TRABALHANDO GEOMETRIA DE 5� A 8� S�RIE DO ENSINO FUNDAMENTAL by 0Isn54

VIEWS: 78 PAGES: 20

									         FRANCINILDA ALVES LOPES
     KEYRISLENE RODRIGUES DA ROCHA




TRABALHANDO GEOMETRIA DE 5ª A 8ª
 SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL




             RONDON DO PARA-PA
                    2007
   FRANCINILDA ALVES LOPES
KEYRISLENE RODRIGUES DA ROCHA


     Monografia apresentada         como     requisito parcial
     para obtenção      do título de especialista no curso
     de Pós-graduação em          Metodologias      Inovadoras
     Aplicadas      à      Educação,      na     especificidade
     matemática,      Ciências      e     suas     Tecnologias
     modalidade a distância, da Faculdade
     Internacional de Curitiba – FACINTER.

     Profª Orientadora: Gabriela Eyhg Passolli.




           RONDON DO PARÁ
                2007
 JUSTIFICATIVA:


     Porque a vida, o cotidiano, a rotina incansável de cada dia rouba a
sensibilidade, o olhar, o reconhecimento e a importância de cada
detalhe daquilo que lhes rodeia e que todas essas formas estão ligadas
diretamente a geometria. Portanto, são detalhes do dia-a-dia que
precisam ser resgatados e levados para a sala de aula, para facilitar o
processo de ensino aprendizagem nas aulas de geometria. Tendo em
vista as dificuldades de alguns professores de trabalhar geometria de
forma motivadora utilizando o meio que os rodeia de forma concreta e
criativa. Ao analisar esse drama vivido por alguns colegas foi escolhido
este tema com a pretensão de encontrar caminhos para solucionar
problemas vividos pelos docentes e discentes, na qual a geometria não
e algo distante da realidade do aluno.
 OBJETIVOS:
▲Objetivo geral:
      Desenvolver a capacidade de observação do espaço, visando
  a compreensão do meio físico que os rodeia de forma criativa e
  organizada propiciando sua integração na sociedade em que vive.


▲Objetivos específicos:
► Observar que o conhecimento geométrico é aplicado na construção
  do mundo em que vive.
► perceber que a geometria é representada por objetos, superfícies...,e
  que fazem parte do cotidiano e do trabalho de cada ser humano.
►associar o conhecimento geométrico com profissões como:
  engenheiros, arquitetos desenhistas,etc.
 DESENVOLVIMENTO:
1 INTRODUÇÃO
    A geometria além de desenvolver habilidades cognitivas, permite
  despertar no aluno pequenos detalhes do dia-a-dia, fazendo com que
  ele observe o mundo em que vive, resgatando a imaginação, que é um
  fator de transformação. Entretanto, ainda existem aulas de matemática
  sem sabor, e alunos com a curiosidade adormecida.

2 HISTÓRIAS DA GEOMETRIA

      Portanto, a matemática faz parte da historia do homem, foi
  construída por ele ao longo dos séculos e esta viva e em constante
  transformação não é um conhecimento acabado. Portanto mostrando
  as diferentes necessidades e preocupações de diversas culturas, em
  diferentes momentos históricos, cria-se condições para uma
  aprendizagem mais significativa para os alunos.
3. TRABALHANDO GEOMETRIA NA 5ª SÉRIE
       A geometria por ser um conhecimento que está presente no
   cotidiano dos discentes, deve ser trabalhada com o máximo possível de
   concretude, ou seja, o aluno deve manusear as formas geométricas
   presentes em seu dia-a-dia.

Na 5ª série os conteúdos de geometria são:
3.1 Formas planas e não planas;
3.2 Prisma, pirâmides, esferas e poliedros;
3.3 Polígonos e circunferências;
3.4 Ângulos;
3.5 Propostas para trabalhar geometria com a 5ª série.
4. TRABALHANDO GEOMETRIA NA 6ª
SÉRIE
       Esta é a segunda série do 3ª ciclo, portanto aqui o discente irá
  aprofundar um pouco mais sobre o conhecimento que aprendeu na
  série passada. E o docente terá o papel fundamental de orientar seus
  alunos fazendo uma ponte entre os conteúdos aprendidos da série
  anterior e os conteúdos novos, tendo muita atenção e seguindo uma
  ordem lógica.

