PROPOSTA POL�TICA PEDAGOGICA E SUAS CONTRIBUI�OES PARA O by ecPy2fo

VIEWS: 15 PAGES: 11

									PROPOSTA POLÍTICA PEDAGÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA
O INCENTIVO À APRENDIZAGEM, ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO DO
PROFESSOR


                                                         Eurásia Maria Lustosa Ribeiro Porto
                                                                  Vilneide Rodrigues Neves

RESUMO


Este artigo é fruto da elaboração e da aplicação de um projeto de intervenção realizado em
uma escola pública da rede municipal de ensino, tem o objetivo de promover a qualidade da
educação através do incentivo ao professor diante dos trabalhos realizados em sala de aula.
Teve como princípios básicos abranger o dinamismo presente no desenvolvimento infantil,
redimensionando o fazer pedagógico, para que intencionalmente sua prática influencie
diretamente no seu bem estar pessoal, promovendo a participação coletiva da equipe escolar
previsto no Projeto Político Pedagógico da Escola. Para alcançar tal objetivo foram realizadas
algumas reuniões com o corpo docente no qual, os professores foram submetidos a um debate
intencional em relação ao trabalho desenvolvido na escola. A técnica escolhida para
realização desta investigação foi a pesquisa-ação. Basicamente, em virtude dos estudos
realizados em “O Princípio da Gestão Democrática na Educação. (2005)” este método visa
transformar comportamento por meio de um processo flexível, em que o pesquisador é
também participante do grupo. Os resultados apontam para mudanças positivas no
comportamento dos participantes deste projeto. No desenvolvimento deste trabalho, foram
realizadas palestras de motivação pessoal, debates sobre a profissão, elaboração de algumas
estratégias em relação ao ensino-aprendizagem e a valorização profissional por meio da
gestão democrática e participativa. Os professores demonstraram maior propensão ao
exercício dos trabalhos, melhor auto-estima, ressaltando ainda que o incentivo é peça
primordial para o sucesso da aprendizagem, uma vez que o prazer de ensinar é um grande
aliado do sucesso da educação.


Palavras-chaves: Incentivo a aprendizagem; participação;         motivação dos professores;
Proposta política pedagógica.
                                                                                              2



INTRODUÇÃO


            Partindo do pressuposto da existência da Gestão Democrática na escola, foi
possível detectar inúmeras necessidades a serem implantadas na mesma, para que se possa
fazer valer a participação coletiva da equipe escolar, bem como valorização do profissional da
educação.
            Como estimular os professores a realizarem um trabalho coerente ao Projeto
Político Pedagógico (PPP) da escola, com incentivo voltado à aprendizagem dos alunos foi o
desafio para a realização deste projeto de intervenção.
            Para que a escola possua um conselho escolar eficiente, é necessário que a mesma
realize atividades voltadas para o crescimento educacional. Para tanto, o incentivo a esse
grupo de pessoas responsáveis pela educação se torna fundamental, pois a falta de
compromisso de alguns professores e funcionários em geral, prejudica de forma relevante o
desenvolvimento educacional e a Gestão Democrática torna-se ineficiente em meio a todo
esse processo.
            Diante do que está previsto no Projeto Político Pedagógico da Escola (PPP),
relacionado ao comprometimento do exercício do trabalho pedagógico, priorizando a
formação de cidadãos críticos, valorizando a cultura trazida pelo alunado e o respeito ao
direito dos mesmos, foi possível detectar a necessidade de um projeto que venha ao encontro
da prioridade de relembrar e valorizar itens já abordados anteriormente no PPP, favorecendo
maior incentivo aos professores e oportunizando momentos de estudos para a concretização
dos direitos da criança.
            Nesse contexto, o projeto de intervenção visa mostrar ao professor que ele é o
principal mecanismo detector das diferentes potencialidades e fragilidades dos seus educando,
e para alcançar tais objetivos é necessário que estejam motivados com o trabalho realizado.
Segundo Oliveira. (2006), a escola precisa ser um local onde se aprende, ensina e educa. No
caminho ao desenvolvimento, não é mais aceita a falta de atitude e compromisso com o
futuro.
            Os professores precisam ser agentes, capazes de transformar a realidade em que
vive, para tanto é necessário acreditar em si mesmo e naqueles que estão sendo monitorados
por eles. Não se pode negar que as informações estão cada vez mais velozes e que o professor
não consegue mais deter todo o conhecimento. Nesse desafio cabe destacar o papel e a
importância de técnicas que podem e devem aprimorar as práticas educativas.
                                                                                              3



