CLASSIFICA��O PERI�DICA DOS ELEMENTOS by 46CZmY

VIEWS: 454 PAGES: 22

									                                                      CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS
      1                                                                                                                                                                                      18
     1A                                                                                                                                                                                      O
1                                                                                                                                                                                       2
     H            2
                                                                                                                                                                                            He
     1,0                                                                                                                         13          14          15          16          17          4,0
                 2A                                                                                                              3A          4A          5A          6A          7A
3           4                                                                                                               5           6           7           8           9           10
     Li         Be                                                                                                               B           C           N           O           F          Ne
     6,9         9,0                                                                                                            10,8        12,0        14,0        16,0        19,0        20,2

11          12                                                                                                              13          14          15          16          17          18
    Na          Mg                                                              8        9         10                            Al          Si          P           S           Cl         Ar
                              3         4         5          6         7                                     11        12
    23,0        24,3                                                                     8B                                     27,0        28,1        31,0        32,1        35,5        39,9
                             3B        4B        5B         6B        7B                                     1B        2B
19          20          21        22        23         24        25        26       27        28        29        30        31          32          33          34          35          36
     K          Ca       Sc            Ti        V      Cr        Mn        Fe       Co         Ni       Cu        Zn           Ga          Ge          As          Se          Br          Kr
    39,1        40,1     45,0      47,9      50,9       52,0      54,9      55,8     58,9      58,7      63,5      65,4         69,7        72,6        74,9        79,0        79,9        83,8

37          38          39        40        41         42        43        44       45        46        47        48        49          50          51          52          53          54
    Rb          Sr           Y      Zr       Nb         Mo        Tc        Ru       Rh        Pd        Ag        Cd            In         Sn          Sb          Te            I         Xe
    85,5        87,6     88,9      91,2      92,9       95,9      (99)     101,1    102,9     106,4     107,9     112,4     114,8       118,7       121,8       127,6       126,9       131,3

55          56          57-71     72        73         74        75        76       77        78        79        80        81          82          83          84          85          86
    Cs          Ba                  Hf       Ta          W        Re        Os           Ir     Pt       Au        Hg            Tl         Pb           Bi         Po          At          Rn
132,9       137,3            *     178,5     180,9      183,8    186,2     190,2    192,2     195,1     197,0     200,6     204,4       207,2       209,0           (210)       (210)       (222)

87          88          89-103    104       105
     Fr         Ra                 Ku        Ha
    (223)       (226)    **        (260)     (280)

                                  * Série dos Lantanídios
      Número                      57       58       59           60        61       62        63        64        65        66          67          68          69          70          71
      Atômico                      La        Ce          Pr       Nd        Pm       Sm        Eu        Gd        Tb           Dy          Ho          Er          Tm          Yb          Lu
                             *     138,9     140,1      140,9    144,2      (147)   150,4     152,0     157,2     158,9     162,5       164,9       167,3       168,9       173,0       175,0

      SÍMBOLO
                                  89        90         91        92        93       94        95        96        97        98          99          100         101         102         103
                                   Ac        Th         Pa            U     Np       Pu        Am        Cm        Bk           Cf          Es          Fm          Md          No          Lw
       Massa
      Atômica
                         **        (227)    232,0       (231)    238,0      (237)    (242)     (243)     (247)     (247)        (251)       (254)       (253)       (256)       (253)       (257)


                                                             1/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO– UFMT/2001
                                                QUÍMICA



  Questões de 1 a 16 – Tipo A



INSTRUÇÃO: A partir da leitura do texto, julgue os itens das questões de 1 a 4.


                                   A gasolina nossa de cada dia
A gasolina automotiva é uma mistura complexa de hidrocarbonetos que possuem de cinco a doze átomos de
carbono e pontos de ebulição entre 30 e 225 ºC. Nela podem ser encontrados hidrocarbonetos das séries parafínica,
olefínica, naftênica (ou cicloparafínica) e aromática, além de aditivos especiais diversos. Todos em proporções que
visam atender a requisitos de desempenho nos motores de combustão interna com ignição por centelha e a aspectos
ambientais.
Os produtos comercializados no Brasil como “gasolina automotiva” podem ainda conter álcool etílico anidro
combustível (AEAC), sendo por isso classificados em gasolina tipo A – isenta de componentes oxigenados – e em
gasolina tipo C – constituída de 76 ± 1 % v/v de gasolina A e 24 ± 1% v/v de AEAC.
Para sua comercialização devem atender a especificações de qualidade mínima estabelecidas pela Agência
Nacional de Petróleo – ANP – com o objetivo de garantir a adequabilidade aos fins a que se destinam e a
uniformidade de fabricação.
O controle de qualidade desses combustíveis é feito através de análises e ensaios, simples e reprodutíveis,
realizados pela ANP ou por instituições por ela autorizadas. Entretanto, sua precária infra-estrutura, a falta de
parcerias, a falta de cidadania e a intensa ação dos piratas de combustíveis têm transformado o ato de abastecer em
roleta russa.
Hoje, nem o preço e nem a bandeira do posto são garantias de qualidade. Análises simples como a determinação da
quantidade de AEAC na gasolina também não. O “solvente desmoralizou o teste da mistura gasolina-AEAC”.

                                                      (Adaptado de fontes diversas: IBP, ANP, Revista ISTO É, nº 1602)


                                                                       Espaço         para       rascunho
Questão 1

 A expressão “série parafínica” refere-se à série
    homóloga dos cicloalcanos cuja fórmula geral é
    CnH2n + 2.
 Os alcanos presentes na gasolina têm fórmulas
    moleculares compreendidas entre C5H12 e C12H26
    .
 As olefinas ou alcenos são hidrocarbonetos
    acíclicos contendo uma única dupla ligação.
 As cicloparafinas possuem fórmula geral CnH2n e
    todas as suas ligações carbono-carbono são do tipo
     (sigma).
 A adição de iodeto de hidrogênio a alcenos
    assimétricos, como 2-metil-2-buteno, pode
    produzir dois iodo-alcanos (2-iodo-2-metil-butano
    (produto principal) e 2-iodo-3-metil-butano
    (traços)).

