisés e ao sacerdote Eleazar, e à congregação dos filhos
do Israel, os cativos e o bota de cano longo e os despojos ao acampamento, nos planos
do Moab, que estão junto ao Jordão frente a Jericó.

13 E saíram Moisés e o sacerdote Eleazar, e todos os príncipes da
congregação, a recebê-los fora do acampamento.

14 E se zangou Moisés contra os capitães do exército, contra os chefes de
milhares e de centenas que voltavam da guerra,

15 e lhes disse Moisés: por que deixastes com vida a todas as mulheres?

16 Hei aqui, por conselho do Balaam elas foram causa de que os filhos do Israel
prevaricassem contra Jehová no referente ao Baal-pior, por isso houve mortandade
na congregação do Jehová.

17 Matem, pois, agora a todos os varões de entre os meninos; matem também a
toda mulher que tenha conhecido varão carnalmente.

18 Mas a todas as meninas entre as mulheres, que não tenham conhecido varão, as
deixarão com vida.

19 E vós, qualquer que tenha dado morte a pessoa, e qualquer que haja
meio doido morto, permaneçam fora do acampamento sete dias, e lhes desencardirão ao
terceiro dia e ao sétimo, vós e seus cativos.

20 Deste modo desencardirão todo vestido, e tudo objeto de peles, e toda obra de
cabelo de cabra, e todo utensílio de madeira.

21 E o sacerdote Eleazar disse aos homens de guerra que vinham da guerra:
Este é o regulamento da lei que Jehová mandou ao Moisés:

22 Certamente o ouro e a prata, o bronze, ferro, estanho e chumbo,

23 tudo o que resiste o fogo, por fogo o farão passar, e será limpo, bem
que nas águas de purificação terá que desencardir-se; e farão passar por água
tudo o que não resiste o fogo.

24 Além disso lavarão seus vestidos o sétimo dia, e assim serão limpos; e
depois entrarão no acampamento.

25 E Jehová falou com o Moisés, dizendo:

26 Toma a conta do bota de cano longo que se feito, assim das pessoas como das
bestas, você e o sacerdote Eleazar, e os chefes dos pais da
congregação;

27 e partirá por metades o bota de cano longo entre os que brigaram, os que saíram a
a guerra, e toda a congregação.

28 E apartará para o Jehová o tributo dos homens de guerra que saíram a
a guerra; de quinhentos, um, assim das pessoas como dos bois, dos
asnos e das ovelhas.

29 Da metade deles tomará; e dará ao sacerdote Eleazar a oferenda de
Jehová.
30 E da metade pertencente aos filhos do Israel tomará um de cada
cinqüenta das pessoas, dos bois, dos asnos, das ovelhas e de tudo
animal, e os dará aos levita, que têm a guarda do tabernáculo de
Jehová.

31 E fizeram Moisés e o sacerdote Eleazar como Jehová mandou ao Moisés.

32 E foi o bota de cano longo, o resto do bota de cano longo que tomaram os homens de guerra,
seiscentas e setenta e cinco mil ovelhas,

33 e setenta e dois mil bois,

34 e sessenta e um mil asnos.

35 Quanto a pessoas, de mulheres que não tinham conhecido varão, eram por
todas trinta e dois mil.

36 E a metade, a parte dos que tinham saído à guerra, foi o número de
trezentas e trinta e sete mil e quinhentas ovelhas;

37 e o tributo das ovelhas para o Jehová foi seiscentas e setenta e cinco.

38 Dos bois, trinta e seis mil; e de 948 eles o tributo para o Jehová,
setenta e dois.

39 Dos asnos, trinta mil e quinhentos; e deles o tributo para o Jehová,
sessenta e um.

40 E das pessoas, dezesseis mil; e delas o tributo para o Jehová, trinta
e duas pessoas.

41 E deu Moisés o tributo, para oferenda elevada ao Jehová, ao sacerdote
Eleazar, como Jehová o mandou ao Moisés.

42 E da metade para os filhos do Israel, que apartou Moisés dos homens que
tinham ido à guerra

43 (a metade para a congregação foi: das ovelhas, trezentas e trinta e
sete mil e quinhentas;

44 dos bois, trinta e seis mil;

45 dos asnos, trinta mil e quinhentos;

46 e das pessoas, dezesseis mil);

47 da metade, pois, para os filhos do Israel, tomou Moisés um de cada
cinqüenta, assim das pessoas como dos animais, e os deu aos levita,
que tinham a guarda do tabernáculo do Jehová, como Jehová o tinha mandado a
Moisés.

48 Vieram ao Moisés os chefes dos milhares daquele exército, os chefes de
milhares e de centenas,

49 e disseram ao Moisés: Seus servos tomaram razão dos homens de guerra
que estão em nosso poder, e nenhum faltou que nós.

50 Pelo qual oferecemos ao Jehová oferenda, cada um do que achou,
jóias de ouro, braceletes, braceletes, anéis, brincos e cadeias, para fazer
expiação por nossas almas diante do Jehová.

51 E Moisés e o sacerdote Eleazar receberam o ouro deles, jóias, todas
elaboradas.

52 E todo o ouro da oferenda que ofereceram ao Jehová os chefes de milhares e
de centenas foi dezesseis mil setecentos e cinqüenta siclos.

53 Os homens do exército tinham tomado bota de cano longo cada um para si.

54 Receberam, pois, Moisés e o sacerdote Eleazar o ouro dos chefes de
milhares e de centenas, e o trouxeram para o tabernáculo de reunião, por memória de
os filhos do Israel diante do Jehová.

1.

Jehová falou.

Como se registrou no cap. 25: 16-18, a ordem de ferir os madianitas já
tinha sido dada ao Moisés; agora devia organizar a expedição militar para
executar a vontade de Deus. Os madianitas, por sugestão do Balaam, haviam
induzido ao Israel a cometer um grave pecado, o que a sua vez trouxe uma praga de
Deus sobre seu povo.

2.

Faz a vingança.

A ofensa dos madianitas tinha ocorrido enquanto Moisés era chefe; agora ele
foi comissionado Por Deus para castigar aos ofensores antes de deixar seu
autoridade.

Depois.

Deus tinha falado previamente ao Moisés a respeito de sua morte iminente (cap. 27:
12, 13). além da campanha contra os madianitas, subtraía o dever de
comunicar instruções a respeito da conquista da terra do Canaán (caps. 32
e 34) e tomar algumas medidas em favor dos levita (cap. 35: 1-8).

3.

lhes arme alguns de vós.

Literalmente, "armem de entre estes com vós, homens". O vers. 2 fala
de vingar aos filhos do Israel; este versículo lhe dá o nome da vingança
do Jehová. Assim se identificam intimamente os interesses de Deus com os de seu
povo.

4.

Mil.

Este pequeno número sugere uma seleção cuidadosa, posto que algumas das
tribos maiores facilmente poderiam ter proporcionado um número muito
maior.

Cada tribo.

Alguns pensam que isto poderia ter incluído aos levita, possivelmente não para que
levassem armas, mas sim como uma unidade de serviço auxiliar que devia operar
detrás da linha de batalha. Mas o fato de que os levita recebessem seu
parte do bota de cano longo da porção atribuída aos que não foram à guerra (vers.
30, 37-41) parece excluir uma idéia tal.

5.

Doze mil.

Compare-se com o Juec. 21: 10, quando o mesmo número foi enviado contra
Jabes-galaad. A idéia implicada no vers. 5 é que os jovens foram
alistados. O número parece pequeno em comparação com os madianitas, que
tinham a cinco reis com suas forças armadas.

6.

Moisés os enviou.

Quer dizer, comissionou-os com autoridade para levar a cabo a ordem de Deus.

Finees.

Não nos diz se Finces foi como chefe da expedição, substituindo assim a
Josué, ou se só foi em seu papel de sacerdote principal (ver Jos. 22: 13). Seu
anterior e valorosa façanha efetuada para honra de Deus sem dúvida lhe tinha dado
uma grande reputação de decisão e valor (cap. 25: 8). 949

Os copos do santuário.

"Objetos sagrados" (BJ). Quer dizer, os copos sagrados. Não nos diz o que
copos (ou "objetos") foram levados. Alguns sugeriram o arca (ver Núm.
10: 33; Jos. 3: 14; 6: 8), outros, a lâmina de ouro que Aarón levava sobre a
cabeça (Exo. 28: 36). A palavra aqui traduzida "copos" ou "objetos" (BJ) é a
mesma traduzida "utensílios" no Núm. 3: 31 (VVR). Pode admitir-se que as
trompetistas do santuário fossem "objetos sagrados".

7.

Brigaram.

Possivelmente as forças israelitas cruzaram a fronteira e entraram em
território madianita, onde lutaram.

Mataram a todo varão.

Quer dizer, da força atacante, possivelmente os varões de idade militar.
Outra destruição dos madianitas, efetuada pelo Gedeón, registra-se no Juec.
8:12. O extermínio de toda a população masculina teria produzido a
extinção da nação; entretanto, os madianitas aparecem vez detrás vez como
violentos inimigos do Israel (Juec. 6: 1, 2; 7: 14; 8: 22; 9: 17, 28; ISA. 60:
6).

8.

Os reis do Madián.

Vários títulos se usam para estes homens: anciões (cap. 22: 4), e duques ou
príncipes (Jos. 13: 21).
Evi.

Ver Jos. 13: 21.

Requem.

Ver Jos. 13: 21; 1 Crón. 2: 43; 7: 16. Também o nome de uma cidade
benjaminita (Jos. 18: 27).

Zur.

Ver Núm. 25: 15; Jos. 13: 21.

Hur.

Também o nome de um israelita (Exo. 17: 10), parente do Caleb.

Balaam.

Seu fim foi muito diferente da esperança que tinha expresso para si mesmo
(Núm. 23: 10; Jos. 13: 22).

9.

Levaram cativas às mulheres.