           Visando alcançar esses objetivos, a gestão da escola promoveu reuniões
direcionadas ao incentivo e motivação dos professores, buscando descentralizar
responsabilidades, para que o trabalho em estudo não seja visto como uma sobrecarga na vida
do professor e sim um meio de proporcionar momentos de formação continuada. Portanto o
objetivo geral deste trabalho; está na valorização do profissional da educação através da
motivação no trabalho destinado a aprendizagem dos alunos, visando que adquiram
competências e habilidades necessárias para colocarem em prática as questões curriculares do
PPP de forma coerente entre a teoria e a prtica aplicada, de maneira satisfatória em relação ao
trabalho exercitado.
           Com a aplicação deste projeto o professor foi levado a refletir sobre a proposta
pedagógica da escola co-relacionado à sua docência e ao incentivo voltado diretamente para a
aprendizagem.
           Tendo em vista que a escola em que foi trabalhado este projeto, é uma escola
de educação infantil é importante ressaltar que desenvolver um trabalho realmente
significativo na Educação Infantil implica em uma série de considerações que o educador
precisa fazer a cerca de temas a serem trabalhados com as crianças. Ele deve atentar-se para o
que ocorre fora da sala de aula, conhecer os interesses e as necessidades de sua clientela.
           Desta forma, faz-se de suma importância uma proposta de ação pedagógica que
tenha como temas geradores o envolvimento dos professores na prática de sala de aula,
atentando sempre a Proposta Pedagógica da Escola e os objetivos a serem alcançados.
           Neste início da vida escolar, as crianças entram em contato com um universo
profundamente marcado por sua função educativa, que contribui para a sua formação integral
enquanto aluno. Nesse cenário, o educador assume um papel de grande importância e
responsabilidade, pois apresenta o guia que orienta a criança em suas buscas e descobertas,
sendo ele o maior exemplo de cidadão honrado e ético, detentor de princípios morais e boa
conduta, o educador deve fazer com que a criança se sinta protegida em um ambiente repleto
de afeto e carinho, potencializando os resultados do ensino e da aprendizagem.
           No anseio de melhorar suas táticas de ensino, muitos professores têm buscado
maneiras de enfeitar seus métodos por meio da adoção de recursos tecnológicos. No entanto
ao adotar tais técnicas deixam com que elas se tornem protagonistas no processo de ensino
aprendizagem.
           A proposta aqui evidenciada objetiva despertar o espírito empreendedor dos
professores, estimulando seu desenvolvimento pessoal e dando-lhes uma visão otimista em
relação ao trabalho em exercício, através da pesquisa-ação, com métodos tradicionais, mas
                                                                                           4



eficazes, como alguns questionários abertos e reuniões para estudos e debates sobre a prática
educativa.


1- AS ETAPAS DESENVOLVIDAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO


             O projeto foi desenvolvido para um grupo da Rede Municipal da Secretaria de
Educação de Pedro Afonso, Tocantins, composto por 30 pessoas, sendo 27 professoras, 2
coordenadoras pedagógicas e 2 da equipe administrativa, atingindo todo o corpo docente do
Centro de Educação Infantil Maranatha.
             O projeto foi realizado tendo inicio no dia 14/10/2009 e concluído no
dia11/12/2009. Cada encontro teve a duração de três horas.
             Os encontros aconteceram no pátio da Escola, após o atendimento ao alunado, o
qual não tiveram prejuízos de conteúdos, por estarem sendo enviadas atividades extra-classe,
visando suprir o período integral da semana letiva.
             O trabalho foi desenvolvido a partir de informações obtidas pela Supervisora de
ensino, membros do grupo, e das necessidades apontadas pelos próprios professores da Rede,
em relação às dificuldades de motivação dentro da Unidade Escolar.
O projeto constou em sete etapas:
1- Montagem do projeto de intervenção;
2- Montagem das auto-avaliações e sugestões para os professores;
3- Realização de encontro para mostrar a importância de cada um no desenvolvimento do seu
trabalho na escola através de palestras e vídeos de auto-estima;
4- Realização de um estudo do ECA com representantes do Conselho Tutelar;
5- Revisão do PPP da Escola e analise das praticas escolares diante do mesmo;
6- Distribuição para a equipe escolar de auto-avaliações juntamente com novas sugestões para
serem analisadas e debatidas entre o grupo;
7- Finalização do projeto de intervenção com apresentação do mesmo, com a analise dos
benefícios do projeto e uma confraternização com toda a equipe escolar.
             Ao desenvolver esta metodologia, por não se tratar eminentemente de uma
proposta de terapia, realizamos um trabalho privilegiando o trabalho desenvolvido pelo
professor, pois o objetivo era trabalhar os sentimentos que movem a educação no momento da
pratica docente.
             Ao desenvolver o projeto de sensibilização e motivação educacional, através de
dinâmicas de grupo, pode-se perceber que aos poucos a equipe que participava do projeto,
                                                                                                  5