                        2/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
Questão 2                                                         Espaço   para   rascunho

 Moléculas de hidrocarbonetos contêm somente
     ligações carbono-carbono e carbono-hidrogênio.
 Nas ligações C–C, a densidade eletrônica está
     simetricamente distribuída entre os dois átomos,
     caracterizando uma ligação covalente apolar.
 As ligações C–H têm um momento dipolar muito
     pequeno, fato que, aliado à geometria da molécula,
     faz com que as moléculas de hidrocarbonetos
     sejam essencialmente polares.
 A gasolina automotiva tipo C é uma mistura
      complexa de substâncias orgânicas apolares.




Questão 3
Sabe-se que o ar atmosférico contém 21% v/v de oxigênio,
78% v/v de nitrogênio e o restante de outros gases. Julgue as
afirmações a respeito da combustão de componentes da
gasolina.

    Dados: d O 2 = 1,429 g/L; d N 2 = 1,251 g/L (CNTP)


 A        reação de combustão completa do
     2,2,4-trimetil-pentano, ou isooctano, pode ser
     representada pela equação química:
        2 C8H16      +     24 O2                         16 CO2
+     16 H2O
 Na combustão completa do 2,2,4-trimetil-pentano,
     o número de oxidação dos carbonos primário,
     secundário, terciário e quaternário varia
     respectivamente de -3, -2, -1 e zero para +4.
 A reação entre um mol de isooctano e oxigênio em
     excesso consome 400g de O2 e produz no máximo
     352g de CO2 e 162g de H2O.
 A combustão do isooctano no motor de um
     automóvel será completa quando a relação
                        massade ar
                                        3,5 .
                                     l
                    massade combustíve




                          3/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
Questão 4                                                     Espaço   para   rascunho

Alunos do 3º ano do ensino médio receberam o seguinte
roteiro para uma aula de laboratório:
Título: Determinação do teor de álcool etílico anidro
combustível (AEAC) em gasolina automotiva.
1 – Soluções
      solução aquosa de NaCl a 10 % m/v

2 – Aparelhagem
      proveta de vidro de 100 mL, graduada em
        subdivisões de 1 mL, com boca esmerilhada e
        tampa.

3 – Procedimentos
     3.1 - Colocar 50 mL da amostra de gasolina
           automotiva na proveta previamente limpa e seca;
     3.2 - Adicionar a solução de NaCl até completar o
           volume de 100 mL;
     3.3 - Tampar a proveta e inverter por dez vezes para
           permitir a extração do álcool pela fase aquosa;
     3.4 - Colocar a proveta na posição vertical e deixá-la
           em repouso por 15 minutos para a separação das
           duas fases;
     3.5 - Ler o volume final da fase aquosa (Aq) na
           proveta graduada, em mililitros.

4 – Resultados
      AEAC (% v/v) = (Aq – 50) x 2

                             (Adaptado da ABNT, NBR 13992)

Em relação a essa atividade experimental, julgue as
afirmações.

 Na realização do teste, após o repouso, uma
    gasolina adulterada com AEAC apresentará o
    volume da fase aquosa maior que 62 mL.
 Para preparar uma solução estoque de NaCl
    suficiente para realizar cem testes, um fiscal deverá
    pesar 500 g do sal.
 A afirmação feita no texto, “O solvente
    desmoralizou o teste da mistura gasolina-AEAC”,
    denuncia o uso de “solventes polares” não
    detectáveis pelo teste de adulteração descrito
    acima.
 A parte hidrocarbônica do etanol (AEAC) torna-o
    miscível com os componentes apolares da gasolina,
    entretanto o grupo –OH faz com que a gasolina
    tipo C tenha baixa tolerância à água, pois as fortes
    ligações ponte de hidrogênio entre água e etanol
    retiram as moléculas de etanol das fracas
    associações etanol-hidrocarboneto.


                       4/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
Questão 5                                                      Espaço    para   rascunho
Os valores dos pontos de fusão (P.F.), pontos de ebulição
(P.E.) e massa molar de algumas substâncias são dados na
tabela abaixo.

                                                 Massa molar
    Substância       P.F. (ºC)      P.E. (ºC)
                                                   (g/mol)
etanol                 -114             78           46
propano                -187            -42           44
metil-propano          -160            -12           58
dimetil-propano        -19,8           9,5           72
n-butano               -135             0            58
metil-butano             -              30           72
n-pentano              -130             36           72
n-hexano                -94             69           86
heptanol –1              -             180          116
n-octano                -57            126          114
n-decano                -30            174          142
n-dodecano              -10            216          170

A partir das informações da tabela, julgue as afirmativas.

 Os alcanos de C1 a C4 são gases à temperatura e
    pressão ambiente pois as forças de Van der Waals
    são pouco intensas entre moléculas apolares
    pequenas.

 Alcanos de cadeia normal possuem P.E. maior que
    o de seus isômeros de cadeia ramificada pois a
    intensidade das forças de atração entre moléculas
    vizinhas depende da simetria molecular.

 O P.E. de alcanos de cadeia normal aumenta com
    o tamanho molecular em conseqüência do aumento
    da superfície de contato entre moléculas e,
    portanto, das forças intermoleculares.

 Nos álcoois e nos alcanos com massas moleculares
    comparáveis (próximas), o P.E. dos álcoois é
    menor que o dos alcanos porque a natureza
    altamente polar da ligação O–H propicia o
    surgimento de forças intermoleculares pouco
    intensas denominadas ligações ponte de
    hidrogênio.




                         5/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
Questão 6                                                                   Espaço   para   rascunho
As entalpias padrão de formação do CO2 e H2O são
-394 e -286 kJ.mol–1, respectivamente. Sabendo-se que a
reação de combustão completa de 0,46g de etanol libera
13700J de calor, nas condições padrão, julgue as
proposições.