Os conteúdos de geometria estudados na 6ª série são:
4.1 Sólidos geométricos;
4.2 Área e volume;
4.3 Ângulos;
4.4 Propostas para trabalhar geometria com a 6ª série.
5. TRABALHANDO GEOMETRIA NA 7ª
SÉRIE
      Percebe-se que o desenvolvimento social, as transformações
   econômicas    da    sociedade     influenciam profundamente   o
   desenvolvimento da matemática. Portanto o processo de ensino
   aprendizagem dar-se a partir da compreensão e sistematização do
   modo de pensar e de saber do aluno.

 Portanto, os conteúdos geométricos trabalhados na 7ª série são:
 5.1 Ângulos;
 5.2 Polígonos;
 5.3 Circunferências;
 5.4 Proposta para trabalho de geometria na 7ª série.
6.TRABALHANDO GEOMETRIA NA 8ª SÉRIE
        Saber interpretar a utilidade da matemática nos estudos é antes
  de qualquer coisa uma preparação para a vida escolar, ela faz parte da
  prática diária e relaciona-se com todas as outras disciplinas. Basta que
  discentes e docentes estejam atentos ao espaço que ocupam,
  observando as formas e os objetos que lhes rodeiam.


Os conteúdos da 8ª série que compõem a geometria são:
6.1 Congruência e semelhança de figuras;
6.2 Relações métricas nos triângulos retângulos;
6.3 Circulo e cilindro;
6.4 Proposta para trabalhar geometria na 8ª série.
7. JOGANDO COM A GEOMETRIA
   Muitos grupos de trabalho e pesquisa em educação matemática
propõem o uso de jogos no ensino da matemática. Os jogos são vistos
como uma forma de se abordar e resgatar o lúdico, aspecto do
pensamento matemático que vem sendo ignorado no ensino. O
pensamento algorítmico foi valorizado e o pensamento lógico-
matemático além do pensamento espacial foi deixado de lado.
8. LEITURAS PERSONAGEM DO PROCESSO
DA APRENDIZAGEM