Era um costume antigo matar aos homens mas não às mulheres nem aos
meninos (Gén. 34: 25; 1 Rei. 11: 16). Em certos casos posteriores, Deus indicou
que se matasse só aos homens; em outros casos, devia morrer toda a população
(Deut. 20: 13, 14, 16).

Bestas.

A palavra assim traduzida provém do verbo "ser travado de língua", "ser
mudo". Com freqüência inclui todos os animais domésticos maiores. Os
madianitas eram famosos por seus camelos (Juec. 6: 5), que não se mencionam aqui
por separado (ver Exo. 9: 25; 12: 12; Sal. 135: 8; Jer. 50: 3).

10.

Suas cidades.

A destruição desses lugares fortificados tenderia a impedir uma séria
rebelião posterior.

Habitações.

Literalmente, "seus acampamentos", uma referência aos acampamentos circulares de
as tribos nómades. Ver Gén. 25: 16, onde se usa a mesma palavra.

11.

O despojo.

empossaram-se do despojo, como se viu no vers. 9, e agora se o
levaram.

12.
Os cativos.

Foi completa a conquista desta tribo de madianitas. Os "cativos" eram as
mulheres e os meninos; e o "bota de cano longo" estava formado pelos camelos, os bois,
as ovelhas e as cabras; e os "despojos" eram os metais preciosos, as
jóias, os vestidos, etc.

A congregação.

Possivelmente uma referência aos 70 anciões e aos príncipes das tribos, que
representavam ao povo.

Os planos do Moab.

De onde tinham partido para apresentar batalha aos madianitas (ver caps.
22: 1; 26: 3, 63).

13.

Saíram.

tratava-se de uma comissão de recepção para dar a bem-vinda aos vencedores
e fazer os acertos que fossem necessários para a purificação, separação ou
destruição das coisas impuras.

14.

zangou-se Moisés.

Especialmente porque mulheres madianitas inaceitáveis tinham sido gastas como
cativas, o que incluía precisamente às que tinham sido a causa da
praga que tinha varrido o acampamento (ver vers. 15, 17).

Capitães.

Literalmente, "inspetores" ou "supervisores".

15.

deixastes?

O castigo das mulheres -instrumentos usados por Satanás para levar o
pecado ao acampamento do Israel- estava implícito na ordem: "Faz a vingança
dos filhos do Israel contra os madianitas" (cap. 31: 2). Compare-se com o
castigo das mulheres amalecitas (1 Sam. 15: 3).

17.

Matem... a todos os varões.

A fim de reduzir à impotência a uma nação idólatra.

A toda mulher que tenha conhecido varão.

Incluía provavelmente a quão mesmas tinham sido responsáveis pelo
envilecimento do Israel.

18.
As meninas.

Posto que eram jovens e impressionáveis, existia a possibilidade de que fossem
desarraigadas da idolatria e suas práticas impuras.

Deixarão com vida.

Quanto a uma lei posterior, cuja promulgação pôde haver-se devido à
captura destas mulheres, ver Deut. 21: 10-14. 950

19.

Permaneçam fora do acampamento.

Ver cap. 19: 9-11.

Desencardirão.

Com água mesclada com a cinza de uma vaca alazã (ver cap. 19). A impureza
cerimonial era algo grave para os filhos do Israel (ver Mar. 7: 15).

20.

Desencardirão.

Isto podia efetuar-se com a água de separação, ou em águas correntes (Lev.
11: 32, 33). Evidentemente, ambas estavam incluídas no rito aplicável para
os que haviam meio doido corpos mortos.

De peles.

Incluindo calçado, almofadinhas, etc.

Cabelo de cabra.

Isto se aplicava a lojas (Exo. 25: 4), e também a tapetes e roupa de cama
(1 Sam. 19: 13, 16).

22.

O bronze.

Ou cobre (ver com. Exo. 27: 3).

Chumbo.

Ver Jer. 6: 29. Os seis metais aqui mencionados eram comuns no Egito e
outros países antigos.

23.

Fogo.

A água não é um purificador adequado dos metais, mas sim o é o fogo.
Os diversos utensílios tirados dos madianitas eram impuros por razões de
contato com corpos mortos e também por ter sido usados pelos pagãos.

24.
Lavarão.

Ver cap. 19: 19.

25.

Jehová falou.

Quer dizer, depois de que se completou o ritual da purificação e os
homens tinham entrado no acampamento.

26.

A conta do bota de cano longo.

Literalmente, "a cabeça do bota de cano longo". Não se faz menção do despojo de jóias,
metais preciosos e vestidos. Essas coisas depois proporcionaram uma oferenda
voluntária (vers. 50, 53).

Partirá ... o bota de cano longo.

Todo o acampamento tinha sofrido à mãos dos madianitas. portanto, era
justo que os que tinham ficado no acampamento também recebessem uma
porção.

28.

Apartará ... o tributo.

Literalmente, "levanta uma soma fixa". A palavra aqui traduzida "tributo"
só reaparece nos vers. 37-41. Para outros exemplos da divisão de um
bota de cano longo, ver Jos. 22: 8; 1 Sam. 30: 24, 25.

Ovelhas.

A palavra hebréia inclui tanto cabras como ovelhas.

29.

Dará ao sacerdote Eleazar.

Como um dízimo para sustentar aos sacerdotes e aos levita (ver cap. 18: 21,
24, 26).

30.

Um de cada cinqüenta.

Isto era 2 por cento do despojo atribuído à congregação. A porção de
levita-os foi 320 donzelas, 6.750 ovelhas e cabras, 720 cabeças de gado e
610 asnos. Sem dúvida, a percentagem foi ordenado em proporção com o número
relativo de levita. Entretanto, aos sacerdotes não lhes permitia casar-se
com mulheres que não fossem israelitas (Lev. 21: 14).

3l.

Moisés e ... Eleazar.

A ordem foi dada ao Moisés (vers. 25), com o Eleazar como ajudante (vers. 26).
Aqui não se faz menção de "os pais da congregação" (vers. 26). Sem
duvida eles tinham plena confiança na integridade do Eleazar.

32.

O resto do bota de cano longo.

Possivelmente melhor, "o resto que ficava", quer dizer da presa. O bota de cano longo tomado em
o campo de batalha diminuía por uma quantidade de fatores: a matança de
alguns animais para alimento, a morte de alguns pelas penalidades da
marcha, ao extraviar-se e por enfermidade.

48.

Os chefes.

Os que tinham autoridade apresentaram ao Moisés um relatório pessoal do
cumprimento de suas responsabilidades.

49.

Nenhum faltou.

Quando se passou a lista de todos os que tinham participado da expedição,
ficou de manifesto que os israelitas não tinham sofrido uma só baixa.
Certamente tinha sido a batalha do Jehová (vers. 3). Sem dúvida se houvesse
considerado como uma tragédia que alguns homens perdessem a vida nos
mesmas soleiras da herança prometida.

50.

Oferenda.

Pelo general, os nómades levavam adornos de metais preciosos. Com
freqüência, os adornos para o pescoço, as bonecas e os tornozelos eram de
moedas de prata ou ouro trespassadas (ver Juec. 8: 24-26).

Cada um.

Cada um queria oferecer ao Jehová alguma costure em agradecimento pela vitória
e o feliz retorno (ver Gén. 14: 20; 2 Sam. 8: 11, 12; 1 Crón. 26: 26, 27).

Jóias de ouro.

Melhor, "adornos de ouro" (ver Gén. 24: 53; Exo. 3: 22).

Braceletes.

Para os tornozelos e possivelmente também para a parte superior dos braços.

Braceletes.

"Braceletes" (BJ). Ver Gén. 24: 47; Eze. 16: 11.

Anéis.

Ver Gén. 41: 42; Est. 3: 10.

Brincos.
Muito comuns entre os povos orientais, tão antigos como modernos.

Para fazer expiação.

Possivelmente se refere ao assunto do vers. 14, tanto como a outros incidentes
pessoais que implicavam impureza e 951 culpabilidade que pudessem haver
ocorrido durante a batalha.

53.

Cada um para si.

Fora de dúvida tinha havida pilhagem individual e saque; mas de tudo o que
recebeu cada homem, gozosamente deu uma porção a Deus com gratidão de
coração.

54.

Por memória.

Sem dúvida uma parte considerável da grande quantidade de ouro foi fundida e
convertida em copos para ser usados no santuário.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-54 PP 487

2, 7 PP 487

8 PP 481, 487; SR 177

16 2JT 240; PP 481

CAPÍTULO 32

1 Os filhos do Rubén e os filhos do Gad pedem que lhes atribua uma comarca
boiadeira. 6 Moisés os reprova, 16 Oferecem condições aceitáveis ao Moisés. 33
Moisés lhes atribui a terra pedida. 39 Eles a conquistam.

1 OS filhos do Rubén e os filhos do Gad tinham uma muito imensa multidão de
ganho; e viram a terra do Jazer e do Galaad, e lhes pareceu o país lugar de
ganho.

2 Vieram, pois, os filhos do Gad e os filhos do Rubén, e falaram com o Moisés e
ao sacerdote Eleazar, e aos príncipes da congregação, dizendo:

3 Atarot, Dibón, Jazer, Nimra, Hesbón, Eleale, Sebam, Nebo e Beón,

4 a terra que Jehová feriu diante da congregação do Israel, é terra de
ganho, e seus servos têm ganho.

5 portanto, disseram, se acharmos graça em seus olhos, dê-se esta terra a vocês
servos em herdade, e não nos faça acontecer o Jordão.

6 E respondeu Moisés aos filhos do Gad e aos filhos do Rubén: seu Irã
irmãos à guerra, e ficarão aqui?

7 E por que desanimam aos filhos do Israel, para que não passem à terra
que lhe deu Jehová?

8 Assim fizeram seus pais, quando os enviei desde o Cades-barnea para que
vissem a terra.

9 Subiram até a corrente do Escol, e depois que viram a terra,
desalentaram aos filhos do Israel para que não viessem à terra que Jehová
tinha-lhes dado.