 A combustão do etanol pode ser representada pela
    equação termoquímica:
 C2H5OH(l) + 3 O2   (g)                  2 CO2   (g)   + 3 H2O(l)   H0 =
1370kcal.mol1

 A       entalpia              padrão      de         formação       do
    etanol é
    -276 kJ.mol–1.
 O      poder calorífico      ou      energético                     do
    etanol é -29,8 kJ.g–1 ou -7,1 kcal.g–1.
 200 mL de uma “batidinha” contendo 230g de
    etanol/dm3 liberarão 1370 kJ de energia quando a
    quantidade de etanol for queimada nos tecidos da
    pessoa que a ingerir.




Questão 7
Os potenciais-padrão dos eletrodos de cobre e de prata são
dados abaixo:
Cu+ 2     +                    2e                                    Cu
E0 = 0,34 V

Ag+      +                e                                          Ag
 0
E = 0,80 V

A respeito, julgue as afirmações.

 A semi-reação de redução na célula eletroquímica
    resultante da combinação desses dois eletrodos será
    Cu+2 + 2 e                Cu(s) .
 A reação e a voltagem da célula eletroquímica
   serão
      2Ag+ + Cu(s)                       2Ag     (s)   + Cu+2        E0
= 0,46V.

 Se um fio de cobre for mergulhado numa solução
    de nitrato de prata, inicialmente incolor, esta ficará
    azulada e haverá deposição de prata metálica sobre
    o fio.


                               6/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
 Se a concentração de nitrato de prata for
    0,01mol/dm3, o potencial do eletrodo de prata será
    E = 0,80 + 0,059 log 10–2  0,68 V.



Questão 8                                                          Espaço   para   rascunho

O pKa (pKa = logKa) dos ácidos acético e tricloroacético,
a 25ºC, é 4,75 e 0,66 respectivamente. A esse respeito,
julgue os itens.

 A 25ºC, soluções aquosas de ácido acético
    possuem concentração hidrogeniônica maior que
    soluções de ácido tricloroacético de mesma
    concentração.
 O pH de uma solução contendo ácido acético de
    concentração 0,0556 mol/dm3 será dado por
                
     pH   log 10 4,75  5,56 10 2 . 
 Uma solução contendo ácido acético e acetato de
    sódio, ambos na mesma concentração, terá pH
    igual a 4,75.
 Em idênticas condições, uma solução de ácido
    acético ataca o zinco metálico mais rapidamente
    que uma solução de ácido tricloroacético de mesma
    concentração.


Questão 9
A água de coco apresenta características isotônicas em
relação ao sangue humano, não sendo necessário acrescentar
nenhum eletrólito. Outro aspecto importante está relacionado
com o envasamento da água, permitindo conservá-la em
embalagens tetra pak, ou longa vida, como também em
recipientes que mantêm a água a baixas temperaturas.
                                               (Texto adaptado:
   http://www.fotunecity.com/meltingpot/ethiopia/614/index.html)

Em relação à água de coco, julgue as proposições.

 A água de coco é uma solução heterogênea que
    apresenta duas fases, uma sólida e outra líquida.
 Se a água de coco fosse uma solução hipotônica e a
    ela não fosse acrescentado nenhum eletrólito, ela
    poderia romper as hemácias do sangue.
 O fato de a água de coco e o sangue serem misturas
    isotônicas permite concluir que, quando em contato
    uma com a outra, a célula animal tende a se



                         7/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
    contrair, enrugando-se de modo a perder o formato
    original.
 Pode-se definir pressão osmótica como a pressão
    externa que se deve exercer numa solução para
    impedir que, quando em contato com o solvente,
    ela se dilua, devido à passagem do mesmo, através
    de uma membrana semipermeável.
Questão 10                                                      Espaço   para   rascunho
Sais de certos elementos metálicos quando volatilizados
numa chama comunicam-lhe cores características. As cores
dos fogos de artifício exemplificam esse fato. A tabela
abaixo apresenta a cor produzida na chama por cloretos de
alguns metais.

        Elemento                   Cor da chama
           Lítio                 Vermelho-carmim
          Sódio                      Amarelo
         Potássio                    Violeta
          Cálcio                  Vermelho-tijolo
         Estrôncio                  Vermelho
           Bário                      Verde
          Cobre                       Azul

Nos fogos de artifício, uma estrela vermelha, por exemplo,
pode ser feita misturando-se clorato de potássio, cloreto de
estrôncio, serragem de pinus (combustível) e farelo de arroz.

Considerando as informações, julgue os itens.

 Lítio, sódio e potássio são metais do grupo I,
    caracterizados por altos potenciais de ionização,
    que podem ser encontrados em estado livre na
    natureza.
 Elétrons dos metais das famílias 1A e 2A são
    facilmente excitados e quando retornam aos seus
    níveis energéticos normais na estrutura atômica
    emitem a diferença de energia na forma de luz
    visível.
 A substância simples cloro é um gás de cor
    amarelo-esverdeada, de odor desagradável e
    sufocante que pode ser preparada por eletrólise de
    NaCl aquoso ou fundido; e as propriedades do
    elemento químico cloro, pertencente à família dos
    “geradores de sais”, estão estratégica e
    resumidamente dispostas num quadro do 3º período
    da tabela periódica.
 O cloro é um elemento fortemente eletronegativo,
    que ocorre como íon cloreto na água do mar e as
    fórmulas dos sais de metais alcalino e


                        8/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
     alcalino-terrosos do enunciado desta questão são
     LiCl2, KCl3, KClO2 , CaCl, SrCl3 e BaCl4 .




Questão 11                                                     Espaço    para    rascunho

A fórmula química é geralmente usada para representar uma
substância tanto de forma qualitativa quanto quantitativa.
Observe a fórmula da cafeína.

                                    O

                      N

                                        N




                      N                     O
                                    N


A esse respeito, julgue os itens.

 A fórmula descrita é a fórmula estrutural
     simplificada da cafeína e mostra como os átomos
     estão ligados entre si.
 A fórmula estrutural da cafeína evidencia a
     existência de seis ligações  (pi) em sua molécula.
 A fórmula molecular da cafeína é C5H6O2N4 e sua
     massa molecular é 154.
 Um mol de molécula de cafeína contém 8 mols de
     átomos de carbono, 12g de hidrogênio, 32g de
     oxigênio e 4 mols de átomos de nitrogênio.