      Nenhum processo que facilite a aprendizagem terá pleno sucesso
se o discente não for induzido a ler, para que possa entender os
problemas e resolve-los. Portanto, trabalhar leitura não é papel
somente da disciplina de língua portuguesa, mas de toda escola.
9.CONSIDERAÇÕES FINAIS
     No ensino da geometria, o docente deve motivar o máximo, a
atenção de seus alunos, do uso de exemplos concretos em sala de
aula, permitindo aos mesmos raciocinarem do todo para as partes,
percebendo as aplicações da teoria em seu cotidiano, fazendo relação
de tudo que esta ao seu redor com a geometria. Portanto fugindo da
memorização e partindo para a descoberta do conhecimento
indispensável que está a sua volta, de forma simples e perfeita, através
de uma relação de compreender e atuar no mundo e no conhecimento
gerado nessa área do saber, como “fruto da construção humana”.
Contudo, possibilita a integração e a aplicação em outros campos do
conhecimento, que são em geral de natureza interdisciplinar.
      Basta observar que cada disciplina oferece de varias formas a
geometria, e se percebe a utilização em outras disciplinas além da
matemática e ensino das artes, tornando assim, mais interessante o
assunto estudado, mas é preciso uma interação dos professores que
trabalham com as disciplinas envolvidas no processo interdisciplinar
para que não haja distorções na forma de olhar a geometria
      Para não ocorrer o risco de a geometria ficar no final do plano
de curso anual e ser ensinada somente no final do ano , ou o
professor se prender demais na parte de álgebra e não de tempo para
se trabalhar a geometria, basta trabalhar a geometria juntamente com
a álgebra calculando perímetro e área utilizando equações de 1º grau,
ou trabalhando medida de ângulos, com sentença matemática.
Trabalhando assim estará aproveitando o tempo do discente e
mostrando ao mesmo tempo a aplicação da álgebra na geometria de
modo                rápido               e               interpretativo.
      Sabe-se que a realidade das escolas nem sempre oferece uma
sustentação pedagógica, encontra-se alunos interessados, outros
motivados por sonhos, que muitas vezes fazem o docente se esforçar
o máximo para ajudar o aluno, a alcançar o seu objetivo e que é um
futuro melhor. Portanto cabe a cada docente procurar metodologias,
informar-se sobre as tecnologias recentes e sempre está por dentro
dos últimos acontecimentos, pois a escola deve dentro do possível
acompanhar a sociedade dinâmica e moderna que a mesma está
                               inserida.
      Portanto, de outro lado, se deve reconhecer que a carreira de
um professor não é nada fácil, conheço e faço parte dela, e da
realidade de nossas escolas brasileira porque trabalho em uma, e
acredito que a maioria não tem estrutura para que se possa trabalhar
matemática ou qualquer outra disciplina na sala de aula, começando
pelas carteiras que não tem como trabalhar com jogos, ou qualquer
outro material onde o aluno deve manuseá-lo porque o espaço e
pequeno, e a maioria não tem um pátio coberto para que o professor
possa sair da sala para trabalhar com o aluno.
      Nas escolas não têm biblioteca e muito menos uma sala de
informática, isto e sonhar demais, porque na maioria das vezes
quando o professor deseja utilizar o vídeo ele esta quebrado e a
escola fica esperando meses para que o departamento do município
libere a verba para o conserto. As maiorias dos alunos, não sabem
ligar um computador, nunca tocou em um porque não tem dinheiro
para fazer pesquisa, mais isso não é novidade porque nem mesmo o
professor tem condições de comprar um. Para o educador brasileiro
toda aula é um desafio onde o professor tem que inventar e criar para
que a aula não caia na mesmice.
      Portanto, fica um desafio aos educadores que trabalham com esta
disciplina de matemática, faça uma reflexão de seu trabalho e procure
utilizar motivações para o ensino da geometria articulando às demais
disciplinas e ao projeto pedagógico de sua escola procure a ajuda
quando tiver dificuldades porque o professor não consegue tudo
sozinho.
 BIBLIOGRAFIA
 ABRANTES, P. Avaliação e educação matemática. Rio de Janeiro,