estava realmente envolvida, tomando uma consciência da necessidade que se fazia da
aplicação de novos passos.
           A realização de nosso primeiro encontro, dia 13/11/2009, foi uma surpresa para os
professores, por não acarretar em mais ações a serem realizadas por eles. Na realidade tratava-
se de um apoio a mais no trabalho pedagógico. A equipe achou conveniente e de grande
importância para estarmos revendo a pratica docente da Escola e o PPP que de certa forma
estava adormecido em meio a outros por memores que “sobrevoam” a educação em nosso
país.
           A realização desse primeiro encontro foi em torno de uma maravilhosa palestra,
com a participação de uma ex-professora. Promovemos em seguida uma apresentação de
slides sobre motivação no trabalho. Os professores atentos demonstraram grande interesse em
estarem participando desse momento de reflexão. Marcamos o nosso segundo encontro para o
dia 20/11/2009, onde estaríamos tirando nossas dúvidas sobre o Estatuto da Criança e do
Adolescente (ECA).
           Dois representantes do conselho tutelar se prontificaram a estarem realizando um
momento de estudo sobre o ECA, esse estudo foi realizado, com a participação de pais que
foram convidados para estarem posteriormente, em reunião, expondo esse aprendizado para
outros pais, pois a maioria deles desconhecem esse Estatuto. As dúvidas foram devidamente
sanadas, e todos os professores em comum acordo resolveram enumerar algumas em cartazes,
para estarem expondo na escola, evitando assim que as mesmas caiam no esquecimento e
sejam desrespeitadas no ambiente escolar e na comunidade.
           No encontro do dia 27/11/2009, preparamos o local com mensagens de otimismo e
uma dinâmica de descontração. Iniciamos a leitura de pontos relativos a ação pedagógica do
professor, previsto no PPP, e pedimos para que cada um relatasse por escrito sobre a
coerência do PPP e as práticas de sala de aula ofertadas pela própria ação pedagógica. Logo
após voluntariamente os professores foram falando sobre suas dificuldades e sobre suas
sugestões sobre o trabalho a ser realizada no ano de 2010.
                                                “Seria interessante se a cada quinze dias pudéssemos
                                               estar realizando encontros como este, e até mesmo
                                               realizarmos nosso planejamento em grupo, bem
                                               sintonizado.” (Professora : Nazaré Pré-I)

           Verdadeiramente apesar de muitas reflexões e análises de encontro para encontro,
não conseguimos atingir toda riqueza dos conteúdos vivenciados e verbalizados,
demonstrando o grande crescimento do grupo, mas partindo de tudo que foi construído,
                                                                                            6



analisado, vivenciado e expressado, podemos tirar a algumas conclusões, contribuindo para o
esclarecimento de nossas indagações e hipóteses tais como:
É necessário sensibilizar os professores e motivá-los ainda mais para a prática de sala de
aula, o grupo mostrou que ainda existem muitas dificuldades na realização de seus trabalhos,
devido a falta da família, trabalhando junto em prol da educação de seus filhos, essa
necessidade ficou evidente, nos momentos de discussão, durante a proposta do projeto de
intervenção, percebemos a necessidade de estendê-lo também às famílias.
Outra questão levantada foi a falta de formação continuada para trabalhar com a educação
infantil. Questão esta que sentimos a necessidade de levar ao conhecimento da secretaria, pois
compete a ela sanar essa dificuldade. Em resposta obtivemos a realização do Fórum de
Educação Infantil para o final de fevereiro de 2010.
           No dia 04/12/2009 foram distribuídas para a equipe escolar as auto-avaliações, em
forma de breves relatórios, oferecendo liberdade ao professor para que ele possa relatar de
forma escrita sua filosofia de trabalho em relação à sua prática em sala de aula.