Questão 12
Eletronegatividade é a tendência mostrada por um átomo em
atrair para si os elétrons da ligação, propriedade que varia
periodicamente com o número atômico. A esse respeito,
julgue os itens.

 Quando as eletronegatividades dos átomos que se
     ligam    são    muito    diferentes,    não    há
     compartilhamento de elétrons e a ligação é iônica,
     como nos casos do cloreto de sódio (sal de
     cozinha) NaCl e do brometo de rubídio RbBr.
 As ligações OS, ClO, HLi, GaF, CaO
     e MgF podem ser classificadas                   como
     predominantemente covalentes.



                          9/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
 A molécula do gás carbônico é apolar, pois o
    momento dipolar de moléculas triatômicas não
    depende apenas da polaridade de suas ligações mas
    também de sua forma geométrica.
 O benzeno, um hidrocarboneto cíclico hexagonal
    insaturado, considerado a base de toda a química
    orgânica, é um bom solvente para o iodo e pode ser
    classificado como substância polar.
Questão 13                                                           Espaço   para   rascunho
Um gás pode ser definido como uma substância
que se expande espontaneamente para preencher uniforme e
completamente o recipiente onde se encontra. Diversas
variáveis podem ser usadas para descrever esse estado da
matéria, porém a pressão, o volume e a temperatura são
especialmente utilizados. Em relação a essas variáveis,
julgue os itens.

 No sistema internacional (SI), as unidades para as
    variáveis de estado pressão, volume e temperatura
    são respectivamente Pa(pascal=N.m–2), m3(metro
    cúbico) e K(Kelvin).

 O gráfico abaixo representa o comportamento de
    um gás ideal à temperatura constante, onde
    PV=constante.
                          V




                                              P

 Se os dois recipientes abaixo estiverem à mesma
    P(pressão) e T(temperatura), a quantidade de
    matéria em A será a metade da quantidade de
    matéria em B.
             (A)                               (B)

                     NH3(g)
Cl2(g)

                   VA=V                                     V B=2V

 4 mols de um gás ideal a 3,10 kPa de pressão e a
    uma temperatura de 298 K ocuparão um volume de
    4197,0 dm3.

         Dado: Considere R = 8,314512 dm3.kPa. K1. mol1




                          10/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
11/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
Questão 14                                                              Espaço    para     rascunho

“Quando o homem voltou sua atenção pela primeira vez para
as transformações químicas?...”

 (José Atílio Vanin. Alquimistas e químicos: o passado, o presente
  e o futuro. São Paulo, Moderna, 1994, p.8 (Coleção Polêmica))

Entre os anos 4000 e 3000 a.C., o conhecimento e o uso de
metais nativos, aqueles encontrados praticamente puros
como o ouro e o cobre, se estenderam à prata e às ligas
naturais de ouro e prata. Aprendeu-se a extrair o cobre e o
chumbo de seus minérios. Experimentando, descobriu-se
que, misturando rocha com carvão e fazendo uma fogueira
dentro de um buraco cavado no solo, havia possibilidade de
separar o metal. Como vários minérios então usados eram
óxidos metálicos, o procedimento descrito determinava a
formação de gás carbônico deixando o metal livre.

A partir dessas informações, julgue os itens.

 As substâncias, consideradas metais por volta
    daquela época, eram assim classificadas por serem
    bons condutores de eletricidade.
 Os metais ouro e cobre, extraídos aos pedaços da
    superfície do solo, só podiam ser trabalhados pelo
    método conhecido à época, o martelamento, que
    lhes conferia a forma desejada e ainda os
    endurecia.
 Ligas metálicas, das quais o aço inoxidável é um
    exemplo, são materiais que contêm dois ou mais
    elementos metálicos, podendo incluir semimetais
    ou não-metais com predominância de elementos
    não-metálicos.
 Em siderúrgicas acontecem a produção e o trabalho
    com o ferro, conforme as reações químicas
    descritas abaixo.
            2 C                +          O2
    2 CO
         Coque        Oxigênio                                       Monóxido de Carbono

         Fe2O3   + 3 CO                                   3 CO 2
+    2 Fe
         Minério    Monóxido                             Gás            Ferro
        de Ferro   de carbono                       carbônico




                         12/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
Questão 15                                                       Espaço   para   rascunho
Na observação dos fatos da história da ciência, um em
especial chama a atenção por sua sutileza: Leonardo da
Vinci (1452-1519) percebeu, quase três séculos antes de
Daniel Rutherford, que o ar não era uma substância pura e
que era consumido tanto na combustão, quanto na
respiração, ressaltando a natureza íntima desses dois
processos: aonde uma chama não pode viver, nenhum
animal que respira vive.

  (Texto adaptado da Revista Química Nova na Escola nº 5, Maio
                                                         1997)

Sobre o elemento químico nitrogênio e sobre as substâncias
que ele constitui, julgue os itens.


 O       nitrogênio é um elemento químico
    representativo, não metálico, que possui número
    atômico 14,0, número de massa 7 e configuração
    eletrônica 1s2 2s2 2p3.
 Pela ação dos raios em dias de tempestade ou nos
    motores de combustão interna, o nitrogênio
    combina-se com o oxigênio, formando o monóxido
    de nitrogênio que, sob intensa radiação solar, é
    reduzido a NO2 .
 Na atmosfera, átomos de nitrogênio bombardeados
    por nêutrons provenientes de raios cósmicos se
    transformam em carbono 14, segundo a equação:
                 7 N  1n      14C  1H
                14     0
                                 6    1


 O isótopo      14
                  C do elemento químico carbono se
    incorpora à cadeia trófica através da fotossíntese e,
    com uma meia-vida de aproximadamente 5600
    anos, se transforma em 14N por emissão beta:
                      14
                       6C    14N  -0e
                               7     1




                        13/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
Questão 16                                                             Espaço   para   rascunho
Foi em 1781 que Joseph Priestley, químico e teólogo inglês,
conseguiu sintetizar água por combustão do hidrogênio
(embora não percebesse que a combustão era a combinação
deste elemento com o oxigênio) mediante aquecimento
explosivo. Esse mesmo cientista descobriu o oxigênio,
demonstrando que as plantas produzem esse gás quando em
presença da luz, fenômeno hoje conhecido por fotossíntese.