10 E a ira do Jehová se acendeu então, e jurou dizendo:

11 Não verão os varões que subiram do Egito de vinte anos acima, a terra
que prometi com juramento ao Abraham, Isaac e Jacob, por quanto não foram
perfeitos em detrás de mim;

12 exceto Caleb filho do Jefone cenezeo, e Josué filho do Nun, que foram
perfeitos em detrás do Jehová.

13 E a ira do Jehová se acendeu contra Israel, e os fez andar errantes
quarenta anos pelo deserto, até que foi acabada toda aquela geração
que tinha feito mal diante do Jehová.

14 E hei aqui, vós acontecestes em lugar de seus pais, prole de
homens pecadores, para acrescentar ainda à ira do Jehová contra Israel.

15 Se lhes voltassem de em detrás dele, ele voará outra vez a lhes deixar no
deserto, e destruirão a todo este povo.

16 Então eles vieram ao Moisés e disseram: Edificaremos aqui socadas para
nosso gado, e cidades para nossos meninos;

17 e nos armaremos, e iremos diligencia diante dos filhos de
Israel, até que os metamos em seu lugar; e nossos meninos ficarão em
cidades fortificadas por causa dos moradores do país.

18 Não voltaremos para nossas casas até que os filhos do Israel possuam cada um
sua herdade.

19 Porque não tomaremos herdade com eles ao outro lado do Jordão nem adiante,
por quanto teremos já nossa herdade a este outro lado do Jordão ao oriente.

20 Então lhes respondeu Moisés: Se o fizerem assim, se lhes dispuserem para ir
diante do Jehová à guerra, 952

21 e todos vós passam armados o Jorán diante do Jehová, até que haja
jogado a seus inimigos de diante de si,

22 e seja o país subjugado diante do Jehová; logo voltarão, e serão livres
de culpa para com o Jehová, e para com o Israel; e esta terra será sua em
herdade diante do Jehová.

23 Mas se assim não o fizerem, hei aqui terão pecado ante o Jehová; e saibam que
seu pecado lhes alcançará.

24 Lhes edifique cidades para seus meninos e currais para suas ovelhas, e
façam o que declarou sua boca.

25 E falaram os filhos do Gad e os filhos do Rubén ao Moisés, dizendo: Vocês
servos farão como meu senhor mandou.
26 Nossos meninos, nossas mulheres, nossos gados e todas nossas bestas,
estarão aí nas cidades do Galaad;

27 e seus servos, armados todos para a guerra, passarão diante do Jehová à
guerra, da maneira que meu senhor diz.

28 Então lhes encomendou Moisés ao sacerdote Eleazar, e ao Josué filho do Nun, e
aos príncipes dos pais das tribos dos filhos do Israel.

29 E lhes disse Moisés: Se os filhos do Gad e os filhos do Rubén passam com
vós o Jordão, armados todos para a guerra diante do Jehová, logo que
o país seja subjugado diante de vós, darão-lhes a terra do Galaad em
posse;

30 mas se não passarem armados com vós, então terão posse entre
vós, na terra do Canaán.

31 E os filhos do Gad e os filhos do Rubén responderam dizendo: Faremos o
que Jehová há dito a seus servos.

32 Nós passaremos armados diante do Jehová à terra do Canaán, e a
posse de nossa herdade será a este lado do Jorán.

33 Assim Moisés deu aos filhos do Gad, aos filhos do Rubén, e à meia tribo
do Manasés filho do José, o reino do Sehón rei amorreo e o reino do Og rei de
Apóiam, a terra com suas cidades e seus territórios, as cidades do país
ao redor.

34 E os filhos do Gad edificaram Dibón, Atarot, Aroer,

35 Atarot-sofán, Jazer, Jogbeha,

36 Bet-nimra e Bet-aram, cidades fortificadas; fizeram também socadas para
ovelhas.

37 E os filhos do Rubén edificaram Hesón, Eleale, Quiriataim,

38 Nebo, Baal-meón (mudados os nomes) e Sibma; e puseram nomes às
cidades que edificaram.

39 E os filhos do Maquir filho do Manasés foram ao Galaad, e tomaram, e
jogaram ao amorreo que estava nela.

40 E Moisés deu Galaad ao Maquir filho do Manasés, o qual habitou nela.

41 Também Jair filho do Manasés foi e tomou suas aldeias, e lhes pôs por nome
Havot-Jair.

42 Deste modo Noba foi e tomou Kenat e suas aldeias, e o chamou Noba, conforme a seu
nome.

1.

Filhos do Rubén.

Os rubenitas e gaditas estavam acampados no lado sul do tabernáculo,
provavelmente não como vizinhos, a não ser com a tribo do Simeón entre eles (cap. 2:
10-14). Rubén era o primogênito do Jacob e, portanto, é mencionado
primeiro de acordo com a antigüidade tribal. Nos versículos seguintes Gad
é mencionado primeiro, posto que essa tribo tomou a iniciativa para
estabelecer-se no lado leste do Jordão. O fato de que tivessem vivido muito
perto durante 38 anos tendeu a influir neles para que estivessem juntos em
sua localização permanente.

Muito imensa multidão de gado.

Quer dizer, em comparação com o resto dos israelitas. Não se informa como
chegaram a ser tão ricos em ganho (ver Juec. 5: 16, 17).

A terra do Jazer.

Este nome aparece em outras partes como o de uma cidade. pensa-se que
esteve ao norte ou noroeste do Rabá do Amón.

Do Galaad.

O nome de um distrito mencionado primeiro no Gén. 37: 25, situado ao norte e
ao sul do arroio Jaboc. Era notável por seu chão fértil. O nome Galaad se
usa às vezes para indicar todo o território ocupado pelo Israel ao leste do
Jordão.

Lugar de gado.

Apóiam se incluía em seu território, notável por seu excelente gado (ver Sal.
22: 12).

2.

Gad.

Gad tomou a iniciativa na proposição de sua idéia. Não se faz menção de 953
Manasés que também tinha muito gado e compartilhava o território ao leste do
Jordão com o Gad e Rubén (ver Deut. 3: 12, 13; 4: 43; 29: 8; Jos. 12: 6; 13: 29,
31; 14: 3; 18: 7).

3.

Atarot.

Que se atribuiu ao Gad (vers. 34).

Dibón.

No reino do Sehón (cap. 21: 30), também se atribuiu ao Gad (vers. 34).

Jazer.

Ver vers. 1. Outro lugar pertencente ao Gad (vers. 34).

Nimra.

chama-se Bet-nimra no vers 36. Possivelmente significa "o lugar do leopardo".

Hesbón.

A capital do Sehón, rei dos amorreos (cap. 21: 26-28), adjudicada aos
rubenitas (vers. 37).
Eleale.

Mencionada como adjacente ao Hesbón (Núm. 32: 37; ISA. 15: 4; 16: 9; Jer. 48:
34). Provavelmente a moderna o-Ao, ao nordeste do Hesbón.

Sebam.

Também recebe o nome da Sibma (vers. 38; ISA. 16: 8, 9; Jer. 48: 32). Seus
vinhas eram famosas.

Nebo.

Atribuída aos rubenitas (vers. 38).

Beón.

No vers. 38 encontramos Baalmeón, transformada no Beón pelos israelitas a
fim de eliminar o nome do Baal. Posteriormente, quando caiu em mãos dos
moabitas, restauraram-lhe o nome completo, lhe dando a designação do Bet-meón
(Jer. 48: 23). Chama-se Bet-baal-meón no Jos. 13: 17. Provavelmente foi
atribuída aos rubenitas. Suas ruínas se conhecem como MA'in hoje em dia, a 8
km ao sul do monte Nebo.

4.

Jehová feriu.

Quer dizer, com a intenção de dá-la a seu povo como herdade (cap. 21: 24, 25).

6.

Ficarão aqui?

Em vista da relativa facilidade com que tinha sido conquistado o território
ao leste do Jordão, sem dúvida Gad e Rubén pensaram que seria rapidamente ocupado
o território ao oeste do Jordão.

7.

Desanimam.

Literalmente, "opõem", "fazem indiferente". Moisés temia que o proceder de
as duas tribos induzira às outras tribos a recusar-se a cruzar o Jordão.
Então o efeito teria sido muito parecido ao do relatório falto de fé dos
espiões, que deu como resultado que toda uma geração perecesse no
deserto.


8.

Seus pais.

Não meramente os antepassados das duas tribos, mas sim de toda a nação.

Cades-barnea.

Ver cap. 13: 3, 26.
9.

A corrente do Escol.

Ver cap. 13: 21-23. Os espiões desanimaram aos israelitas para que não
entrassem na terra prometida, ao descrever aos inimigos como gente
muito forte para que pudessem lhe fazer frente e vencê-la (cap. 13: 31).

10.

A ira do Jehová.

Ver cap. 14: 21-23, 28.

11.

Não verão os varões.

Ver cap. 14: 22, 23, 29, 35.

12.

Cenezeo.

Ver cap. 14: 24. O mesmo nome é dado no Jos. 14: 6, 14. deriva-se de
Cenaz (ver Gén. 36: 15, 42; 1 Crón. 1: 36, 53). É possível que Cenaz fora o
antepassado comum do Otoniel e Caleb, do qual tomou o nome o pai de
Otoniel. Jefone é chamado cenezeo (Jos. 14: 14).

Perfeitos.

"Fiéis" (BJ). Quer dizer, "completamente fiéis" (ver cap. 14: 24, 30, 38).

14.

Prole de homens pecadores.

Melhor, "uma estirpe de homens pecadores". A palavra hebréia aqui traduzida
"prole" não se acha em nenhuma outra parte do AT. Moisés se alterou muitíssimo
por este pedido.

15.