 universidade santa Úrsula, (Gepem, s.d.p.16).
ANDRINI, Álvaro. Novo Praticando Matemática. São Paulo: Editora do
 Brasil, 2002.
BOYER, Cal B. História da matemática – 2ª ed. São Paulo: Edgar
 Blucher/ Editora, 1996.
BRASIL – Ministro de Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares
 Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.
--------------Ministro de Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares
 Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1999.
 CERIZARA, Beatriz Roussou. Educação na Infância. São Paulo: editora
 Scipione,1990.
CRUSIUS, M.F. Disciplina: uma das polemicas do construtivismo. Rio
 Grande do Sul: 1994.
CUNHA, M.I. O bom professor e sua pratica. Campinas: Papiros: 1989.
D’ AMBRÓSIO, V. Matemática, ensino e educação: Uma proposta
 global. Temas e debates São Paulo, v. 4, N. 3 1991, p. 1-15.
DANTE, L.R. Didática da resolução de problemas da matemática. 12
 ed. São Paulo: 2002.
DEMO, Pedro. Desafios modernos da educação. Petrópolis: vozes,
 1996
---―――――― Educar pela Pesquisa. Campinas: 2000.
EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Proposta para o ensino
 fundamental. Brasil/MEC, 1997.
EVES, Howord. Introdução a História da matemática, rad. Hygino H.
 Domingues Campinas: Unicamp, 1995.
FERREIRO, Emília Reflexão sobre a alfabetização. São Paulo: Cortez,
 1988.
FREIRE, Paulo e FAUNDEZ, Antônio. Por uma Pedagogia da Pergunta.
 Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.
GIL NETO, Antonio. A produção de textos na escola uma trajetória de
 palavras. S/c: s/e. 1996
 LAKOMY, Ana Maria. Teoria cognitiva da aprendizagem.
Curitiba: Facinter, 2003.
 LARA, Izabel Cristina Machado. Jogando matemática de
5ª a 8ª série 1ª ed. São Paulo: Respel, 2003.
 LIBÂNEO, J.C. Democratização da escola pública. São
Paulo, Loyola, 1985.
 LIMA, F.L. Conceituação, manipulação e aplicações: os
três componentes do ensino da matemática. Revista do
professor, v.41, p1-6. 1999.
 MAGER, R. F. A formulação de objetivos de ensino. Porto
Alegre: Globo, 1976.
 MARQUES, J. C. A aula como processo. Um programa de
auto-ensino. Porto Alegre/Brasília, 1976.
 MORAM, José Manuel. Ensino e aprendizagem
inovadoras       com      tecnologias     audiovisuais e
teletemáticas: Campinas, SP: Papirus, 2005.
MOSER, Alvino. Tendências pedagógicas no mundo
contemporâneo. Curitiba: IBPEX, 2003
MUNARI, Bruno. Fantasia, invenção, criatividade, imaginação na
comunicação visual. São Paulo: 1980.
NEDER, Maria Lúcia. Metodologias para elaboração de material
didático. Curitiba: IBPEX, 2004.
NOVA ESCOLA. Revista do Professor. Março, 2003. Agosto, 2004.
Março e Agosto, 2005.
OLIVEIRA, J.B.Araújo. Tecnologia educacional. Vozes. Petrópolis:1973.
OLIVEIRA, M.R.M.S. Organização Didática.Raptura compromisso e
pesquisa. Campinas, São Paulo: Papiros.2003.
ORTIZ, J.P. Aproximações teóricas a realidade do jogo,
aprendizagem através do jogo. Porto Alegre: Artmed, 2005.
PARPET, S. A maquina das crianças: Repensando a escola na era da
informática. Porto Alegre: 1994.
POSSARI, Lúcia Helena Vendrusculo. Fundamentos e métodos da
comunicação. Curitiba: IBPEX, 2004.
PUC-SP. Catedral Paulo Freire. Disponível em:
<htp//www.pucsp.br/paulofreire/principal.htm>. Acesso em: 10/10/06.
SALTO PARA O FUTUTO: Ensino Fundamental / secretaria de
educação a distancia. Brasília: Ministério da educação, SEED, 1999.
SANTOS, Gisele do Rocio, Mugnol dos. A metodologia de ensino por
projetos. Curitiba: IBPEX, 2006.
SANTOS, Marcelo Câmara. Algumas concepções sobre o ensino-
apredizagem de matemática. - Educação matemática em revista, São
Paulo.SBEM.2002
SILVA, M. Sala de aula interativa. Rio de Janeiro. 2000.
TAHAN, Malba. Matemática divertida e curiosa. Rio de Janeiro:
Record, 1991.
TURRA, C.M.Godoy. Planejamento de ensino e avaliação. PUC/EMMA.
Porto Alegre: 1975.
VIANA. Ricardo. Analise e produção de texto didático para o ensino
de matemática e ciências. Curitiba IBPEX, 2004.
VYGOTSKY, L. A formação social da mente. São Paulo: Martins
Fontes, 1988.
WHEELER. D. Imagem e pensamento Geométrico. CIEAEM. 1981.
http.//WWW. Euclides/menu/elementosesp/indiceeuclides.h
tm#libro1.
http./WWW. math.ubc.ca/ people/faculty/cass/Euclides/byrne. html.

								
To top