 (Samuel M. Branco. Água:origem, uso e preservação. São Paulo,
                      Moderna, 1993, p.18 (Coleção Polêmica))

A partir do texto, julgue os itens.

 Em relação ao balanço energético de uma reação,
     pode-se dizer que, na síntese da água, o gás
     hidrogênio e o gás oxigênio perdem calor
     potencial, tornando-se uma substância mais estável,
     daí a grande quantidade de água na natureza.
 A equação
         Zn(s) + 2HCl(aq)            ZnCl2(aq) + H2(g)
     descreve corretamente a produção do hidrogênio
     em laboratório, utilizando-se zinco metálico e
     ácido clorídrico diluído.
 Na síntese da água, o oxigênio sofre redução,
     sendo o agente oxidante, e o hidrogênio sofre
     oxidação, sendo o agente redutor.
 A água possui a propriedade de combinar-se com
     óxidos de metais alcalinos e alcalino-terrosos,
     formando as bases correspondentes, como mostram
     alguns exemplos:

                   CaO +   H 2O                                  Ca(OH)2
                    Li2O +    H 2O                                 2LiOH




                         14/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
                                  LÍNGUA               PORTUGUESA


  Questões de 1 a 16 – Tipo A


INSTRUÇÃO: Leia atentamente o texto 1 e julgue os itens das questões de 1 a 6.


                                                   Texto 1

                                    O Colocador de Pronomes
          Havia em Itaoca um pobre moço que definhava de tédio no fundo dum cartório. Escrevente. Vinte e três
   anos. Magro. Ar um tanto palerma. Ledor de versos lacrimogêneos e pai duns acrósticos dados à luz no
   Itaoquense, com bastante sucesso.
          Vivia em paz com as suas certidões quando o frechou venenosa seta de Cupido. Objeto amado: a filha
 5 mais moça do coronel Triburtino, o qual tinha duas, essa Laurinha, do escrevente, então nos dezessete, e a do
   Carmo, encalhe da família, vesga, madurota, histérica, manca da perna esquerda e um tanto aluada.
          Triburtino não era homem de brincadeiras. Esgüelara um vereador oposicionista em plena sessão da
   câmara, e desd’aí transformou-se no tutu da terra. Toda a gente lhe tinha um vago medo; mas o amor, que é
   mais forte que a morte, não receia sobrecenhos enfarruscados, nem tufos de cabelos no nariz.
10        Ousou o escrevente namorar-lhe a filha, apesar da distância hierárquica que os separava. Namoro à moda
   velha, já se vê, que nesse tempo não existia a gostosura dos cinemas. Encontros na igreja, à missa, troca de
   olhares, diálogos de flores – o que havia de inocente e puro. Depois, roupa nova, ponta de lenço de seda a
   entremostrar-se no bolsinho de cima e medição de passos na rua d’Ela, nos dias de folga. Depois, a serenata
   fatal à esquina, com o
15                                                    Acorda, donzela ...
   sapecado a medo num velho pinho de empréstimo. Depois, bilhetinho perfumado.
          Aqui se estrepou ...
          Escrevera nesse bilhetinho, entretanto, apenas quatro palavras, afora pontos exclamativos e reticências:

20                                                         Anjo adorado!
                                                            Amo-lhe! ...
                                                                  ?...
            Para abrir o jogo, bastava esse movimento de peão.
            Ora, aconteceu que o pai do anjo apanhou o bilhetinho celestial e, depois de três dias de sobrecenho
25   carregado, mandou chamá-lo à sua presença, com disfarce de pretexto – para umas certidõezinhas, explicou.
            Apesar disso, o moço veio um tanto ressabiado, com a pulga atrás da orelha.
            Não lhe erravam os pressentimentos. Mal o pilhou portas aquém, o coronel trancou o escritório, fechou a
     carranca e disse:
             A família Triburtino de Mendonça é a mais honrada desta terra, e eu, seu chefe natural, não permitirei
30   nunca,  nunca, ouviu? que contra ela se cometa o menor deslize.
            Parou. Abriu uma gaveta. Tirou de dentro um bilhetinho cor de rosa, desdobrou-o.
             É sua esta peça de flagrante delito?
            O escrevente, a tremer, balbuciou medrosa confirmação.
             Muito bem! continuou o coronel em tom mais sereno. Ama, então, minha filha e tem a audácia de o
35   declarar... Pois agora...
            O escrevente, por instinto, ergueu o braço para defender a cabeça e relanceou os olhos para a rua,
     sondando uma retirada estratégica.
             ... é casar! concluiu de improviso o vingativo pai.
            O escrevente ressuscitou. Abriu os olhos e a boca, num pasmo. Depois, tornando a si, comoveu-se e com
40   lágrimas nos olhos disse gaguejante:
             Beijo-lhe as mãos, coronel! Nunca imaginei tanta generosidade em peito humano! Agora vejo com que
     injustiça o julgam aí fora!...


                        15/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
           Velhacamente o velho cortou-lhe o fio das expansões.
            Nada de frases, moço, vamos ao que serve: declaro-o solenemente noivo de minha filha!
45         E, voltando-se para dentro, gritou:
            Do Carmo! Venha abraçar o teu noivo!
           O escrevente piscou seis vezes e, enchendo-se de coragem, corrigiu o erro.
            Laurinha, quer o coronel dizer...
           O velho fechou de novo a carranca.
50          Sei onde trago o meu nariz, moço. Vassuncê escreveu este bilhete à Laurinha dizendo que ama-“lhe” .
     Se amasse a ela deveria dizer amo-“te”. Dizendo amo-“lhe” declara que ama a uma terceira pessoa, a qual não
     pode ser senão a Maria do Carmo. Salvo se declara amor à minha mulher!...
            Oh, coronel...
            ... ou à preta Luzia, cozinheira. Escolha!
55         O escrevente, vencido, derrubou a cabeça, com uma lágrima a escorrer rumo à asa do nariz. Silenciaram
     ambos, em pausa de tragédia. Por fim o coronel, batendo-lhe no ombro paternalmente, repetiu a boa lição da sua
     gramática matrimonial.
            Os pronomes, como sabe, são três: da primeira pessoa – quem fala, e neste caso vassuncê; da segunda
     pessoa  a quem se fala, e neste caso Laurinha; da terceira pessoa – de quem se fala, e neste caso Maria do
60   Carmo, minha mulher ou a preta. Escolha!
                                     (Monteiro Lobato. O Colocador de pronomes. In: Contos pesados. Urupês, Negrinha e
                                                         O macaco que se fez homem. São Paulo: Editora Nacional, 1940)