Se lhes voltassem.

Como o tinham feito seus pais, e pereceram no deserto.

Destruirão a todo este povo.

O povo poderia então recusar-se a cruzar o Jordão e afiançar sua demanda de
Canaán. depois de ter ficado livres do serviço militar com a bênção
do Josué, estas mesmas tribos provocaram um incidente que fez que temessem seus
irmãos -embora sem razão- um castigo da ira de Deus (ver Jos. 22: 1-29).

16.

Socadas.

Construídas com fileiras de pedras sem polir, pedras do campo amontoadas, e
sem teto.

Cidades.

Possivelmente moradias dos amorreos que já estavam em pé e que foram reparadas.
Uma debilidade deste plano era que suas mulheres e meninos, seu gado e ovelhas,
dificilmente se podiam deixar em um território recém conquistado e hostil, sem
uma força poderosa e bem armada que os protegesse.

17.

Armaremo-nos.

Literalmente, "equiparemo-nos para a guerra, nos dando pressa". Esta era uma
promessa de não demorar em maneira alguma o cruzamento do Jordão, mas sim de atuar como
uma unidade de vanguarda ou avançada diante da hoste principal (ver Deut.
3: 18; Jos. 4: 12).

Os moradores.

Os amorreos e moabitas, que previamente ocupavam o território (cap. 21: 26).

18.

Até.

Uma promessa de continuar com seu dever para com a nação até que se
completasse 954 a conquista do Canaán. De acordo com o Deut. 33: 21 Gad havia
obtido sua primeira parte, quer dizer, tinha ocupado o território do Sehón e Og,
e tinha executado a ordem do Senhor: cumpriu com sua promessa de ajudar a seus
irmãos a ocupar Canaán.

19.

Não tomaremos herdade.

Renunciaram a qualquer desejo de pretender herança alguma ao oeste do
Jordão.

A este outro lado do Jordão.

A mesma palavra hebréia é traduzida "ao outro lado" e a "este lado". Provém
do verbo "passar de comprimento", "cruzar". O substantivo derivado significa "a
região mais à frente", e em sua forma masculina plural se aplica aos hebreus.

20.

diante do Jehová.

Jehová é considerado como um Deus de batalhas, que vai diante da nação em
parte para turvar a seus inimigos (ver Núm. 21: 14; Jos. 4: 5, 11-13; 6: 8, 9;
Juec. 5: 23).

22.

Livres de culpa.

A palavra assim traduzida provém do verbo "ser limpo", "ser livre de
castigo". O segundo significado é preferível aqui.
Em herdade diante do Jehová.

Quer dizer, com plena aprovação do Senhor.

23.

Seu pecado lhes alcançará.

Literalmente, "e saibam que seu pecado, o qual lhes achará". Deus expressou
a mesma idéia ao dirigir-se ao Caín: "O pecado está à porta" (Gén. 4: 7).

25.

Como meu senhor mandou.

Uma típica forma oriental de falar, posto que o que dizia Moisés era
precisamente o que eles mesmos já tinham sugerido (vers. 17).

26.

Cidades do Galaad.

Lugares fortificados que antes estiveram ocupados pelo inimigo.

27.

Armados todos.

Para servir como guarnições ao leste do Jordão e como uma força
expedicionária que acompanharia ao núcleo principal dos israelitas para
cruzar o Jordão.

28.

Encomendou-lhes ... ao sacerdote Eleazar.

Moisés sabia que ele não cruzaria o Jordão, e portanto colocou sobre o Eleazar
e Josué a responsabilidade de ver que Rubén e Gad cumprissem suas promessas (ver
Jos. 1: 13, 14; 22: 1-6).

29.

A terra do Galaad.

Não se podia dizer que estivessem em posse de todo o território do Galaad
então. Estavam fortificando uma quantidade de cidades, não só como refúgios
seguros para suas famílias, mas também como lugares fortes dos quais
podiam completar a conquista da terra.

30.

Se não passarem.

Sua promessa, tal como se registra no vers. 17, devia ser cumprida
honorablemente; do contrário seriam obrigados a viver no lado oeste do
rio Jordão.

31.
Faremos.

Reiteraram e confirmaram sua promessa ao Moisés (vers. 25), invocando o nome de
Jehová como evidência de sua boa fé.

32.

A este lado do Jordão.

Confirmando suas promessas anteriores na presença do Eleazar e do Josué,
falaram do lado oriental do Jordão como "este lado", pois estavam na
terra do Galaad.

33.

Meia tribo do Manasés.

Eram reconosidos como guerreiros (Jos. 17: 1); e como havia lugar, também se
concedeu-lhes uma posse no Galaad. É evidente, pelo vers. 39, que a
meia tribo do Manasés tinha cooperado na conquista do Galaad, e possivelmente sem
ajuda tinha submetido certos setores.

Sehón.

Os territórios do Sehón e Og foram os primeiros em ser tomados pelos
israelitas e o povo foi subjugado (ver Núm. 21: 24, 29; 2 Rei. 15: 29).

34.

Os filhos do Gad edificaram.

A lista das cidades nomeadas nos vers. 34-38 corresponde muito de perto
com a do vers. 3. Uma lista adicional e mais completa se acha no Jos. 13:
24-28.

Dibón.

O lugar onde foi encontrada a pedra moabita em 1868. Esta cidade
constantemente trocou de donos. Aqui é adjudida ao Gad. No Jos. 13: 17 está
na lista do Rubén (ver também Núm. 21: 30; ISA. 15: 2; Jer. 48: 18, 22).

A edificação destas cidades deve referir-se mas bem à reparação dos
estragos da guerra. Os habitantes foram destruídos, mas não as cidades
(Deut. 2: 34, 35). Compare-se isto com a experiência do Jeroboam quando
"reedificó" ao Siquem (1 Rei 12: 25). Assim também Azarías "reedificó" ao Elat ao
restaurá-la ao Judá (2 Rei. 14: 22).

Atarot.

A moderna Atarus, a 11 km ao norte do Dibón, a moderna Dibán.

Aroer.

Uma cidade amorrea conquistada pelo Sehón (Deut. 2: 36; 3: 12; 4: 48). O
nome moderno desta cidade é Arair e está situada perto do rio Arnón, uns
5 km ao sul da moderna Dibán. O mesmo nome se encontra no Jos. 13: 25,
1 Sam. 30: 28 e ISA. 17: 2, mas se refere a diferentes sítios. 955
35.

Atarot-sofán.

Não se identificou ainda.

Jazer.

Que significa "útil". É a Jazer do vers. 3.

Jogheba.

Agora Jubeihat, a 10 km ao noroeste do Rabat Amón.

36.

Bet-nimra.

Possivelmente a moderna Tell o Bleibil, a 9 km ao leste do Jordão e a 13 km
ao norte do mar Morto.

Bet-aram.

Alguns dizem que é a moderna Tell Iktanu, a 10 km ao nordeste da
desembocadura do Jordão.

Cidades fortificadas.

Para o amparo das mulheres e dos meninos que foram ficar atrás com
suas guarnições.

Socadas para ovelhas.

Estas se edificavam dentro do amparo das fortificações exteriores.
Era uma excelente comarca para o pastoreio, o que compreendiam muito bem os
moabitas (2 Rei. 3: 4).

37.

Os filhos do Rubén edificaram.

Outra vez a idéia é a de reparar e fazer habitáveis e seguras as cidades que
tinham sido danificadas pela guerra.

Hesbón.

Outra cidade que passou por muitas vicissitudes. No cap. 21: 25 está em
posse dos amorreos. No Jos. 13: 17, como aqui, está sob o controle de
Rubén. No Jos. 21: 39 Gad é seu dono. Outra vez a possui Moab de acordo com
ISA. 15: 4; 16: 9; Jer. 48: 2. Finalmente ficou sob o domínio dos filhos de
Amón (Jer. 49: 1-3).

Quiriataim.

Conhecida como a cidade de gigantes chamados emitam (Gén. 14: 5; Deut. 2: 10,
11). Provavelmente O-Qereiyat, entre o Dibán e o mar Morto.

38.
Nebo.

Provavelmente se relaciona com as palavras hebréias "profetizar" e "profeta".
Possivelmente situada perto do monte Nebo, onde morreu Moisés (ver Deut. 32:
49). Possivelmente seja a moderna Neba, no rincão nordeste do mar Morto, ou Khirbet
o-Mekhaiyet.

Mudados os nomes.

Literalmente, "trocados de nome". Os nomes do Nebo e Baal-meón foram
trocados porque representavam a deuses cujo culto se centralizava ali. Sem
embargo, persistiram os nomes antigos (Jos. 13: 17; Eze. 25: 9).

Sibma.

Ver com. vers. 3.

Edificaram.

Outra vez, no sentido de reparar ou reedificar (ver 1 Rei. 9: 17; 2 Crón. 11:
6).

39.

Galaad.

Possivelmente aqui a referência só é à parte norte, e não em um sentido mais
general como nos vers. 1, 26, 29.

41.

Jair.

Jair era o filho do Segub, filho do Hezrón, quem se tinha casado com a filha de
Maquir (1 Crón. 2: 21, 22), um filho do Manasés.

Havot-Jair.

Literalmente, "as populações do Jair", como no Jos. 13: 30. Estes, ou
possivelmente outros grupos de cidades sem muralhas, mencionam-se no Juec. 10:
4; 1 Rei. 4: 13; 1 Crón. 2: 22, 23.

42.

Noba.

Compare-se com o Juec. 8: 11. Evidentemente, um príncipe muito importante.

Kenat.

Identificada com o Qanawat, a 100 km por volta do leste do mar da Galilea (ver 1
Crón. 2: 23).

Chamou-o Noba.