2- O ENVOLVIMENTO DO PROFESSOR


           Durante o desenvolvimento do projeto foi possível refletir sobre os problemas que
afetam a educação em seu contexto de diferenças, de desigualdades, de injustiça social e
salarial, de necessidades de capacitações e formações específicas, tendo como enfoque a
necessidade de melhorar a auto-estima dos profissionais para o exercício do trabalho.
           Em virtude da relação ensino-aprendizagem ser realizada em grupos menores, os
licenciados podem ter uma percepção maior das dificuldades dos alunos e ajuda-los a superar
as mesmas. Por outro, as atividades realizadas permitem uma reflexão mais aprofundada
sobre as dificuldades no relacionamento dentro da Escola entre as equipes responsáveis pelo
desenvolvimento da educação.
           Essa prática incentivadora repercutiu imediatamente, pois a participação foi
efetiva, não havendo muita dispersão. Este é um saldo muito positivo, já que, na maioria das
vezes o estímulo aos professores estava muito vinculado às questões financeiras, que por si só
não podem definir o trabalho individual e o comprometimento com o mesmo. Existem formas
mais nobre de se buscar a valorização profissional.
           Faz-se necessário compreender que não basta mais ao exercício da profissão que
seja feita uma formação inicial e nada mais. O veloz mundo de hoje demanda uma formação
continuada, não uma mera continuação de práticas anteriores, uma busca de superação do
                                                                                                    7



caráter meramente instrumental do que se entendia por formação geral e abstrata, substituída
por uma efetiva análise das práticas em que se empenham professores no dia-a-dia vivido em
interação com alunos e colegas professores.
            O envolvimento do professor nos trabalhos realizados na escola, é fator de grande
relevância para o sucesso da mesma. Quando o gestor consegue envolver os professores e
equipe administrativa no mesmo propósito, tudo fica visivelmente mais prático, menos
burocrático, mais democrático. As responsabilidades em uma escola precisam ser
compartilhados, e o companheirismo no trabalho é fundamental para que a ética e o respeito
mútuo veridicamente aconteça.
            Os encontros promovidos para discussão do Projeto Político Pedagógico surgiu
com o objetivo de propiciar aos professores subsídios à elaboração e re-elaboração do mesmo,
visando esse trabalho a adaptações pertinentes a função da cidadania do aluno, bem como o
tratamento de questões da sociedade brasileira. Estas temáticas foram apresentadas após o
processo de leitura e análise dos temas relacionados a pluralidade cultural, saúde, meio-
ambiente, ética, trabalho e consumo, dentre outros assuntos relevantes. Onde se descobriu que
as disciplinas são necessárias para acessar o conhecimento acumulado, mas não dão conta das
necessidades de compreensão de temas que estão presentes no cotidiano, como vivência
preconceito, saúde e ambientes, ao mesmo tempo em que trouxe para o centro da discussão
questão como sobre a escola que se deseja hoje e quais os conteúdos que ela deve trabalhar.
            A Proposta da educação infantil em meio a tantas prerrogativas, não pode deixar
de ser flexível a todo momento pois no dia-a-dia da escola que trabalha com a educação
infantil, depara-se com inúmeras situações que requer um cuidado muito especial, pois o
tempo da primeira infância deve ser utilizado de todas as maneiras imagináveis para a
educação. A perda desses momentos é irreparável. Em lugar de deixar improdutivos os
primeiros anos da vida, é preciso cultivá-los com os mais minuciosos dos cuidados. O
professor que atua nessa fase do ensino regular precisa estar sempre preparado
psicologicamente, para lidar com o emocional da criança, que está sempre a flor da pele,
qualquer deslize pode ser traumatizante na vida escolar desse aluno.


3- AS CONTRIBUIÇÕES DO PPP PARA O INCENTIVO A APRENDIZAGEM


            O PPP da escola deve, de fato, mostrar a escola,com sua cultura organizacional, suas
potencialidades e suas limitações. Nesta direção, o PPP, ao se colocar como espaço de construção
coletiva, direciona sua constituição para consolidar a vontade de acertar, no sentido de cumprir o seu
                                                                                                    8