Questão 1

 A narrativa de Lobato explora caricaturalmente o mundo dos coronéis            – forças políticas locais
      caracterizadas pelo autoritarismo e arbitrariedade.
     A interpretação que o coronel dá ao bilhete mostra que equívocos gramaticais podem resultar em
      equívocos de sentido.
     Na narrativa, o coronel Triburtino é uma personagem contraditória: colérico, mas cordial e receptivo
      a bajulações.
     O namoro entre o escrevente e Laurinha é descrito pelo narrador por meio de estereótipos e clichês.

Questão 2

 A intercalação do parágrafo descritivo entre Pois agora... (. 35) e ... é casar! (. 38), interrompendo
      o fluxo da narrativa, é um recurso usado pelo narrador para recriar a ansiedade do escrevente e para
      produzir um efeito de suspense.
     Nessa narrativa, a seqüência temporal é interrompida pelas constantes evocações da memória das
      personagens.
     O narrador pode ser classificado como objetivo ou neutro, pois apresenta personagens e
      acontecimentos sem manifestar opinião.
     O narrador é contemporâneo dos acontecimentos e os relata à medida em que vão ocorrendo.

Questão 3

 No trecho Escrevente. Vinte e três anos. Magro. Ar um tanto palerma, as frases nominais são
      usadas para compor o perfil da personagem.
 No trecho sapecado a medo num velho pinho de empréstimo. (. 16), há um exemplo de metonímia.
 As expressões pai duns acrósticos e quando o frechou venenosa seta de cupido são casos de
      metáfora.
     O adjetivo celestial (. 24) descreve objetivamente o aspecto sublime e superior da linguagem e do
      conteúdo do bilhetinho.
     O uso da letra maiúscula na forma Ela (. 13) sugere o endeusamento da mulher amada.


                        16/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
Questão 4

 Monteiro Lobato usa a forma frechou para transgredir as normas ortográficas, com o intuito de
     criar uma escrita brasileira.
 A forma frechou é uma variante ortográfica de flechou, ambas dicionarizadas.
 A substituição de [l] por [r] é um fenômeno comum no português não-padrão, produzindo formas
     como ingreis, craru, parma, sar.
    A troca de [l] por [r] é a troca de uma consoante lateral por uma consoante vibrante.


Questão 5

 Substituindo o pronome lhe por dele na oração Ousou o escrevente namorar-lhe a filha, as duas
     formas pronominais funcionam como objeto indireto.
    Na maioria das variedades do português falado no Brasil, empregam-se as formas de tratamento
     você/vocês para designar o interlocutor do discurso ao invés das formas tu/vós.
    Quando se usa você/vocês no lugar de tu/vós, o verbo, os pronomes oblíquos e possessivos
     continuam na segunda pessoa.


Questão 6

 No período Toda a gente lhe tinha um vago medo; mas o amor (...) não receia sobrecenhos
     enfarruscados, nem tufos de cabelos no nariz (. 8 e 9), a segunda oração estabelece com a primeira
     uma relação de conseqüência.
    No trecho Parou. Abriu a gaveta. Tirou de dentro o bilhetinho cor de rosa, desdobrou-o (. 31),
     os períodos coordenados expressam uma sucessão de ações.
    Em Acorda, donzela e Anjo adorado! Amo-lhe!... as locuções grifadas assumem diferentes funções
     sintáticas.
    O emprego de lhe na oração Amo-lhe obedece à regência do verbo amar de acordo com as normas
     gramaticais.


INSTRUÇÃO: Leia atentamente os textos 2 e 3 e julgue os itens das questões 7 e 8.


                         Texto 2                                               Texto 3

    pronominais                                                       Dialeto brasileiro
                                                                Não há nada mais gostoso do que mim
    Dê-me um cigarro
                                                         sujeito de verbo no infinito, Pra mim brincar. As
    Diz a gramática
                                                         cariocas que não sabem gramática falam assim.
    Do professor e do aluno
                                                         Todos os brasileiros deviam de querer falar como
    E do mulato sabido                                 5 as cariocas que não sabem gramática.
    Mas o bom negro e o bom branco
                                                                O erro mais feio de brasileiro é a
    Da nação brasileira
                                                         contração dos pronomes me, te, lhe, nos, vos com
    Dizem todos os dias
                                                         os pronomes o, a, os, as. Ele já mo deu.
    Deixa disso camarada
    Me dá um cigarro                                            As palavras mais feias da língua
                                                      10 portuguesa são quiçá, alhures e miúde.

       (Oswald de Andrade. Obras completas. Rio            (Manuel Bandeira. Dialeto Brasileiro. In: Pinto, Edith
         de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970.)          Pimentel. O Português do Brasil: Textos Críticos e
                                                                       Teóricos. v. 2. São Paulo: Edusp, 1981.)



                          17/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
Questão 7

 Oswald de Andrade e Manuel Bandeira são representantes da primeira fase do Modernismo
    Brasileiro.
 O poema pronominais (texto 2), concretizando os princípios do Manifesto Antropofágico, questiona
    a aceitação passiva de modelos importados e realça a identidade lingüística e cultural brasileira.
   O Modernismo retoma os versos livres e brancos do Romantismo, imprimindo neles os ritmos da fala
    e da prosa.
   O termo sabido (texto 2) reveste-se de uma conotação positiva e elogiosa a uma forma doutoral de
    falar.
   A genuína fala brasileira sai, segundo Oswald e Bandeira, do bom negro e do bom branco (texto 2)
    e das cariocas (texto 3).
   No texto 3, Manuel Bandeira revela predileção por certos preciosismos e arcaísmos que ressoam
    como erudição.