É provável que fossem tomadas 60 populações. Jair, como o chefe da
expedição, ficou com 23 para ele e dividiu o resto entre os que participaram
com ele na campanha. Noba foi um deles.
COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

2 PP 562

CAPÍTULO 33

1 Jornadas do Israel do Egito até o Jordão. 50 Se ordena a expulsão de
os canaannitas.

1ESTAS são as jornadas dos filhos do Israel, que saíram da terra de
Egito por seus exércitos, sob o mando do Moisés e Aarón.

2 Moisés escreveu suas saídas conforme a suas jornadas por mandato do Jehová.
Estas, pois, são suas jornadas com arrumo a suas saídas.

3 Do Ramesés saíram no primeiro mês, aos quinze dias do primeiro mês; o
segundo dia da páscoa saíram os filhos do Israel com mão poderosa, a
vista de todos os egípcios,

4 enquanto enterravam os egípcios aos que Jehová tinha ferido de morte de
entre 956 eles, a todo primogênito; também tinha feito Jehová julgamentos contra
seus deuses.

5 Saíram, pois, os filhos do Israel do Ramesés, e acamparam no Sucot.

6 Saíram do Sucot e acamparam no Etam, que está ao limite do deserto.

7 Saíram do Etam e voltaram sobre o Pi-hahirot, que está diante de
Baal-zefón, e acamparam diante do Migdol.

8 Saíram do Pi-hahirot e passaram por no meio do mar ao deserto, e
andaram três dias de caminho pelo deserto do Etam, e acamparam na Mara.

9 Saíram da Mara e vieram ao Elim, onde havia doze fontes de águas, e
setenta palmeiras; e acamparam ali.

10 Saíram do Elim e acamparam junto ao Mar Vermelho.

11 Saíram do Mar Vermelho e acamparam no deserto de Sem.

12 Saíram do deserto de Sem e acamparam na Dofca.

13 Saíram da Dofca e acamparam no Alús.

14 Saíram do Alús e acamparam no Refidim, onde o povo não teve águas para
beber.

15 Saíram do Refidim e acamparam no deserto do Sinaí.

16 Saíram do deserto do Sinaí e acamparam no Kibrot-hataava.

17 Saíram do Kibrot-hataava e acamparam no Hazerot.

18 Saíram do Hazerot e acamparam em Ritma.

19 Saíram de Ritma e acamparam no Rimón-Peres.

20 Saíram do Rimón-Peres e acamparam na Libna.
21 Saíram da Libna e acamparam na Rissa.

22 Saíram da Rissa e acamparam na Ceelata.

23 Saíram da Ceelata e acamparam no monte do Sefer.

24 Saíram do monte do Sefer e acamparam na Harada.

25 Saíram da Harada e acamparam no Macelot.

26 Saíram do Macelot e acamparam no Tabat.

27 Saíram do Tahat e acamparam na Tara.

28 Saíram da Tara e acamparam na Mitca.

29 Saíram da Mitca e acamparam na Hasmona.

30 Saíram da Hasmona e acamparam no Moserot.

31 Saíram do Moserot e acamparam no Bene-jaacán.

32 Saíram do Bene-jaacán e acamparam no monte do Gidgad.

33 Saíram do monte do Gidgad e acamparam na Jotbata.

34 Saíram da Jotbata e acamparam na Abrona.

35 Saíram da Abrona e acamparam no Ezión-geber.

36 Saíram do Ezión-geber e acamparam no deserto do Zin, que é Cades.

37 E saíram do Cades e acamparam no monte do Hor, na extremidade do
país do Edom.

38 E subiu o sacerdote Aarón ao monte do Hor, conforme ao dito do Jehová, e
ali morreu aos quarenta anos da saída dos filhos do Israel da terra
do Egito, no quinto mês, no primeiro do mês.

39 Era Aarón de idade de cento e vinte e três anos, quando morreu no monte de
Hor.

40 E o cananeo, rei de Arem, que habitava no Neguev na terra do Canaán,
ouviu que tinham vindo os filhos do Israel.

41 E saíram do monte do Hor e acamparam na Zalmona.

42 Saíram da Zalmona e acamparam no Punón.

43 Saíram do Punón e acamparam no Obot.

44 Saíram do Obot e acamparam no Ije-abarim, na fronteira do Moab.

45 Saíram do Ije-abarim e acamparam no Dibón-Gad.

46 Saíram do Dibón-Gad e acamparam no Almón-diblataim.

47 Saíram do Almón-diblataim e acamparam nos Montes do Abarim, diante de
Nebo.
48 Saíram dos Montes do Abarim e acamparam nos campos do Moab, junto ao
Jordão, frente a Jericó.

49 Finalmente acamparam junto ao Jordão, desde o Bet-jesimot até o Abelsitim, em
os campos do Moab.

50 E falou Jehová ao Moisés nos campos do Moab junto ao Jordão frente a
Jericó, dizendo:

51 Fala aos filhos do Israel, e lhes diga: 957 Quando tiverem acontecido o Jordão
entrando na terra do Canaán,

52 jogarão de diante de vós a todos os moradores do país, e
destruirão todos seus ídolos de pedra, e todas suas imagens de fundição, e
destruirão todos seus lugares altos;

53 e jogarão aos moradores da terra, e habitarão nela; porque eu vos
dei-a para que seja sua propriedade.

54 E herdarão a terra por sorteio por suas famílias; aos muitos darão
muito por herança, e aos poucos darão menos por herança; onde lhe cair a
sorte, ali a terá cada um; pelas tribos de seus pais herdarão.

55 E se não jogarem aos moradores do país de diante de vós, acontecerá
que os que deixarem deles serão por aguilhões em seus olhos e por
espinhos em seus flancos, e lhes afligirão sobre a terra em que vós
habitarão.

56 Além disso, farei a vós como eu pensei lhes fazer a eles.

1.

As jornadas.

Do verbo hebreu "atirar para cima", como no caso das estacas de
carpas. faz-se referência às etapas de um acampamento a outro, quando
"atiravam para acima" as estacas e ficavam em marcha para um novo lugar
para acampar.

Por seus exércitos.

Literalmente, "de acordo com suas hostes", o que sugere uma disposição
ordenada (ver Exo. 12: 41, 51; 13: 18).

Sob o mando do Moisés e Aarón.

Ver Exo. 12: 1, 28, 50. Estes dois homens cumpriram suas tarefas como pastores
designados e ministros da grei.

2.

Moisés escreveu.

Moisés foi o cronista destes acontecimentos, e escreveu "por mandato de
Jehová" (ver Exo. 17: 14; 24: 4; 34: 27; Deut. 31: 9, 24).

3.
Ramesés.

Também se menciona no Gén. 47: 11; ver com. Exo. 1: 11; 12: 37.

4.

Todo primogênito.

Ver Exo. 12: 29-33.

Contra seus deuses.

Ver com. Exo. 7: 17; 8: 2; 12: 12; ver também ISA. 19: 1; Jer. 43: 12. O
Senhor procedeu da mesma forma mais tarde em relação aos deuses de Babilônia
(ISA. 21: 9).

5.

Sucot.

Ver com. Exo. 12: 37.

6.

Etam.

Ver com. Exo. 13: 20.

7.

Pi-hahirot.

Para os lugares mencionados neste versículo, ver com. Exo. 14: 2.

8.

No meio do mar.

Ver com. Exo. 14: 17-30.

Mara.

A palavra assim traduzida provém de um verbo que significa "ser amargo",
"estar angustiado". Ver com. Exo. 15: 23-25.

9.

Elim.

Ver com. Exo. 15: 27. A palavra assim traduzida provém de uma raiz que
significa "ser primeiro", "ser forte". O substantivo se aplica ao carvalho, ao
pinheiro, e também aos bosquecillos de árvores onde se efetuava o culto
idolátrico.

11.

Deserto de Sem.

Não deve confundir-se com o deserto do Zin mencionado no cap. 13: 21. Ver
com. Exo. 16: 1.

13.

Dofca.

Nem Dofca nem Alús se mencionam em outra parte das Escrituras e tampouco se
podem identificar com nenhum lugar conhecido hoje em dia.

14.

Refidim.

Ver com. Exo. 17: 1, 8 e 19: 2.

Não teve águas para beber.

Ver com. Exo. 17: 2-6. Refidim foi também um lugar de desastre provocado por
os amalecitas (ver com. Exo. 17: 8-12; ver também 1 Sam. 15: 2). Os
atrasados sofreram perdas, mas os amalecitas foram derrotados pelo Josué e
suas forças.

15.

Deserto do Sinaí.

Ver com. Exo. 3: 1; 19: 1.

16.

Kibrot-hataava.

Literalmente, "as tumbas da concupiscência" (ver cap. 11: 34). Muitos
morreram ali por queixar-se devido ao maná. Este também foi o lugar onde
Deus conferiu seu Espírito aos 70 anciões.

17.

Hazerot.

Compare-se com as passagens dos caps. 11: 35; 12: 1, 10 quanto à
atitude de inveja da María e do Aarón para com o Moisés.

18.

Ritma.

O nome de uma planta. Ver 1 Rei. 19: 5, onde a mesma raiz hebréia se
traduz "zimbro" (cf. Job 30: 4). Alguns identificaram a Ritma com a
moderna Wadi Retemat, perto do Cades, mas isto não é definitivo.

19.

Rimón-Peres.

Não figura em nenhuma outra parte do AT. A segunda metade do nome aparece
com freqüência em outras combinações (2 Sam. 5: 20; 6: 8; 1 Crón. 13: 11; 14:
11).
20.

Libna.

Provavelmente um acampamento que não estava perto de nenhuma comunidade
estabelecida. A raiz da palavra significa "ser branco", e o nome aqui
pode dever-se a 958 formações de pedra calcária das proximidades. O
nome próprio Labán possivelmente é uma variante desta mesma raiz. Ver Jos. 10: 29;
15: 42 onde figura outra população do mesmo nome. A palavra hebréia para
"lua" vem da mesma raiz, talvez como referência a sua luz pálida. O
nome possivelmente pode indicar alguma relação com o culto à lua.