papel na socialização do conhecimento. Assim, o PPP deve expressar qual é a finalidade da produção
do trabalho escolar.
            Estudos na área de políticas e gestão escolar mostram que os professores e os
gestores apresentam uma compreensão muito positiva do PPP, pois reconhecem sua
importância o entendimento de qual seja a função social da escola e no estabelecimento de um
trabalho pedagógico que promova a socialização da cultura, levando a comunidade local e
escolar, especialmente os alunos, a se apropriarem do saber como um direito universal, já que
a educação pode nos tornar mais humanos, mais atualizados historicamente e mais
sintonizados com os problemas sociais do nosso tempo.
            Há de se discutir, portanto, o sentido do que seja o PPP. Gadotti (1994) observa que fazer
um projeto significa lançar-se para a frente, antever o futuro. O projeto é, pois, um planejamento a
longo prazo. Quando realizamos o nosso planejamento anual, de certa forma já nos preparamos para a
conquista diária, que só dará os resultados finais esperados no final de longos anos de preparação e
aplicação de trabalhos com cunho pedagógico, precisando sempre ser revistos e analisados.
            Nesta direção, Veiga (1996; 1998) nos faz perceber que o PPP deve ser visto como um
processo permanente de reflexão e de discussão dos problemas da escola, tendo por base a construção
de um processo democrático de decisões.
            A defesa de um projeto amplo de formação, profissionalização e valorização do
docente tem sido muito freqüente em estudos e pesquisas do campo educacional e, ainda, nos
processos de reforma e implementação de políticas educacionais nos diferentes países da
região, tendo em vista a relevância do fator docente, ou melhor, da qualidade da força de
trabalho docente para a melhoria do desempenho dos alunos.
            Segundo Oliveira (2001) O processo de construção coletiva do PPP da escola, é
sobretudo, a atuação articulada entre a ação dos professores e os processos formativos dos
alunos.
            No contexto atual, a escola vem sendo questionada acerca de seu papel ante as
transformações e a busca pela qualificação profissional.
            O professor que se busca construir é aquele que consegue de verdade, ser um
educador, que conhece o universo do educando, que tem bom senso, que permite e
proporciona o desenvolvimento da autonomia de seus alunos. Que tem entusiasmo, paixão;
que vibra com conquistas de cada um de seus alunos, não descrimina ninguém não se mostra
mais próximo de alguns, deixando os outros a deriva. Que seja politicamente participativo,
que suas opiniões possam ter sentido para os alunos, sabendo sempre que ele é um líder que
                                                                                                          9



tem nas mãos a responsabilidade de conduzir um processo de crescimento humano, de
formação de cidadãos.
           Ninguém se torna um professor perfeito, aliás aquele que se acha perfeito, e
portanto nada mais tem a aprender, acaba se transformando num grande risco para a
comunidade educativa. No conhecimento não existe o ponto estático ou se está em
crescimento ou em queda. Aquele que se considera perfeito está em queda livre, porque é
incapaz de rever seus métodos, de ouvir outras idéias, de tentar melhorar.
           A grande responsabilidade para a construção de uma educação cidadã está nas
mãos do professor. Por mais que o diretor ou o coordenador pedagógico tenha boa intenção,
nenhum projeto está eficiente se não for aceito, abraçado pelos professores porque é com eles
que os alunos tem maior contato.
                        O artigo 13 da LDB sobre a função dos professores:
                        Artigo 13 – Os docentes incumbir-se-ão de:
                        participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino;
                        elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta pedagógica do
                        estabelecimento de ensino;
                        zelar pela aprendizagem dos alunos;
                        estabelecer estratégias de recuperação dos alunos de menor rendimento;
                        ministrar os dias letivos horas-aula estabelecidos ao planejamento, à avaliação e ao
                        desenvolvimento profissional;
                        colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a
                        comunidade.

           Nota-se que o papel do professor, segundo a LDB, está muito além da simples
transmissão de informações. Dentro do conceito de uma gestão democrática, ele participa de
todas as decisões da Escola, isto é decide solidariamente com a comunidade educativa o perfil
de aluno que se quer formar, os objetivos a seguir, as metas a alcançar. E isso não somente no
tocante a sua matéria mas toda a proposta pedagógica.
           O processo educativo é comunitário. O bom ambiente escolar depende da
participação de todos. A mudança dos paradigmas ocorre quando cada um dá a sua parcela de
contribuição e é capaz de permitir que o outro também opine, também participe. Ninguém é
uma ilha de excelência que prescinda de troca de experiências.
           No Brasil, a necessidade de reformar o sistema educativo é evidenciada, uma vez
que o país vive o desafio de competir num cenário de economia globalizada. Por isso,
melhorar a qualidade das escolas não é somente, mais uma questão acadêmica, mas sim um
fator de sobrevivência em ambiente complexo e dinâmico.
                        A educação escolar é um bem público de caráter próprio por
                        implicar a cidadania e seu exercício consciente, por qualificar
                        para o mundo do trabalho, por ser gratuita e obrigatória no ensino
                        fundamental, por ser gratuita e progressivamente obrigatória no
                        ensino médio, por ser também dever do Estado na educação infantil.Cury (2002)
                                                                                            10