Questão 8

 Os escritores Oswald de Andrade e Manuel Bandeira mostram-se sensíveis aos traços peculiares do
    português falado no Brasil, encorajando a insurreição contra as normas gramaticais.
 No texto 3, o termo assim (. 3) retoma o predicado da oração em que ocorre.
 No texto 3, a norma gramatical contrariada em Para mim brincar é Não se deve usar pronome
    pessoal da forma oblíqua na função sujeito.
   No texto 2, a norma gramatical contrariada em Me dá um cigarro é Não se deve iniciar um
    período com pronome oblíquo átono.

INSTRUÇÃO: Leia atentamente o texto 4 e julgue os itens da questão 9.


                                                  Texto 4

                     Portanto, ilustres e não ilustres representantes da crítica, não se
                     constranjam. Censurem, piquem, ou calem-se como lhes
                     aprouver. Não alcançarão jamais que eu escreva neste meu Brasil
                     cousa que pareça vinda em conserva lá da outra banda, como a
                     fruta que nos mandam em lata. (...)
                     O povo que chupa o caju, a manga, o cambucá e a jabuticaba,
                     pode falar uma língua com igual pronúncia e o mesmo espírito do
                     povo que sorve o figo, a pera, o damasco e a nêspera?

                                 (José de Alencar. Benção Paterna. In: Sonhos de Ouro. São Paulo: Melhoramentos, s.d)


Questão 9
 Envolvidos pelo ideário político da independência, Alencar e outros escritores românticos
    empenham-se na construção da nação brasileira, através da luta pela emancipação da língua e da
    literatura nacionais.
   Na história da literatura brasileira, no percurso que vai do Romantismo ao Modernismo, a bandeira
    da ruptura com o princípio da imitação aos clássicos é empunhada por todas as escolas literárias.
   No segundo parágrafo, Alencar opõe, metonimicamente, por meio das frutas, o ambiente brasileiro
    ao ambiente europeu.
   O texto dá a entender que a língua se adapta ao meio para onde foi levada, mais precisamente aos
    órgãos fonadores e à alma do povo que a fala.




                     18/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
INSTRUÇÃO: Leia atentamente o texto 5 e julgue os itens das questões 10 e 11.



                                                 Texto 5

                            Descobri aos 13 anos que o que me dava prazer nas
                                 leituras não era a beleza das frases, mas a doença
                                 delas.
                            Comuniquei ao Padre Ezequiel, um meu Preceptor,
                                 esse gosto esquisito.
                            Eu pensava que fosse um sujeito escaleno.
                             Gostar de fazer defeitos na frase é muito
                                 saudável, o Padre me disse.
                            Ele fez um limpamento em meus receios.
                            O Padre falou ainda: Manoel, isso não é doença,
                                 pode muito que você carregue para o resto da
                                 vida um certo gosto por nadas...
                            E se riu.
                            Você não é de bugre?  ele continuou.
                            Que sim, eu respondi.
                            Veja que bugre só pega por desvios, não anda em
                                 estradas 
                            Pois é nos desvios que encontra as melhores
                                 surpresas e os ariticuns maduros.
                            Há que apenas saber errar bem o seu idioma.
                            Esse Padre Ezequiel foi o meu primeiro professor de
                                 agramática.



                                               (Manoel de Barros. Livro das Ignorãças. Rio de Janeiro: Record, 1998)



Questão 10

 Nesse texto, Manoel de Barros trata dos materiais de sua poesia: a linguagem e a revificação de suas
    origens familiares, culturais e geográficas.
   O telurismo do poeta é evidenciado pelo uso de palavras como bugre, desvio, ariticuns maduros.
   Manoel de Barros opõe-se aos postulados do Modernismo de 22 quanto aos princípios de construção
    poética.
   O uso de antíteses, o elogio ao desvio e às doenças das frases podem ser tomados como referência
    ao Barroco.



Questão 11

 No texto, as locuções doenças das frases, defeitos na frase e agramática veiculam sentidos
    semelhantes.
   É possível interpretar o sujeito escaleno como um sujeito irregular, anormal e imperfeito.
   Manoel de Barros sugere que errar a/pela língua e poetar são ações antagônicas.
   No texto, o poeta evoca a prática de se recorrer ao padre para abrandar os tormentos da alma.


                     19/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
INSTRUÇÃO: Leia atentamente o texto 6 e julgue os itens das questões 12 e 13.

                                                    Texto 6
                                                     Eiros
       A leitora Elza Marques Marins me escreve uma carta divertida estranhando que “brasileiro” seja o único
adjetivo pátrio conhecido terminado em “eiro” que, segundo ela, é um sufixo pouco nobre. Existem suecos,
ingleses e brasileiros, como existem médicos, terapeutas e curandeiros.(...)
       É a diferença entre jornalista e jornaleiro ou entre músico ou musicista e roqueiro, timbaleiro ou seresteiro.
Há o importador e há o muambeiro. “Se você começou como padeiro, açogueiro ou carvoeiro” – escreve Elza – “as
chances são mínimas de acabar como advogado, empresário, grande investidor ou latifundiário, a não ser que se dê
o trabalho de ser político antes”. Aliás, há políticos e politiqueiros. (...)

                                                                   (Luís Fernando Veríssimo. Jornal do Brasil, 7/10/95.)

Questão 12

 Segundo a leitora, alguns morfemas funcionariam como indicadores de status.
 O jornalista apresenta argumentos que contrariam a hipótese levantada pela leitora.
 De acordo com o texto, suecos e ingleses estão para médicos e terapeutas, assim como brasileiros
     estão para curandeiros.
    A teoria da leitora ganharia força, caso se recorresse ao par banqueiro/bancário.
    Na opinião da leitora de Veríssimo, o ciclo da pobreza poderia ser rompido por meio da carreira
     política.