21.

Rissa.

Os nomes facilmente se corrompem em sua pronúncia e em sua ortografia.
Alguns sugeriram que Rissa é quão mesmo Rasa, a 25 km de
Ezión-geber.

22.

Ceelata.

Nada se sabe com certeza quanto aos lugares mencionados nos vers.
22-28.

29.

Hasmona.

Alguns identificam este lugar com o Hesmón (Jos. 15: 27).

30.

Moserot.

Possivelmente Mosera do Deut. 10: 6, onde tiveram lugar a morte e sepultura de
Aarón e a elevação do Eleazar a seu cargo.

31.

Bene-jaacán.

Sua localização é desconhecida (ver Deut. 10: 6).

32.

Monte do Gidgad.

Ver Deut. 10: 7 onde uma forma diferente de escrever possivelmente assinala o
mesmo lugar. Localização desconhecida.

33.

Jotbata.

sugeriu-se que Jotba, mencionada em 2 Rei. 21: 19, pode ser o mesmo lugar
(ver também Deut. 10: 7).
34.

Abrona.

Localização desconhecida.

35.

Ezión-geber.

Compare-se com o Deut. 2: 8; 1 Rei. 9: 26; 22: 48; 2 Crón. 8: 17; 20: 36. Um
porto para os navios mercantes do rei Salomón, na extremidade
setentrional do golfo da Akaba. Agora se conhece como Tellel-Kalifa.

36.

Cades.

Ver cap. 20: 1. Esta localidade é a mesma Cades-barnea situada nos limites
do Canaán.

40.

Rei de Arem.

Compare-se com a passagem do cap. 21: 1. Este versículo parece desconjurado em
este contexto.

41.

Zalmona.

Localização desconhecida. Compare-se com o monte Salmão (Juec. 9: 48; Sal. 68:
14).

42.

Punón.

Ver Gén. 36: 41 e 1 Crón. 1: 52, pois o nome Pinón provavelmente é uma
variante na escritura do Punón. identificou-se com o Feinán da
atualidade, 40 km diretamente ao sul do mar Morto.

43.

Obot.

Ver cap. 21: 10.

44.

Ije-abarim.

Ver com. cap. 21: 11.

45.

Dibón-Gad.
Ver caps. 21: 30; 32: 34. São difíceis de seguir algumas etapas do êxodo.

46.

Almón-diblataim.

Possivelmente o mesmo que Bet-diblataim do Jer. 48: 22.

47.

Abarim.

Ver com. cap. 21: 11; ver também Núm. 27: 12; cf. Jer. 48: 22.

48.

Campos do Moab.

Ver com. cap. 22: 1.

49.

Bet-jesimot.

Ver Jos. 12: 3; 13: 20; Eze. 25: 9. sugeriu-se Tell o-Azeimeh, da
atualidade, entre o monte Nebo e o Jordão, como o sítio de sua localização.

Abel-sitim.

Ver cap. 25: 1. Na atualidade, Tell o-Hammam, a 8 km ao norte do Bet-
jesimot.

50.

Falou Jehová.

deram-se instruções definidas quanto à lei da posse da
terra do Canaán.

51.

Quando tiverem passado.

Compare-se com o Núm. 34: 2; 35: 10; Deut. 11: 31; 18: 9.

52.

Jogarão.

Não se devia permitir que ficassem na terra os antigos habitantes, pois
estavam entregues à idolatria e corromperiam ao Israel (ver Exo. 23: 33;
Deut. 20: 16-18).

ido-os.

Literalmente, "pedras esculpidas". Isto pode referir-se a figuras gravadas em
as colunas dentro dos templos dos ídolos, tais como são comuns hoje em
a Índia.
Lugares altos.

Uma referência aos santuários pagãos e altares edificados nas colinas
elevadas.

53.

Jogarão.

Quanto ao procedimento e processo, ver Exo. 23: 29, 30; Deut. 7: 22.

54.

Por sorteio.

Quanto às instruções, ver cap. 26: 53-55.

Cada um.

Até para a herança familiar individual.

55.

Aguilhões.

Compare-se com a linguagem do Jos. 23: 13 e Eze. 28: 24 e do Pablo (2 Cor. 12:
7).

Eles afligirão.

Deviam ser uma fonte contínua de moléstia (ver Juec. 2: 18; 4: 3; 6: 6).

56.

Farei a vós.

Em realidade, os habitantes idólatras do Canaán nunca foram exterminados do
tudo. Sua funesta influência continuou através de toda a história do Israel,
que também foi julgado Por Deus (ver Juec. 3: 8, 14; 6: 2).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

55 PP 586 959

CAPÍTULO 34

1 Limites da terra do Canaán. 16 Nomes das pessoas encarregadas da
divisão da terra.

1 JEHOVA falou com o Moisés, dizendo:

2 Manda aos filhos do Israel e lhes diga: Quando tiverem entrado na terra de
Canaán, isto é, a terra que lhes tem que cair em herança, a terra do Canaán,
segundo seus limites,

3 terão o lado do sul do deserto do Zin até a fronteira do Edom;
e será o limite do sul ao extremo do Mar Salgado para o oriente.
4 Este limite irá rodeando do sul até a ascensão do Acrabim, e passará
até o Zin; e se estenderá do sul ao Cades-barnea; e continuará ao Hasar-adar, e
passará até o Asmón.

5 Rodeará este limite desde o Asmón até a corrente do Egito, e seus arremates
serão ao ocidente.

6 E o limite ocidental será o Mar Grande; este limite será o limite
ocidental.

7 O limite do norte será este: desde mar Grande riscarão ao monte do Hor.

8 Do monte do Hor riscarão à entrada do Hamat, e seguirá aquele limite
até o Zedad;

9 e seguirá este limite até o Zifrón, e terminará no Hazar-enán; este será o
limite do norte.

10 Por limite ao oriente riscarão desde o Hazar-enán até o Sefam;

11 e baixará este limite desde o Sefam a Ribla, ao oriente do Aín; e descenderá o
limite, e chegará à costa do mar do Cineret, ao oriente.

12 Depois descenderá este limite ao Jordão, e terminará no Mar Salgado: esta
será sua terra por seus limites ao redor.

13 E mandou Moisés aos filhos do Israel, dizendo: Esta é a terra que se vos
repartirá em herdades por sorteio, que mandou Jehová que desse às nove
tribos, e à meia tribo;

14 porque a tribo dos filhos do Rubén segundo as casas de seus pais, e a
tribo dos filhos do Gad segundo as casas de seus pais, e a meia tribo de
Manasés, tomaram sua herdade.

15 E duas tribos e meia tomaram sua herdade a este lado do Jordão frente a Jericó
ao oriente, ao nascimento do sol.

16 E falou Jehová ao Moisés, dizendo:

17 Estes são os nomes dos varões que lhes repartirão a terra: O
sacerdote Eleazar, e Josué filho do Nun.

18 Tomarão também de cada tribo um príncipe, para dar a posse da
terra.

19 E estes são os nomes dos varões: Da tribo do Judá, Caleb filho de
Jefone.

20 Da tribo dos filhos do Simeón, Semuel filho do Amiud.

21 Da tribo de Benjamim, Elidad filho do Quislón.

22 Da tribo dos filhos de Dão, o príncipe Buqui filho do Jogli.

23 Dos filhos do José: da tribo dos filhos do Manasés, o príncipe
Haniel filho do Efod,

24 e da tribo dos filhos do Efraín, o príncipe Kemuel filho do Siftán.
25 Da tribo dos filhos do Zabulón, o príncipe Elizafán filho do Parnac.

26 Da tribo dos filhos do Isacar, o príncipe Paltiel filho do Azán.

27 Da tribo dos filhos do Aser, o príncipe Ahiud filho do Selomi.

28 E da tribo dos filhos do Neftalí, o príncipe Pedael filho do Amiud.

29 A estes mandou Jehová que fizessem a repartição das herdades aos
filhos do Israel na terra do Canaán.

1.

Jehová falou.

No mesmo lugar, como quando falou com o Moisés sobre o estabelecimento em
Canaán (cap. 33: 50), pois não se transladaram após.

2.

Quando tiverem entrado.

Quer dizer, dentro do território entre o Jordão e o mediterrâneo (ver Núm.
32: 32; Jos. 22: 11, 32).

3.

Mar Salgado.

O mar Morto, onde confluíam os limites oriental e meridional. No Eze. 47:
18, o profeta o chama "o mar oriental" (ver também Gén. 14: 3; Deut. 3: 17;
4: 49). 960

4.

Este limite irá rodeando.

Quer dizer, a linha limítrofe devia seguir uma direção sudoeste.

A ascensão do Acrabim.

Quer dizer, "o passo dos escorpiões", o que sugere que os escorpiões eram
numerosos nessa comarca (ver Jos. 15: 3; Juec. 1: 36). Acredita-se que é
Naqb-é-Safa, um passo de 22 km que conduz para o noroeste do Arabah.

Zin.

O deserto do Zin pode ter recebido seu nome deste lugar. Só se
menciona aqui e no Jos. 15: 3.

Do sul ao Cades-barnea.

Ver com. cap. 13: 17, 32.

Hasar-adar.

Compare-se com o Jos. 15: 3, onde o nome deste sítio se dá em uma forma mais
curta: Adar, e se indica Hezrón como um lugar separado. foi identificado
com o Kirbet o-Qudeirat.
Asmón.

Tampouco se identificou. Alguns comentadores sugerem o moderno Ain
o-Kasaymeh.

5.

Rodeará.

Literalmente, "dar uma volta", quer dizer, em uma direção mais para o oeste.

A corrente do Egito.

Não o rio Nilo, a não ser o Wadi o-Arish, que devia formar a fronteira ocidental
do Israel até chegar ao mediterrâneo a 80 km por debaixo da Gaza.
Este tinha que ser seu limite com o Egito.