 CONSIDERAÇÕES FINAIS
              Ao concluir esse trabalho destacamos dois focos que foram analisados e
constatados dentro de uma teoria de incentivo aos professores em sua pratica educacional:
              O primeiro diz respeito ao projeto de intervenção , o trabalho com o grupo de
professores deveria estar em pratica desde o início do ano letivo, pois todo tempo que se perde
na educação e grandioso em vista dos benefícios que se poderiam ter conquistado ao longo do
ano letivo.
              Outro momento relevante a ser analisado dentro desta perspectiva é a aplicação do
PPP que deveria fazer parte integrante do planejamento semanal do professor, acompanhado
pela coordenação pedagógica e repassado para gestão escolar. Pois um projeto de tão valiosa
importância não pode se desvincular do trabalho realizado na Unidade de Ensino.
              Com isso percebo que o projeto foi de grande valia, e concluído com eficiência,
pois os professores estão entusiasmados. O interesse do grupo é evidente e foi demonstrado
desde a apresentação e execução do mesmo.
              Os resultados apontam para melhoria no comportamento dos professores. Tais
comportamentos podem ser evidenciados em situações que demonstram maior interesse nas
atividades do cotidiano da escola, bem como na dinamização das aulas.
              A motivação e a educação são dois campos de estudo que requerem
desenvolvimento contínuo. Ambos auxiliam o desenvolvimento do raciocínio e da
criatividade buscando fazer com que o indivíduo alcance sua autonomia no contexto em que
vive.
              Defende-se nesse trabalho que os temas; motivação dos professores e
aprendizagem dos alunos, são relacionados e a educação com professores motivados pode ser
forte aliada em uma educação que auxilia o indivíduo a adquirir autonomia e planejar seu
futuro. Além disso, educação e motivação são os incentivos que mais estimulam a
aprendizagem.
              Destacou-se o amadurecimento dos professores na disposição para a busca de
novos conhecimentos e averiguação da importância da relação professor x aluno para a
construção do processo ensino aprendizagem das crianças na Educação Infantil, identificando
suas implicações e procurando soluções para transformação. Visto que é na Educação Infantil
que a criança adquire suas primeira experiências de vida escolar e que serão essas
experiências que levaram as crianças a sentirem prazer ou desprazer pela escola. Conseguiu-
                                                                                         11



se através desse estudo em relação a afetividade como ponto crucial em uma aprendizagem
significativa, tornando-se ponto de equilíbrio tanto para o educador quanto para o educando.
Uma vez que essa relação é de suma importância para uma educação de qualidade.
          Desta forma, o trabalho por meio da revisão do PPP constituiu uma ferramenta
fundamental para a prática de um trabalho coerente com as atuais concepções de ensino e
aprendizagem.




Referências




A Gestão Democrática, Eleição de Diretores e a Construção de Processos de
Participação e Decisão na Escola. Acesse: www.tvebrasil.com.br/salto
CASASSUS, J.          A Reforma Educacional na América Latina no Contexto de
Globalização. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: FCC. n° 114, de novembro de
2001.
CURY, Carlos Roberto Jamil. Legislação Educacional Brasileira. Rio de Janeiro:
DP&A, 2002.
DEMO, Pedro. Conhecer e aprender: sabedoria dos limites e desafios. Porto Alegre:
Artes Medicas Sul, 2000
DOURADO, L. Gestão escolar democrática – a perspectiva dos dirigentes escolares
da rede municipal de Goiânia. Goiânia: Editora Alternativa, 2003.
GADOTTI, Moacir. Pressupostos do projeto pedagógico. Cadernos Educação Básica
– O projeto pedagógico da escola. Atualidades pedagógicas. MEC/FNUAP, 1994
O   Princípio    da    Gestão    Democrática      na   Educação.      (2005)    Disponível:
www.tvebrasil.com.br/salto.(02/03/2010)
OLIVEIRA, D. A. (org.) Gestão Democrática da Educação. Rio de Janeiro: Editora
Vozes, 2001 (3ª edição).
VEIGA, Ilma Passos A. e RESENDE, Lúcia G. de (orgs.). Escola: espaço do Projeto Político
Pedagógico.

								
To top