Questão 13

 Os termos jornalista, jornaleiro, terapeutas e curandeiros são formados pelo processo de derivação
     parassintética.
    A forma -eiro tem o mesmo significado em todas as suas ocorrências no texto.
    O morfema -eiro é usado exclusivamente para formar adjetivos a partir de substantivos.



INSTRUÇÃO: Leia atentamente o texto 7 e julgue os itens da questão 14.


                                                    Texto 7

               Agora in Brasile, la mejor Parker Collection du monde.

                                       Gracias à abertura da nossa
                                       economia, a Parker do Brasil ha
                                       portato a tutti noi la crème de la
                                       crème das Parkers do mundo:
                                       Duofold                Centennial,
                                       Premier, 95, 88, 180 e mucho
                                       más.
                                       I tutto para você pagar com
                                       money brasileiro. Come on,
                                       venga a buscar la suya.
                                       Perché si non vous puede ficar
                                       sem, capisci?

                        20/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
                                                                        (Revista Veja/SP)
Questão 14

 A fábrica de canetas Parker explorou o fenômeno da globalização lingüística, cultural e econômica
     para lançar seu produto no mercado brasileiro.
    As palavras estrangeiras funcionam, no texto, como argumentos a favor da simplicidade do produto
     anunciado.
    As palavras gracias, tutto e monde são formadas a partir de radicais presentes nas palavras
     correspondentes do português.
    O fato de o espanhol, o italiano e o francês, assim como o português, serem línguas neo-latinas
     facilita a compreensão da mensagem veiculada pela propaganda.
    O sentido de money e come on é evidente no texto, porque a língua inglesa é também uma língua
     neo-latina.
    Na Babel global, recriada por esse texto, a confusão de línguas também impede a comunicação.



INSTRUÇÃO: Leia atentamente o texto 8 e julgue os itens das questões 15 e 16.



                                                   Texto 8


       Invasão de língua estrangeira tem várias razões. Uma é o prestígio. O inglês avançou nas nossas fronteiras
porque é falado pela maior potência do planeta, que vende como ninguém sua música, seu cinema, sua televisão,
sua literatura, sua tecnologia e o american way of life. Outra é a receptividade. Nós, já dizia Gláuber Rocha, temos
complexo de vira-lata. O que vem de fora é melhor.
       (...)
       Hoje aportuguesamos termos que nem sonhavam figurar no Aurélio. A informática serve de exemplo.
Deletar tomou a vez do velho apagar. Printar expulsou o imprimir. Startar cassou o começar. É isso. Quem não
aderiu se tornou out. Que corra atrás do prejuízo. Peça help. E vire in.

                                                                (Dad Squarisi. Revista Exame, 18 de nov. 1998, p. 170.)



Questão 15

 Dizer que os brasileiros têm complexo de vira-lata significa dizer que eles sofrem de xenofobia.
 Segundo Squarisi, é a ascendência cultural, e não econômica, que determina o prestígio de uma
     língua sobre as outras.
    Na propaganda da Parker (texto 7) e no texto de Dad Squarisi, lida-se com a presença de vocábulos
     estrangeiros no português de modo igualmente positivo.


Questão 16

 O aportuguesamento do vocabulário da informática em deletar, printar e startar é meramente
     semântico.
    As expressões “se tornou out” e “vire in” significam respectivamente “estar por fora” e “ficar por
     dentro”.
    O léxico do português brasileiro tem sido ampliado pela entrada e acomodação de estrangeirismos.




                        21/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001
                                                    REDAÇÃO




INSTRUÇÃO: Na elaboração da redação, poderá ser usada a página de rascunho, mas o texto deverá
          ser transcrito na página do texto definitivo do Caderno de Redação, com caneta
          esferográfica de tinta preta.


Leia atentamente os textos.


                          I                                                         II
                  Pela Internet
                                                                      A criatividade verdadeira é o que há de
Criar meu website                                           individual em você. Você está sendo criativo
Fazer minha home-page                                       quando explora seu eu interior e descobre quem
Com quantos gigabytes                                       você é e o que você quer fazer. Mas a Internet não
Se faz uma jangada                                          pode levar você a fazer isso. Os gurus da
Um barco que veleje                                         computação que estão por trás da Internet nos
                                                            dizem que as máquinas podem nos tornar mais
Que veleje nesse infomar                                    criativos. Não é verdade. Eles nos contam essa
Que aproveite a vazante da infomaré                         lorota porque podem ganhar milhões de dólares
Que leve um oriki do meu velho orixá                        com ela.
Ao porto de um disquete de um micro em Taipé.

          (Gilberto Gil, cantor e compositor brasileiro.)                (Ray Bradbury, escritor norte-americano.)




                        III                                                        IV
      Pela primeira vez na história, temos um                      O aiatolá Hussein Ali Montazeri é um dos
endereço que não nos vincula a um lugar. As                 dissidentes mais populares do Irã e se encontra em
sociedades do passado eram compostas de                     prisão domiciliar desde 1997. Não pode mais pôr os
indivíduos que tinham referências de lugar. As              pés na rua. Sua casa é vigiada dia e noite por
relações sociais dependiam antes de tudo da                 soldados. Visitas, só de parentes próximos. Mesmo
distância. Estamos nos tornando uma sociedade               diante de tantos cuidados, arranjou um jeito de
capaz de mudar suas relações sociais e se libertar          driblar o cerco dos turbantes negros. Criou uma
das restrições que a oprimem, porque a Internet é           página na Internet na qual expõe em persa suas
um espaço compartilhado, que pode nos educar                idéias sobre política e religião.
sobre cidadania.

        (Michel Serres, filósofo e matemático francês.)                     (Ana Santa Cruz, repórter da VEJA.)




                                                    PROPOSTA

             Os textos sugerem diferentes dimensões das relações interpessoais na
               contemporaneidade. Produza um texto verbal que explore uma ou
                         mais das dimensões sociais representadas.


                        22/21 – QUÍMICA/LÍNGUA PORTUGUESA/REDAÇÃO – UFMT/2001

								
To top