6.

Mar Grande.

O Mediterrâneo.

7.

Monte do Hor.

Não o monte do Hor no limite do Edom (caps. 20: 22; 33: 38), onde morreu
Aarón. A localização desta montanha é desconhecida; alguns comentadores a
identificam com um contraforte do monte Libano.

8.

A entrada do Hamat.

Pode ser o vale do Orontes ou o moderno Lebweh, 112 km ao sudoeste de
Hamat, no mesmo vale. A palavra traduzida "entrada", pensa-se, é parte
do nome de um lugar distinto, e não se refere ao Hamat mesmo. Ambos: Lebweh
ou o vale do Orontes, bem poderiam ser designados "a entrada do Hamat", como
aproximando-se do Hamat do sul.

9.

Zifrón.

Não se conhece uma identificação segura com nenhum lugar moderno. Alguns
sugerem Sibraim, no Eze. 47: 16, como uma variante da grafia do mesmo
nome.

Hazar-enán.

Marcava a terminação da fronteira setentrional, formando seu rincão nordeste
(ver Eze. 47: 17; 48: 1). sugeriu-se Qaryataín como a localização moderna
deste sítio. Este nome hebreu significa "o pátio da fonte", o que
possivelmente se refere a que ali havia uma bebedouro.

10.
Sefam.

Sítio desconhecido. Constituía a extremidade sul da fronteira oriental.

11.

Ribla.

Sem dúvida perto do rio Jordão, mas sua localização é desconhecida.

Aín.

Literalmente, "fonte". Como o nome de nenhum outro lugar se relaciona com
a palavra "fonte", é impossível identificar ao Aín.

Cineret.

O mar da Galilea. O nome Cineret possivelmente provém do lugar
mencionado no Jos. 19: 35 (ver também Deut. 3: 17). As palavras traduzidas
"a costa" referem-se às ladeiras montanhosas do nordeste do mar da Galilea.
 Uma tradução melhor seria "ladeira". A BJ traduz: "borda".

12.

Limite.

Quer dizer, o limite oriental.

13.

Nove tribos.

Duas tribos e meia se estabeleceram ao outro lado do Jordão (ver vers. 14, 15).

15.

A este lado do Jordão.

Melhor, "mais à frente do Jordão".

17.

Estes são os nomes.

Foram designados homens responsáveis, cujas decisões deviam ser respeitadas
(ver cap. 26: 54, 55). Note-se que Eleazar e Josué deviam fiscalizar a
divisão da terra na presença de Deus à porta do tabernáculo (Jos.
18: 6, 8, 10; 19: 51).

18.

De cada tribo um príncipe.

Homens de autoridade, e respeitados por todos, foram associados com o Eleazar, o
supremo sacerdote, e Josué, o comandante em chefe do exército. Assim se asseguraram
imparcialidade e eqüidade na divisão do território.

20.
Semuel.

Corresponde com o nome Samuel (ver 1 Sam. 1: 20; 1 Crón. 7: 2).

Amiud.

Ver cap. 1: 10.

21.

Elidad.

Ver cap. 11: 26, onde há uma variante na grafia.

22.

Buqui.

O mesmo nome está no Esd. 7: 4 e com uma diferente grafia em 1 Crón. 25: 4,
13.

23.

Haniel.

Ver 1 Crón. 7: 39.

24.

Kemuel.

Um nome que se encontra em outros lugares mas atribuído a pessoas
diferentes (Gén. 22: 21; 1 Crón. 27: 17).

25.

Elizafán.

Ver cap. 3: 30.

26.

Paltiel.

Ver 2 Sam. 3: 15.

A exatidão com que a inspiração preservou um registro dos limites de
as atribuições de terra correspondentes às diversas 961

Palestina CENTRAL NOS TEMPOS BÍBLICOS

tribos, faz ressaltar a forma ordenada em que deve proceder-se na obra de
Deus. Nada deve deixar-se liberado à casualidade; tudo deve ser cuidadosamente
planejado e executado.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-13 PP 546
CAPÍTULO 35

1 E quarenta e Oito cidades para os levita. 6 E seis delas seriam cidades de
refúgio. 9 Leis contra o homicídio. 31 Não há resgate para o homicida.

1 FALO Jehová ao Moisés nos campos do Moab, junto ao Jordão frente a Jericó,
dizendo:

2 Manda aos filhos do Israel que dêem aos levita, da posse de seu
herdade, cidades em que habitem; também darão aos levita os ejidos de
essas cidades ao redor delas.

3 E terão eles as cidades para habitar, e os ejidos delas serão para
seus animais, para seus gados e para todas suas bestas.

4 E os ejidos das cidades que darão aos levita serão mil cotovelos
ao redor, do muro da cidade para fora.

5 Logo medirão fora da cidade ao lado do oriente dois mil cotovelos, ao lado
do sul dois mil cotovelos, ao lado do ocidente dois mil cotovelos, e ao lado do norte
dois mil cotovelos, e a cidade estará no meio; isto terão pelos ejidos das
cidades.

6 E das cidades que darão aos levita, seis cidades serão de refúgio,
as quais darão para que o homicida se refugie lá; e além destas
darão quarenta e duas cidades.

7 Todas as cidades que darão aos levita serão quarenta e oito cidades
com seus ejidos.

8 E quanto às cidades que diereis da herdade dos filhos do Israel,
de que tem muito tomarão muito, e de que tem pouco tomarão pouco; cada
a gente dará de suas cidades aos levita segundo a posse que herdará.

9 Falou Jehová ao Moisés, dizendo:

10 Fala aos filhos do Israel, e lhes diga: Quando tiverem passado ao outro lado do
Jordão à terra do Canaán,

11 lhes assinalarão cidades, cidades de refúgio terão, onde fuja o homicida
que hiriere a algum de morte sem intenção.

12 E lhes serão aquelas cidades para refugiar do vingador, e não morrerá o
homicida até que entre em julgamento diante da congregação.

13 Das cidades, pois, que darão, terão seis cidades de refúgio.

14 E três cidades darão a este lado do Jordão, e três cidades darão na
terra do Canaán, as quais serão cidades de refúgio.

15 Estas seis cidades serão de refugio para os filhos do Israel, e para o
estrangeiro e o que morre entre eles, para que fuja lá qualquer que hiriere
de morte a outro sem intenção.

16 Se com instrumento de ferro o hiriere e muriere, homicida é; o homicida
morrerá.

17 E se com pedra na mão, que possa dar morte, o hiriere e muriere,
homicida é; o homicida morrerá.
18 E se com instrumento de pau na mão, que possa dar morte, o hiriere e
muriere, homicida é; o homicida morrerá.

19 O vingador do sangue, ele dará morte ao homicida; quando o encontrasse,
ele o matará.

20 E se por ódio o empurrou, ou jogou sobre ele alguma costure por armadilhas, e
morre;

21 ou por inimizade o feriu com sua mão, e morreu, o heridor morrerá; é
homicida; o vingador do sangue matará ao homicida quando o encontrasse.

22 Mas se casualmente o empurrou sem inimizades, ou jogou sobre ele qualquer
instrumento sem armadilhas, 962

23 ou, sem vê-lo fez cair sobre ele alguma pedra que pôde matá-lo, e
muriere, e ele não era seu inimigo, nem procurava seu mau;

24 então a congregação julgará entre o que causou a morte e o vingador
do sangue conforme a estas leis;

25 e a congregação liberará ao homicida de mão do vingador do sangue, e
a congregação o fará voltar para sua cidade de refúgio, na qual se havia
refugiado; e morará nela até que mora o supremo sacerdote, o qual foi
ungido com o azeite santo.

26 Mas se o homicida sair fora dos limites de sua cidade de refúgio, em
a qual se refugiou,

27 e o vingador do sangue lhe achar fora do limite da cidade de seu
refúgio, e o vingador do sangue matar ao homicida, não lhe culpará por
isso;

28 pois em sua cidade de refúgio deverá aquele habitar até que mora o supremo
sacerdote; e depois que tenha morrido o supremo sacerdote, o homicida voltará para
a terra de sua posse.

29 Estas coisas lhes serão por regulamento de direito por suas idades, em todas
suas habitações.

30 Qualquer que diere morte a algum, por dito de testemunhas morrerá o
homicida; mas uma só testemunha não fará fé contra uma pessoa para que mora.

31 E não tomarão preço pela vida do homicida, porque está condenado a
morte; indefectiblemente morrerá.

32 Nem tampouco tomarão preço de que fugiu a sua cidade de refúgio, para que
volte a viver em sua terra, até que mora o supremo sacerdote.

33 E não poluirão a terra onde estuviereis; porque este sangue
amancillará a terra, e a terra não será expiada do sangue que foi
derramada nela, mas sim pela sangre do que a derramou.

34 Não poluam, pois, a terra onde habitam, em meio da qual eu
habito; porque eu Jehová habito em meio dos filhos do Israel.

2.
Cidades em que habitem.

Aos levita não lhes deu como herdade terra, vinhas, olivares, etc. Sem
embargo, era conveniente que tivessem casas adequadas para morar; portanto
destinaram-se cidades para que vivessem (Lev. 25: 32).

Ejidos.

Literalmente, "campo aberto", ou "terra de pastoreio", do verbo hebreu
"conduzir para fora". Aqui se faz referência ao distrito rural fora da
cidade, ao qual podia levar ganho para pastar, ou que podia usar-se para
pomares. "Ejidos", como aqui se usa, é equivalente à expressão castelhana
"pastos comuns", referente ao campo aberto a disposição de toda a comunidade
(ver Eze. 48: 10-20).

3.

Animais.

Os animais maiores, tais como bois e camelos.

Bestas.

Isto pode referir-se a ovelhas e cabras ou pode incluir ganho.

4.

Mil cotovelos.

440 M. Fora dos limites da cidade se proporcionava campo aberto
para seu gado, hortas particulares e parques de recreação, e para efetuar
enterros.

6.

Seis cidades serão de refúgio.

Três no Canaán e três ao lado leste do Jordão (ver Núm. 35: 14; Deut. 4: 43;
Jos. 20: 7, 8).

De refúgio.

As cidades de refúgio eram um santuário, e portanto um símbolo de Cristo,
que ampara ao pecador que se refugia nele por fé (ver Exo. 21: 13; Deut. 19:
2-9; Sal. 46: 1; 142: 5; ISA. 4: 6; ROM. 8: 1, 33, 34; Fil. 3: 9; Heb. 6: 18,
19).

7.

Quarenta e oito.

Compare-se com o Jos. 21: 41.

8.

Segundo a posse que herdará.

As cidades deviam ser distribuídas de acordo com a população (ver Núm. 26:
54; 33: 54; Jos. 21: 16-32).
11.

Sem intenção.

De uma palavra cuja raiz significa "extraviar-se", "cometer um engano". A
palavra aqui usada significa literalmente "por equívoco", "por engano" (ver
Jos. 20: 3; Anexo 5: 6). O direito do santuário foi reconhecido pela maioria
das nações da mais remota antigüidade.

12.

Vingador.

De uma palavra cuja raiz significa geralmente "redimir", "atuar como um
parente", o que implica uma relação pessoal íntima. Os deveres deste
"parente-redentor" chegaram a ser variados e numerosos. Um de seus deveres
era vingar o assassinato de um parente. Também devia contrair matrimônio de
acordo com a lei do levirato (Rut 3: 13), comprar resgatando a um parente
da escravidão a que o tivessem forçado circunstâncias desafortunadas
(Lev. 25: 47, 48), 963 impedir a alienação da propriedade familiar (Jer.
32: 8-12), e resgatar por meio de uma compra a propriedade que pudesse haver
cansado em mãos alheias (Lev. 25: 25).

diante da congregação.

Não se apresentam com detalhes quais eram os deveres que cumpria a
congregação. Mas sem dúvida todo o procedimento era forense, com
apresentação de provas, debate e decisão por meio de um jurado (ver Núm. 27:
2; Deut. 19: 17; Jos. 20: 6). Note-se que Deut. 19: 12 contém a expressão
"os anciões de sua cidade".

13.

Seis cidades.

As seis cidades postas à parte eram um refúgio seguro. mantinham-se
livres os caminhos que conduziam a elas.

15.

Estas seis cidades.

Quanto a seus nomes, ver Jos. 20: 7, 8.

Estrangeiro.

Ou "habitante", para referir-se possivelmente a uma pessoa que se uniu a uma
família hebréia em alguma forma mais permanente.

16.

Instrumento de ferro.

Esta frase não só inclui tais armas como espadas e lanças, a não ser diversos
instrumentos feitos de ferro, cuja função principal não era bélica a não ser
pacífica. Ao que aqui se faz referência é à intenção de matar, já
fora com premeditação ou devido a um arrebatamento de ira.
17.

Com pedra na mão.

Literalmente, "com uma pedra da mão", o que significa uma pedra o
bastante grande para ser levantada e jogada para ocasionar a morte de
alguém (ver Exo. 21: 18).

18.

Com instrumento de pau.

Tais como o cajado de um pastor, um pau, um fortificação, etc.

19.

Vingador.

O go'o ou "parente" (ver com. vers. 12).

Quando o encontrar.

Quer dizer, fora da cidade de refúgio.

20.

Empurrou-o.

Isto é, de um lugar elevado do qual uma queda causaria a morte (ver Eze.
34: 21).

21.

Sua mão.

Isto é, seu punho.

22.

Sem inimizades.

Quer dizer, em um súbito arrebatamento de ira, sendo provocado mas sem premeditação
ou intenção prévia de matar (Exo. 21: 13 ; Deut. 19: 5).

24.

Julgará.

O acusado era tirado da cidade de refúgio, provavelmente sob o amparo
de uma escolta, até algum lugar onde a comunidade considerava as provas
do caso (Exo. 21: 12-14; Deut. 19: 1-13).

25.

Supremo sacerdote.

A segurança do acusado radicava em sua obediência à lei da cidade de
refúgio e devia viver nela. Ao proceder assim, literalmente estava baixo
amparo levítica ou eclesiástica, e portanto submetido ao supremo sacerdote.
Figuradamente, uma nova administração lhe dava um novo curso a sua vida.

30.

Testemunhas.

Compare-se com o Deut. 17: 6; 19:15; Mat. 18: 16.

31.

Preço.

Da forma noma de uma raiz verbal usualmente traduzida "fazer uma
expiação", "fazer reconciliação", "purgar". Aqui significa que um assassino não
podia ser redimido pagando um preço de resgate. Esta disposição faz
ressaltar a dignidade do homem e o valor de sua vida à vista de Deus.

32.

Preço.

A mesma palavra do caso anterior. O morar forzosamente na cidade de
refúgio se considerava como um castigo pelo descuido ao cometer um homicídio
acidental. Ao que cometia homicídio sem intenção não lhe permitia voltar para
seu lar em troca de uma soma de dinheiro.

33.

Poluirão a terra.

Não podia haver expiação para a terra (ver Gén. 4: 10; Deut. 21: 1-9; Sal.
106: 38).

34.

Em meio da qual eu habito.

O santuário de Deus estava entre seu povo, e constituía uma razão poderosa
para precaver-se contra "poluir" a terra (ver Exo. 29: 45; Núm. 23: 21; 2
Crón. 20: 11; Zac. 2: 10). Compare-se com o ensino do NT em 2 Cor. 6: 16,
a respeito da igreja, e o estado ideal na terra nova (Apoc. 21: 3).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

7 PP 546

11-15 PP 551

26-33 PP 552 964

CAPÍTULO 36

1 Problema da herança das filhas. 5 resolve lhes ordenando que se casem
dentro de sua própria tribo, 7 para evitar que a herdade a passe a alguma outra
tribo. 10 As filhas do Zelofehad se casam com filhos de seus tios paternos.

1 CHEGARAM os príncipes dos pais da família do Galaad filho do Maquir,
filho do Manasés, das famílias dos filhos do José; e falaram diante de
Moisés e dos príncipes, chefes das casas paternas dos filhos do Israel,
2 e disseram: Jehová mandou a meu senhor que por sorteio desse a terra aos filhos
do Israel em posse; também mandou Jehová a meu senhor, que dê a posse
do Zelofehad nosso irmão a suas filhas.

3 E se elas se casarem com alguns dos filhos das outras tribos dos
filhos do Israel, a herança delas será assim tirada da herança de
nossos pais, e será acrescentada à herança da tribo a que se unam; e será
tirada da porção de nossa herdade.

4 E quando viesse o jubileu dos filhos do Israel, a herdade delas será
acrescentada à herdade da tribo de seus maridos; assim a herdade delas será
tirada da herdade da tribo de nossos pais.

5 Então Moisés mandou aos filhos do Israel por mandato do Jehová, dizendo:
A tribo dos filhos do José fala rectamente.

6 Isto é o que mandou Jehová a respeito das filhas do Zelofehad, dizendo:
Casem-se como lhes agrade, mas na família da tribo de seu pai se
casarão,

7 para que a herdade dos filhos do Israel não seja transpassada de tribo em
tribo; porque cada um dos filhos do Israel estará ligado à herdade da
tribo de seus pais.

8 E qualquer filha que tenha herdade nas tribos dos filhos do Israel, com
algum da família da tribo de seu pai se casará, para que os filhos de
Israel possuam cada um a herdade de seus pais,

9 e não ande a herdade rodando de uma tribo a outra, mas sim cada uma das
tribos dos filhos do Israel estará ligada a sua herdade.

10 Como Jehová mandou ao Moisés, assim fizeram as filhas do Zelofehad.

11 E assim Maala, Tirsa, Hogla, Milca e Noa, filhas do Zelofehad, casaram-se com
filhos de seus tios paternos.

12 Se casaram na família dos filhos do Manasés, filho do José; e a herdade
delas ficou na tribo da família de seu pai.

13 Estes são os mandamentos e os estatutos que mandou Jehová por meio de
Moisés aos filhos do Israel nos campos do Moab, junto ao Jordão, frente a
Jericó.

1.

A família do Galaad.

Esta gente representava a outra metade da tribo do Manasés, que não se havia
estabelecido no lado oriental do Jordão, na terra do Galaad, mas sim
devia receber sua herança na terra do Canaán.

Falaram diante do Moisés.

Foi uma reunião com o Moisés dentro de uma grande assembléia (ver cap. 27: 2).

2.

Por sorteio.
Ver cap. 26: 52-55.

3.

Tirada da herança de nossos pais.

Existia o desejo de evitar mudanças constantes nas fronteiras das tribos,
devido às posses que as mulheres transmitam a seus filhos por meio de seus
maridos de outra tribo.

4.

Jubileu.

Literalmente, "um corno de carneiro", devido a que se tocava um corno tal o
décimo dia do sétimo mês, para inaugurar o ano do jubileu (ver Lev. 25:
10-15, 28, 30-33, 40, 50-54; Jos. 6: 4-13).

6.

Mas na família.

formularam-se duas limitações. As mulheres sem irmãos não deviam casar-se com
homens de outras tribos, nem com homens de outro ramo da mesma tribo. Estas
duas precauções preservariam às famílias e as heranças, tão importantes
no sistema de administração israelita.

11.

Filhos de seus tios paternos.

Quer dizer, suas primos (ver 1 Crón. 23: 22).

13.

Estes são os mandamentos.

Esta afirmação provavelmente se refere a todo o livro de Números (ver Lev.
27: 34), incluindo especialmente seus preceitos quanto ao culto (caps. 28 a
30) e suas regulamentações civis (caps. 27: 11; 35: 29).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

7 PR 152 967

								
To top